Você está na página 1de 31

O que é manutenção ?

É MANTER OS
EQUIPAMENTOS E
INSTALAÇÕES EM
CONDIÇÕES NORMAIS
DE OPERAÇÃO,
OTIMIZANDO SUA
PERFORMANCE
Histórico da manutenção
1ª Geração: até a 2ª. Guerra
Manutenção não
- Indústria pouco mecanizada era
- Equipamentos simples e fundamental
superdimensionados

2ª Geração: da 2ª Guerra aos anos 60


Planejamento
- Aumento da mecanização e Sistemas
- Aumento da complexidade das de Controle
instalações

3ª Geração: anos 70 em diante Novas


Expectativas
- Mudanças aceleradas Nova visão das falhas
Novas técnicas
de análise

Fonte: Adaptado de MOUBRAY (2000)


Espectativas

Fonte: Adaptado de MOUBRAY (2000)


RCM
ISO MANUTENÇÃO
PREVENTIVA/ SEGURANÇA

PREDITIVA

5S

O “ARCO”
DA
SUPORTE E
JIT MANUTENÇÃO CONTROLE DE
MATERIAIS

CONFIABILIDADE MEDIÇÃO DE
ORGANIZAÇÃO
TOTAL NOS TRABALHO

RELATÓRIOS E
ATIVOS
PLANEJAMENTO
CONTROLES PARTICIPAÇÃO DE SERVIÇOS
GERENCIAIS
INTEGRADA E
CONTROLE E PROATIVA
ORÇAMENTÁRIO INFORMÁTICA

PLANO DISTRIBUIÇÃO
MESTRE DE CUSTOS

OBJETIVOS E SISTEMA DE
METAS ORDEM DE SERVIÇO

PRINCÍPIOS E
STATUS
CONCEITOS
ASSESSMENT
GOVERNAMENTAIS

COOPERAÇÃO ENTRE MANUTENÇÃO E PRODUÇÃO


Os métodos (estratégias)

MANUTENÇÃO

Manutenção Manutenção
Preventiva Corretiva

Manutenção Manutenção Manutenção de


Sistemática Condicional Melhoria

Manutenção
Preditiva

Fonte: Adaptado de MIRSHAWKA & OLMEDO (1993)


Manutenção CORRETIVA

Todo o trabalho de manutenção realizado em máquinas que


estejam em falha, para sanar esta falha. A manutenção
corretiva pode ser planejada ou não planejada. Se a
manutenção corretiva deve ser feita imediatamente, porque
graves conseqüências poderão advir, poderá ser chamada de
manutenção corretiva de emergência (BRANCO FILHO, 1996).
Na manutenção corretiva, deve-se efetuar as seguintes tarefas:

1. Uma análise das causas de falha;


2. O restabelecimento da função normal do equipamento (retirado do
estado de falha / reparo);
3. Um melhoramento eventual (correção), visando evitar a reincidência
da pane, ou minimizar seus efeitos sobre o sistema;
4. A colocação em memória da intervenção (histórico do serviço
executado), permitindo uma exploração pormenorizada mais tarde.
Manutenção PREVENTIVA
Manutenção PREVENTIVA

É todo o serviço de manutenção realizado em


máquinas que não estejam em falha, estando com
isso em condições operacionais, ou em estado de
defeito. Existe dentro deste tipo de manutenção,
desta atividade, a manutenção sistemática, que é
prestada a intervalos regulares (quilômetros, horas
de funcionamento, ciclos de operação, etc.), a
inspeção, a preditiva, as atividades de lubrificação,
etc. (BRANCO FILHO, 1996).

ÓLEO
Manutenção PREVENTIVA
Manutenção PREVENTIVA (cont.)

Parada para preventiva


Quebra

Performance esperada

Nível admissível

Tip Tip Tip

T1 T2 T3

Tempo
Manutenção PREDITIVA
Manutenção PREDITIVA

A manutenção preditiva é um método de manutenção de


equipamentos baseado em detectar, por monitoração e
medição de parâmetros, as condições de um item até que
sejam atingidos limites de deterioração pré-determinados.
Assim, deve-se fazer as curvas de tendência combinando
os dados obtidos e executar uma manutenção pró-ativa. A
manutenção preditiva auxilia no diagnóstico dos
problemas prematuramente, contribuindo para evitar
falhas inesperadas. Através da manutenção perceptiva é
possível trocar os componentes no momento adequado,
antes que a falha ocorra, o que resulta na otimização do
custo de manutenção. Desta forma, pode-se utilizar os
componentes quase por toda a sua vida útil, sem ocorrer
falhas e conseqüentes perdas de produção.
Manutenção PREDITIVA
Manutenção PREDITIVA (cont.)
A Manutenção Preditiva deve abranger as seguintes ações:
• Definição do parâmetro que será controlado e que possa dar uma
indicação clara do estado de deterioração do equipamento (pontos de
medição).
• Determinação das periodicidades entre os controles.
• Escolha do método e ferramental a ser utilizado.
• Definição de um critério de julgamento.
• Controle da tendência do parâmetro
Manutenção de MELHORIA

Alteração efetuada em um item, da qual se espera/obtém


um aperfeiçoamento de sua função(BRANCO FILHO,
1996).

Já Xenos (1998) define melhoria como manutenção de


melhoria (ou kaizen dos equipamentos - a palavra “kaizen”
é de origem japonesa e significa fazer melhorias), que
significa melhorá-los gradativamente e continuamente para
além de suas especificações originais.
Os métodos (estratégias) – nova versão

REATIVO INICIATIVA
COE PV
Corretiva Emergência Preventiva

COU PD
Corretiva Urgência Preditiva

CO PVC
Corretiva Programavel Preventiva de Condição

ME
Melhorias
As funções de apoio

CONTROLE

Métodos / Estratégias
Tratamento de
Falhas dos
Equipamentos Manutenção Preventiva

Padronização Manutenção Preditiva


da Manutenção

Planejamento Melhoria dos


da Manutenção Equipamentos Manutenção Corretiva

Manutenção
Preditiva Sobressalentes Orçamento da Educação e
e Almoxarifado Manutenção Treinamento

Fonte: Adaptado de XENOS (1998)


Os sistemas de informação

Sistema de informação é definido como um


conjunto organizado de pessoas, hardware,
software, redes de comunicações e
recursos de dados que coleta, transforma e
dissemina informações em uma
organização (O’BRIEN, 2001).
Os S.I. na manutenção

Aplicações financeiras
Desenvolvimento de aplicações
Controle de estoques

Processo de negócios Mais poderosos


manual Mais baratos
Sistemas MRP
Primeiros CMMS

até 1960 de 1960 à 1970 a partir de 1970


Os S.I. na manutenção

Faturamento por continente no mercado de CMMS


América
latina
6% América do
Norte
Ásia e
56%
Oceania
10%

Europa Participação no mercado


28%
EMPRESA % MERCADO

Indus International 19,6


PSDI (MRO) 10,9
Mincom 8,7
Datastream 7,7
SAP 6,8
Marcam 3,3
IFS 3,3
Frontec 3,1
Fonte: TAVARES (1999)
Os S.I. na manutenção
Os S.I. na manutenção
S.I.M. / Sistemas de Informação na Manutenção

Cadastramento Bem vindo ao


Solicitação de Serviço

Ordem de Serviço

Padrões

Grupo de Tag’s

Manutenção Preventiva
SIMULADOR DE UM SISTEMA DE
Apropriação de Mão de Obra
INFORMAÇÃO DE MANUTENÇÃO
Inventário

Login 4444
Senha 4444
Entrar
Histórico dos C.M.M.S. no Brasil

• Em 1964 Ö 1º programa parada de manutenção na REDUC


• Em 1970 Ö 1º programa de manutenção rotineira em Furnas
• Após 70 Ö desenvolvimento para grande porte
• Meados 80 .. Ö Pacotes importados, para médio e grande porte
• Após 1990 .. Ö Com o microcomputador, oferta por empresas
nacionais

Tipos de softwares utilizados na manutenção (%)


Externos Externo Próprios Planilha Não
Ano Próprios e utiliza
AdaptadosPacotes Eletrônica
Externos Software
2001 18,59 17,31 19,87 33,33 5,77 5,13
1999 23,85 13,85 26,15 24,62 8,45 3,08
1998 25,19 20,74 11,85 28,15 8,15 5,92
1995 46,89 12,43 16,95 23,73 - -

Fonte: Documento Nacional (Abraman, 2001)


Alguns C.M.M.S. a venda no Brasil

Nome comercial Empresa


AMOS-D Apectec / Moerbeck
ARTEMIS D&ISI
AVANTIS-PRO Marcam Solutions
CHAMPS Thornix Informática
CMC PTC
COMAC DELTA SetUp
COMPASS Boone and Moore
COSWIN Siveco (Protam)
ENGEMAN Chips Informática
GERCOM Compusciense
LS MAESTRO Logical Soft Informática Ltda
MAC ACTIVE SAM-Sist. De Automação de Manutenção
MAIN SERVER Engequal
MANTEC Semapi Sistemas
MÁXIMO PSDI
MMS Inter-Unde Engenharia Química
MP2 Datastream Systems Inc.
MS2000 Micro Mains Corp.
OOPS Falcon System
PLACOM Micro Consult
PROTEUS Eagle Technology Inc.
SIAM MR Bachelany Adm. E Informática
SIEM M&F Consultoria e Projetos
SIGMA Petrobrás
SIM Astrein Informática
SMI SPES Engenharia de Sistemas
TEROMAN Promon Engenharia / SD Scion
TMA-CMMS TMA Systems
ULTIMAINT Pearl Computer Systems Inc.
Evolução do C.M.M.S.

Largo

Enterprise Asset Management


Consiste em planejar, construir,
especificar e comprar, usar e
manter a capacidade de produção
dos ativos que produzem os bens e
serviços das empresas.
Strategic Asset Management
É o gerenciamento a
otimização de todos os
ativos que causam impacto
direto e significante na
operação e na performance
da empresa, juntando as
funções de EAM e
suprimentos de MRO na
cadeia de valor indireta.

Estreito Departamental Planta Corporação

Fonte: MRO Software


Gerenciamento de ativos estratégicos

SAM - Strategic Asset Management

Todas as classes de ativos

Produção Facilities Frota TI

Diversos tipos de Indústria

Manufatura Utilities Facilities Governo Finanças

Tecnologia Telecom Transporte Farmacêutica Oil & Gas


e-Maintenance
3
2
Cadeia de
Compras
Suprimentos
Estratégicas &
eProcurement Serviços e peças
1
Alinhamento da 4
Manutenção com Gerenciamento do
Estratégia do Ativo e Trabalho
negócio
eMaintenance
8
Manutenção 5 Habilidades novas ou melhoradas
Centrada em Gerenciamento
Confiabilidade da Energia
Sistema de Manutenção Centrada em confiabilidade
7 6
Automação Monitoramento (SRCM) „Monitoramento remoto Habilidades de Suporte
da Força de Remoto dos
Campo Ativos à Manutenção
Call Center

Indústria
Gerenc. do
Conhecimento
wireless wireless Work Back Office
Management
Automação da Força de Campo &
„Acesso ao portal através de Handheld Procurement Dispatching
sem fio provê: de peças Center
de reposição
y Diagnóstico On-site
y Ordem de Serviço
y Despacho Parceria Estratégica

Gerenciamento de Energia
„Monitoramento Remoto
Fonte: ACCENTURE
Os sistemas E.R.P.

Previsão Plano Mestre de Produção


de Vendas Multinível Análise
Códigos de Planejamento Bruta
Mat. e Rec.
Itens de Planejamento 50 Utilizada
Disponível
40

Críticos h 30
s 20

10
0
Semana 1Semana 2Semana 4Semana 5

A Parâmetros
B C Estruturas Análise
MRP Detalhada
Roteiros
Estoques
Compras Produção
Planejadas Planejada

Vendas
Compras Produção Projetos
Reais

Estatísticas Dados Reais Custos

Contas a
Pagar Manutenção Estoques
Integração de sistemas na empresa

Acionistas/ Investidores
Executivos Data
Relatórios Warehouse Business Balanced
Gerenciais Intelligence Scorecard Mercado

Funcionários
Extract
Transform
Portal Corporativo
Load
Fornecedores Gestão Documentos Workflow Gestão Conhecimento

Enterprise Resource Planning


SDCD
Sales Force
Manufacturing Enterprise Application Integration
Execution Automation
System
Customer
RH Relationship
Supply
Chain Mgt. Mgt..
Integração
Manutenção Outros Sistemas
Logística Clientes

Fonte: ACCENTURE
Banco de dados
BANCO DE
DADOS

E.ESP E.DESCRIÇÃO F.MAT F.NOME E.ESP


INS INSTRUMENTISTA 4567 JOÃO DA SILVA INS
MEC MECÂNICO 2345 PEDRO LIMA MEC
ENC ENCANADOR 5600 JONAS MELO MEC
ELE ELETRICISTA 3498 FLÁVIO CRUZ ELE
Nome da tabela: ESP Nome da tabela: FUNC

Fonte: KOCHHAR (1999)


Relacionamento (link) entre tabelas

Nome da tabela: FUNC Nome da tabela: ESP


F.MAT F.NOME E.ESP E.ESP E.DESCRIÇÃO
4567 JOÃO DA SILVA INS INS INSTRUMENTISTA
2345 PEDRO LIMA MEC MEC MECÂNICO
5600 JONAS MELO MEC ENC ENCANADOR
3498 FLÁVIO CRUZ ELE ELE ELETRICISTA

Chave primária Chave primária


Chave estrangeira
Gerenciamento de um B.D. relacional

Você também pode gostar