Você está na página 1de 66

Ciências e Tecnologia dos Materiais

Prof. José Miranda da Silva Filho


Estudos dos Materiais
• O estudo da grande variedade de materiais existentes na natureza

e também dos que são produzidos pelo Homem conduziu à


criação da Ciência dos Materiais e da Engenharia dos
Materiais, áreas do conhecimento que têm por objetivo estudar e
conhecer profundamente os materiais, mediante um exame das
relações entre a sua estrutura, as suas propriedades e o seu
processamento, de forma a permitir desenvolver produtos que
apresentem, nas condições de serviço, uma correção de
desempenho, com adequada funcionalidade e durabilidade, a um
preço que possa ser o justo reflexo da sua qualidade global.
Estudos dos Materiais
• Ao engenheiro de materiais compete estudar a estrutura, propriedades,
aplicações e as tecnologias de processamento de todos os materiais
atrás referidos, o que exige profundos conhecimentos das ciências
básicas, tais como a Química (Inorgânica e
Orgânica), Física, Mecânica, Geologia, Bioquímica, Biofísica e, mais
recentemente, as Nanotecnologias.
Ciência e Tecnologia dos Materiais (CTM)

• Ciência, pois envolve Física, Química,


Matemática, Biologia;
• Tecnologia, pois envolve estudos das
técnicas empregadas para:
– Identificar
– Caracterizar
– Classificar
– Conformar
– Aplicar
– Valorizar
Identificar
• A identificação de um material remota dos
primórdios da humanidade quando da necessidade
de diferenciar os objetos da natureza.
• Para identificar um material é necessário apontar
quais características efetivamente o destaca
através do estudo de suas propriedades.
• Inicialmente a identificação dos materiais era feita
pelos sentidos do tato, olfato, visão e audição.
• Também foi importante a organização em tabelas
dos elementos químicos que fazem parte de um
material.
Caracterização dos Materiais
• A caracterização dos materiais exige um estudo minucioso de
suas propriedades mais importantes de forma a compreender
suas particularidades.
• É preciso inicialmente estudar suas propriedades tais como:
– Física
• Mecânica
• Micro estrutural
• Elétrica e Dielétrica
• Termodinâmica
• Forças Atômicas
– Química
• Ligações Químicas
• Reações Químicas
• Estruturas Químicas
Linhas de Estudo e Atuação

• Análise de Falhas • Borrachas


• Cerâmicas Eletrônicas • Cerâmicas
• Cerâmicas Simples Refratarias
• Tecnologia de Material em Pó • Vidros
• Supercondutores
• Semicondutores • Biomateriais
• Compósitos • Materiais Recicláveis
• Plásticos de Engenharia • Aço e Ligas
• Tubulações Especiais
• Materiais Nucleares • Soldagem
• Materiais de Construção • Ligas Refratárias
• Metais Estruturais
• Fibras Ópticas
Questões de Informação

• Por que se adiciona cobre ao ouro nas jóias?


• Como o aço em folha pode ser processado para
produzir um material de elevada resistência,
peso leve, absorção de energia, maleável para
ser usado na fabricação de chassis de carros?
• Pode-se criar circuitos eletrônicos leves e
flexíveis usando plásticos?
• O que é uma “material inteligente’’?
• O que é um material supercondutor?
Conteúdo CTM
Primeira Etapa Segunda Etapa
• Classificação e Identificação • Mecanismos de Deslocamento e
• Estrutura Atômica e Ligações Resistência
Interatômicas • Falhas
• Estrutura dos Sólidos Cristalinos • Diagramas de Fase
• Imperfeições em Sólidos • Transformações de Fase:
• Difusão Desenvolvimento de Micro-estruturas e
• Propriedades Mecânicas dos Metais Alteração nas Propriedades Mecânicas
• Engenharia de Metais, Cerâmicas,
Polímeros, Compósitos, Materiais
Avançados
• Corrosão e Degradação de Materiais
• Propriedades Elétricas, Térmicas, Ópticas,
Laboratórios
• Coleta de dados experimentais para elaboração de
relatórios.
• O relatório é individual bastando entregar um dos
quatro realizados por etapa.
• O aluno não poderá realizar o laboratório se não
estiver devidamente trajado, com o exemplar do
manual de laboratório já lido
• Assinar a lista de frequência de entrada e saída.
• Não será aceito relatório de aluno que não tenha
participado do laboratório.
• Não haverá reposição de relatório.
Lista de Questões
• Haverá uma lista para cada etapa, isto é, L1 e
L2;
• A lista terá dez (10) problemas sendo que sete
(7) serão comuns a todos enquanto os três (3)
restantes serão individuais exclusivamente de
cada aluno para serem resolvidos na ida ao
quadro.
• A nota da lista será adicionada ao relatório
mais a nota da prova escrita teórica divididos
por três (3).
Apresentações
• Baseadas em artigos científicos ou em um
projeto
– Os artigos serão postados no aluno online;
– Os links dos projetos serão postados no
aluno online
• Serão em equipes de no máximo de três.
Bibliografias
Bibliografias
VISÃO HISTÓRICA
AS CIVILIZAÇÕES

• Idade da Pedra;

• Idade do Cobre;

• Idade do Bronze;

• Idade do Ferro.
VISÃO HISTÓRICA
IDADE DA PEDRA
Corresponde ao período em que o
homem usava ferramentas criadas a
partir de pedras para cortar carnes
e plantas (idade da pedra lascada).
VISÃO HISTÓRICA
Idade do Cobre
O cobre gerou algum impacto no
mundo antigo, pois produzia boas
armas e armaduras razoáveis, mas
ainda era muito macio para produzir
ferramentas de corte úteis.

Conseqüentemente, o metalurgia do cobre não


substituiu a manufatura de armas e ferramentas de
pedra, que ainda produziam lâminas superiores.
VISÃO HISTÓRICA
• Idade do Cobre
VISÃO HISTÓRICA
Idade do Bronze

• Período da civilização onde ocorreu o


desenvolvimento da metalurgia dos
bronzes, ligas de cobre com vários
outros elementos, incluindo o Sn, Al, Si
e Ni.
• Os bronzes possuem maior dureza do que o cobre, bem
como boa resistência à oxidação. Foram largamente
empregados na produção de ferramentas, armas e objetos
de arte.
VISÃO HISTÓRICA
VISÃO HISTÓRICA
Idade do Ferro
• O Fe não substituiu o bronze
imediatamente, devido à sua metalurgia
complexa, além de ser raramente
encontrado em sua forma elementar.
• Posteriormente as ligas ferrosas
tornaram- se as mais utilizadas entre os
metais, pela abundância de minério de
Fe e sua extrema versatilidade.
IMPORTÂNCIA RELATIVA DOS MATERIAIS
INTRODUÇÃO
• Os materiais estão incorporados em
nossas vidas mais do que podemos
imaginar.
• Não é possível dar dois passos sem que
esbarremos em um tipo de material.
Técnicas e Métodos de
Identificação e Caracterização
• Raio X
• Microscópio ultravioleta.
• Microscópio de fluorescência.
• Microscópio de polarização.
• Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV)
• Microscópio Eletrônico de Transmissão (MET)
• Espalhamento Raman
• Testes Mecânicos: tração, compressão, flexão, torção e
dureza, impacto, etc.
Raios X
Raios X
Liga 304L. Por exemplo uma série aço inoxidável
austeníticos, T-300 que tem um mínimo de 18% de
cromo e 8% de níquel. Tipo 304L tem um carbono
máximo é de 0,030. O padrão "18/8 inox" que é
comumente encontrada em panelas e utensílios de
cozinha. A liga 304L é uma das mais versáteis e
amplamente utilizadas na família de aço inoxidável.
Ideal para uma ampla variedade de aplicações
comerciais e no lar, ligas 304L apresentam excelente
resistência à corrosão e tem uma alta facilidade de
fabricação, excelente habilidade para dar formas. Os
aços inoxidáveis austeníticos também são
considerados os mais soldáveis dos aços de alta liga e
podem ser soldados por todo o intervalo de fusão e
resistentes a processos de soldadura.
Microscopia UV
Microscopia Fluorescência
Classe dos Materiais
Classes de Materiais
Componentes Importantes dos
Materiais
Tetraedro das Ciências dos
Materiais
Propriedades Mecânicas
Propriedades e Características Mecânicas

• Modulo de elasticidade: relação entre a tensão de engenharia (s) e


deformação de engenharia (ε), isto é, E= s/ ε. (coeficiente angular da curva
entre a tensão e a deformação)
• Tensão de Escoamento: onde o material começa a ter uma deformação
plástica grande, isto é, deixa de ser puramente elástico.
• Tenacidade à Fratura: Energia necessário para deformar e romper o
material.
• Resiliência: Energia necessário para deformar o material em regime
elástico.
• Estricção: relação da deformação na direção da carga aplicada e a
deformação em outra direção (transversal) que não a da força aplicada.
Esta relação é dada pela razão ou modulo de Poisson.
• Dureza: Relacionada com o ponto mais alto da curva entre tensão de
engenharia e a deformação de engenharia. Caracteriza-se pela capacidade
de penetração por um segundo material (processo de usinagem) e assim é
uma medida relativa feita por comparação com outro material.
• Fluência: Presente em materiais amorfos (vidros) por aplicação de uma
carga estática que leva a um comportamento de deformação contínuo
permanente.
• Fatiga: Materiais que são sujeitos â esforço cíclico ou periódico que se
repete sendo procurado a resistência do material sob esforço repetitivos.
Propriedades Químicas e
Físicas
Estudos dos Materiais
Projeto de Materiais
Conceituação CTM
Seleção de Material
A função do material dita o A forma restringe a
tipo de material função e o
Fução processo do
material

Material Forma

O processo é O processo
influenciado pelo Processo interfere com a
material forma
A seleção do material é realizada através do processo que não pode ser
separado da forma, da função do produto, do tipo de material, pois se
trata de uma relação biunívoca.
2/12/2018 39
Classificação dos Materiais de Engenharia

Materiais de Engenharia

Metais e Ligas Não Metais

Ferroso Não Ferroso Termoplástico Térmicos Elastômeros

Alumínio Acrílico
Aço Fenólico Borracha
Nylon
Aço inoxidável Cobre Polímero Poliuretana
ABS
Ferro fundido Zinco Poliéster Silicone
Polietileno
Titânio
Policarbonato
Tungstênio PVC

2/12/2018 40
Materiais de Engenharia

Materiais

Cerâmicas e
Vidros
Metais Não Metais Compositos

Cambitos
Nitridos
Plásticos
Óxidos reforçados
Grafite Matriz Metal
Diamante Matriz
Cerâmica
Vidros
Laminados
Cerâmicas
2/12/2018 vidros 41
Propriedades dos Materiais
Propriedades dos
Materiais

Propriedades mecânicas e
metalúrgicas Propriedades Físicas e
Químicas
1. Módulo de elasticidade
(Modulo de Young)
2. Tensão de Escoamento
Condutividade Térmica
3. Limite de resistência
mecânica Expansão Térmica
4. Tenacidade (a fratura) Condutividade Elétrica
5. Resiliência Propriedade Magnética
6. Estricção
Corrosão
7. Modulo de Poisson
Densidade
8. Dureza
Ponto de Fusão
9. Fluência (termo / tempo)
2/12/2018 10. Fadiga 42
Exemplos de Materiais
Exemplos de Materiais
Biomateriais
Nanomateriais
Processo Semicondutores
Processo Cerâmica
Processo Ferro e Aço
Processo Ferro & Aço
Processo Compósito
Processo Cimento
Processo Fundição em Molde
Processo Soldagem
Os metais de adições mais usados são: cobre para aço doce; ligas de Cu-Zn e Cu-
Sn para cobre, aço inoxidável e ligas de níquel; ligas de Ag para ferrosos e não
ferrosos.

Arco por Centelhamento


Brasagem
Conformação dos Materiais
Corte por Cisalhamento
Extrusão
Trefilação
Forjamento
Laminação
Repuxo
Estiramento
Processo de Usinagem
Processo de Usinagem
Aplicações
Aplicações
Aplicações

metais cerâmicos polímeros compósitos


Aplicações
Naval
Automobilística

Aeronáutica

Petrolífera
Materiais de Construção
Resíduos de Materiais de uma Estância Turística
Sites
• https://engenharia-civil-
virtual.blogspot.com.br/