Você está na página 1de 52

FLUXOS

MIGRATÓRIOS
PROFESSOR(A): ALANA OLIVEIRA
O QUE É MIGRAÇÃO

Migrar é um processo que significa


trocar de país, de estado ou região.
Esse é um processo comum que ocorre
por motivos diversos desde o início da
história da humanidade.
O processo de migração internacional
pode ser desencadeado por diversos
fatores: em consequência de desastres
ambientais, guerras, perseguições
políticas, étnicas ou culturais, causas
relacionadas a estudos em busca de
trabalho e melhores condições de vida,
entre outros.
O principal motivo para esses fluxos
migratórios internacionais é o
econômico, no qual as pessoas deixam
seu país de origem visando à obtenção
de emprego e melhores perspectivas de
vida em outras nações.
Emigrante: é a pessoa que deixa (sai)
um lugar de origem com destino a
outro lugar.
Imigrante: é o indivíduo que chega
(entra) em um determinado lugar para
nele viver.
TIPOS DE MIGRAÇÕES
De uma forma geral podemos classificar
as migrações em:
Migrações externas: são as que
ocorrem de um país para outro;
Migrações internas: são as que
ocorrem de região para região dentro
de um mesmo país;
Em relação aos motivos as migrações podem
ser:
Migração espontânea: quando o sujeito planeja,
espontaneamente, migrar do seu lugar de
origem para outra região, seja por motivo
econômico, político ou cultural.
Migração forçada: quando o indivíduo se vê
obrigado a migrar de seu lugar de origem,
geralmente ocorrendo por catástrofes naturais,
como fugindo da seca.
Em relação a tempo de permanência a
migrações podem ser:
Migração definitiva: ocorre quando a
pessoa passa a residir permanentemente
no local para o qual migrou.
Migração temporária: ocorre quando o
migrante reside apenas por um período
pré-determinado no lugar para qual
migrou.
MIGRAÇÕES INTERNAS
Em relação a espaço a migrações
podem ser:
Migração inter-regional: ocorre de
uma região para outra.
Migração intra-regional: ocorre dentro
da mesmo região.
Êxodo rural: tipo de migração que se dá
com a transferência de populações
rurais para o espaço urbano. Esse tipo
de migração em geral tende a ser
definitivo. As principais causas dele são:
a industrialização, a expansão do setor
terciário e a mecanização da agricultura.
O êxodo rural está ligado diretamente
ao processo de urbanização.
Êxodo urbano: tipo de migração que se dá
com a transferência de populações urbanas
para o espaço rural. Atualmente, é um tipo
de migração muito incomum.
Migração urbano-urbano: tipo de migração
que se dá com a transferência de
populações de uma cidade para outra. Esse
tipo de migração é muito comum nos dias
atuais.
Migração sazonal: se caracteriza por
estar ligada as estações do ano. É um
tipo de migração temporária onde o
migrante sai de um determinado local
em um certo período do ano e,
posteriormente, volta alguns meses
após. Esse movimento migratório
também é chamado de transumância.
Migração diária ou pendular: é a
migração diária de pessoas de uma
cidade para outra como o objetivo de
trabalhar ou estudar. Geralmente, as
pessoas saem pela manhã de casa e
voltam no fim da tarde ou à noite. As
cidades onde esses trabalhadores
residem são chamadas de cidades-
dormitório.
Migração de retorno: ocorre quando o
migrante saiu de sua região algumas
décadas ou anos atrás e volta para sua
região de origem.
MIGRAÇÃO EXTERNA
Os principais destinos da migração
internacional são os países
industrializados, entre eles estão:
Estados Unidos, Canadá, Japão,
Austrália e as nações da União Europeia.
Os Estados Unidos possuem o maior
número de imigrantes internacionais
Segundo OIM em 2015, o número de
migrantes internacionais em todo o
mundo foi o mais alto já registrado,
tendo atingido 244 milhões;
O ano de 2015 viu os maiores níveis de
deslocamento forçado gravado
mundialmente desde a Segunda Guerra
Mundial, com um aumento dramático
no número de refugiados;
a maior parte da população de
refugiados sírios é hospedada pela
Turquia (2,2 milhões), no Líbano (1,2
Milhões) e a Jordânia (quase 630 mil),
de acordo com dados registrados em
dezembro de 2015.
o aumento dos níveis de deslocamento
forçado em todo o mundo foi
tragicamente acompanhado por um
número muito alto de pessoas
perecendo ou desaparecidas ao tentar
atravessar as fronteiras internacionais.
Mais de 5.400 migrantes no mundo
todo morreram ou desapareceram em
2015.
A migração internacional promove uma
série de problemas socioeconômicos. Os
países de maior entrada de imigrantes
culpam estes pelo crescimento do
desemprego e pela queda do
crescimento econômico;
Políticas restritivas de entradas de
imigrantes têm sido implementadas
para impedir a entrada de mão-de-obra
de baixa qualificação e de baixa renda o
que constitui a maioria dos imigrantes;
“FUGA DE CÉREBROS”
esses mesmos países que proíbem a
entrada de imigrantes pobres adotam
ações seletivas, permitindo a entrada
de profissionais qualificados e
provocando a “fuga de cérebros” dos
países em desenvolvimento, ou seja,
pessoas com aptidões técnicas e
dotadas de conhecimentos são bem-
vindas.
Em face das medidas tomadas pela
maioria dos países desenvolvidos no
intento de restringir a entrada de
imigrantes, o tráfico destes tem se
intensificado bastante.
Os migrantes em situação irregular
vivem numa condição de extrema
vulnerabilidade. Estão facilmente
sujeitos à extorsão, aos abusos e à
exploração por parte de empregadores.
Por medo de serem descobertos e
expulsos, eles sequer utilizam os
serviços e assistência a que têm direito,
embora contribuam com seus trabalhos
ao enriquecimento dos países para
onde migraram.
TRÁFICO HUMANO
A proibição de entrada de imigrantes
favorece grupos criminosos que
trabalham com tráfico de pessoas não
só para levá-las a outros países com
intuito de trabalhar, mas também com
o objetivo de abastecer o chamado
turismo sexual;
Nos casos de aliciamento para fins de
exploração sexual, as vítimas são
vendidas a donos de bordéis que
costumam confiscar seus documentos
e, através de ameaças e outras formas
de violência, cobram o pagamento da
dívida contraída pela viagem e pelas
demais despesas decorrentes da
estadia no país de chegada.
XENOFOBIA E PRECONCEITOS
muitos migrantes sofrem com o
racismo, a xenofobia e outras formas de
discriminação, principalmente se forem
pobres e com baixa qualificação, são
vistos como sujos, arruaceiros e
preguiçosos;
Vistos com desconfiança, recebem a
culpa por todo tipo de problema que
possa aparecer: crises econômicas,
desemprego, aumento da criminalidade
e, até mesmo, para a ocorrência de
catástrofes naturais;
Como exemplo de medidas anti-
imigração têm tido destaque
atualmente o decreto do presidente
estadunidense Donald Trump. O
decreto proíbe a emissão de vistos para
cidadãos do Irã, Líbia, Somália, Sudão,
Síria e Iêmen (noticia veiculada pela
revista veja em 6 mar 2017);
O Supremo Tribunal dos Estados Unidos
da América (EUA) deu, esta segunda-
feira, uma vitória a Donald Trump, ao
permitir que a lei anti-imigração
assinada pelo presidente norte-
americano entre parcialmente em vigor.
A autorização vale pelo menos até ao
outono. Ou seja: enquanto o tribunal
decide em definitivo sobre a
constitucionalidade da lei (noticia
veiculada pela revista veja em
26/06/2017).
BRASILEIROS NO EXTERIOR
Foi só a partir da década de 1980 que
começou a ser expressiva a saída de
brasileiros em busca de melhores
oportunidades fora do país. De acordo
com o Ministério das Relações
Exteriores (MRE), a presença de
pessoas nascidas no Brasil é registrada
em aproximadamente 130 países do
mundo;
A Organização Internacional para as
Migrações (OIM) estima que existam de 1 a
3 milhões de brasileiros residindo fora das
nossas fronteiras. Os principais destinos
são Estados Unidos, Paraguai, Japão e
alguns países europeus, como Espanha e
Portugal. Juntos, esses cinco países
representam a destinação de cerca de 60%
de todos os emigrantes brasileiros.
A crise financeira mundial e as políticas
migratórias cada vez mais seletivas nos
países ricos vêm provocando nos
últimos anos um forte fluxo de retorno
desses emigrantes, a chamada
migração de retorno.
ESTRANGEIROS NO BRASIL
Entre 1870 e 1920, os italianos
corresponderam a 42% do total dos
imigrantes que chegaram ao Brasil: de
3,3 milhões de estrangeiros, os italianos
eram cerca de 1,4 milhão;
A comunidade libanesa que vive no
Brasil, formada em sua maioria por
descendentes, é maior do que a
população do Líbano. São quase 10
milhões de libaneses e descendentes
em território brasileiro, contra 3,5
milhões que vivem no Líbano.
O primeiro grupo de imigrantes
japoneses chegou em 1908, a bordo do
navio Kasato-maru. Em 2008, foi
comemorado o Centenário da
Imigração Japonesa no Brasil.
Atualmente, no nosso país está a maior
população japonesa fora do Japão. São
cerca de 1,5 milhão de pessoas;
A comunidade libanesa que vive no
Brasil, formada em sua maioria por
descendentes, é maior do que a
população do Líbano. São quase 10
milhões de libaneses e descendentes
em território brasileiro, contra 3,5
milhões que vivem no Líbano.
Em 2015, a população imigrante do
Brasil era de 0,34% da população total
de residentes;
O Brasil recebe imigrantes de todas as
nacionalidades, com o destaque para é
para sulamericanos que a partir da
década de 90 migram para o Brasil em
busca de melhores condições de vidas
A Bolívia e o Paraguai são dois dos
principais países de origem de
imigrantes estrangeiros que chegaram
ao Brasil nos últimos anos. A grande
maioria deles está concentrada no
estado de São Paulo, em particular na
capital.
Esses imigrantes, em especial os
bolivianos, vêm geralmente para
trabalhar nas oficinas de costura, que
são subcontratadas por confecções,
inclusive pelas grandes marcas do
mercado.
Geralmente vivem em péssimas
condições, ganhando por peça
produzida e morando ema locais
insalubres sem o mínimo de conforto.
Já saem de seu país endividados
HAITIANOS NO BRASIL
No início de 2012, um fato recebeu
bastante atenção dos meios de
comunicação: o aumento da imigração
de haitianos para o Norte do Brasil, que
estavam entrando no país
principalmente pelos estados do Acre e
do Amazonas.
Em janeiro daquele ano, um terremoto
devastou o Haiti, deixando mais de 230
mil mortos, 300mil feridos e quase dois
milhões de pessoas sem teto.
Diante desse quadro, em janeiro de
2012, o governo brasileiro decidiu
regularizar a situação dos mais de 4 mil
haitianos que já viviam no país. No
entanto, passou a limitar o número de
vistos humanitários concedidos a
pessoas que vêm do Haiti a 1,2 mil por
ano.
MIGRAÇÃO DENTRO DO
BRASIL
No Brasil, o fator que exerce maior
influência nos fluxos migratórios é o de
ordem econômica, pois o modelo
econômico vigente força indivíduos a se
deslocarem de um lugar para outro em
busca de melhores condições de vida e à
procura de trabalho para suprir suas
necessidades básicas de sobrevivência.
DÉCADA DE 50:
A partir dos anos 1950, o país registrou
intenso fluxo de migração da região
Nordeste para o Sudeste, que vivia o
período da industrialização e atraía
muita mão de obra;
NA DÉCADA DE 1970:
sob influência da política adotada pelo
governo militar, foi grande o número de
pessoas que se deslocaram do Sul para a
Amazônia e para o Centro-Oeste do país.
Atualmente o Centro-Oeste tem sido
um atrativo para emigrantes de outras
regiões, principalmente pelo grandes
investimentos do agronegócio;
Nos últimos anos tem se verificado o
fenômeno da migração de retorno, ou
seja imigrantes voltando aos seus
estados de origem esgotamento da
geração de postos de trabalho no Sul do
país, expansão de oportunidades
econômicas nas outras regiões do país,
crescimento da violência e as más
condições de vida oferecidas nas
metrópoles.
Link OIM:
http://gmdac.iom.int/global-migration-trends-
factsheet
Caderno temático Migração: O Brasil em
Movimento (publicação do programa Escravo, nem
pensar!)