Você está na página 1de 12

SENTIMENTO NACIONAL E

EXISTÊNCIA COLETIVA
AO LONGO DA HISTÓRIA DA LITERATURA
O SENTIMENTO NACIONAL PORTUGUÊS

PORTUGAL NASCE NO CONFLITO


O POVO É, DESDE OS PRIMÓRDIOS, CHAMADO A DEFENDER A INDEPENDÊNCIA
DE 1283 A 1500 PORTUGAL TRANSFORMA-SE NA MAIOR POTÊNCIA MUNDIAL
OS PROTAGONISTAS DA HISTÓRIA NÃO SÃO APENAS HOMENS NOBRES, MAS
TAMBÉM HOMENS E MULHERES DO POVO
O PAPEL DA “ARRAIA-MIÚDA”

• A EXORTAÇÃO ÀS ARMAS QUANDO NECESSÁRIO, A DESPEDIDA DAS FAMÍLIAS PARA IR EM


BUSCA DE UM NOVO MUNDO, A RECUSA E NÃO SER PORTUGUÊS SÃO CARATERÍSTICAS QUE
SÓ UM POVO COM UM SENTIMENTO NACIONALISTA BEM VINCADO PODE EFETIVAR AO
LONGO DOS SÉCULOS
• ASSIM A LITERATURA PROCUROU DAR VOZ E PESO A ESTES HERÓIS ANÓNIMOS, QUE NO SEU
CONJUNTO CONSEGUEM REALIZAR PROEZAS COMPARÁVEIS AO HEROISMO CLÁSSICO, NÃO
SÓ PELA SUA CORAGEM, MAS ACIMA DE TUDO PELA SUA MOTIVAÇÃO: SER PORTUGUÊS.
FERNÃO LOPES E A CRÓNICA DE D. JOÃO I

• ENCONTRAMOS NESTA CRÓNICA UMA DAS MAIS EFUSIVAS EXALTAÇÕES AO PAPEL DO POVO NA
DEFESA DA NACIONALIDADE
• NUM PORTUGAL SEM REI, AMEAÇADO PELA PERDA DE INDEPENDÊNCIA, CABE AO POVO O PAPEL
DE ESCOLHER O SEU SOBERANO
• É DURANTE O EPISÓDIO DA MORTE DO CONDE ANDEIRO QUE SE ESCLARECE A IMPORTÂNCIA DO
POVO NESTE MOMENTO DE TOMADA DE DECISÃO POLÍTICA CRUCIAL
• AMEAÇADOS COM A PERSPETIVA DA MORTE DO MESTRE DE AVIS, ACORREM HOMENS E MULHERES,
MUNIDOS DAS MAIS RUDIMENTARES ARMAS DE DEFESAS – OBJETOS DO SEU QUOTIDIANO –
DESTINADOS A VINGAR A MORTA DAQUELE QUE ERA O REI POR SI ESCOLHIDO
• A PARTILHA DA EMOÇÃO PELOS POPULARES EVIDENCIA O NACIONALISMO , NA MEDIDA EM
QUE É DE FORMA GENERALIZADA QUE TODOS OS QUE SABEM DA NOTÍCIA ACORREM AO
PAÇO.
• ESTE NACIONALISMO DESPERTA UMA CONSCIÊNCIA COLETIVA, PERMITINDO ASSIM DAR VOZ
NÃO A UM PROTAGONISTA, MAS À GLOBALIDADE DE UM POVO, REFORÇANDO ASSIM A
IDEIA DE UNIÃO NACIONAL MESMO EM TEMPOS DE CRISE E INCERTEZA.
CAMÕES E OS LUSÍADAS

• OS DESCOBRIMENTOS FORAM, SEM QUALQUER DÚVIDA, O MOMENTO ÁUREO DA HISTÓRIA


DE PORTUGAL
• É NESTA ÉPOCA QUE SE SUPERAM AS BARREIRAS FÍSICAS DA GEOGRAFIA E METAFÍSICAS DA
IMORTALIDADE, EM QUE PORTUGAL ERA SINÓNIMO DE CONHECIMENTO E MODERNIDADE
• O RENASCIMENTO EM PORTUGAL COINCIDE COM A GRANDE ODISSEIA, O QUE DÁ UM
GRANDE PRETEXTO PARA QUE, AO ESTILO CLÁSSICO, SE GLORIFIQUEM OS ATOS DOS
PORTUGUESES – ATRAVÉS DE UMA EPOPEIA
• AO LONGO DE TODO O POEMA, CAMÕES ENALTECE OS FEITOS DOS PORTUGUESES, NÃO SÓ
DURANTE A DIÁSPORA, COMO TAMBÉM DURANTE A FUNDAÇÃO NACIONAL E CONSOLIDAÇÃO DE
FRONTEIRAS.
• O PRÓPRIO TÍTULO SE REFERE À HISTÓRIA COLETIVA, A TODO UM POVO, PRINCIPALMENTE
EVIDENCIADO PELO RECURSO AO PLURAL
• LADO A LADO COM GRANDES VULTOS HISTÓRICOS – REIS, FIDALGOS E ATÉ DEUSES – APARECEM
PASTORES, GUERREIROS E MARINHEIROS, UNIDOS PELO SENTIMENTO DE SER PORTUGUÊS
• A IMPORTÂNCIA DO POVO, ENQUANTO CATALIZADOR DE ATITUDES POLÍTICAS, É INICIADA EM
FERNÃO LOPES MAS CONTINUADA EM CAMÕES, SEGUNDO O QUAL ATÉ OS DEUSES ESTÃO AO
SERVIÇO DOS PORTUGUESES
• CAMÕES VALORIZA TANTO O SEU PAÍS QUE CONSIDERA QUE NENHUMA VITÓRIA E NENHUMA
EMPRESA DO PASSADO TÊM COMPARAÇÃO COM A GRANDIOSIDADE DO CUMPRIMENTO DO
DESTINO PORTUGUÊS
FREI LUIS DE SOUSA

• NESTE TEXTO DRAMÁTICO, ALMEIDA GARRETT APLICA TODAS AS SUAS MOTIVAÇÕES LIBERAIS
PARA MAIS UMA VEZ SAIR EM DEFESA DE UM PAÍS FRAGMENTADO PELA GUERRA CIVIL E
DEVASTADO PELAS INVASÕES PENINSULARES
• ASSIM, E MOVIDO PELO NACIONALISMO CARATERÍSTICO DOS ROMÂNTICOS, CRIA UM
UNIVERSO DE PERSONAGENS QUE FACILMENTE ENCONTRARÁ CORRESPONDÊNCIA
IDEOLÓGICA ENTRE OS ESPETADORES/LEITORES
• SITUADA NUM CONTURBADO MOMENTO POLÍTICO – O DESAPARECIMENTO DE D. SEBASTIÃO
EM BATALHA, A CRISE DE SUCESSÃO DINÁSTICA, A UNIÃO IBÉRICA – APRESENTA-SE COMO
ALTER-EGO DA PRÓPRIA CONTEMPORANEIDADE DE GARRETT
• ASSIM, E PARTINDO DE UM GRUPO RESTRITO DE PERSONAGENS, DEFINE COMO FIO
CONDUTOR IDEOLÓGICO O NACIONALISMO E A LUTA CONTRA A UNIÃO IBÉRICA
• MANUEL DE SOUSA COUTINHO É A PERSONAGEM COM QUE GARRETT MELHOR SE
IDENTIFICA; REPRESENTA A RESILIÊNCIA PORTUGUESA, QUE RECOMEÇA DAS CINZAS EM PROL
DA DEFESA DO SEU PAÍS
• MARIA REPRESENTA O SIMBOLISMO ASSOCIADO AO PORTUGAL GLORIOSO, À MEMÓRIA
COLETIVA ; PRECONIZA OS IDEAIS DO SEBASTIANISMO E ANSEIA ALCANÇAR AS GLÓRIAS
PASSADAS, PROJETANDO PARA O SEU TEMPO ESTA IMAGEM DE GRANDIOSIDADE
• A INTERTEXTUALIDADE COM OS LUSIADAS APONTA TAMBÉM PARA ESSE GRANDE MOMENTO
• De forma individual, as personagens evidenciam uma forte consciência nacional, não só pela evocação da
memória, como também pelas atitudes individuais que mais não são a transcrição da voz popular
FERNANDO PESSOA E A MENSAGEM

• O modernismo português é também acompanhado de grande instabilidade política;

• Recém saído da monarquia, tendo passado por uma república parlamentar e uma ditadura militar, o Portugal
do modernismo apresenta-se debilitado na sua autoridade enquanto país

• Com a constituição de 1932, inicia-se uma nova era na reconstrução da identidade nacional
• Fernando pessoa retrata, numa linguagem de puro lirismo poético, um portugal à procura de si mesmo

• A reconstrução identitária nacionalista promovida pelo estado novo serve de ponto de partida para a
mensagem.

• Assim, e retomando a temática da definição de fronteiras e da diáspora, fernando pessoa projeta um portugal
do futuro baseado na intelectualidade – e assim se cumprirá o destino português

• Apesar de individualizar os protagonistas da história, é bem claro ao referir os sacrifícios do povo português
para que se alcançassem as glórias – o povo herói que prescinde de família, lar e parte à aventura do mar.

• É este sentimento que prevalece – da abnegação em prol de uma empresa maior