Você está na página 1de 23

FACULDADES INTEGRADAS APARÍCIO CARVALHO

INTERNATO – GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA


MEDICINA
6ºANO

CÂNCER DE MAMA
INTERNO: Vinicius Pitaluga
PRECEPTORA: Drª Ana Lúcia Rocha
Epidemiologia

1ª causa de morte por Câncer na


1% 2º
de
Brasil tipo
Tumor
população de
todos
2016: tumor
maligno
feminina
os casos maligno
mais
Incidência comummais
brasileira
desuperior
Câncer 
ade57
frequente
mama
mil/risco noas
entre
11,28incidem Brasil
dee50
óbitos/100.000hab
no
estimado sexo no
mulheres mundo
empara
masculino
casos
cada 1002009
mil mulheres
Fatores de Risco – Prevenção Primária
Sexo Feminino Cicatriz radial
História Familiar (1º grau) Antecedente pessoal de Câncer de
Menacme Prolongado mama
Idade > 40 anos Antecedente pessoal de CA de
endométrio, ovário, cólon
Nuliparidade Carcinomas in situ (ductal e lobular)
Primiparidade após 30 anos Antecedente pessoal de RT para Doença
Obesidade ( dieta rica em gordura) de Hodgkin
Agentes Químicos Uso crônico de álcool
Hiperplasias atípicas Uso de ACO
Mutação nos genes BRCA 1 e BRCA 2 Uso de TH
Países industrializados
Estratégia Diagnóstica – Prevenção
Secundária

PAAF/Exames
Anamnese Exame Físico Biópsia
de Imagem
Rastramento do CA de MAMA (MS
2013) – Prevenção Secundária
Baixo Risco: ECM anual >40 anos e ECM + mamografia Bienal de 50-69a
Alto Risco: ECM+MMG anual > 35 anos
Parente de 1º grau <50 anos
Parente 1º grau com CA bilateral
Parente Ca mama Masculino

#MS 2015 contraindica autoexame, colocou o ECM como benefício Incerto


e não mencionou paciente de alto Risco!
Manifestações Clínicas
Assintomática
(tumores subclínicos)

Derrame Papilar

Tumor palpável
Derrame Papilar
Lácteo • Hiperprolactemia

Multicolor • AFBM e Ectasia Ductal

Sanguíneo • Maior causa Papiloma Intraductal


Quando investigar?

Espontâneo, uniductal, unilateral, água


de rocha ou sanguinolento => BIÓPSIA
#Citologia Negativa não exclui diagnostico, O líquido e Hipocelular!
Nódulo Palpável
1º exame Clínico

2º PAAF
Cístico x Sólido

3º avaliar líquido e USG/MMG

#Se líquido Sanguinolento, >2 recidivas, massa residual


ou nódulo sólido = Biópsia
Exames de Imagem

#Sempre 1º exame de rastreio é a Mamografia


• >40a
• Malignidade: nódulos espiculados, limites mal definidos,
distorção do parênquima adjacente, Microcalcificações
pleomórficas agrupadas
Exames de Imagem
USG indicações:
• BI-RADS 0, sólido x cístico, <40a e gestante
• Benignidade  Anecoico, homogêneo, bem delimitado, reforço
acústico posterior
• Malignidade  Misto, heterogêneo, mal delimitado, sombra acústica
posterior

• Ressonância Indicações
• Prótese, múltiplas cirurgias, BI-RADS 0
Mamografia
Incidência Mediolateral Incidência Crânio caudal
Classificação Bi-Rads
0 MMG inconclusiva  USG ou RNM
1 Nenhuma alteração  Repetir de acordo com a idade
2 Alterações benignas  Repetir de acordo com a Idade
3 Duvidosa; Provável Benigna  Repetir em 6m por 3 anos
1a: 6/6m 2-3a: anual
4-5 Suspeita/Fortemente suspeita  Biópsia
6 Achado com comprovação Maligna  CD de acordo com tumor
Biópsia
Core Biopsy ou Mamotomia

Se Negativo: Biópsia cirúrgica (padrão-ouro)


• Biópsia insicional
• Biópsia Excisional
#Lesão Impalpável  Estereotaxia
HISTÓRIA NATURAL DO CÂNCER DE
MAMA
EPITELIO NORMALHIPERPLASIA EPITELIAL TÍPICA HIPERPLASIA
EPITELIAL ATÍPICA  CA INTRADUCTAL OU INTRALOBULAR  CA
INVASOR  DISSEMINAÇÃO LINFÁTICA E HEMATOGÊNICA 
METASTÁSES

Principais órgãos de metástases: 1.Ossos 2. Pulmão 3. Fígado


TIPOS HISTOLÓGICOS
Precursoras: Carcinoma Ductal e Carcinoma Lobular in situ

Carcinoma Ductal Infiltrante: tipo invasor + comum

Carcinoma Lobular Infiltrante: bilateral e multicêntrico

Carcinoma Inflamatório: localmente avançado, Pior prognóstico

Carcinoma Tubular: Melhor Prognóstico


Patologias Benignas
Fibroadenoma
Tumor Filoides
Esteatonecrose
AFBM
Doença de paget x Eczema Areolar
Unilateral
Bilateral
Evolução lenta e centrífuga
Evolução Rápida e centrípeta
Sem ou discreto prurido
Lesão pruriginosa
Destruição da Papila
Lesão descamativa
Sem resposta a corticoide
Responde a corticoide tópico
Pode ter massa associada
sem massa associada
TTO com Radioterapia*
Tratamento
Tipos de Cirurgia:
Conservadora: avaliar a relação tumor/mama
(até 3,5cm que corresponda 20% da mama)
Segmentectomia/Quadrantectomia -> + RT pós-op

#CI: Doença Multicêntrica e impossibilidade de Rt pós-op

Radical: Mastectomia Halsted / Patey / Madden


Tratamento
Esvaziamento completo X Linfonodo Sentinela

(-) não precisa de esvaziamento


Axila clinicamente positiva completo
•Tumores localmente avançados (+) = biópsia
se alterado  esvaziamento completo
•Complicações: escápula alada se normal  esvaziamento completo
•Lesão do n. Torácico longo/ m.
serrátil anterior
#obs: não é iatrogenia
ESTADIAMENTO TNM CANCER DE MAMA 2010
T0 Sem evidência de tumor
TX Tumor não pode ser avaliado
TIS Carcinoma in situ
T1 < ou = 2cm
T1mic: Ca microinvasor
T1a: < ou = 0,5cm
T1b: até 1cm
T1c:a Até 2 cm
T2 >2cm
T3 >5cm
T4 Invasão
T4a – parede torácica
T4b – Edema, “casca de laranja”, ulceração, nódulos cutâneo satélites limitados a mesma mama
T4c – Associação do T4a e T4b
T4d – Ca Inflamatório
NX Não pode ser avaliado
N0 Não invade linfonodos
N1 Metástases para linfonodos axilares ipsilaterais móveis
N2 Linfonodos axilares ipsilaterais fixos
N3 Linfondos de cadeia mamária interna ipsilaeral
MO Sem metástases
M1 Metástases à distância
Tratamento
Quimioterapia Adjuvante
• Tumores > 1cm ( a partir de T1c)
• > ou = N1
• M1
Quimioterapia Neoadjuvante
• Reduzir tamanho do tumor (BI-RADS 6)

Radioterapia
• Cirurgia Conservadora
• Tumores > 4cm ( a partir de T3)
Tratamento
Hormonioterapia
• Imunohostoquimica
Receptor Hormonal + Tamoxifeno ou inidores da aromatase por 5 anos
 Receptor Hormonal – Pior prognóstico; não fazer hormonioterapia

Terapia Alvo Dirigida


• Transtuzumabe  Superexpressam HER 2 ( pior prognostico e
agressividade)