Você está na página 1de 44

Universidade Federal do Amazonas

Faculdade de Ciências Agrárias


Departamento de Ciências Florestais
Disciplina de Indústrias Florestais

Ferramentas de Corte

Prof. Dr. Nabor da Silveira Pio


Mestranda: Jackeline Nascimento de Lira

Manaus-2016
INTRODUÇÃO

O termo “material de corte”, designa a matéria que constitui o


dente e/ou o gume (Bonduelle, UFPR).
O material de corte deve possuir:
• Dureza: resistir aos atritos e à abrasão;
• Uma tenacidade elevada;
• Uma boa estrutura metálica.

A busca por melhor qualidade e menor custo é


uma constante no setor industrial madeireiro.
Para conciliar as duas necessidades, as
melhorias no processo são fundamentais a
partir da compra do material e das ferramentas
para corte. (Revista da Madeira, 2002).
INTRODUÇÃO

Atualmente, o mercado de ferramentas para máquinas do


segmento madeireiro está bastante competitivo. As empresas
fazem opções de compra de acordo com a intenção de
produção, porte da empresa, custo beneficio (Revista Referencia,
2004).

Entende-se por “ferramenta ideal” aquela que proporciona


qualidade final do produto, qualidade na operação do processo,
diminuição dos índices de perdas e sobras, aumento da
rentabilidade e produtividade (Revista da Madeira, 2002).
FERRAMENTAS DE CORTE
Os Materiais de corte podem ser fabricados de dois
tipos:
aço-carbono: é usado em máquinas com baixa velocidade de corte,
tem baixa dureza e perde rapidamente o poder de corte.

aço rápido: é resistente ao calor e ao desgaste. Permite utilizar alta


As ligas: velocidade de corte, muito apreciado pela Indústria Madeireira.
Antes do aparecimento dos sinterizados, era considerado o material
mais adequado para fabricação de ferramentas.

Estelita (Stellite): a composição básica da estelita é de cobalto,


cromo, tungstênio e de carbono. O estelite proporciona uma
conservação da aptidão ao corte duas a três vezes mais do que os
aços rápidos.
Metal duro: mais utilizado atualmente na indústria madeireira. A
Materiais resistência ao desgaste dos metais duros é de 10 a 15 vezes maior
Sinterizados que a dos aços rápidos
Diamante: é um material sinterizado altamente resistente ao
desgaste. O preço de custo de uma ferramenta calçada de diamante
é muito elevado.
FERRAMENTAS DE CORTE

Classificação das Ferramentas

As ferramentas de corte são classificadas em:


• Monocortantes: têm uma aresta de corte como as ferramentas do
torno e da plaina.
• Policortantes: têm varias arestas de corte. São as fresa, brocas e as
serras.

Faca e brocas
Serra fita e Circular
Fresas para molduras Fonte:www. titoferramentas.com.br
Fonte:Revista da madeira, 2006
Fonte:www.santiferramentas.com.br
FERRAMENTAS DE CORTE

Características das Ferramentas (Dentes de serra)

As lâminas são constituídas de um corpo ou folha e dente. Os dentes


são formados por entalhes e saliências, as quais realizam um ataque
sucessivo aos feixes fibrosos da madeira, onde arrancam uma certa
quantidade de madeira sob a forma de pequenas partículas
(serragem) (Manual Uddeholm, 1993).

9 1-Corpo do dente
3 2-Goela (garganta, fundo)
8 4 3-Ponta
1 5 10 4-Frente
2
5-Dorso
6-Ângulo de saída (varia entre 5º
7
30º)
7-Ângulo de corte (varia entre 35º
6 50º)
8-Ângulo de ataque (no mínimo 5º)
9- Passo (distância dos dentes)
Diferentes partes e ângulos de serras circulares e serras fitas
10-Altura ou profundidade do dente
Fonte: Tuset & Duran, 1979.
FERRAMENTAS DE CORTE

Ângulo de incidência (A): Quando é muito pequeno, o gume não pode penetrar no
material de forma adequada e a ferramenta perde o corte rapidamente, ocorre forte atrito,
super aquecimento e mau acabamento da superfície.
Quando é muito grande o gume quebra ou solta pequenas lascas facilmente, aumentando
a ocorrência de falhas devido a um apoio deficiente. Este ângulo nunca pode ser menor
que 5º, sendo que na prática, o seu valor é em torno de 30° (STEMMER, 2001; Man. do
Tec. Florestal, 1986)

Ângulo de corte (B): é indicado como o ângulo mais importante, visto que de seu
tamanho depende a resistência do dente. Quanto maior for este ângulo maior será sua
resistência. Para madeiras de baixa densidade aplica-se ângulos de 35°, enquanto para
madeiras de alta densidade usa-se ângulos de 50° (STEMMER, 2001; Man. do Tec.
Florestal, 1986)

Ângulo de saída (C): influi decisivamente na força, na potência necessárias ao corte e na


qualidade do acabamento da superfície da peça usinada. Para madeiras duras é necessário
adotar um ângulo de saída menor. Ângulo muito pequeno fende a madeira em vez de
cortar, consumindo mais energia. Porém ângulo demasiadamente grande, uma superfície
(cortada) mais áspera. Quanto maior o avanço, maior será o ângulo de saída (STEMMER,
2001)
FERRAMENTAS DE CORTE

Influência dos dentes no corte

O formato e a dimensão dos dentes de serra exercem decisiva


influencia sobre o resultado de corte
Sua escolha depende de vários fatores
- Tipo de madeira: madeiras duras, requerem formato de dentes robustos com
um passo menor, diferente de madeiras brancas que requerem passo maior;

- Direção de corte em relação às fibras: dentes de serra que cortam madeira


transversalmente sofrem maior desgaste do que dentes que cortam madeira no
sentido longitudinal;

- Velocidade de corte: é a velocidade percorrida em segundo pela ponta cortante


do dente. Relaciona-se com o número de dentes, no sentido e quanto maior a
velocidade, maior deve ser o numero de dentes e o passo entre eles;

- Velocidade de Avanço : elevadas velocidades de avanço sujeitam os dentes de


serras a um grande esforço, exigindo um formato robusto. Depende de fatores
como: tipo de madeira, teor de umidade e altura de corte;
Morfologia dos dentes de serra

Fonte: www.saturno-net.com.br

9
PERFIL DOS DENTES DE SERRA FITA

Perfil Nº 1: Tem o formato de “N”, também conhecido como


mareado, é o mais utilizado para lâminas estreitas, ou seja, com
larguras de até 50mm. Dentes com esse formato são considerados
fortes, e são mais usados para madeiras excessivamente duras com
área do fundo relativamente pequena (Tuset e Duran, 1979).

Dentes de formato tipo “N”


Fonte: Manual Uddeholm, 1993.
PERFIL DOS DENTES DE SERRA FITA

Perfil Nº 2: Apresenta formato “O”, tem a base da garganta plana e


ampla. É recomendado para madeiras brancas (moles) e para madeiras
duras, como também, para madeiras com fibras grossas. Muitos
especialistas afirma que serras com a garganta plana reduz o risco de
fendas, trinco na garganta do dente (Manual Uddeholm, 1993).

Dentes de formato tipo “O”


Fonte: Manual Uddeholm, 1993.
PERFIL DOS DENTES DE SERRA FITA

Perfil Nº 3: Tem formato “S”, recomendado para lâminas


largas, principalmente quando as pontas dos dentes forem
recalcadas. Garganta ampla e corpo do dente altamente
rígido, logo, recomendado para todos os tipos de madeiras.
Conhecido também como bico de papagaio (Manual Uddeholm,
1993; Tuset & Duran, 1979).

Dentes de formato tipo “S”


Fonte: Manual Uddeholm, 1993.
PERFIL DOS DENTES DE SERRA FITA

Perfil Nº 4: Este formato é uma comunicação do tipo “N e S”. Tem como


vantagens uma ponta com alta capacidade de recalque e uma grande
área de garganta. Desta forma, reduz o risco de surgimento de fendas e
aumenta a capacidade de contenção de serragem. É recomendado
tanto para madeiras moles como para madeiras duras (Manual Uddeholm,
1993).

Dentes de formato tipo “ N e S”


Fonte: Manual Uddeholm, 1993.
PERFIL DOS DENTES DE SERRA FITA

Perfil Nº 5: Possui um raio de garganta maior, o qual previne formação


de fendas. Um ponto de transição no fundo da garganta faz com que os
cavacos se quebrem, transformando-se em cavacos menores, o que
proporciona uma ótima utilização da área da garganta, com um mínimo
de fuga e adesão de serragem nas tábuas. Este perfil apresenta
dificuldade durante a afiação com máquinas automáticas, pois não
conta com uma saída excêntrica adequada; recomendado para todo
tipo de madeira (Manual Uddeholm, 1993; Tuset & Duran, 1979).

Dentes de formato tipo “SB”


Fonte: Manual Uddeholm, 1993.
PERFIL DOS DENTES DE SERRA CIRCULAR

Perfil Nº 1: Recomendado para corte longitudinal de desdobro


(Tuset & Duran, 1979; Revista da madeira, 2002).

Fonte: Tuset & Duran, 1979.


PERFIL DOS DENTES DE SERRA CIRCULAR

Perfil Nº 2: Utilizado para corte transversal, em serramento de


destopo (Tuset & Duran, 1979; Revista da madeira, 2002).
PERFIL DOS DENTES DE SERRA CIRCULAR

Perfil Nº 3: Recomendado para corte de até 35mm de altura em


corte longitudinal de acabamento e madeira seca (Tuset & Duran, 1979;
Revista da madeira, 2002).

Fonte: Tuset & Duran, 1979.


PERFIL DOS DENTES DE SERRA CIRCULAR

Perfil Nº 4: Utilizado para corte longitudinal e transversal de acabamento


fino (Tuset & Duran, 1979; Revista da madeira, 2002).

Fonte: Tuset & Duran, 1979.


PERFIL DOS DENTES DE SERRA CIRCULAR

Perfil Nº 5: Trata-se de um perfil pouco utilizado, tem como objetivo


serrar peças com elevadas espessuras. Empregado em máquinas
de avanço automático (Tuset & Duran, 1979; Revista da madeira, 2002).

Fonte: Tuset & Duran, 1979


PONTA DO DENTE DE SERRA CIRCULAR (Widia)

RETO: Corte de precisão em madeiras maciças.

ALTERNADO: É o mais utilizado, apresenta


aplicação universal em cortes longitudinais
e/ou transversais em madeiras maciças,
laminados e compensados.

TRAPEZOIDAL RETO: Indicado


Fonte: tito ferramenta

especialmente para o corte de materiais duros,


perfis maciços de alumínio, PVC e laminados.
Apresenta ótimo acabamento.
Fonte: www.titoferramenta.com.br
PONTA DO DENTE DE SERRA CIRCULAR (Widia)

Na ponta desses dentes é soldada uma liga


metálica, denominada estelita,comercializada
no Brasil com o nome de wídia.
Fonte: tito ferramenta

Fonte: www.ferramentasdireto.com
21
Lâminas de serras

Propriedades para que as lâminas de serra tenham bom desempenho


e boa durabilidade

Boa resistência o choque, para suportar repetidos impactos

Boa dureza e resistência ao desgaste, a fim de permanecer afiadas


durante um tempo razoável

Boa elasticidade uniformidade estrutural para suportar as tensões

Elevada resistência à fadiga para resistir à flexão sobre os volantes


milhares de vezes do dia

Capacidade de resistir às tensões provocadas pelo aumento de


temperatura sem se deformar

22
Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008.
Morfologia dos dentes de serra

Escolha do perfil

O perfil e a velocidade de alimentação


afetam a qualidade da superfície
serrada.

Perfil ou velocidade inadequada são


responsáveis por superfícies rugosas e
redução da produção de madeira
aplainada.

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 23


Ação de corte e desgaste do dente de serra

Fio de corte

Corresponde à passagem do dente da lâmina de serra no


corte da madeira
A penetração do dente na
madeira exerce uma certa
pressão recebendo também
pressão contrária por parte da
madeira.

Quanto mais o dente perde o fio,


maior será o esforço para o corte.

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 24


Ação de corte e desgaste do dente de serra

Fio de corte

Peças com faces riscadas:

Afiação ou travamento irregular

Velocidade de corte excessiva

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 25


Ação de corte e desgaste do dente de serra

Afiação
Necessária para oferecer o perfil ao dente ou
recuperá-lo e aguçar a sua ponta

Afeta a durabilidade da serra, Causa o aparecimento de


se realizada com descuido ou fendas no fundo dos dentes
com ferramentas inadequadas

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 26


Ação de corte e desgaste do dente de serra

Afiação com rebolo de esmeril

É o mais utilizado para afiação de


lâmina de serra de grandes
dimensões

Rebolo com formato inadequado

Pressão muito forte e irregular Reduz a resistência

Velocidade excessiva poderão


aquecer os dentes

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 27


Ação de corte e desgaste do dente de serra

Fonte:www.vantec.ind.br
Ação de corte e desgaste do dente de serra

Fonte:https://www.youtube.com/watch?v=UeOPyVeUJIk
Ação de corte e desgaste do dente de serra

30
Fonte: Brandão, J.C.2011
Ação de corte e desgaste do dente de serra
Afiação com limas

Não ocorre superaquecimento, porém, é uma


operação demorada, por isso empregada para
pequenas lâminas

Fonte:www.clicaseesquemas.blogspot.com

Fonte:http://www.esemgoldex.com/youtube/v/chkpW5-yf3s/

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 31


Manutenção das serras

Recalque

É o travamento dado ao dente por meio de um


achatamento da ponta do dente, o qual o torna mais
espesso que o corpo da lâmina, a fim de evitar o
atrito do mesmo no processo de desdobro.

Quanto mais dura a madeira, maior


Seu tamanho deverá ser o recalque do dente
depende:
Madeiras secas o recalque deve ser
menor e madeiras úmidas devem ter
recalque maior

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 32


Manutenção das serras

Recalque

O recalque depende
da madeira e da
espessura da lâmina

Para o corte de madeiras


macias o recalque deve
ser mais pronunciado
que para madeiras duras

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008.


33
Manutenção das serras

Recalque

As lâminas de serras com dentes recalcados permitem


maior velocidade de alimentação do que aquelas com
dentes travados por torção.

O achatamento é geralmente realizado tendo a


ajuda de um aparelho manual (recalcador), para
lâminas onde a espessura é inferior 2mm.

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 34


Manutenção das serras

Ponta de dentes estelitados


Dente recalcado e Pronto para
igualado receber a
estelita

Fonte Vital, Benedito Rocha, 2008.

Fonte Vital, Benedito Rocha, 2008.

35
Manutenção das serras

Recalque Equipamento recalcador

36
Fonte: wolmer werke
Manutenção das serras

Recalque
Equipamento recalcador

37
Manutenção das serras

Travamento por torção

Consiste em inclinar a ponta do


dente para a direita ou para a
esquerda
As serras travadas por torção produzem
um fio de corte mais largo, mais
serragem e consomem mais energia

Fonte Vital, Benedito Rocha, 2008.


 Espessura da
A inclinação dos dentes depende:
lâmina
 Dureza da madeira

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 38


Manutenção das serras

Travamento por torção


Equipamento de travamento
 Em serra fita,
madeiras com
densidade superior
de 0,60 g/cm3,o
travamento deverá
ser feito até um
terço da altura do
dente

 Madeira macia ou
com densidade
inferior de 0,60g/cm3
até metade de sua
altura

Fonte: Vital, Benedito Rocha, 2008. 39


Manutenção das serras

Travamento por torção


Serras travadas

40
Manutenção das serras

Sistema de refrigeração e limpeza da lâmina

Sistema de resfriamento do corpo de lâmina, que além de


resfriar o corpo de lâmina, serve para limpeza da mesma

41
Manutenção das serras

Tensionamento das serras

A tensão interna das lâminas de serra é necessária para


compensar a dilatação que elas sofrem do aquecimento do
atrito entre os dentes, o corpo da lâmina e a madeira

42
Manutenção das serras

Tensionamento das serras

Desempeno

Quando em uso, a serra fita pode empenar devido a


sobrecargas, o que pode afetá-la totalmente.

Para evitar seu


empenamento deve-se
suspendê-la de
maneira a formar um
laço ou suspendê-las
em suportes

Fonte Vital, Benedito Rocha, 2008. Fonte: Lira, J.N. 2011 43


Pode-se dizer que a busca por melhor qualidade e menor custo é uma
constante no setor industrial madeireiro.

Assim, o desempenho da ferramenta atinge rigorosamente a


produtividade da máquina, logo, a boa ferramenta para corte é
indispensável tanto nos equipamentos mais tradicionais quanto nos mais
tecnológicos, conferindo assim, qualidade final do produto, qualidade na
operação do processo e um grande rendimento.

Você também pode gostar