Você está na página 1de 61

Lista de Exercícios De

Termodinâmica

Nome: Silvio Eduardo


Fórmulas - Resumo
Trabalho para gases e líquidos empurrando um cilindro além da
fronteira. (Lembrando que o cilindro terá sinal positivo caso
venha se expandir e negativo caso se contraia) e o trabalho
será zero para volume constante.

𝑊 = 𝑃𝑑𝑣
Para processos isobáricos temos tanto para líquido quanto para
gases:

𝑊 = 𝑃(𝑉𝑓 − 𝑉0)
O trabalho também pode ser interpretado como a
área embaixo da curva de um gráfico PxV

W= Área
Gases
Todos os gases obedecem as duas equações abaixo, sendo
recorrente sua utilização quando se tratar deles
P2V2 P1V1
 Pvesp  RT Pv  mRT
T2 T1

Processo politrópico - Ocorre comumente em gases ao passar


por expansão ou compressão adiabática e isentrópicos,
assunto que será abordando no capitulo 7. Nesse capitulo será
mencionado que o processo ocorre de forma politrópica.

P V  PV mRT2  mRT1
W 2 2 1 1 w
1  P1V1  P2V2 1 
EXERCÍCIOS DE GASES
Processo Isotérmico de um gás ideal
Processo a temperatura constante:
 V2   P1  V 
W  P1V1 ln   w  mRT ln   W f  mRT0 ln 2 
 V1   V1 
 P2 

Para molas a pressão varia devido a força contrária que a


mola provoca, portanto o cálculo do trabalho deverá ser
feita devido a área e utilizado a área do trapézio:

( P1  P2 )(V2  V1 )
w
2
Trabalho de Fronteira para um processo a
Volume constante
Exemplo 4.1 – Um tanque rígido contém ar a 500 kPa e
150°C. Como resultado da transferência de calor para a
vizinhança, a temperatura e a pressão interna do tanque caem
para 65°C e 400 kPa, respectivamente. Determine o trabalho
de fronteira realizado durante esse processo.
O trabalho a volume constante é
zero.
Pressão constante
4-4 O volume de 1 kg de hélio em um arranjo pistão-cilindro é de 7m³
inicialmente. O hélio começa a ser comprimido até o volume de 3m³.
enquanto sua pressão é mantida constante a 150 kPa. Determine a
temperatura inicial e final do hélio, assim como o trabalho necessário para
comprimi-lo em kJ.

m  1kg de Helio Vo  7m 3 V f  3m 3 P  150kPa R  2,0769kJ / kg.K


A pressão é mantida constante.
. A temperatura inicial:

PV  mRT
150(7)  1(2,0769)T
T  505,6 K

. A temperatura final:
7 3
PV PoVo V Vo
 
 T T 505,6 T
T T
T  216,7 K
A pressão é constante

V V0 7 3
  
T T0 505,6 T
O trabalho total a pressão constante:

W   Pdv
W  150(3  7)
W  600kJ
Expansão Mola
Exemplo 4-4 Expansão de um gás contra uma mola
Um arranjo pistão-cilindro contém 0,05m³ de um gás, inicialmente a 200kPa.
Nesse estado, uma mola linear com constante de mola igual a 150 kN/m
está tocando o pistão, mas sem exercer qualquer força sobre ele. Em
seguida, calor é transferido para o gás, fazendo com que o pistão se
desloque para cima e comprima a mola até dobrar o volume dentro do
cilindro . Considerando que a seção transversal do pistão é de 0,25m² m
determine

a) A pressão final dentro do cilindro


b) O trabalho total realizado pelo gás e

c) As parcela desse trabalho realizado contra a mola para comprimi-la.


V f  2(0,05)
V f  2V0 V f  0,1m³

a) A pressão final

V  Ax F  kx
(0,1  0,05)  0,25 x F  150(0,2)
x  0,2m F  30 N

F  30 N
F 30 P  120  200kPa
P   120kPa
A 0,25 Pf  320kPa
O trabalho total realizado

120(0,05)
w  200(0,05) 
2
w  10(Trabalho do pistão )  3(Trabalho da mola )
w  13kJ

O trabalho realizado pela mola


kx 2
w
2
150(0,2 2 )
w
2
w  3kJ
Compressão Isotérmica de um gás ideal
Um arranjo pistão- cilindro contém inicialmente 0,4m³ de ar a 100 Kpa e
80°C. O ar é então comprimido para 0,1 m³ de tal maneira que a temperatura
dentro do cilindro permanece constante. Determine o trabalho realizado
durante esse processo.

V2
W f  P1V 1 ln
V1
 0,4 
W f  100(0,4) ln 
 0,1 
W f  55,45kJ
4.5 Calcule o trabalho total, em Btu, para o processo 1-3 mostrado na figura

O trabalho será calculado em relação a área da figura


(Trapézio):

( B  b)(h)
W1 2 
2
(300  15)(3,3  1)
W1 2   362,25 PSI . pe3
2

(300)(3,3  2)
W23    390 PSI . pe3
2

W  362,25  390 PSI . pe3 1PSI  5,40 Btu


W  27,75 PSI . pe3 W  5,4 Btu
4. 6 -Calcule o trabalho total (em kJ) produzido pelo processo isotérmico, considerando
que o sistema é composto de 3kg de oxigênio

Processo isotérmico.
PV  PoVo
600(0,2)  200(V )
V  0,6m 3

O gás comprime portanto o trabalho é


negativo.
 V2 
w  P1V1 ln 
 V1 
 0,2 
w  200(0,6) ln   131,83kJ
 0,6 
4-7 Um arranjo pistão-cilindro inicialmente contém 0,07m³ de gás nitrogênio
a 130 Kpa e 120°C. O nitrogênio então se expande politropicamente para
um estado de 100 kPa e 100°C. Determine o trabalho de fronteira realizado
durante esse processo.
Inicial
Vo  0,07 m 3 T  120C P  130kPa R  0,2968kJ / kgK

Final

Vf  ? P2  100kPa T2  100C

Calculando a massa inicial de N2 no pistão para em seguida calcular o volume


na situação final:
PV
m mRT
RT V2 
P2
130(0,07)
m  0,0780kg 
0,2968(120  273) 
0,0780(0,2968)(100  273) 
V2   0,0863m ³
100
Uma vez que o gás se expande politropicamente, podemos calcular o coeficiente
politropico e seu trabalho:

P1V  1  P2V  2
130(0,07)  100(0,0863)  0,08637 

ln 1,3   ln     1,249
 0,08637   0,07 
1,3   
 0,07 

O cálculo do trabalho se dá por:

P2V2  P1V 100(0,08637)  (130)(0,07)


w w
1  1  1,249
w  1,859kJ
4-9 Um arranjo pistão- cilindro inicialmente contém 0,07m³ de gás
nitrogênio a 130kPa e 180 °C. O nitrogênio então se expande, de maneira
politrópica, até uma pressão de 80kPa com um expoente politrópica, até
uma pressão de 80kPa com um expoente politrópica, até uma pressão de
80 kPa com um expoente politrópico cujo valor é igual à razão entre os
calores específicos (a chamada expansão isentrópica). Determine a
temperatura final e o trabalho de fronteira realizado durante se processo.
Na tabela A2-a) são os fornecidos os calores específicos a pressão
constante e a volume constante para o Nitrogênio:

Cp  1,039 Cv  0,743 Cp 1,039


   1,398
Cv 0,743

130(0,07)1, 4  80(V f )1, 4


V f  0,099m³
1, 4
 Vf 
1,625   
 0,07 

O cálculo do trabalho se dá por:

P V  PV 80(0,099)  (130)(0,07)
w 2 2 1 w
1  1  1,4
w  2,95kJ
4.14 – Uma massa de 2,4 Kg de ar a 150 kPa e 12°C está contida em um arranjo
pistão cilindro bem vedado, que não sofre atrito. O ar é então comprimido até a
pressão final de 600 kPa. Durante esse processo, calor é transferido do ar para o
ambiente externo de maneira que a temperatura dentro do cilindro permanece
constante. Calcule o trabalho realizado sobre o ar nesse processo.

m  2,4kg
Pf  600kPa
P  150kPa
T  12C

Isotérmico:
Condição final
Condição inicial
600V  (2,4)(0,287)(285)
150V  2,4(0,287)(285)
V f  0,327 m³
V  1,30872m³
O gás comprime portanto o trabalho é
negativo.
 V2 
w  P1V1 ln 
 V1 
 0,327 
w  150(1,30872) ln   272,24kJ
 1,30876 
4.18 - Um arranjo pistão cilindro sem atrito contém 2kg de nitrogênio a 100
kPa e 300 K. O nitrogênio é então comprimido lentamente de acordo com a
relação PV1,4=constante até atingir uma temperatura final de 360K. Calcule
a entrada de trabalho durante esse processo.

Até uma temperatura final de 360°C


m  2kg
P  100kPa PV 1, 4
T  300C
P2V2  P1V
w
1 

mRT2  mRT1 2(0,2968)(360  300)


w w  89,04kJ
1  (1  1,4)
4.23 – Um arranjo pistão-cilindro contém 0,25kg de gás nitrogênio,
inicialmente a 130kPa e 180°C. O nitrogênio é então expandido
isotermicamente até uma pressão de 80kPa. Determine o trabalho de

fronteira realizado durante esse processo .


Condição final
Condição inicial
130V  0,25(0,2968)(393)
80V  (0,25)(0,2968)(393)
V  0,2243m³
V f  0,3645m³
V 
W f  P1V1 ln 2 
 V1 
 0,3645 
W f  80(0,3645) ln 
 0, 2243 
W f  14,158kJ
4.24 – Um arranjo pistão cilindro contém 0,15kg de ar,
inicialmente a 2 Mpa e 350°C. O ar, inicialmente para 500
kPa, depois comprimido politropicamente com um expoente
politrópico de 1,2 até a pressão inicial e, finalmente,
comprimido a uma pressão constante até o estado inicial.
Determine o trabalho de fronteira em cada processo e o
trabalho líquido do ciclo.
m  0,15kg
P  2 MPa Isotermicamente para P=500kPa
T  350C

Depois comprimido politropicamente com γ=1,2 até a pressão inicial e


finalmente comprimido a uma pressão constante até o estado inicial.

PV  mRT PV  mRT
(2.10³)V  0,15(0,287)(623) (500)V  0,15(0,287)(623)
V  0,01341m³ V  0,05364m³

V 
w f  P1V1 ln 2 
 V1 
 0,05346 
w f  2.103 (0,01341) ln 
 0,01341 
w f  37,18kJ
Depois comprimido Politropicamente até 2MPa.

500(0,05364)1, 2  2.103 (V f )1, 2


V f  0,01689m³

P2V2  P1V 2000(0,016895)  500(0,05364)


w   34,9kJ
1  1  1,2 1

w  34,95kPa

Para a pressão constante.

w  PV
w  2000(0,01341  0,01690)
w  6,98kJ
O trabalho total é a soma do trabalho
w  w1  w2  w3
w  37,18  34,95  6,98  4,65
w  4,75kJ
4.25 – Um quilo de água, inicialmente a 90°C com um título de 10%,
ocupa um arranjo pistão cilindro com mola, como mostra esse
dispositivo é então aquecido até que a pressão atinja a 800 kPa e a
temperatura seja de 250°C. Determine o trabalho total produzido
durante este processo, em kJ

P  500kPa P  800kPa
T  70C T  250C

Determine o trabalho durante esse processo:

Temperatura  90C e P  70kPa


v f  2,3593 e v 0  0,001036
V  0,001036  0,1(2,3593  0,001036)
V  0,2368m 3

T  250C e P - 800kPa
v 2  0,29321m 3 / kg

w  Pdv
(800  70,183)
w (029321  0,2368)
2
w  24,54kJ / kg
Líquidos
Para líquidos e vapores as relações anteriores que são
derivadas das equações gerais dos gases não valem e
portanto será necessário a utilização da tabelas do final do
livro;
A equação de cálculo de trabalho ainda é válida;

𝑊 = 𝑃(𝑉𝑓 − 𝑉0)
Além disso, deverá ser utilizado a 1 ° lei da termodinâmica relacionada a
primeira lei da termodinâmica:

Q  W  U
Para essa relação deve-se seguir a seguinte notação: Caso o calor seja
fornecido ao sistema (O sistema está se aquecendo por uma fonte externa)
Ver a figura abaixo.
Q  W  U

Continuando. Caso o sistema perca calor para o ambiente o calor


deverá entrar como negativo.

Com relação ao trabalho

O trabalho será positivo caso ele seja fornecido ao sistema por uma
fonte externa (trabalho elétrico, motores, agitadores, e etc.)

.
O trabalho será negativo caso ele seja realizado pelo sistema, caso comum

quando o sistema expande um pistão a partir da energia que foi adicionada a

ele.

Durante o aquecimento de um sistema pistão embolo a pressão é constante

enquanto o volume se altera, o mesmo acontece quando o sistema está em

mudança de fase, nesse caso temos como trabalho realizado w=Pdv.


Essa relação energia interna + Pdv se repete
Q  Pdv  U em uma séries de aplicações a pressão
constante. Então para a a simplificação dos
Q  U  Pdv resultados foi criado a seguinte relação
H  U  Pdv Chamada Entalpia.
Como essa relação de ENTALPIA depende da expansão livre
do sistema, não se pode aplicar essa simplificação para
sistemas fechados ou com molas que restrinjam o movimento.
Nesse caso deveremos usar a primeira lei da termodinâmica
normal.

Q  W  U
4.11 – Um arranjo pistão-cilindro que não sofre atrito inicialmente contém
50 L de refrigerante-134ª líquido saturado. O pistão está livre para se
mover e sua massa é tal que mantém uma pressão de 500 kPa sobre o
refrigerante. O refrigerante é então aquecido até que sua temperatura

atinja 70°C. Calcule o trabalho realizado durante esse processo.


P  500kPa
T  70C

0,0008059m  0,050
m  62,04kg

Vesp  0,052427m³ / kg

w  500(600)(0,052427  0,0008059)
w  1601,28kJ
4.13- Um volume de 1m³ de água líquida saturada a 200°C é
expandido isotermicamente em um sistema fechado até que seu
título seja 80%. Determine o trabalho total produzido por essa
expansão em KJ.

V0  0,001157m³ / kg 1  0,001157m
m  864,30kg
V  0,001157  0,8(0,12721  0,001157)
V  0.102m³ / kg
P  1554,9kPa

W  PV
W  1554,9(864,30)(0,102  0,01157)
W  121,529kJ
Exemplo 4-5 Aquecimento elétrico de um gás a pressão constante

Um arranjo pistão- cilindro contém 25 g de vapor de água saturado,


mantido à pressão constante de 300 kPa. Um aquecedor a
resistência dentro do cilindro é ligado e circula uma corrente de 0,2A
por cinco minutos a parti de uma fonte de 120 V. Ao mesmo tempo
ocorre uma perda de calor de 3,7 kJ b) Determine a temperatura
final do vapor

m  25 g Weletrico  VIt
P  300kPa Weletrico  120(0,2)(300)
i  0,2 A
Weletrico  7200 J ou 7,2kJ
t  5 min  300s
V  120volts
Q  W  U  3,5  H
Q  Weletr  (W pistão )  U  3,5  m(h2  h1 )
 3,7  7,2.103  W pistão  U  3,5  0,025(h2  2724,9)
3,5.103  W  U Entalpia h2  2864,9kJ
3,5.103  (hf  2724)(0,025)
Hf  2864kJ

A pressão permanece constante quando a fronteira é livre para se mover.

P  300kPa e h 2  2864,9

T  200C
Para o caso de expansões livres decorrentes da aberturas
de válvulas ou compartimentos em sistemas pressurizados
o trabalho realizado é zero
Exemplo 4-6 Expansão não resistida da água.
Um tanque rígido está dividido em duas partes iguais por uma partição.
Inicialmente, um lado do tanque contém 5kg de água a 200 kPa e 25°C, e o
outro lado está evacuado. A participação é removida, e a água se expande
ocupando todo o tanque.

a) Determine o volume do tanque:

Inicialmente estamos com água a 25°C

Vl  0,001061m³ / kg
Inicialmente estamos com 5kg:
Vl  (5)(0,001061)m³ / kg
Vl  5,305.10 3 m³
Com o volume dobrado.
Vl  (2)5,305.10 3 m³
Vl  1,061.10  2 m³
b) A pressão final:

0,01003
vl   2.10 3 m 3
5

Para a temperatura de 25°C para esse volume específico temos:

P  3,166kPa
c) A transferência de calor do processo:

vl  v0  x(vlv )
2.10 3  0,01003  x(43,34  0,010)
x  2,3.10 5

COMO TEMOS UMA EXPANSÃO LIVRE O TRABALHO É ZERO

ul  u0  x(ulv )
U  Q  W
u  104,83  2,307.10 5 (2304,3)
u  104,883kJ

Q  U
Q  5(104,88  104.83)
Q  0,265kJ
4.32 Um tanque rígido bem isolado contém 2 kg de uma mistura
saturada de líquido e vapor de água a 150kPa; Inicialmente,
verifica-se que ¾ da massa estão na fase líquida. Um resistor
elétrico colocado no tanque é conectado a uma fonte de 110 V e
uma corrente de 8 A flui pelo resistor quando o interruptor é
ligado. Determine quanto tempo levará para evaporar todo o
líquido do tanque.

m=2kg; Mistura saturada de líquido e vapor ; ¾ da


massa está na fase liquida
x  0,25
V  110V
i  8A
u0  466.97  (0,25)(2052,3)
u0  980,045kJ
uv  2519,2kJ

8(110)t  w  (2)(2519,2  980.046).103


t  3498s;
4.35 um vaso rígido de 10 L inicialmente contém uma mistura de líquidos e
vapor de água a 100°C com título de 12,3%. A mistura é então aquecida até
que sua temperatura seja de 150°C. Calcule a transferência de calor

necessária pra este processo.

A mistura é aquecida até que se atinja 150°C; o


vaso é fechado então não há trabalho.

Q  U
U 0  419,06  0,123(2087)
U 0  615,76kJ
V0  0,01045  0,123(1,670  0,001043)
V0  0,2065m 3

V  vesp m
0,01  0,2065m
m  0,04842kg

O volume específico não altera em vasos fechados:

0,2065  0,001091  x(0,39248  0,001091)


x  0,5248

u f  631,66  (0.5248)(1927,4)
u f  1643,15kJ
Q  (0,04842)(1643,15  675,76)
Q  46,9kJ
4.37 Uma determinada quantidade de vapor de água,
saturado em um sistema fechado, é condensada por
resfriamento a um pressão constante até se tornar líquido
saturado a 40kPa. Determine o calor transferido e o
trabalho realizado durante esse processo, em kJ/Kg.

Q  H
Q  317,62  2636,1
Q  2318,48kJ
4.38 – Um arranjo pistão–cilindro isolado contém 5L de água
líquida saturada à pressão de 175 kPa. A água é agitada por uma
roda de pás enquanto uma corrente de 8A flui por 45 min por um
resistor colocado na água. Considerando que metade do líquido
evapora durante esse processo a uma pressão constante e o
trabalho da roda de pás é de 400 kJ, determine a tensão da fonte.

t  45 min
V  5 L  0,005m 3

x  0,50
P  175kPa
w  400 J
i  8A
0,005  m(0,001057)
h  487,01  0,5(2213,1) m  4,73kg
h  1593,56kJ
8(2700)V  400  4,7(1593,56  487,01)
V  223.7Volts
4.42 – Vapor a 75kPa e 8% de título está contido em um arranjo pistão
cilindro com mola, como mostra a figura, com um volume inicial de 2 m³. O
vapor é então aquecido até que eu volume seja e 5m³ e sua pressão seja de
225kPa. Determine o calor transferido e o trabalho produzido pelo vapor
durante esse processo.
x  8%
V0  2m³ Determine o calor transferido e o trabalho produzido pelo
V f  5m³ vapor:
Pf  225kPa

(225  75)(3)
W  450 J
2

v  0,001037  (0,08)(2,2172  0,001037)


v  0,1783m³ / kg
5m³
2  0,1783m Vf   0,446m³ / kg
11,21
m  11,21kg
u0  384,36  (0,08)(2111,8)
u0  553,304kJ

v  v  x(vlv )
0,446  0,001064  ( x)(0,79329  0,001061)
x  0,5616

u f  520,47  0,5616(2012,7)
u f  1650,8kJ

Q  450  11,21(1650,8  553,304)


Q  12750kJ
4.46 – Dois tanques (tanque A e tanque B) são separados por uma partição.
Inicialmente, o tanque A contém 2 kg de vapor a 1MPa e 300 °C, enquanto o tanque B
contém 3 kg de uma mistura saturada de líquido e vapor com a fração em massa de
vapor igual a 50%. A partição é então removida e os dois lados se misturam até que
seja estabelecido o equilíbrio mecânico e térmico. Considerando que a pressão no
estado final é de 300 kPa. Determine (a) temperatura e o título do vapor (se houver
mistura) no estado final e (b) perda de calor dos tanques.
Como o tanque está fechado

Para o tanque A, estamos no estado Superaquecido!

V  2(0,25799)
V  0,516m 3

U  Q  w0

u0  2793,7kJ / kg
O tanque B

v  v0  xvlv
v  0,001091  0,5(0,39248  0,001091)
v  0,1967m 3 / kg

V  0,1967(3) U  u0  xulv
V  0,5901m 3 U  631,66  0,5(1927,4)
U  1595,36kJ / kg
mtotal  m1  m2 V  0,516  0,5901
mtotal  2  3  5kg Vtotal  1,1061m 3

V 1,1061
v   0,221m 3 / kg
m 5
A pressão fina será P=300kPa

O volume v=0,221m3 /kg está no intervalo entre 0,001073 e 0,60582

a) A temperatura T=133,52°C
u  u0  xulv
O Título:
u  561,11  0,3636(1982,1)
b) O título:
u  1281,80
V  v0  xvlv
0,221  0,001073  x(0,60582  0,001073)
x  0,3636
c) A perda de calor nos tanques

Q  U
Q  U A  U B
Q  m A (u2  u1 )  mB (u2  u1 )
Q  2(1281,80  2793,7)  3(1281,8  1595,36)
Q  3964,48kJ