Você está na página 1de 45

PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

DE TURBOMÁQUINAS
(TURBINAS A VAPOR)
Sistema de coordenadas

Componente
Tangencial

Componente
Meridional

cm  c  c
2
x
2
r
c  c  c  c
2
x
2
r
2

c  c  c
2
m
2
Leis fundamentais
• Continuidade (conservação da massa)

• 1 Lei da Termodinâmica

• Conservação da quantidade de movimento

• 2 Lei da termodinâmica
Continuidade

dm
dm     c  dAn
dt
m  1  c1  An1   2  c2  An 2   n  cn  An
1 Lei da Termodinâmica
Turbomáquina adiabática;

Regime permanente;

1 entrada e 1 saída;

 c2  c1
2 2

Q  W  m  h2  h1    g  z2  z1  
 2 
Wt  m  h01  h02 
2 Lei de Newton

d
 Fx  dt  m  cx 

F x  m  cx1  cx 2 
Equação do Momento

d
   m  r  c 
dt

  m  r2  c 2  r1  c 1 
Equação de Euler
  m  r2  c 2  r1  c 1 
Wc      m U 2  c 2  U1  c 1 

wc  U 2  c 2  U1  c 1 

wt  U1  c 1  U 2  c 2 

wt  h01  h02  U1  c 1  U 2  c 2

wt  h0   Uc 


No Estator
c c 2 2
Wt  m  h01  h02  h1  h2  2 1
2

No Rotor
h0  h   cm  c 
1 2 2
c  c  c2 2
m 2
h02  h03   h2  h3    c 2  c 3    cm 2  cm2 3   U  c22  c23 
1 2 2 1 2
2 2

h2  h3   c 2  c 3   c 2  U    c 3  U     cm 2  cm2 3   0
1 1 2
 
2 2
h2  h3   c 2  c 3   c 2  U    c 3  U     cm 2  cm2 3   0
1 1 2
 
2 2

c 2  U   w 2   c 3  U   w 3

c2  c 3    w 2  w 3 

w2  cm2  w2

h2  h3   w2  w32 
1 2
2
2 Lei da Termodinâmica
Q QR
 T 0  T 0
QR QR
2
S 2  S1   dS  mds 
1
T T
Q
2
Q
2

1 T  S2  S1 1 T  S irrev  S 2  S1

Turbomáquina adiabática;

S 2  S1
2 Lei da Termodinâmica
q  du  w
Processos reversíveis

Tds  du  pdv

h  u  pv  dh  du  pdv  vdp

Tds  dh  vdp
Relação entre propriedades→ qualquer tipo de processo
Estágios
• Ação: a entalpia não varia no rotor; (ρ = 0)
• Reação: a entalpia varia no rotor; (ρ = 1 pura)
• Grau de reação:

hrotor Turbinas Modernas



htotal (0 < ρ < 0,5)

Adiabático
Protor
Tds  dh  vdP 
Ptotal
Pequena variação no volume específico
TRIÂNGULO DE VELOCIDADES

para

TURBINAS A VAPOR
Triângulos de velocidade
α1=90 60<c1<100 m/s

C2 aproximadamente = C4
Triângulo de velocidades no BOCAL
c22t  c02
h0  h2t  Coeficiente de
perda de
c2   . 2. 1  t  Y05t  c2
0
2 velocidade nos
Estágio de reação
bocais

c2   . 2.Y05t  c02 0,9    0,98


Estágio de Ação

11<α2<18 (função da geometria do bocal)


Triangulo de Velocidades no Rotor

2
w w2
w5   . 2.t .Y05t  w 2
h4  h5t 5t 4
4
2

0,9    0,98
wu5

C4 é dado (veio do bocal) w5   . 2.t .Y05t  w42


α4 é dado (veio do bocal) dado de projeto
Cm4 = C4.sen α4
U5  U 4
Cu4 = C4.cos α4

U é dado (PP e f do gerador)

Cm5 = w5.sen β4
Torção de palhetas longas
Torção de palhetas longas
Exercício:
Determinar as características dos triângulos de
velocidade de entrada e saída para um estágio de
uma TV.
Dados:
– P0 = P1 = 18,4 MPa;
– T0 = T1= 493C;
– P5 = 16,2 MPa;
– De = 0,75 m;
– 3600 RPM;
– ρt = 0,05 ;
– C0 = 100m/s; α2 = 12; ϕ = 0,96; ψ = 0,95; β5 = β4 -2,8;
Calcular os triângulos de velocidade
h(kJ/kg) P0=18,4 MPa
T0= 493 C
3239
0=1

Y05t =37 Y02t =35,2

P4t=14,4 MPa

P5t=16,2 MPa
Y45t =1,8
3202

s(kJ/kgK)
β4=24
α4=12
C4
w4
u

α2 = 12
c2   . 2. 1  t  Y05t  c 2
0
272,6 m/s

u   .D.n 141,4 m/s

w4  c42  u 2  2.c4 .u.cos  4 


137,50 m/s
 cm 4 
4  arcsen   24,34 Graus
 w4 
u-wu5 wu5
β4=24
α4=12 α5 β5=21
C4 c5 w5
w4
u 180-α5 u

w5   . 2.t .Y05t  w42 142,89 m/s

β 5 = β 5 – 2,8 (dado da questão) β5 21,54

wu 5  w5 cos  5  132,90 m/s

c5  w52  u 2  2.w5 .u.cos  5  53,15 m/s

 u  wu 5 
180   5  arccos   99,2 graus
 c5 
Torque e potência
T  m(C 4  C 5 )r
Pot  T .  m(C 4  C 5 )r.
w  U (C 4  C 5 )

w  141, 4(266, 64  8, 46)

w  36,5[kJ / kg ]

η=?
PERDAS
Perdas no perfil (ϕ e ψ)
• Perda por atrito: fluido viscoso, distribuição
irregular de pressão;

• Perda na borda (espessura finita);

• Perdas ondulatórias (velocidades


supersônicas);
Distribuição de pressão no perfil
Perdas no perfil
• Perdas terminais: velocidades menores no
topo e na base
Perdas no estágio
C22t C22
• Bocal: Ypb    C2    C2 t
2 2
2 2
• Rotor: W W
Ypr  
5t
 W5    W5t
5

2 2
2
C
• Saída do Estágio: Yps  5 Atrito viscoso
2 Borda finita
C52 Ondas de choque
Yper   Terminal
2
0 (Último estágio) – 0,9
Perdas no bocal, pás
móveis, e velocidade
de saída

Próximo estágio
Determinar as perdas e o rendimento de um
estágio de uma TV. Dados:
• P0=18,4 MPa e T0 = 493 C;
• P5 = 16,2 MPa; C22t C22
• ρt = 0,2; Ypb    C2    C2t
2 2
• C0 = 50 m/s; YPb 1,44342 kJ/kg
• C2t = 270 m/s;
W52t W52
• ϕ = 0,98; Ypr    W5   W5t
2 2
• W5 = 175 m/s;
YPr 1,302626 kJ/kg
• Ψ = 0,96; 2
C
• C5 =60,5 m/s; Yps  5 YPs 1,830125 kJ/kg
• μ = 0,5. 2
2
C5
Yper   Ypre 0,915063 kJ/kg
2
E0  Ypb  Ypr  Yps _ líquida
re 
E0
 c02 c52 
 h05t     Ypb  Ypr  Yps  Ypre 
re   2000 2000 
 c02 c52 
 h05t   
 2000 2000 

h0 3241,811 kJ/kg
s0 6,177428 kJ/kgK
h5t 3204,637 kJ/kg

ηer 0,902396
Outras Perdas
Perdas por atrito no disco

Atrito do disco
(grandes superfícies de contato)

3 2
u .D
0,3 103  e e
Ypa  v
m
Perdas por ventilação no disco
um3
   D  0, 4  1    0,5   c   D  L  
2 1,5

vm 106
p
Ypv 
m
λ = 1 (superaquecido) e
1,25 (saturado);
D = diâmetro do estágio
(m);
ε = grau de abrangência;
Lp = Altura do perfil (cm);
Vm = volume específico
(m3/s).
Perdas por fugas
Perdas com vapor úmido
“A parte do fluido de trabalho que se encontra na fase líquida não
só não realiza trabalho , como também freia as pás. Além disso o
choque das gotas , em alta velocidade , provoca uma erosão intensa
que diminui a resistência mecânica das pás.”

u
Ypu  2  Y05t  1, 2  1  x0   0, 6   x0  x  
c0

c0  2000  Y05t
Rendimento completo do estágio:

Perdas na palheta:
- Perfil (atrito, borda, ondulatório)
- Terminais fugas
Atrito e ventilação
Perdas no bocal
Velocidade de saída umidade

E0   hb  hp  hvs  hav  h f  hu 


ri 
E0
Bibliografia

Cap. 5 Cap. 4 Cap. 1 e 4


(volume 1)