Você está na página 1de 9

|  


    
    
1. Causas de
1. Impedimento
2. Suspensão
3. Interrupção
da prescrição
2. Aviso Prévio e Prescrição
3. A prescrição na interrupção e na suspensão
do contrato de trabalho
4. Dano Moral e Prescrição
O   
    |  
þ Impeditivas: tolhem o início da prescrição, não permitindo que seu
prazo comece a fluir
þ Suspensivas: são supervenientes ao início da prescrição e tolhem
seu prosseguimento. Desaparecendo a causa, o prazo prescricional
continua a fluir, computando-se o período transcorrido antes da
suspensão.
± são suspensivas todas as causas que sejam obstáculo para o
ajuizamento da ação (consideradas pela lei e pela jurisprudência
ou advindas da atividade judiciária)
þ Interruptivas: são fatos provocados e determinados
diretamente pelas partes. Paralisam o curso prescricional
já iniciado, que será desprezado, desaparecida a causa
interruptiva, quando então começará novo curso
prescricional.
O  

þ São:
± A menoridade (art. 440 CLT)
± Incapacidade absoluta (art. 3º e 198, I
CCB)
O 
þ São :
± Incapacidade absoluta do titular da ação (se a
incapacidade ocorrer após o início da prescrição)
± Ausência do titular da ação, que se encontra fora do
Brasil, a serviço público da União, dos Estados e dos
Municípios (incluem-se os representantes diplomáticos,
os agentes consulares, os adidos militares, os
delegados, os comissionados, os encarregados
brasileiros em missão oficial em país estrangeiro)
± O período em que a pessoa se encontrar servindo as
Forças Armadas em tempo de guerra (guerra externa
ou interna)
O  
þ São ainda:
± paralisação das atividades judiciárias
± força maior ± calamidade, guerra, peste, etc.
± Recesso legal
± Decretada a falência do devedor (Lei 11.101, de 2005)
‡ Durante o processo fica suspenso o curso de prescrição
relativa a obrigações de responsabilidade do falido
± Período compreendido entre a provocação da
Comissão de Conciliação Prévia e a declaração de
conciliação frustrada ou de esgotamento do prazo para
a conciliação de direitos ali discutidos (art. 625-G CLT)
± Doença do empregado que o impossibilite ajuizar a
ação (aplicação por analogia do art. 199, I CCB) ± não
é pacífico
O   
þ São:
± Protesto (art. 202, II, CCB)
± Reconhecimento do direito do titular pelo devedor, por
qualquer ato inequívoco, ainda que extrajudicial (art.
202, VI, CCB)
± Reclamatória trabalhista
‡ Se a decisão não for favorável ao autor, a reclamação
administrativa terá efeito suspensivo da prescrição.
‡ Se houver o arquivamento, a citação do devedor já se
efetuou ± outra causa de interrupção prevista no art. 202, I,
CCB.
± No processo do trabalho, a notificação independe de despacho
judicial ou de manifestação da parte± não se aplica o art. 219,
§§ 2º, 3º e 4º do CPC
± Qualquer ato judicial que constitua o devedor em
mora (art. 202, V, CCB)
|  | 
þO Aviso Prévio pode ser:
± Trabalhado: rescisão no 1º dia útil após o
término do aviso
± Indenizado: rescisão até o 10º dia (não
precisa ser útil) após a concessão do aviso
‡ Não existe a figura do aviso prévio cumprido em
casa - OJ 14 (SDI-1 TST)
þ Art. 487, § 1º CLT
± Integração do período de aviso prévio
indenizado no tempo de serviço ± incluindo
para contagem da prescrição
|      
  O    
þ Para a Doutrina, de um modo geral:
± Durante a interrupção do contrato, há fluência do
prazo prescricional (em razão de receber salários e
do período de interrupção ser contabilizado para
todos os efeitos legais)
± O mesmo não ocorre nos casos de suspensão
þ Para Alice Monteiro de Barros
± Tanto na interrupção quanto na suspensão do
contrato de trabalho não pode fluir a prescrição,
sempre que a hipótese estiver pendente de condição
suspensiva ou de outras causas, como virtualmente
suspensivas da prescrição (ex. impossibilidade de se
locomover)
|  
  
þ Prazo do CCB ou prazo da CF

þ Alice ± Depois da Emenda 45 ± prazo da


CF