Você está na página 1de 11

HISTORIA DE LA MEDICINA:

ORIENTE. MESOPOTAMIA. EGIPTO.


ISRAEL. PERSIA, LA INDIA Y CHINA

“Nada se sabe da sua arte


aquele que desconhece a sua
história.” (GOETHE)

Alumno: José Odenir Canali Júnior


INTRODUÇÃO:
 A Medicina é a ciência e arte de curar. Ela engloba uma
variedade de práticas de saúde evoluíram para manter e
restaurar a saúde através da prevenção e tratamento da
doença. Todas as sociedades humanas têm crenças médicas
que fornecem explicações para o nascimento, morte e
doença. Ao longo da história, a doença tem sido atribuída a
feitiçaria, demônios, a influência astral adverso, ou a
vontade dos deuses.
 Os primeiros registros sobre medicina foram descobertos a
partir de medicina antiga egípcio, babilônico medicina,
medicina ayurvédica (no subcontinente indiano), a medicina
chinesa clássica (predecessor da tradicional medicina
chinesa moderna), e antiga medicina grega e romana
medicina .
PRÉ-HISTÓRIA DA MEDICINA

 Medicina pré-histórica plantas incorporados


(itoterapia), partes de animais e minerais. Em muitos
casos, esses materiais foram utilizados substâncias
ritualmente como mágicos por sacerdotes, xamãs ou
curandeiros. É claro que as sociedades pré-históricas
acreditavam em ambos os meios naturais e
sobrenaturais de variavelmente causando e
tratamento da doença. Materiais vegetais (ervas e
substâncias derivadas de fontes naturais), estavam
entre os tratamentos para as doenças em culturas pré-
históricas.
MEDICINA EGÍPCIA
 O egípcio Imhotep (2667 – 2648 aC) é o primeiro médico na história
conhecida pelo nome. A primeira cirurgia conhecida no Egito foi realizada no
Egito em torno de 2750 aC. O Kahun Gynaecological Papyrus trata queixas
das mulheres, incluindo problemas com a concepção. Trinta e quatro casos
detalhando diagnóstico e tratamento sobrevivem, alguns deles
fragmentariamente. Datado de 1800 aC, é o mais velho sobrevivente texto
médico de qualquer tipo.
 Instituições médicas, conhecido como Casas da Vida são conhecidos por terem
sido estabelecida no antigo Egito, logo no primeiro Dynasty.
 Heródoto descreveu os egípcios como “o mais saudável de todos os homens, ao
lado dos líbios”, devido ao clima seco e o sistema de saúde pública notável que
eles possuíam. Segundo ele, “a prática da medicina é tão especializada entre
eles que cada médico é um curandeiro de uma doença e não mais.” Embora a
medicina egípcia, em boa medida, de que trata o sobrenatural, ele acabou
desenvolvendo um uso prático nas áreas de anatomia, saúde pública, e
diagnósticos clínicos. Além das diversas técnicas de embalsamamento, que
até hoje assombram a humanidade e de possuírem, segundo Heródoto um
medicina praticada por diversos especialistas os médicos egípcios dominavam
uma vasta farmacopéia que incluía desde as esquisitas medicinas de bolores e
excrementos (a farmácia da sujeira precursora das substancias antibióticas,
até as plantas medicinais até hoje utilizadas em todo o mundo como mirra,
romã, linhaça, erva – doce, alho, sene, rícino, alface, heléboro, papoula entre
outras.
MEDICINA MESOPOTÂMICA

 Os mais antigos textos babilônicos na data da medicina


remonta ao período babilônico antigo na primeira metade
do segundo milênio aC. O mais extenso texto médico da
Babilônia, no entanto, é o Manual de Diagnóstico por escrito
pelo médico-Esagil-kin apli de Borsippa, durante o reinado
do rei babilônico Adad-apla-iddina (1069- 1046 aC). Junto
com a medicina egípcia contemporânea, os babilônios
introduziu os conceitos de diagnóstico, prognóstico, exame
físico, e prescrições médicas.
 Além disso, o Manual de Diagnóstico introduzidos os
métodos de terapia e etiologia e a utilização de empirismo,
lógica e racionalidade no diagnóstico, prognóstico e
tratamento. O texto contém uma lista de sintomas médicos
e observações empíricas frequentemente detalhados,
juntamente com regras lógicas usadas em combinação de
sintomas observados no corpo de um paciente com o
diagnóstico e prognóstico.
MEDICINA INDIANA

 O Atharvaveda, um texto sagrado do hinduísmo que datam do início


da Idade do Ferro , é o primeiro texto indiano lidar com a medicina,
como a medicina do Antigo Oriente Próximo com base em conceitos do
exorcismo de demônios e magia. O Atharvaveda também contêm
prescrições de ervas para várias doenças.
 O uso de ervas para tratar doenças mais tarde iria formar uma
grande parte da Ayurveda.
 No primeiro milênio aC, surge no pós-védica Índia o sistema de
medicina tradicional conhecida como Ayurveda, que significa
“conhecimento completo
 para uma vida longa”. Seus dois textos mais famosos pertencem às
escolas de Charaka, nascido c. 600 aC, e Sushruta, nascido 600 BCE.
Os primeiros fundamentos da Ayurveda foram construídas sobre uma
síntese das práticas tradicionais de ervas, juntamente com um
acréscimo enorme de conceituações teóricas, novas nosologias e novas
terapias que datam de cerca de 400 aC em
 diante, e saindo das comunidades de pensadores que incluíram a
Buda e outros.
MEDICINA CHINESA

 A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) tem uma história


muito antiga e rica, e é a terceira forma de medicina mais
antiga. Apenas a medicina Egípcia e a Babilónica são
anteriores. O facto da MTC existir à milhares de anos e
ainda ser usada nos dias de hoje é uma prova do seu valor
como forma de tratamento. A MTC foi pouco desenvolvida
em outras civilizações do mundo, essencialmente devido ao
isolamento da China. Contudo, com a abertura da China
em 1972, a MTC começou a espalhar-se pelo Ocidente. A
MTC foi sendo moldada com o tempo por muitos factores,
incluindo a cultura, filosofia, politica, religião e ciência.
 O desenvolvimento da MTC nem sempre foi construído
sequencialmente baseado no conhecimento da Dinastia
anterior. A maneira como os indivíduos praticavam a MTC
foi influenciada largamente pelo ponto de vista dos
professores.
MEDICINA CHINESA

 Durante este período, começaram a formar-se diferentes


clãs, e a sobrevivência foi baseada nas lutas com a
natureza. Como os habitantes mais antigos caçavam por
comida, descobriram que alguns alimentos poderiam aliviar
uma doença enquanto outros eram venenosos e podiam
causar a morte.
 A descoberta do fogo foi especialmente importante porque
permitiu que as pessoas pudessem comer alimentos
cozinhados que são mais facilmente digeridos. Ao mesmo
tempo, as gerações do fogo conduziram a outras
descobertas. Começaram a ser observados os primeiros usos
de ervas, acupunctura, e moxibustão para curar doenças.
Enquanto usavam pedras quentes para se aquecerem, os
habitantes aperceberam-se que ao apertá-las contra
algumas partes do corpo, podia ajudar a aliviar algumas
doenças. Também descobriram que ao usarem agulhas
feitas de osso e espetá-las em pontos particulares podia
aliviar a dor noutras áreas do corpo.
O IMPERADOR AMARELO E O
IMPERADOR DO FOGO
O IMPERADOR AMARELO E O
IMPERADOR DO FOGO

 Duas lendas bem conhecidas nessa altura foram


a do Imperador amarelo, cujo nome foi Huang Di,
e o Imperador do fogo ao qual foi dado o titulo
Shennong. Shennong tinha muitos significados
em Chinês, tais como “agricultor divino”, o
“marido celestial”, e uma interpretação mais
moderna como um doutor distinto. Não está claro
se estes imperadores realmente existiram, mas
alguns historiadores datam a sua existência
entre 2500 a 2700 AC. Ambas estas figuras
importantes são autores de dois livros muito
conhecidos que têm contribuído
significativamente para a Medicina Tradicional
Chinesa.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 http://semiologiamedica.blogspot.com.br
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria
_da_medicina
 http://www.medicinachinesapt.com/historia.
html
 http://historiadomundo.uol.com.br/arabe/ar
abes.htm