Você está na página 1de 45

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ

CAMPUS BELÉM
CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS

TECNOLOGIA DE MADEIRA

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DEFEITOS DE SECAGEM

 RACHADURAS.

 FENDILHAMENTO.

 EMPENAMENTO.

 ENCRUAMENTO.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DEFEITOS DE SECAGEM

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


RACHADURAS
 Caracterizam-se por grandes aberturas radiais no topo de peças
ou toras. As causas podem ser variadas, como por exemplo a
orientação do corte da peça de madeira ou de secagem mal
conduzida. As rachaduras ocorrem sempre no sentido dos raios,
pois as células de raio são formadas de parênquima, que é pouco
lignificado, frágil e de paredes finas. Outros motivos também
podem originar rachaduras, como a tensão interna de
crescimento, fenômeno relacionado diretamente à anatomia e à
fisiologia da árvore, que causa perdas consideráveis em serrarias.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
RACHADURAS

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


FENDILHAMENTO

 Aberturas de pequena extensão ao longo da peça


de madeira.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


EMPENAMENTO
 É caracterizado por uma distorção em relação ao plano da
superfície de uma peça de madeira. O empenamento pode
ser classificado em:
 Abaulamento ou encanoamento: É o encurvamento no
sentido da largura da peça;
 Curvatura: Encurvamento longitudinal na peça;
 Curvatura lateral: Quando o encurvamento ocorre no
sentido lateral das peças.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
EMPENAMENTO

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


ENCRUAMENTO

 Decorre da secagem acelerada das camadas


superficiais enquanto o interior da peça continua
com teor de umidade elevado. Provoca rachaduras
no interior da peça que certamente alteram o
comportamento esperado.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DEFEITOS DE CRESCIMENTO E
DESENVOLVIMENTO
 Grã.
 Variações na largura e no espaçamento dos
anéis de crescimento.
 Crescimento excêntrico.
 Lenho de reação.
 Nós.
 Tecido de cicatrização.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
GRÃ

 A grã é a orientação dos elementos celulares


em relação ao eixo vertical da árvore. Quando
a grã é irregular, dependendo do uso que se
vai destinar a madeira, isto pode constituir um
defeito, prejudicando o acabamento, secagem
e outras operações.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


GRÃ

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


Variações na Largura e no Espaçamento
dos Anéis de Crescimento

 Em madeiras de coníferas, principalmente, o


espaçamento e a espessura dos anéis de
crescimento criam uma variação de densidade
e dureza que podem caracterizar um defeito,
uma vez que torna o tecido mais heterogêneo.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


Variações na Largura e no Espaçamento
dos Anéis de Crescimento

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


Crescimento Excêntrico

 Ocorre quando a medula é deslocada do


centro do tronco. Este fenômeno causa uma
forma elíptica ao fuste. Isto irá resultar em
tábuas de estrutura desuniforme que
consequentemente poderão causar resultados
inesperados no processo industrial.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


Crescimento Excêntrico

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


Lenho de Reação
 Árvores que sofreram um esforço causado por uma
condição irregular de crescimento, como por exemplo,
ter se desenvolvido em uma superfície inclinada,
podem apresentar este tipo de defeito. Nas coníferas o
lenho de reação geralmente situa-se na região de
compressão (lenho de compressão), enquanto que nas
folhosas, o lenho de reação ocorre mais na parte que é
tracionada (lenho de tração).
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
Lenho de Reação

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


Nós
 O nó é a região do caule onde ocorre a intersecção de
um ramo ou de um galho. Ou seja, é aquela porção de
um galho que ficou incorporado no bole de uma
árvore. O nó apresenta uma estrutura anatômica
totalmente reforçada e inviabiliza uma boa
trabalhabilidade. É muito duro, às vezes solta-se
durante o acabamento e, em geral, é escuro,
conferindo um aspecto desagradável a peça.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
Nós

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


TECIDO DE CICATRIZAÇÃO
 Ocorre quando a árvore sofre algum ferimento,
causado pela queda de uma outra árvore ou pelo
ataque de insetos, por exemplo. A presença de
resina geralmente ocorre geralmente após
alguma injúria ocorrida na casca da árvore e que,
mais tarde, é englobada com o surgimento de
novas camadas de tecido originadas pelo
câmbio.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
TECIDO DE CICATRIZAÇÃO

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DEFEITOS NA FORMA DO
TRONCO
 Tortuosidades.

 Bifurcação.

 Sapopemas.

 Conicidade.

 Tronco acanalado.

 Tronco fenestrado.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
TORTUOSIDADES
• Troncos tortuosos são comuns e podem ser resultado de
vários fatores, como por exemplo, condições de
luminosidade, folhagem assimétrica pendendo mais para
em uma certa direção, cipós e até presença de alumínio
no solo. Este defeito diminui o aproveitamento da tora,
pois torna difícil a obtenção de tábuas longas e retas. A
madeira também poderá apresentar tendência
acentuada a empenamentos.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
TORTUOSIDADES

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


BIFURCAÇÃO

 Quando ocorre rente ao solo é possível


aproveitar o fuste, mas dependendo da altura
em que se localize pode inviabilizar o
aproveitamento ou influenciar a qualidade da
madeira.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


BIFURCAÇÃO

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


SAPOPEMAS

• São raízes tabulares, cuja função é servirem


de contraforte, a fim de fornecerem maior
equilíbrio a árvore. As sapopemas dificultam a
operação de abate e alteram a anatomia no
local.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


SAPOPEMAS

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


CONICIDADE

• O tronco de algumas árvores assumem forma


acentuada de cone quando a partir do 2o.
metro o diâmetro diminui menos de 1 cm por
metro de comprimento. Diminui o
aproveitamento da tora no processo de
desdobro.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


CONICIDADE

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


TRONCO ACANALADO

• É caracterizado pela presença natural de


saliências ao redor do fuste, que resultam em
perda significativa de aproveitamento.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


TRONCO ACANALADO

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


TRONCO FENESTRADO

• Neste caso, o fuste apresenta profundas


depressões e geralmente é utilizado inteiro
como poste, não servindo para cortar em
tábuas.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DEFEITOS DE ALTERAÇÃO PROVOCADOS
POR AGENTES FÍSICOS E BIÓTICOS

 Defeitos do Weathering.

 Apodrecimento por fungos e bactérias.

 Destruição por insetos.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DEFEITOS DO WEATHERING

 Madeiras expostas à condições adversas


sofrem descoloração de tecido, levantamento
da grã e enfraquecimento geral da estrutura.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


APODRECIMENTO POR
FUNGOS E BACTÉRIAS
 Ataque destes organismos a madeira pode
causar apodrecimento e alterar
completamente suas características, inclusive
a resistência e durabilidade, comprometendo
definitivamente as peças.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


APODRECIMENTO POR
FUNGOS E BACTÉRIAS

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DESTRUIÇÃO POR INSETOS

 Insetos podem perfurar canais, câmaras e


danificar de modo irreversível peças de
madeira.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


DEFEITOS DE PROCESSAMENTO
INADEQUADO
 Tensão.

 Presença de medula.

 Presença de casca e alburno.

OBSERVAÇÃO: Podem ocorrer ainda outras falhas


durante o processamento da madeira que provocam
fraturas, machucados, cantos esmagados e cortes mal
orientados nas peças.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
TENSÃO

 Ao longo de sua vida a árvore acumula tensões


provocadas pelo vento. Quando cortada ela se parte
no sentido dos raios. Para que isto não aconteça,
antes da derrubada é preciso fazer um corte em
volta do tronco, entre o tronco e a raiz e deixar que
as tensões se dissipem. O processo dura de dois a
três dias.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


TENSÃO

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


PRESENÇA DE MEDULA

 No processo de desdobro é possível que as


peças retiradas do centro da tora contenham
tecido parenquimático pertencente a medula. Isto
pode favorecer o aparecimento de rachaduras na
tábua, diminuindo a resistência a esforços
mecânicos e favorecendo ao ataque de
organismos xilófagos.
Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes
PRESENÇA DE MEDULA

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes


PRESENÇA DE
CASCA E ALBURNO
• Semelhante ao que ocorre com a medula, a
madeira pode ser vendida contendo vestígios
(e às vezes bem grandes) de casca e/ou
alburno.

Prof. Dr. Laércio Gouvêa Gomes