Você está na página 1de 48

OBJETIVOS

• DEFINIÇÃO ANEMIA E CLASSIFICAÇÃO


• FISIOPATOLOGIA
• APRESENTAÇÃO CLÍNICA
• EXAMES COMPLEMENTARES
• ANEMIA FERROPRIVA
• ANEMIA DAS DESORDENS SISTÊMICAS
• ANEMIA MEGALOBLÁSTICA
• ANEMIA FALCIFORME
• TALASSEMIAS
• ENCAMINHAMENTO
ANEMIA
• EXISTÊNCIA DE UM ESTADO DE QUEDA DA HEMOGLOBINA NO SANGUE
• ANEMIA NÃO É UMA DOENÇA, E SIM UM SINAL DE QUE EXISTE UMA DOENÇA

Por que esse paciente está doente?


HEMATOPOIESE
HEMOGLOBINA
HEMOGLOBINA
APRESENTAÇÃO CLÍNICA
• DISPNEIA AOS ESFORÇOS • DESCOMPENSAÇÃO DCV
• PALPITAÇÕES, TAQUICARDIA • DESCOMPENSAÇÃO D. CEREBROVASCULARES
• INTOLERÂNCIA AO ESFORÇO • DESCOMPENSAÇÃO D. RESPIRATÓRIAS
• ASTENIA
• TONTURA POSTURAL
• CEFALEIA
INVESTIGAÇÃO ETIOLÓGICA
• ANAMNESE:
• TEMPO DE INSTALAÇÃO DOS SINTOMAS
• SINTOMAS ASSOCIADOS
• EXAME FÍSICO:
• GLOSSITE E QUEILITE ANGULAR
• ICTERÍCIA E ESPLENOMEGALIA
• PETÉQUIAS
• DEFORMIDADES ÓSSEAS FACE/CRÂNIO
INVESTIGAÇÃO ETIOLÓGICA
CLASSIFICAÇÃO
ANEMIA FERROPRIVA

• CARÊNCIA DE FERRO
• NUNCA É DIAGNÓSTICO FINAL (BUSCAR A CAUSA: SANGRAMENTOS SÃO PRINCIPAL CAUSA)
FERRO

Hemácias Ferritina Hemossiderina Transferrina


FERRO

Forma heme Forma não-heme


• Ferrosa Fe2+ • Férrica Fe3+
FATORES EXTRÍNSECOS

• FORMA QUÍMICA (HEME X NÃO-HEME)


• COMPOSIÇÃO DA DIETA
• FATORES ESTIMULADORES: ÁCIDO ASCÓRBICO
• FATORES INIBIDORES: MINERAIS (CÁLCIO), FITATO E COMPOSTOS FLAVONÓIDES
FATORES INTRÍNSECOS

• SITUAÇÕES FISIOLÓGICAS
• SITUAÇÕES DE DEFICIÊNCIA NUTRICIONAL
• SITUAÇÕES DE BAIXA ACIDEZ GÁSTRICA
PREVALÊNCIA ANEMIA FERROPRIVA

• 90% DAS ANEMIAS SÃO POR DEFICIÊNCIA DE FERRO


• PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO: PREVALÊNCIA EM CRIANÇAS E GESTANTES > 50%
• PAÍSES DESENVOLVIDOS: TAXAS MENORES E GRUPOS DE RISCO PARA ANEMIA
PREVALÊNCIA BRASIL

• GRUPOS DE RISCO: CRIANÇAS DE 6-24 MESES, GESTANTES, ATÉ 3 MESES PÓS-PARTO

• DIFERENTE DA DESNUTRIÇÃO: ANEMIA EM TODAS AS CLASSES DE RENDA


CRIANÇAS
• ÚLTIMO TRIMESTRE GESTAÇÃO X ARMAZENAMENTO DE FERRO
• LEITE MATERNO X BIODISPONIBILIDADE DO FERRO
• 6 – 24 MESES
• AMAMENTAÇÃO PROLONGADA E INTRODUÇÃO PRECOCE DE LEITE DE VACA
• MENOR RESISTÊNCIA A INFECÇÕES, PREJUDICA O CRESCIMENTO, A LINGUAGEM, PRODUTIVIDADE,
DESENVOLVIMENTO COGNITIVO
• TRATAR X PREVINIR
GESTANTE

• MAIOR DEMANDA DE ENERGIA E NUTRIENTES


• MAIOR RISCO DE MORBIDADE E MORTALIDADE FETAL E MATERNA
• RISCO DE PARTO PREMATURO E BAIXO PESO AO NASCER
• GESTANTES ADOLESCENTES
ANEMIA FERROPRIVA: CAUSAS
• DEFEITOS NA ABSORÇÃO
• GASTRECTOMIAS
• MAL ABSORTIVAS (DOENÇA CELÍACA)
• CARÊNCIA
• PERDAS
• GESTAÇÃO, DISTÚRBIOS MENSTRUAIS, PARASITOSES, HEMORROIDAS, DOENÇA PÉPTICA, CA DE CÓLON
ANEMIA FERROPRIVA
• GLOSSITE, QUEILITE ANGULAR, PERVERSÃO DO APETITE, ANOREXIA, IRRITABILIDADE
• COMEÇA NORMO-NORMO, PASSA A SER MICRO-HIPO
• TROMBOCITOSE 500.000
• RDW >14% (DIFERENCIA TALASSAMIA MENOR, NORMAL)
• FE<
LABORATÓRIO

• FE SÉRICO
• TRANSFERRINA SÉRICA E SATURAÇÃO DE TRANSFERRINA
• FERRITINA
ANEMIA FERROPRIVA: EVOLUÇÃO

Depleção dos Eritropoiese


Anemia ferropriva
estoque de Ferro deficiente em ferro
DEPLEÇÃO DOS ESTOQUE DE FERRO
• BALANÇO NEGATIVO;
• DIMINUIÇÃO DA FERRITINA PROGRESSIVAMENTE;
• MANUTENÇÃO DO FE SÉRICO E ST
• DURA ATÉ ACABAR OS ESTOQUES DE FERRO
ERITROPOIESE DEFICIENTE EM FERRO

• VALOR MÍNIMO DA FERRITINA <15 (AUSÊNCIA DE FERRO NA MEDULA)


• DIMINUI FE (<60), E SATURAÇÃO DE TRANSFERRINA <20%
• ANEMIA LEVE 10-12 NORMO NORMO
ANEMIA FERROPRIVA
• FE<30, SATFE<15%
• HB 8-10
• MICRO-HIPO
• RDW>16% ANISOCITOSE

• HB<8 -> HIPERPLASIA ERITROIDE COM DISTÚRBIO NA MATURAÇÃO


ANEMIA FERROPRIVA
ANEMIA FERROPRIVA: TRATAMENTO

• BAIXA EFICÁCIA DE MEDIDAS DIETÉTICAS;


• 60MG DE FERRO ELEMENTAR (OU 300MG DE SULFATO FERROSO) 3-4X POR DIA;
• 5MG/KG/DIA DIVIDIDO EM 3 TOMADAS;
• 1-2 HORAS ANTES DE REFEIÇÃO, JUNTO COM SUCO DE CÍTRICOS E LONGE DE AMAMENTAÇÃO.
ANEMIA FERROPRIVA: TRATAMENTO
• HB E HT COMEÇAM A SUBIR EM 2 SEMANAS;
• MANTER 3-6 MESES APÓS NORMALIZAÇÃO, FERRITINA SÉRICA >50NG/ML
• FALHA NO TRATAMENTO:
• DIAGNÓSTICO ERRADO;
• ANEMIA MULTIFATORIAL;
• MÁ ADESÃO;
• PERDA MAIOR QUE REPOSIÇÃO;
• FE NÃO ABSORVIDO (DOENÇA CELÍACA)
ANEMIA FERROPRIVA

• EDUCAÇÃO NUTRICIONAL
• FORTIFICAÇÃO DE ALIMENTOS
• PROGRAMA NACIONAL DE SUPLEMENTAÇÃO DE FERRO
ANEMIA DE CAUSAS SISTÊMICAS
• DOENÇAS CRÔNICAS (INFLAMATÓRIAS)
• IRC
• HEPATOPATIAS
• ENDOCRINOPATIAS (HIPER/HIPOTIREOIDISMO)
• OCUPAÇÃO MEDULAR
ANEMIA DE DOENÇAS CRÔNICAS

• DOENÇAS COM AUMENTO DE CITOCINAS PRÓ-INFLAMATÓRIAS;


• INFECÇÕES SUB-AGUDAS OU CRÔNICAS; (OSTEOMIELITE, TUBERCULOSE, PNEUMONIA, HIV);
• DOENÇAS INFLAMATÓRIAS NÃO INFECCIOSAS (LES, ARTRITE, VASCULITE);
• NEOPLASIAS
ANEMIA MEGALOBLÁSTICA

• BLOQUEIO NA SÍNTESE DE DNA;


• MACROCITOSE E HIPERSEGMENTAÇÃO DO NÚCLEO DE NEUTRÓFILOS
• ASSOCIAÇÃO COM MANIFESTAÇÕES TGI OU DO SNC
Deficiência •

Alcoolismo, anorexia
Gestação, hemólise, câncer, doenças esfoliativas

de Folato •

D. Celíaca, espru, Fenitoína barbutúricos
MTX, Pirimetamina, álcool

Deficiência • Acloridria, def. fator intrínseco (anemia perniciosa)


• Insuf. Pancreática, alteração mucosa ileal (chron, linfoma
de Vit B12 intestinal).
LABORATÓRIO
• MUDANÇAS PROGRESSIVAS, ESTABELECE-SE DE FORMA INSIDIOSA
• VMC BASTANTE AUMENTADO, 110-140
• CHCM NORMAL
• AUMENTO DE RDW
• PODE TER NEUTROPENIA E TROMBOCITOPENIA LEVE
• HIPERSEGMENTAÇÃO DO NÚCLEO DE NEUTRÓFILOS NO ESFREGAÇO

Megaloblástica + Ferropriva/talassemia pode dar VCM normal


DOSAGEM COBOLAMINA E FOLATO
• VITAMINA B12 – NORMAL ENTRE 200-900. ACIMA DE 300 TORNA IMPROVÁVEL.

• FOLATO: NORMAL ENTRE 2,5 A 20. ACIMA DE 4 PRATICAMENTE EXCLUI, ABAIXO DE 2 CONFIRMA.

• ANTI-CORPO ANTIFATOR INTRÍNSECO QUANDO CONFIRMADO CARÊNCIA DE B12


TRATAMENTO

COBALAMINA: 1000 U IM 1X/DIA POR 1 SEMANA; 1X/SEM POR 1 MES; 1X AO MÊS.

1-5MG/DIA VO. CASO PROBLEMA NA ABSORÇÃO, PODE USAR 15MG.


HEMOLÍTICAS
• 1- LEVE ICTERÍCIA (ASSOCIADA À PALIDEZ);
• 2- ESPLENOMEGALIA;
• 3- HISTÓRIA FAMILIAR POSITIVA DE ANEMIA;
• 4- USO DE MEDICAMENTOS;
• 5- URINA AVERMELHADA OU MARROM (HEMOGLOBINÚRIA).
HEMOLÍTICAS
• NORMO NORMO (PODE SER MACROCÍTICA)
• LDH (MEDIA DE 580; NORMAL ATÉ 240);
• BILIRRUBINA INDIRETA AUMENTADA ATÉ MÁXIMO DE 5MG/DL
• COOMBS DIRETO (AVALIAR AHAI)
• RETICULOCITOSE
HEMOGLOBINOPATIAS
• TALASSEMIAS
• B MAIOR, MENOR E INTERMEDIÁRIA
• ALFA TALASSEMIAS; HIDROPSIA FETAL, DOENÇA DE HEMOGLOBINA H, ALFATALASSEMIA MINOR

• SÃO HIPO-MICRO SEM MUDANÇA NA DINÂMICA DO FERRO.


• ELETROFORESE DE HEMOGLOBINA
PROTOCOLO ENCAMINHAMENTO

• NÃO ENCAMINHAR PACIENTES COM TRAÇO FALCIFORME OU TALASSÊMICO ALFA


• NÃO ENCAMINHAR PACIENTES COM TALASSEMIA BETA MENOR (TRAÇO TALASSÊMICO BETA)
PROTOCOLO ENCAMINHAMENTO

• SERVIÇOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA:
• ANEMIA SINTOMÁTICA E/OU INSTABILIDADE HEMODINÂMICA
• DOENÇA FALCIFORME COM CRISE ÁLGICA OU OUTROS SINAIS DE GRAVIDADE
• PRESENÇA DE CITOPENIAS CONCOMITANTES COM CRITÉRIOS DE GRAVIDADE
PROTOCOLO ENCAMINHAMENTO

• HEMATOLOGISTA:
• SUSPEITA OU DIAGNÓSTICO DE DOENÇA FALCIFORME
• SUSPEITA OU DIAGNÓSTICO DE TALASSEMIA
• SUSPEITA OU DIAGNÓSTICO DE OUTRAS ANEMIAS HEMOLÍTICAS
• ANEMIA POR CAUSA DESCONHECIDA APÓS INVESTIGAÇÃO INCONCLUSIVA NA APS
PROTOCOLO ENCAMINHAMENTO
• DEVE CONTER:
• SINAIS E SINTOMAS
• RESULTADO DE HEMOGRAMA COMPLETO E PLAQUETAS
• SE SUSPEITA/DIAGNÓSTICO HEMOGLOBINOPATIAS  RESULTADO DE ELETROFORESE
• EXAMES COMPLEMENTARES REALIZADOS
• TRATAMENTO PRÉVIO E ATUAL PARA ANEMIA
• PRESENÇA DE COMORBIDADES
REFERÊNCIAS

• CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA – N 20: CARÊNCIAS DE MICRONUTRIENTES (MINISTÉRIO DA SAÚDE,


2007)
• PROTOCOLOS DE ENCAMINHAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA PARA A ATENÇÃO ESPECIALIZADA:
HEMATOLOGIA (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2016)