Você está na página 1de 17

GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS: ANÁLISE DO SETOR B

DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE-PB

Equipe:
ABLENYA BARROS
CARLOS VINÍCIUS BESERRA
GIORDANO BRUNO A. UGULINO
HÍCARO TORRES
IVNA DANTAS
INTRODUÇÃO

Construção civil como uma grande geradora de impactos


ambientais;

A viabilidade econômica do reuso de resíduos;

Regulamentação: por meio da PNRS e pela resolução Conama nª


307 de 2002 e suas alterações (Resoluções Conama nª 348/04, nº
431/11 e nª 448/12,

Obter um parecer a respeito da destinação e problemática dos


resíduos sólidos no setor B da Universidade Federal de Campina
Grande
INTRODUÇÃO
 O aumento da geração de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU), devido ao
acentuado crescimento da população e ao seu alto grau de consumo,
constitui hoje, uma problemática mundial. Assuntos referentes aos
problemas ambientais e de saúde pública, provocados pelo descarte
incorreto de resíduos, nunca foram tão abordados, discutidos e analisados
por tantas áreas do conhecimento, merecendo assim, estudos e soluções
para amenizar o presente quadro em que são verificadas as formas de
gerenciamento dos resíduos sólidos no Brasil (Batista Araújo).

DEFINIÇÃO
 Segundo a norma NBR 10004/04, resíduos sólidos são substâncias nos
estados sólido e semissólido, que resultam de atividades de origem
industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de
varrição.
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS
 Foi instituída pela Lei n.º 12.305, de 02 de agosto de 2010, sancionada
pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
 Com um caráter educacional, esclarecendo seus objetivos e expondo
seus princípios, a lei consegue estabelecer a distinção entre resíduos
(lixo reciclável) e rejeito (lixo não passível de reaproveitamento). Ela
também determina as diretrizes para que ocorra uma gestão integrada
com o objetivo de gerir esses resíduos sólidos da melhor forma
possível.
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS
OBJETIVOS:

 Proteção da saúde pública e da qualidade ambiental;


 Não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento dos resíduos
sólidos, bem como disposição final ambientalmente adequada dos
rejeitos;
 Estímulo à adoção de padrões sustentáveis de produção e consumo de
bens e serviços;
 Adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas como
forma de minimizar impactos ambientais;
 Incentivo à indústria da reciclagem, tendo em vista fomentar o uso de
matérias-primas e insumos derivados de materiais recicláveis e
reciclados;
 Dentre outros.
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS
 O ponto fundamental da PNRS é logística reversa. Ela determina que
um conjunto de ações seja estabelecido entre os envolvidos no ciclo
de vida de um produto (desde a indústria até as lojas), visando o
retorno dos resíduos aos seus geradores. Com isso, eles serão tratados
da forma correta ou reaproveitados em novos produtos.
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS
BENEFÍCIOS:

 Além do fim dos lixões a céu aberto, a Política Nacional de Resíduos


Sólidos deve contribuir para a redução da extração de matérias-primas.
Isso porque, com mais produtos reciclados, não há a necessidade da
produção de novos bens.
 Em longo prazo, a PNRS pode inserir uma consciência mais sustentável na
população consumidora e, consequentemente, nas empresas.
EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA UNIVERSIDADE
 Conforme Gomes (2009), a universidade é o ambiente capacitador de
agentes transformadores e tomadores de decisão, sendo responsável de
apresentar inovações em pesquisas e tecnologias no tratamento dos
resíduos sólidos. Sendo assim, é de responsabilidade dessas instituições
educar para criação de uma cultura sustentável.

 “Cabe às universidades buscar o compromisso real da educação


sustentável, no seio da comunidade acadêmica, incorporando uma
perspectiva ambiental em seu trabalho, estabelecendo programas
ambientais e buscando, por meio da investigação e do desenvolvimento de
novas metodologias, soluções para os problemas ligados aos resíduos,
considerando, para isso, ações de Educação Ambiental baseadas nos 5 R’s:
reduzir, reutilizar, recuperar, reaproveitar e reprojetar” (MESQUITA et al.,
2011).
PROGRAMAS NA UFCG
LABGER
 Transformar material descartado em produtos utilizáveis e aptos a serem
consumidos pela população é uma das maiores buscas da ciência nos
tempos atuais. E é isso que faz o Laboratório de Gestão Ambiental e
Tratamento de Resíduos, o Labger, do Centro de Ciências e Tecnologia
(CCT) da UFCG. Mais que isso, inclusive: lá, materiais perigosos (“Classe
I”), que seriam despejados no lixo com alto poder de contaminação, são
convertidos em não perigosos (“Classe II”), termo técnico (e
autoexplicativo) para definir que os produtos se tornam acessíveis e não
mais oferecem riscos à sociedade.
PROGRAMAS NA UFCG

COTRAMARE
 O programa, que é um projeto de extensão, chama-se “Coleta Seletiva
Solidária” e vem atuando no ambiente universitário desde 2006. Segundo o
prefeito universitário, a coleta do material é realizada por auxiliares de
limpeza da prefeitura universitária que recolhem os RSU dos prédios e
levam a um local comum de armazenamento de todos os resíduos gerados
no Campus. Esses RSU são então recolhidos por catadores de uma
cooperativa de reciclagem parceira do projeto, a COTRAMARE (Cooperativa
de Trabalhadores de Materiais Recicláveis). Na COTRAMARE, os catadores
fazem a separação e pesagem do material. Assim, materiais recicláveis
como plástico, papel, vidro e metal são separados dos materiais não
recicláveis ou rejeitos.
RESÍDUOS NA UFCG
RESÍDUOS NA UFCG
RESÍDUOS NA UFCG
RESÍDUOS NA UFCG
CONCLUSÃO
 Os resíduos encontrados podem trazer transtornos ambientais e serem
habitats de insetos indesejados para o bem estar dos estudantes e
funcionários, além de poluir visualmente.

 Apesar dos avanços na área da coleta de resíduos no Campus Campina


Grande da UFCG com a introdução de lixeiras seletivas e projetos de
extensão como o “Coleta Seletiva Solidária na UFCG”, existe um déficit
no que diz respeito a conscientização de setores administrativos e
laboratórios, além de uma carência de atos de sensibilização ambiental
com o intuito de mostrar a importância da adoção de práticas
sustentáveis no campus.
CONCLUSÃO

 O campus conta com uma estrutura considerada razoável para a


coleta e destinação dos resíduos e de uma empresa terceirizada para
a realização de tal serviço, o que seria suficiente com um
planejamento adequado para cada setor.

 Portanto, a conscientização dos alunos é fundamental para o processo


de higienização, porém é necessário uma política de remoção e
reaproveitamento de entulho dos próprios departamentos que não
comprometam o dia-a-dia dos mesmos.

Você também pode gostar