Você está na página 1de 63

Anatomia e

Fisiologia das aves


Classificação

Galiformes – galinha,
peru, galinha d’angola,
pavão e faisão.
Anseriformes – pato,
marreco, ganso e cisne.
Columbiformes –
pombos em geral.
Passeriformes –
pássaros em geral.
Classificação
Reino – Animal
Filo – Chordata
Subfilo – Vertebrata
Classe – Aves
Subclasse – Neormithes
Superordem – Neognathe
Ordem – Galiforme
Subordem – Galli
Família – Phasianinal
Gênero – Gallus
Espécie - Domesticus
Anatomia e Fisiologia das aves
• O esqueleto da galinha é composto de 160
ossos que servem de suporte. Do ponto de
vista fisiológico, servem de reserva de Ca e P.
Os ossos esponjosos ou pneumáticos são
cheios de ar e ligados ao aparelho respiratório.
Funções dos ossos
- proteção para órgãos moles: coração, pulmões,
sistema nervoso central, entre outros;
- confere sustentação e conformação do corpo;
- age como um sistema de alavancas que,
movimentado pelos músculos, permitem o
deslocamento do corpo, no todo ou em parte;
- os ossos também são os locais de produção de
certas células do sangue.
Ossos
Vértebras cervicais – são em número de 13 e
encontram-se dispostas de tal forma que no seu
conjunto descrevem uma forma de S, que facilita o
amortecimento do choque da região da cabeça após
o salto ou o voo;
Ossos
• Vértebras torácicas – são em número de 7, com a
particularidade de algumas delas se unirem numa
peça óssea única que denominamos de osso
notarium ou dorsal;

Osso notarium ou dorsal


Ossos
• Vértebras lombares e sacrais – logo após o
nascimento essas vértebras se fundem em um osso
único chamado sinsacro ou osso lombossacro, que
inclui também a última vértebra torácica;

Sinsacro ou
osso lombossacro
Ossos
• Vértebras coccígeas ou caudais – as primeiras
estão unidas ao sinsacro.
- porção mais caudal = fusão de 4 a 8 vértebras
caudais embrionárias - o pigóstilo –funções: inserção
dos músculos e penas caudais e sustentação da
glândula uropigeanal.

Caudais e Pigóstilo
ATENÇÃO
Glândula uropigeanal - glândula do óleo secretada
pelas aves e que estas espalham pelo corpo
conferindo impermeabilização – muito importante nas
aves aquáticas.
Ossos
• Costelas – com exceção da primeira e da última
costela, as demais apresentam, no meio do seu
bordo caudal, um processo em forma de gancho
achatado que se sobrepõe à vértebra seguinte,
designado por processo uncinado e que confere
maior rigidez à porção torácica;
Ossos
Ossos
• Esterno – osso extenso, completamente ossificado,
onde se incluem no osso bolsas de ar dos sacos
aéreos.
A galinha doméstica pertence ao grupo das
aves carinatas por possuir no esterno estrutura
chamada de carena ou quilha local, na qual os
músculos peitorais se inserem;
Ossos
• Esqueleto apendicular – na maioria das aves, a
cintura escapular é completamente desenvolvida,
sendo composta pelos osso caracóide, clavícula e
escápula.
Clavícula
Escápula

Coracóide
Ossos
• Úmero – constitui o esqueleto do braço. É um osso
longo, pneumatizado, encurvado, que se mantém
paralelo às vértebras torácicas, exceto no voo;
Ossos
• Rádio e Ulna ou cúbito – formam o esqueleto do
antebraço, que é mais desenvolvida nas aves
voadoras.

Rádio
Ulna
Ossos
• Carpo – é composto por dois ossos – carporradial e
carpoulnar – que se articulam com os respectivos
ossos do antebraço

Carpo
Ossos
• Metacarpo – constituído por 3 metacarpianos
fundidos num só osso

Metacarpo
Ossos
• Dedos – em número de 3. O maior é o dedo II que
apresenta duas falanges. O rudimento do dedo III é
constituído por uma falange e o dedo I é muito
rudimentar e apresenta uma ou duas falanges,
estando colocado junto ao carpo

Metacarpo
Ossos
• Cintura pélvica – corresponde ao osso coxal, que
é formado pelo ílio, ísquio e púbis. Nas aves os dois
coxais estão fundidos ao sinsacro na zona do íleo,
constituindo o conjunto a pélvis

Sinsacro
Ossos
• Fêmur – é o osso da coxa e, nas aves, é mais curto
que o esqueleto da perna. Possui forma cilíndrica e
ligeiramente encurvada.
Ossos
• Tíbia e fíbula – a tíbia é o osso mais longo da
perna. Na sua porção lateral existe uma crista para
inserção da fíbula. Também conhecida como
tibiotarso.
Ossos
• Metatarso – constituído por um osso longo,
formado pela união dos metatarsianos II, III e IV e
pelo elemento tarsiano. Do lado medial do osso
existe uma projeção aguda e encurvada (processo
calcaris) que serve de apoio ao esporão, muito
desenvolvido no macho.
Ossos
• Dedos – as aves domésticas possuem, geralmente,
4 dedos no membro pélvico

 1º dígito: metatarso curto e uma falange


 2º, 3º e 4º dígito são contados de dentro
para fora e são formados por 2, 3 e 4
falanges respectivamente
 5º dedo: esporão – defesa (galinha)
Anatomia e Fisiologia das aves
• A musculatura corresponde a 75% do peso
das aves sendo maior em regiões que fazem
acentuado esforço físico, coxas e músculos
peitorais.
Forma a parte
comestível da
ave (carne)

Constitui cerca
de 75% do
peso da ave
Anatomia e Fisiologia das aves
• Possuem três tipos de músculos:
-Músculos peitorais – representam 1/12 do peso
do corpo e são de cor branca.
- Músculos lisos ou involuntários – paredes
das artérias e veias, pele, traqueia, órgãos
reprodutores, olhos e tubo digestivo.
- Músculo cardíaco – forma o coração, é uma
combinação de musculatura lisa e estriada.
Anatomia e Fisiologia das aves
• Aparelho digestivo tem aproximadamente
250 cm de comprimento na ave adulta, inicia-
se no bico e termina na cloaca.
Anatomia e Fisiologia das aves
• Parte da ração ingerida pelas aves precisa
de diversas reações antes de poder ser
utilizada pelo organismo. Essas reações são:
- Digestão
- Absorção
- Metabolismo
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
São mudanças que ocorrem nos
alimentos durante a sua passagem pelo canal
alimentar para tornar possível a absorção dos
nutrientes através da parede intestinal e em
seguida serem transportados pela corrente
sanguínea até as células.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
A passagem do bolo alimentar pelo tubo
digestivo depende do movimento peristáltico
que se inicia no esôfago e é desencadeado
sucessivamente no papo, na moela e no
intestino.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Boca – função de apreensão, escolha e
ingestão do alimento. A cavidade bucal
compreende o bico, língua, glândulas salivares
e faringe.
Esôfago – é um tubo relativamente longo por
onde passa o alimento. Possui glândulas
mucosas para lubrificar o alimento
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Papo – o divertículo ou papo é originário da
distensão da parede do esôfago e separa o
esôfago em porções superior e inferior. O
papo é considerado na ave um reservatório de
alimento.
Proventrículo (estômago glandular) – está
localizado entre o esôfago inferior e a moela. O bolo
alimentar caminha pelo proventrículo e é embebido
pelo suco gástrico composto por água, ácido
clorídrico (HCl), sais, pepsinogênio e mucina.
Pepsina – enzima que digere
as proteínas.
Mucina – Muco que recobre a
parede do estômago,
protegendo-o do ambiente
ácido.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Moela (estômago muscular) – responsável
pela trituração e maceração do alimento,
apresentando uma musculatura altamente
desenvolvida e forte, resistente à ação do HCl.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Intestino delgado - composto por duodeno,
jejuno e íleo. O intestino delgado é a porção
mais longa do sistema digestivo. Tem a função
de realizar a digestão final do alimento e
absorção dos nutrientes.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Pâncreas – glândula ligada ao sistema
digestivo. O pâncreas lança no duodeno um
fluido alcalino rico em enzimas proteolíticas,
aminolíticas e lipolíticas, importantes para a
neutralização do quimo ácido que penetra no
duodeno.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Fígado – órgão que possui funções vitais no
processo de digestão e absorção. A bile é
sintetizada no fígado, armazenada na vesícula
biliar chegando ao duodeno pelo ducto biliar. A
bile facilita a absorção das gorduras e a
digestão dos carboidratos.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Intestino grosso – é um tubo curto presente na
última seção do trato digestivo e é dividido em cecos,
cólon e reto ou cloaca. Nos cecos, ocorre a absorção
de água, digestão da fibra bruta (celulose e ainda a
lignina que pode ser utilizada entre 10% e 40% do
total) além da síntese de vitaminas do complexo B e
vitamina K.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Digestão
Cloaca – estrutura dilatada em forma de bolsa
comum aos aparelhos digestivos, urinário e
reprodutor.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho urinário
É constituído de dois rins e dois ureteres.
Não possuem bexiga e os ureteres
desembocam na porção final do intestino (cloaca).
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho urinário
Os produtos finais do metabolismo das
proteínas e água transportada pela corrente
sanguínea são depositados nos túbulos dos rins.
A ave não possui bexiga e por isso a urina
passa pelos ureteres diretamente à cloaca. Ao
passar pelos ureteres, a maior parte da água da
urina é reabsorvida pelo corpo e, por isso, a urina
das aves é pastosa.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho urinário
Ao chegar à cloaca, a urina mistura-se com as
fezes do intestino grosso e é eliminada junto com
esta, sendo que a parte branca e pastosa
corresponde à urina.
A mistura de fezes e urina das aves contém
aproximadamente: 1,4% de nitrogênio, 0,99% de
ácido fosfórico e 0,39% de potássio, sendo o
adubo natural mais completo para a agricultura.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Composto de:
• Boca;
• orifícios nasais;
• Faringe;
• Traqueia;
• Pulmões, e;
• Sacos aéreos.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Composto de:
• Boca;
• orifícios nasais;
• Faringe;
• Traqueia;
• Pulmões, e;
• Sacos aéreos.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Orifícios nasais – também conhecido como
cavidades nasais. São curtas, situadas na parte
superior do bico. Comunica-se com a boca e a
faringe por uma abertura, uma fenda localizada no
palato.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Laringe – segmento curto que liga a cavidade oral
ao esôfago.
Traqueia – canal formado por anéis de cartilagem
que se inicia na laringe e bifurca-se na siringe-
filtração do ar e resfriamento evaporativo.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Laringe – segmento curto que liga a cavidade oral
ao esôfago.
Traqueia – canal formado por anéis de cartilagem
que se inicia na laringe e bifurca-se na siringe-
filtração do ar e resfriamento evaporativo.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Siringe – órgão que produz som.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Brônquios - formam o sistema tubular do pulmão,
subdividindo-se em primário ou principal, secundário
e muitos parabronquiais.
De cada um dos
brônquios principais
surgem quatro grupos de
brônquios secundários:
brônquios secundários
medioventrais;
brônquios secundários
mediodorsais;
brônquios secundários
lateroventrais, e;
brônquios secundários
laterodorsais.
Os brônquios
secundários irão emitir
numerosos
parabrônquios, que se
ligam por canais uns
com os outros.
É nestes
parabrônquios que se
vai processar a
hematose
(transformação do
sangue venoso em
sangue arterial).
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Pulmões – relativamente pequenos, ocupam a
cavidade torácica. Os pulmões não contraem e nem
se expandem. Estão ligados aos sacos aéreos, os
quais tem função de reservatório.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Sacos aéreos – estruturas que se comunicam com
os brônquios e estão distribuídos em toda a cavidade
torácico-abdominal.
• um saco interclavicular único;
• um par de sacos cervicais;
• um par de sacos torácicos craniais (anteriores);
• um par de sacos torácicos caudais (posteriores); e
• um par de sacos abdominais.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Sacos aéreos – Funções:
• permitem uma circulação rápida do ar pelos
pulmões – auxilia na respiração;
• tornam as aves mais leves para o voo;
• permitem que o corpo da ave fique em equilíbrio
com o centro da região ventral durante o voo;
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Sacos aéreos – Funções:
• diminuem a fricção entre os músculos em
movimento;
• ajudam a manter a temperatura corporal pela
difusão do vapor e da água pelos pulmões;
• constituem um reservatório de ar para as aves de
voo rápido.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Aparelho respiratório
Ossos pneumáticos – ossos que contém cavidades
aéreas (câmaras de ar) possuindo como função
reduzir o peso (facilitar o voo) e alguns reforços
ósseos que lhes conferem resistência.
Anatomia e Fisiologia das aves
- Como ocorre a respiração?
• Dois ciclos – Primeira e segunda inspiração.