Você está na página 1de 45

Bacteriologia aplicada

Prof. Éverton do Nascimento Alencar


Farmacêutico - UFRN
Mestrando - Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (UFRN)
Microbiologia

Virologia

Microbiologia Micologia

Bacteriologia
Biossegurança em Laboratório
de Bacteriologia

Não fumar

Acesso restrito Risco biológico


Avisos

Descontamine os materiais ao Não fale enquanto


finalizar o experimento Não comer manipula
Biossegurança em Laboratório
de Bacteriologia

Bico de Bunsen
Capela de fluxo laminar
Cuidados

EPIs
Resumos dos níveis de Biossegurança Recomendados para Agentes Infecciosos

NB Agentes Práticas Equipamento de segurança Instalações

Que não são conhecidos por


Práticas Padrões em Bancadas abertas com pias
1 causarem doenças em adultos Não são necessários
microbiologia próximas
sadios

Prática NB-1 mais: Acesso


Barreiras primárias= Cabines de Classe I
limitado, Aviso de risco
ou II ou outros dispositivos de
Associados com doenças biológico, Precauções com
contenção física usados para todas as
humanas, risco= lesão objetos perfurocortantes,
manipulações de agentes que
2 percutânea, ingestão, Manual de biossegurança que NB-1 mais: Autoclave
provoquem aerossóis ou vazamento de
exposição da membrana defina qualquer
materiais infecciosos; Procedimentos
cutânea descontaminação de dejetos
Especiais como o uso de aventais, luvas,
ou normas de vigilância
proteção para o rosto quando necessário
médica

NB-2 mais: Separação


Barreiras primárias= Cabines de classe I física dos corredores de
Agentes exóticos com Prática NB-2 mais: Acesso
ou II ou outros dispositivos de acesso; Portas de acesso
potencial para transmissão via controlado, Descontaminação
contenção usados para todas as duplas com fechamento
3 aerossol; a doença pode ter de todo o lixo,
manipulações abertas de agentes; Uso automático; Ar de
consequências sérias ou até Descontaminação da roupa
de aventais, luvas, proteção respiratória exaustão não circulante;
mortais usada, Amostra sorológica
quando necessária Fluxo de ar negativo
dentro do laboratório

Agentes exóticos ou perigosos


NB-3 mais: Edifício
que impõem um alto risco de Prática NB-3 mais: Mudança
Barreiras primárias= Todos os separado ou área isolada;
doenças que ameaçam a vida, de roupa antes de entrar,
procedimentos conduzidos em cabines Sistemas de abastecimento
infecções laboratoriais Banho de ducha na saída,
4 de Classe III ou Classe I ou II e escape, a vácuo, e de
transmitidas via aerossol; ou Todo o material
juntamente com macacão de pressão descontaminação; Outros
relacionadas a agentes com descontaminado na saída das
positiva com suprimento de ar requisitos sublinhados no
risco desconhecido de instalações
texto
transmissão.

Fonte: CDC, CENTRO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS, Washington, EUA, 1999.


Bacteriologia

Estrutura das bactérias


Bacteriologia

Coloração de gram
Coloração com cristal violeta
Coloração com fuscina básica
Bacteriologia
Meios de cultura

Aminoácidos e Fatores de
vitaminas crescimento: Sangue,
soro, etc
Indicadores químicos

“Ambiente artificial composto por diferentes


substâncias capazes de promover o crescimento
microbiano”

Nitrogênio e carbono Sais minerais


Agente geleificante:
Ágar
Meios de cultura

Pesagem Hidratação Fusão

Autoclavação
Verificação de Distribuição em
121ºC, 15min,
pH garrafas
1atm

Teste de
Distribuição
esterilidade: Estocagem 4ºC
nas placas
24h a 37ºC
Meios de cultura

Consistência Conteúdo químico

Classificação dos meios de cultura

Utilização no laboratório
Meios de cultura

Classificação
Consistência
Meio sólido
 Obtenção de colônias isoladas
 Concentração de ágar: 1 a 1,5%
Meio semi-sólido
 Motilidade
 Concentração de ágar: 0,05 a 0,5%
Meio líquido
 Observar crescimento (Turvação)
Meios de cultura

Classificação
Conteúdo químico
Definido
 Quantidades conhecidas de substâncias químicas
 Ex.: Ágar Mueller-Hinton, Ágar BHI etc.
Indefinido ou Complexos
 Quantidade não definida dos constituintes
 Ágar sangue, Ágar Chocolate
Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meio de transporte

Meio Stuart Meio Carry blair


Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meio de manutenção

Ágar Nutriente
Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meio diferencial

Ágar Manitol Salgado Ágar EMB


Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meio seletivo

Ágar EMB Ágar XLD


Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meio enriquecido

Ágar sangue Ágar chocolate


Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meio de enriquecimento

Caldo BHI Caldo Selenito


Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meio para teste de sensibilidade

Ágar Mueller-Hinton
Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meios para testes bioquímicos

TSI SIM
Meios de cultura

Classificação
Utilização em laboratório
Meios para testes bioquímicos

Citrato de Simmons Fenilalanina


Semeadura
Meios sólidos

Estrias sinuosas

Disseminação Picada
Estria reta (ágar fundido)
Semeadura
Meios sólidos

Estrias múltiplas (isolamento) Distensão

Profundidade (Pour-plate)
Semeadura

Meios líquidos

Difusão
Semeadura

Meios semi-sólidos

Disseminação Picada
Bacteriologia aplicada a
diagnóstico
Bacterioscopia
Gram
Meios seletivos
Material biológico
Provas bioquímicas
Sorotipos
Antibiograma
Bacteriologia aplicada a
diagnóstico
Antibiograma

Identificação
Auxílio no tratamento
Prática
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia

Biotecnologia Bacteriologia Nanotecnologia


Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia

Nanossistemas terapêuticos

Nanochips Nanorrobôs
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia

• Nanotecnologia

• Bacteriologia

• Saúde
• Medicamentos
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Desenvolvimento de um antimicrobiano
Inovador
Old molecules

Delinear técnica
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Desenvolvimento de um antimicrobiano
Inovador
Produtos naturais
Buscar saber mais
Triagem
Difusão em ágar
Figura - Imagem de placa de Petri da triagem antibacteriana da cepa de
S. epidermidis ATCC 12228. EOEC (Emulsão de óleo essencial de
copaíba); EOC (Emulsão de óleo de copaíba); EOR (Emulsão de óleo de
rã-touro); CLOR (Cloranfenicol); OR (Óleo de rã-touro); DMSO
(Dimetilsulfóxido); OEC (Óleo essencial de copaíba); RC (Fração
resina de copaíba); OC (Óleo de copaíba. (Fonte: autoria própria).
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Desenvolvimento de um antimicrobiano
Inovador
Old molecules
Diluição (CIM)
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Desenvolvimento de um antimicrobiano

Microdiluição x Macrodiluição
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Desenvolvimento de um antimicrobiano
Resultado prático
CIM produto puro X CIM nanossistema
Provar atividade
Tabela 6– Concentração Inibitória Mínima dos óleos de copaíba e das emulsões
contendo estes óleos (mg/mL)
Micro-organismos OC EOC OEC EOEC

S. aureus ATCC 29213 > 234,00 ± 0,00 >248,75 ± 0,00 110,90 ± 96,02 >249,25 ± 0,00

S. epidermidis ATCC 12228 > 234,00 ± 0,00 >248,75 ± 0,00 221,75 ± 0,00 >249,25 ± 0,00

S. epidermidis AC1 0,001 ± 0,000 0,045 ± 0,026 152,50 ± 120,00 >249,25 ± 0,00

S. epidermidis AC2 > 234,00 ± 0,00 >248,75 ± 0,00 221,75 ± 0,00 >249,25 ± 0,00
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Observação das modificações na bactéria

MEV MET
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Observação das modificações na bactéria

MEV – S. aureus

MET
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Observação das modificações na bactéria

Microscopia Confocal
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Fatores de virulência
Biologia Molecular
Genômica
Modificações em sequências a fim de avaliar
virulência

Biofilmes
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Biofilmes
Dispositivos médicos
Reatores – Indústria de alimentos

Figura 4- Formação de Biofilmes. A: Biofilme em catéter; B: Mecanismo de formação dos


biofilmes; C: Dispositivos Médicos.
Bacteriologia aplicada a Bio e
Nanotecnologia
Ação de nanossistemas frente a biofilmes
Inóculo - 100µL/poço
Caldo Mueller-
Hinton + Micro-
Incubação 35ºC/ Remoção do
organismo
24h sobrenante
(McFarland 0.5)

Caldo Mueller-Hinton
/amostras (15:1) - 100µL/poço

Lavagem Cristal Lavagem


Etanol PA com água violeta com água
200µL deionizada 20min deionizada
Elisa (Biotek) 570nm
Considerações Finais
Bacteriologia
Diagnóstico médico
Biologia molecular
Desenvolvimento de nanossistemas
Controle microbiológico
Medicamentos
Alimentos
Água
Bacteriologia aplicada

everton_alencar@hotmail.com