Você está na página 1de 30

Caracterização e Aplicações

do Gesso na Construção Civil


Uma análise química, mecânica, e morfológica.
Caracterização
Química
Mecânica
Morfológica
Química do Gesso
 Fórmula química: CaSO4 .0,5H2O
 Processo de obtenção
Extração do gipso (CaSO4.2H2O)
Uma rocha sedimentar que apresenta basicamente em sua composição a
gipsita, a anidrita e algumas impurezas, geralmente argilominerais,
calcita, dolomita e material orgânico.
Preparação para calcinação
A gipsita recebe beneficiamentos para adequação ao tipo de forno a ser
calcinada (britagem, moagem grossa; estocagem; secagem; moagem fina
e acondicionamento).
Calcinação (140 °C à 160 °C)
CaSO4.2H2O + 23,81 cal/g -> CaSO4 .0,5H2O + 1,5H2O
Química do Gesso
 Solubilidade: 1.8g/L
 Densidade: >700 Kg/cm3 (NBR 12127)
 Dureza: >30N/mm2 (NBR 12129)
 Valor do PH: 6 +/- 0,5 (NBR 13207/94)
 Óxido de cálcio(CaO): mín 38% (NBR 13207/94)
 Anidrido sulfúrico(SO3): mín 53% (NBR 13207/94)
 Produto não tóxico, não inflamável e inodoro.
Mecânica do Gesso
 Resistência à compressão
Fórmula:

>8,4 Mpa (NBR 12129)


Mecânica do Gesso
 Resistência à flexão
Fórmula:

>3 MPa (NBR 12129)


Resistência à Flexão x Perda de Água
Morfologia do Gesso
O gesso é um material branco fino que em contato com a água se hidrata, num
processo exotérmico, formando um produto não hidráulico e rijo.
Morfologia do Gesso
 O gesso apresenta uma morfologia composta por cristais
Hábito
Lamelares(Espalmado, em forma de tablete)
Alongado(Formato de agulha)
Superfície
Lisa
Irregular

Morfologia de cristais de gesso de uma placa gypsum drywall


Processo Produtivo do Gesso
 O processo de produção do gesso consiste basicamente em três etapas:
 Extração e tratamento da matéria prima
 Hidratação
 Secagem
Extração e Tratamento da
Matéria Prima:
O mineral gipso, comercialmente conhecido como “gesso natural” ou
simplesmente gipsita, é constituído principalmente do mineral gipsita e que pode
conter anidrita de fórmula CaSO4 e minerais acessório como calcita, dolomita e
cloreto de sódio. Após a extração desse mineral, é feita sua calcinação,
pulverização, ensilagem e acondicionamento.

Sulfato Hidratado de Cálcio Monoclínico


Hidratação
O gesso já em pó, em contato com a água volta a se hidratar, retornando
ao dihidrato, um sólido de estrutura cristalina. Esse endurecimento (cristalização)
se dá através de núcleos que vão se expandindo. O tamanho dos cristais depende
das impurezas do gesso, dos aditivos usados (geralmente controladores do tempo
de pega) e das condições de cristalização. Em geral, um dihidrato com cristais
grandes tem menor resistência mecânica que um com cristais menores.
Hidratação
A reação de hidratação, ou seja, de endurecimento do gesso, inversa a
processo de calcinação, é de onde resulta a pasta do gesso que pode ser
trabalhada para seus diversos fins. Na prática, a quantidade de água utilizada varia
em função do tempo de pega que se deseja obter.
Secagem
 O endurecimento completo ocorre depois que o excesso de água evaporou,
deixando os poros.
 O tempo de pega se relaciona diretamente com o tempo necessário para
que os cristais de gipsita estejam presentes em número suficiente, capazes de
suportar tensões.
 Dependendo do processo de calcinação da gipsita obtém-se as variedades
de hemidrato conhecidas como gesso beta e gesso alfa. Nos fornos que
proporcionam uma calcinação sob pressão atmosférica, é produzido gesso beta,
enquanto que nos fornos do tipo autoclave é produzido gesso alfa.
Tipos de Gesso
Gesso Alfa
Passa por uma modificação na estrutura cristalina do gesso resultando em um
produto mais homogêneo. Consequentemente, após a mistura com água, obtém-
se um produto com maior resistência mecânica e menor consistência,
apresentando uma menor demanda de água para formação da pasta. São
principalmente utilizados na odontologia.
Tipos de Gesso
Gesso Beta
É utilizado na indústria da construção civil, indústria cerâmica e indústria de
modelagem. Ele se caracteriza pelos seus cristais mal formados e heterogêneos,
tem mais tendência a formar produtos de menor tempo de cura e menor
resistência.
Aplicações na Engenharia Civil
O gesso é um dos materiais que, com a tecnologia, apresenta grande
importância para a sociedade por se enquadrar no processo de desenvolvimento
sustentável.
A maior aplicação do gesso é na indústria da construção civil (revestimento
de paredes, placas, blocos, painéis, etc), onde pode ser utilizado como alternativa
em relação a outros materiais como a cal, o cimento, a alvenaria e a madeira. É
também muito utilizado na confecção de moldes para as indústrias cerâmica,
metalúrgica e de plásticos. Por sua resistência ao fogo é empregado na confecção
de portas corta-fogo. Com uma mistura de gesso e amianto, são confeccionados
isolantes para cobertura de tubulações e caldeiras, enquanto isolantes acústicos
são produzidos com a adição de material poroso ao gesso
Aplicações na Engenharia Civil
Cimento
No setor industrial a grande aplicação da gipsita é na fabricação do cimento
Portland, como retardador do tempo de pega, onde é adicionado ao clínquer em
um percentual de 3 a 5 % em massa.
Aplicações na Engenharia Civil
Revestimentos
A presença do gesso na construção, em forma de revestimento de paredes de
alvenaria ou mesmo como material para construção das divisórias internas dos
imóveis, começou a ser difundido na mesma época que o poliestireno expandido
(comumente denominado de isopor), que é aplicado nas lajes dos edifícios. Porém,
por considerarem alto o investimento, os empresários do setor somente a partir do
ano 2000 intensificaram o uso do produto.
Aplicações na Engenharia Civil
 As placas de gesso para forro de tetos são as mais conhecidas, mas cerca de 90%
das empresas pernambucanas do setor já incluem o gesso no acabamento de
suas obras e algumas aplicam o produto também para a construção das paredes
internas e no nivelamento de pisos para aplicação de cerâmica.
 O gesso é usado para dar acabamento às paredes de alvenaria, dispensando o
reboco e massa corrida. Com isso há um ganho em rapidez para execução do
serviço e na redução do desperdício de material. Isto compensa o preço final do
produto. Depois de aplicado o gesso, a parede está pronta para ser pintada, e, no
caso da alvenaria, a argamassa tem que ser coberta por gesso ou por massa
corrida, para receber a pintura. De uma só vez o gesso pode substituir o chapisco,
o emboço e o reboco de um revestimento interno, o que significa economia de
mão-de-oba e de material.
Aplicações na Engenharia Civil
 O acabamento quanto à lisura da superfície é muito superior ao de argamassas
de cimento e cal, proporcionando uma base super adequada para a pintura. A
alta porosidade do revestimento em gesso vai permitir um isolamento térmico e
acústico, enquanto que a baixa condutividade térmica do material e sua
incombustividade conferem-lhe a vantagem da resistência ao fogo.
 O gesso apresenta retração insignificante em relação às argamassas de cimento e
cal mal dosadas, o que gera fissuras, causando descolamento do revestimento.
Além disso, possui uma alta durabilidade quando aplicado em interiores e
estudos e são sendo realizados para tornar esse material pouco permeável,
através da mistura com aditivos, o que possibilitará sua utilização em exteriores
Aplicações na Engenharia Civil
Placas e Artefatos
 O uso do gesso na arquitetura de interiores poderá ter até duas funções, a
decorativa com molduras, frisos, florões, sancas, cimalhas, iluminação embutida,
revestimentos de colunas, frentes de lareira, captéis, além de perfis e bordas de
janelas e portas e rebaixamento de teto, aí não só pela sua função estética, mas
também, muitas vezes, pela necessidade de se esconder uma tubulação hidro-
sanitária aparente no teto.
 Existe no mercado opções de modelos prontos ou peças feitas sob encomenda
para o espaço e no estilo solicitado. Neste caso, com moldes desenvolvidos
especificamente, o preço também é diferenciado. Por sua maleabilidade, é
material ideal para trabalhos meticulosos de restauração de peças antigas.
Aplicações na Engenharia Civil
Seguindo o padrão de qualidade e resistência exigido por arquitetos, decoradores e
consumidores finais, as empresas investem no desenvolvimento de ferramentas e
tecnologia. Por conta disso, cada vez mais empresas oferecem trabalhos exclusivos.

Artefatos de gesso Moldes de gesso Revestimento de gesso


Aplicações na Engenharia Civil
Problemas com Resíduos Sólidos de Gesso

Os impactos dos resíduos de gesso no meio ambiente são acentuados:


constituído de sulfato de cálcio di-hidratado, em contato com o oxigênio da água
oxida-se e torna-se tóxico para o meio ambiente.
Problemas com Resíduos Sólidos de Gesso

Solubilização Dissolução dos Componentes


Sulfurizarão componentes
• Gesso dos Solos
• Pode • 𝐶𝑂2
• Água Contaminação transformar o • 𝐻2 𝑆
dos Lençóis rejeito em • 𝑆𝑂2
material
Freáticos inflamável
Reciclagem do Material

Estudos desta pesquisadora da Universidade Federal do Vale do São Francisco –


Univasf e outras pesquisas aplicadas demonstraram que o gesso descartado pode
ser recuperado inúmeras vezes, mantendo as mesmas propriedades físicas e
mecânicas do original.
Problemas com Resíduos Sólidos de Gesso

A reciclagem esbarrava na Resolução 307/2002 do Conselho Nacional do Meio


Ambiente que classificava os resíduos do gesso como Classe C, foi atualizada
através da resolução 431/2011 que reclassificou o gesso como Classe B.
Referências

 http://www.teses.usp.br/teses/.../WellingtonMassayukiKannoDoDepositada.pdf
 www.scielo.br/pdf/ce/v60n356/v60n356a07.pdf
 http://www.lafarge.com.br/wps/portal/br/5_2_A_A-
Innovative_products_Science_in_our_materials
 NBR 13207/1994
 Alternativas de Gestão dos Resíduos de Gesso. Vanderlei M. John e Maria Alba Cincotto.
Disponível
em:http://www.reciclagem.pcc.usp.br/ftp/Alternativas%20para%20gest%C3%A3o%20de
%20resiudos%20de%20gesso%20v2.pdf. Acesso em 05/05/2013.
 – Gesso pode ser reciclado indefinidamente. Disponível
em:http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=reciclagem-de-
gesso&id=010125130117. Acesso em 05/05/2023.
OBRIGADO!
RICARDO GEUDES
PETRUS DIAS
HENRIQUE LESSA