Você está na página 1de 19

Tema A2

As Primeiras Civilizações

História - 7º ano
Civilização Sumérica,
Mesopotâmia

Civilização Egípcia,
Vale do Rio Nilo

Civilização Fenícia,
Mediterrâneo Oriental

Civilização Grega,
Península Balcânica

Civilização Romana,
à volta do mar Mediterrâneo
Rio Nilo
Rio Indo
Rio Tigre Crescente Fértil
Rio Amarelo
Rio Eufrates
Antigo Egipto
O Egito está situado no Nordeste da África no meio de
dois imensos desertos: o da Líbia (Oeste) e o da Arábia
(Este).

O Egito Antigo possuía um território estreito e comprido


que compreendia duas grandes regiões: o Alto Egipto
(região do vale) e o Baixo Egipto (região do Delta do Nilo).
O Egipto é atravessado pelo rio
Nilo.

Foi o rio Nilo que fez nascer o


Egipto. As suas cheias permitiram
criar margens férteis, onde se
fixaram várias aldeias de
agricultores e pastores.
Aí foram-se formando vários reinos
independentes, que
posteriormente, sob o domínio de
um faraó, vão unir o Alto e o Baixo
Egipto.

Coroa Vermelha - Baixo Egipto


Coroa Branca - Alto Egipto
Coroa Egipto Unificado
Coroa de Guerra
O Egipto é uma dádiva do Rio
Nilo:

•O Nilo corta o Egipto de Sul a


Norte e vai desaguar no mar
Mediterrâneo.

•Anualmente, de junho a
setembro, o Nilo transborda e
rega a terra, fertilizando-a,
tornando-a assim favorável à
agricultura. A partir de
outubro, o rio retoma o seu
leito, iniciando-se o período de
semeadura, que se prolonga
até mais ou menos fevereiro.A
colheita ocorre de abril a
junho.
•A agricultura era a base da economia egípcia que
dependia, como já vimos, das águas do Nilo.O trigo, a
cevada, o linho, os legumes, as uvas e árvores de fruto
constituíam as principais culturas.
Além da Agricultura, os egípcios também desenvolveram o artesanato e o
comércio.
Entre as atividades artesanais destacam-se a ourivesaria, a metalurgia, a
cerâmica, a tecelagem e a carpintaria.
O comércio era orientado para as importações e exportações.

Como tinha falta de matérias


-primas o Egito importava:
-minerais e pedras preciosas;
-madeira como ébano da
Fenícia e Núbia;

Exportava:

- cereais;
cerâmicas, tecidos de linho e
artesanato
O rio Nilo e o mar
Mediterrâneo eram as
grandes vias de transporte
destes produtos.
O artesanato do Egito era conhecido no mundo antigo. Com a
madeira, o cobre, o ouro, o marfim, o couro, o papiro, o
bronze, seus artesãos produziam móveis, brinquedos, jóias,
tecidos, barcos, armas, tijolos e uma variedade de outros
objetos.
A Sociedade
Os egípcios possuíam
uma sociedade com
grupos sociais
diferenciados.
A sua organização
assemelha-se a uma
pirâmide, pois os
grupos encontram-se
dispostos pelo seu grau
de poder e riqueza.
Era uma sociedade
estratificada, ou seja
dividida em camadas
ou estratos
sobrepostos
Nos estratos inferiores estão os não privilegiados, que
representavam cerca de 90 % da população:

- comerciantes e artesãos que negociavam


por conta do faraó ou trabalhavam nas suas
oficinas

- camponeses que cultivam as terras do


faraó, dos templos e dos nobres, a quem
entregam as colheitas, pagando ainda
pesados impostos

- escravos que são prisioneiros de guerra,


ocupam-se de serviços vários (domésticos,
minas, agrícolas)
A sociedade possuía depois classes privilegiadas:

- Sacerdotes que prestam nos templos culto


aos deuses, Nobres e Altos Funcionários
que ajudam na administração

- Exército que podem ser


nobres ou um escalão
intermédio

- Escribas que desempenhavam cargos de


magistrados, cobradores de impostos e
contabilistas face aos seus conhecimentos
de escrita e cálculo.
No topo da pirâmide social encontrava-se o faraó.
Era considerado um deus vivo, filho do Sol (Amon-Rá) e
encarnação do deus-falcão (Hórus), detendo por isso um poder
sacralizado, sobre tudo e todos.

Para os egípcios, toda a


felicidade dependia do faraó e
seu poder era ilimitado.
Ele era o sacerdote supremo,
comandava os exércitos, aplicava
a justiça, organizava as
actividades económicas.
Além do poder e prestígio, o
faraó possuía enorme riqueza.
Era considerado o dono de todas
as terras do Egito. Por isso, tinha
o direito de receber impostos
(pagos em produtos) das aldeias.
O faraó ostentava uma coroa e um ceptro, símbolos de sua
autoridade. Para os povos do Egito Antigo, o faraó era o pai e
a mãe dos seres humanos; um governante com autoridade
sobrenatural para recrutar o trabalho em massa necessário à
manutenção do sistema de irrigação ao longo do Nilo.
Némes - touca com
abas laterais, cobra-
capelo e abutre -
poder militar
Barba Postiça - símbolo força
e divindade

Ceptro - símbolo condução


suprema povo egípcio

Chicote - símbolo da justiça