Você está na página 1de 17

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA

ANALÍTICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
Equação da Reta
Prof. Eric Cartágenes
Equação Vetorial da Reta
Suponha que exista um ponto conhecido A de coordenadas (x1, y1, z1) e
um ponto qualquer P (x, y, z). Há um vetor não nulo AP que sai de A e vai
para P e um vetor v (a,b,c) paralelo a AP e, portanto, de mesmos sentido e
direção. Esse vetor v parte da origem e é denominado vetor diretor da reta
r que passa pelos pontos A e P, recebe esse nome pelo fato de definir a
direção da reta.

(1)
Para que P pertença a reta r é necessário que v e AP sejam colineares, ou seja:

(2)
AP = tv.

Como AP = P - A, tem-se que P - A = tv ou P = A + tv portanto:


(x , y, z) = (x1, y1, z1) + t (a, b, c).

Exemplo 1: Determinar a equação vetorial da reta r que passa pelo ponto A


(3,0, 5) e tem a direção do vetor v = 2i + 2j - k:

Substituindo na equação, tem-se: r: (x, y, z) = (3,0,5) + t(2,2,-1).

Exemplo 2 : Determinar a equação vetorial da reta s que passa por A (1,-1,4) e


tem a direção de v (2,3,2) :

A partir da equação é possível obter: (x, y, z) = (1,-1,4) + t(2,3,2).


Equações Paramétricas da Reta

Para um ponto conhecido A (x1, y1, z1), um ponto qualquer P (x, y, z) e um


vetor diretor v (a, b, c) tem-se a equação vetorial da reta dada por:
(1)
P = A + tv ou (x , y, z) = (x1, y1, z1) + t (a, b, c). Desenvolvendo essa equação,
tem-se:
(x , y, z) = (x1, y1, z1) + (ta, tb, tc), (x, y, z) = (x1 + ta, y1 + tb, z1 +tc).
Assim:
x = x1 + at;
y = y1 + bt;
z = z1 + ct.
Tais equações são denominadas equações paramétricas da reta. (1)

Exemplo 1:

Escreva as equações paramétricas da reta que passa por A (3,-4,2) e é paralela ao


vetor v (2,1,-3):
Temos que: x1 = 3 e a = 2; y1 = -4 e b = 1; z1 = 2 e c = -3.

Assim: x = 3 + 2t; y = -4 + t; z = 2 - 3t.


Reta Definida por 2 Pontos

Quando são fornecidos dois pontos conhecidos da reta A (x1, y1, z1) e B
(x2,y2, z2), é possível obter o vetor diretor v da reta para então equacionar essa
reta r. O vetor v = AB = B-A.
Assim: (1)
v = (x2 - x1, y2 -y1, z2 - z1)
Dessa forma, a equação da reta r é:
(x, y, z) = (x1, y1, z1) + t(x2 - x1, y2 - y1, z2 - z1) ou
(x, y, z) = (x2,y2, z2) + t(x2 - x1, y2 - y1, z2 - z1) ou ainda:
x = x1 + (x2 - x1)t; y = y1 + (y2 -y1 )t; z = z2 + (z2 - z1)

Exemplo 1:
Escreva as equações paramétricas da reta definida pelos pontos A(1,1,1) e
B (2,3,5) :
Deve-se encontrar o vetor diretor primeiro para, depois, obter a equação da
reta
v = B -A = (2-1, 3-1, 5-1), v = (1, 2, 4) = vetor diretor.
P = B + tv.
x = 2 +1t; y= 3 + 2t; z = 5+ 4t.

Conclusão: a reta r é representada por : (x, y, z) = (2, 3, 5) + t( 1, 2, 4).


Equações Simétricas da Reta

As equações simétricas são obtidas a partir das equações paramétricas. Tem-se


que as paramétricas são definidas por: (1)
x = x1 + at; y = y1 + bt; z = z1 + ct.
Isolando o parâmetro (t) em cada equação, tem-se:
t=(x - x1)/a; t = (y - y1 )/b; t = (z - z1 )/c.
Desse modo: (x - x1)/a = (y - y1 )/b = (z - z1 )/c
Tais equações são denominadas equações simétricas, ou normais, da reta r que
passa pelo ponto conhecido A (x1, y1, z1) , por um ponto qualquer P (x, y, z) e tem
o vetor v (a, b, c) como vetor diretor. (1)
Observação:
Para obter as equações simétricas da reta é necessário que o produto abc seja
diferente de zero, isto é: abc ≠ 0 (1)
Exemplo 1 :
Obter as equações simétricas da reta que passa pelo ponto A (3,0,5) e tem
direção do vetor v (2, 2, -1):
Substituindo (2,2,-1) no lugar de (a, b, c) e (3, 0,5) em (x1, y1, z1), obtemos as
equações da reta
(x-3)/2 = (y-0 )/2= (z-(-5) )/(-1).
Conclusão: as equações simétricas da reta são:(x-3)/2 = (y )/2 = (z+5 )/(-1)
EXERCÍCIOS
Equações Reduzidas da Reta

A partir das equações simétricas da reta é possível obter as equações


reduzidas. Para tanto, deve-se isolar duas variáveis e deixá-las em função da
terceira. Para uma reta r que passa pelo ponto conhecido A (x1, y1, z1) e tem
v (a,b,c) como vetor diretor tem-se:
(1)
(x - x1)/a = (y - y1 )/b = (z - z1 )/c. Isolando y e z em função de x, tem-
se:
Para y:

(x - x1)/a = (y - y1 )/b. Logo, y - y1 = b/a ( x - x1) e y = bx/a - bx1/a + y1.


Adotando: b/a = m ; - bx1/a + y1 = n, tem-se que: y = mx + n.
Para z:

z - z1 = c/a (x - x1). Logo, z = cx/a - cx1/a + z1.

Adotando: c/a = p ; - cx1/a + z1 = q, tem-se que: z = px +q. Portanto, as


equações reduzidas da reta r na variável x são:
y = mx + n
z = px +q
Exemplo 1:

Obter as equações reduzidas na variável x da reta que passa por


A (2, -4, -3) e tem o vetor diretor v (1, 2, -3):

y = 2x -8 e z = -3x +3.

Exemplo 2:

Obter o vetor diretor v (a, b, c) da reta cujas equações reduzidas são:


y = 2x -8 e z= 5x/2 - 13.

vetor diretor v = (1, 2, 5)


Retas paralelas aos planos e aos eixos coordenados
Considerando uma componente do vetor diretor igual à zero, que é
representado pelo vetor v = (a, b, c) obteremos o vetor v ortogonal a um dos
eixos coordenados, sendo então a reta r (determinada por um ponto)
A( x1, y1, z1)) paralela ao plano dos outros eixos. Portanto se: a = 0,
v = (0,b,c), logo, é é perpendicular ao eixo "ox" e paralelo ao eixo "yoz".
As equações da reta r ficam:

Verificamos que a coordenada x permanece constante, variando somente entre y e


z. Com isso averiguamos que a reta r se localiza num plano paralelo ao plano
coordenado yOz. Como exemplo temos a ilustração abaixo
Caso a componente b do vetor diretor venha ser nulo obteremos:
b = 0, v = (a,0,c), logo, é perpendicular ao eixo "oy" e paralelo ao eixo
"xoz".
As equações da reta ficam:

Verificamos que a coordenada y permanece constante, variando


somente entre x e z. Com isso averiguamos que a reta r se localiza
num plano paralelo ao plano coordenado xOz.
Caso a componente c do vetor diretor venha ser nulo: c = 0, v = (a,b,0),
logo, é perpendicular ao eixo "oz" e paralelo ao eixo "xoy".
As equações da reta ficam:

Verificamos que a coordenada z permanece constante, variando somente


entre x e y. Com isso averiguamos que a reta r se localiza num plano
paralelo ao plano coordenado xOy.
Agora verificaremos quando duas das componentes de v são nulas.
Caso as componentes ‘a’ e ‘b’ do vetor diretor forem nulos: v = (0,0,c)
As equações da reta ficam:

Verificamos que a coordenada z é variável.


Caso os componentes ‘a’ e ‘c’ do vetor diretor forem nulos: v = (0,b,0)
As equações da reta ficam:

Verificamos que a coordenada y é variável.


Caso os componentes ‘b’ e ‘c’ do vetor diretor forem nulos: v = (a,0,0)
As equações da reta ficam:

Verificamos que a coordenada x é variável.


Determinar as equações da reta que passa pelo ponto A (-2, 3, -2) e tem a
direção do vetor v = 3i + 2k.
Exercícios