Você está na página 1de 1

SUBEPENDIMOMA EM TRANSIÇÃO

CRÂNIO-CERVICAL

Zicarelli, CA¹ ; Haddad , ML¹ ; Zuccoli, BR¹ ; Oliveira, E¹ ; Aires, RA¹ ; Georgeto, SM²;
Flores, JA²; Dias MA²; Lehman, MF²; Raphaelli, MA²; Haddad, F.³
1- Residente de Neurocirurgia da Santa Casa de Londrina, PR, Brasil 2- Preceptores de Neurocirurgia da Santa Casa de Londrina, PR, Brasil
3- Chefe do Serviço de Neurocirurgia da Santa Casa de Londrina, PR, Brasil

INTRODUÇÃO: O subependimoma é RELATO DE CASO: Um paciente de X


um tumor ependimário altamente anos com história de XXXXXXXXXX foi

fibrilar, bem delimitado e diferenciado, operado na Santa Casa de Londrina FOTO


considerado grau I segundo a OMS.
Ocorrem com maior freqüência em DISCUSSÃO: Excelente, mesmo em
adultos, com distribuição etária mais tumores incompletamente
ou menos uniforme a partir da 3ª ressecados, que é mais comumente
década.  Há preferência pelo sexo o caso nos de IVº ventrículo. Os de
masculino (2,3 : 1).  A topografia ventrículos laterais geralmente
preferencial é nos ventrículos laterais. permitem excisão completa. Não se
A maioria ocorre como pequenas massas recomenda radioterapia, em vista do
fixas à parede do ventrículo lateral lento crescimento.  Casos com
próximo ao forâmen de Monro. Têm iso-
ou hipossinal em T1, hipersinal em T2 e
feições mistas de ependimoma e FOTO
subependimoma devem ser
FLAIR. 
graduados de acordo como
ependimomas (graus II a III da OMS).

FOTO CONCLUSÃO: O entendimento dessa


rara patologia pode lavar a um diagnóstico
mais precoce, optimizando os resultados
do tratamento cirúrgico

Você também pode gostar