Você está na página 1de 4

Absorção Distribuição Biotransformaçaõ Eliminação

•Inalatória • Paration •Principalmente hepática •Principalmente urinária


Sistemas: Dearilação e - 4-nitrofenol
•Oral
- Hematopoiético dealquilação: - 4-nitrofenol
•Dérmica - Nervoso - Dimetiltiofosfato glicuronídeo
- Cardiovascular - Desmetilparation - Dimetilfosfato
- Reprodutivo Oxidação: - Dimetiltiofosfato
Acumula-se no fígado, rins e - 4-nitrofenol
tecido adiposo. - Paraoxon
•Paraoxon - Dimetiltiofosfato
- Pulmão
- Cérebro
- Intestino
O paration e seu produto de biotransformação, o paraoxon, são capazes de inibir as enzimas
T
O butirilcolinesterase e acetilcolinesterase. Esta é responsável pela hidrólise do neurotransmisor
X acetilcolina, que começa então a acumular-se. Após uma exposição intensa e aguda, inicia-se
I uma síndrome colinérgica. Quando a exposição é de baixa intensidade e se dá ao longo de
C anos, tem-se sintomas de uma intoxicação crônica.
O
Bradicardia, hipersalivação, miose, hipotensão, diarreia, rinorreia,
D
I Aguda lacrimação excessiva, visão embaçada, entre outros sintomas
N colinérgicos.
Sintomas da
 Acometimento dos sistemas hematológico, endócrino (aumento do
Intoxicação
M Crônica risco em desenvolver diabetes mellitus tipo II), imunológico,
I
hepatotoxicidade, genotoxicidade, distúrbios neurológicos (ex.:
C
A depressão, transtornos de humor, insônia e apatia), entre outros.
Paration
e paraoxon
inibem colinesterases

Acetilcolinesterase hidrolisaria
neurotransmissor acetilcolina, que
passa então a acumular-se.
Exposição Exposição de baixa intensidade
intensa e aguda durante anos
Bradicardia, hipersalivação, Acometimento dos sistemas
miose, hipotensão, hematológico, endócrino,
diarreia, rinorreia, imunológico, hepatotoxicidade,
lacrimação excessiva, visão genotoxicidade, distúrbios
embaçada, entre outros sintomas neurológicos, entre outros.
colinérgicos