Você está na página 1de 70

Estrutura da

mitocôndria
• Membrana externa
• Membrana interna
• Matriz mitocondrial
COMPONENTES DA CADEIA
RESPIRATÓRIA

COMPLEXO I: recebe elétrons do NADH


COMPLEXO II: recebe elétrons do FADH2
UBIQUINONA (Q)
COMPLEXO III
CITOCROMO c e COMPLEXO IV
Modelo mostrando a síntese de ATP
METABOLISMO DO GLICOGÊNIO

VIA DAS PENTOSES FOSFATO


METABOLISMO DO GLICOGÊNIO
HEPATÓCITO
ESTRUTURA DO GLICOGÊNIO
• Grande molécula
• Muitos pontos de ramificação (a cada 4 resíduos)
• Isso permite que os resíduos de glicose sejam
facilmente adicionados ou removidos em comparação
a uma molécula linear

Resíduos glicose ligados por ligação glicosídica tipo α (1-4)


As ramificações tem ligação glicosídica tipo α (1-6)
DEGRADAÇÃO
DO
GLICOGÊNIO

Vários resíduos
de glicose
liberados ao
mesmo tempo

Organismos
conseguem um
rápido aumento
do aporte de
glicose

Ramificações de
cerca de 13
resíduos
DEGRADAÇÃO DO GLICOGÊNIO
ESTOQUES DE GLICOGÊNIO

• FÍGADO – Síntese e degradação do glicogênio


são reguladas para a manutenção dos níveis de
glicose sanguínea.

• MÚSCULO - Síntese e degradação do


glicogênio são reguladas para manter os
requerimentos de energia da própria célula
muscular.
DEGRADAÇÃO DO GLICOGÊNIO

• A quebra do glicogênio é chamada de GLICOGENÓLISE


• A quebra do glicogênio é uma importante fonte de
energia – portanto sua quebra cuidadosamente
regulada
• Glicogênio: são grânulos de alto peso molecular, no
citoplasma das células, e possuem de 10 a 40 nm de
diâmetro
• Principal enzima do processo de glicogenólise =
GLICOGÊNIO FOSFORILASE, que cliva uma molécula de
glicose a partir de extremidades não-redutoras da
molécula de glicogênio
GLICOGENÓLISE

GLICOGÊNIO FOSFORILASE
GLICOGENÓLISE

GLICOGÊNIO
FOSFORILASE

Enzima cliva ligações glicosídicas


tipo α (1-4) do glicogênio
GLICOGENÓLISE

glicose-1-fosfato

FOSFOGLICOMUTASE

glicose-6-fosfato
GLICOGENÓLISE

glicose-6-fosfato

GLICOSE-6-
FOSFATASE CORRENTE
SANGUÍNEA

glicose
GLICOGENÓLISE

GLICOSE-6-FOSFATASE
não tem no músculo

glicose-6-fosfato

energia para
o próprio tecido
VIA GLICOLÍTICA
DEGRADAÇÃO DO GLICOGÊNIO

• A glicogenólise é um processo que fornece energia


para o organismo RAPIDAMENTE
• Tecido muscular: pode mobilizar glicogênio mais
facilmente que as gorduras
• Após o esgotamento do glicogênio que as gorduras se
tornam importantes
• O uso da glicose também pode ser de maneira
anaeróbica
• Atletas: corredores de longa distância - tentam
aumentar reservas glicogênio antes da corrida -
ingerem altas quantidades de carboidratos
SÍNTESE DO GLICOGÊNIO
SÍNTESE DO GLICOGÊNIO

• A síntese do glicogênio é chamada de GLICOGÊNESE


• Não é exatamente o contrário da glicogenólise, pois a
glicogênese necessita de energia, obtida pela hidrólise
do UTP
• Unidades de glicose são ATIVADAS por reação de
TRANSFERÊNCIA, formando um açúcar com
nucleotídeo = glicose uridina difosfato
• Nucleotídeo adicionado na glicose = UDP
• Principal enzima do processo de glicogênese =
GLICOGÊNIO SINTASE, adiciona uma glicose em uma
extremidade da molécula de glicogênio
GLICOGÊNESE

glicose

ATP
HEXOQUINASE
ADP

glicose-6-fosfato
GLICOGÊNESE

glicose-6-fosfato

FOSFOGLICOMUTASE

glicose-1-fosfato
GLICOGÊNESE

glicose-1-fosfato

UTP
GLICOSE-1-FOSFATO
PPi URIDILTRANSFERASE

UDP-glicose
GLICOGÊNESE

UDP-glicose

GLICOGÊNIO
(GLICOSE) n
SINTASE
(GLICOSE) n+1

UDP
GLICOGENÓLISE

GLICOSE-6-FOSFATASE

FOSFOGLICOMUTASE

GLICOGÊNIO
FOSFORILASE
GLICOGÊNESE

HEXOQUINASE

FOSFOGLICOMUTASE

GLICOSE-1-FOSFATO URIDILTRANSFERASE

GLICOGÊNIO SINTASE
GLICOGENÓLISE GLICOGÊNESE

GLICOSE-6-FOSFATASE HEXOQUINASE

FOSFOGLICOMUTASE FOSFOGLICOMUTASE

GLICOSE-1-FOSFATO URIDILTRANSFERASE

GLICOGÊNIO
FOSFORILASE GLICOGÊNIO SINTASE
GLICOGENÓLISE GLICOGÊNESE
Estimulada por Estimulada por
Glucagon e Adrenalina Insulina

GLICOSE-6-FOSFATASE HEXOQUINASE

FOSFOGLICOMUTASE FOSFOGLICOMUTASE

GLICOSE-1-FOSFATO URIDILTRANSFERASE

GLICOGÊNIO
FOSFORILASE GLICOGÊNIO SINTASE
REGULAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO
GLICOGÊNIO
Glicogênio representa a forma mais prontamente utilizável
para fornecimento de energia
Portanto é importante que animais sejam capazes de ativar
rapidamente a quebra do glicogênio
Glicogenólise é um processo controlado por HORMÔNIOS
REGULAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO
GLICOGÊNIO

ADRENALINA GLUCAGON
ADRENALINA E GLUCAGON

DIFERENÇAS ENTRE ESTES HORMÔNIOS:

Ambos são glicogenolíticos mas por razões e momentos


diferentes !!!

ADRENALINA
Hormônio liberado em situações de luta ou fuga
Rapidamente mobiliza grandes quantidades de energia

GLUCAGON
Hormônio liberado em situações de jejum
Responsável pela manutenção dos níveis de glicose
plasmática em equilíbrio
Ativa a quebra do glicogênio
REGULAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO
GLICOGÊNIO
Glicogênio representa a forma mais prontamente utilizável
para fornecimento de energia
Portanto é importante que animais sejam capazes de ativar
rapidamente a quebra do glicogênio
Glicogenólise é um processo controlado por HORMÔNIOS
Alvo de regulação hormonal = glicogênio fosforilase
Glicogênio fosforilase é um dímero que existe em duas
formas:
fosforilase a - ativa
fosforilase b - inativa
ATIVAÇÃO  pela enzima fosforilase quinase
INATIVAÇÃO  pela enzima fosforilase fosfatase
ADRENALINA OU GLUCAGON

GLICOGÊNIO GLICOSE PARA ENERGIA


ADRENALINA (fígado e músculo)
GLUCAGON (só no fígado)
ADRENALINA (fígado e músculo)
GLUCAGON (só no fígado)
REGULAÇÃO DA SÍNTESE
DO GLICOGÊNIO

INSULINA
REGULAÇÃO DA SÍNTESE
DO GLICOGÊNIO
O estímulo da glicogênese é um dos mais importantes
processos fisiológicos regulados pela insulina

A glicogênse tem como alvo de regulação hormonal =


glicogênio sintase

O mecanismo de regulação da glicogênio sintase pela


insulina depende de uma proteína quinase chamada
GSK3

Glicogênio sintase existe em duas formas:


defosforilada - ativa
fosforilada - inativa
GLICOGÊNIO
HEPÁTICO

Conteúdo
varia
com a ingestão
alimentar

Altos níveis
após refeições

Níveis são
lentamente
diminuídos
pois ocorre
sua
mobilização
para manter os
níveis de
glicose
sanguínea
VIA DAS PENTOSES FOSFATO
VIA DAS PENTOSES FOSFATO

• Principais funções da via das pentoses fosfato:


• Produzir NADPH – que posteriormente será utilizado
como fonte de poder redutor para processos de
biossíntese, principalmente biossíntese de AG
• Produzir ribose-5-fosfato – o açúcar dos nucleotídeos
• A via possui: 2 processos osidativos e depois 9
processos não-oxidativos
• Ocorre no citoplasma de fígado e células adiposas
• NADPH é usado no citoplasma para síntese de ácidos
graxos
Funções da Via das Pentoses Fosfato

• Formação de NADPH
é poder redutor, utilizado na síntese de
ácidos graxos, esteróides e no sistema
não fosforilante de transporte de elétrons

• Formação de Ribose 5
Fosfato
A Ribose 5 Fosfato formada no ciclo das
pentoses é utilizada na síntese de
nucleotídeos
PRIMEIRA FASE DA VIA DAS PENTOSES

Reações oxidativas irreversíveis


SEGUNDA FASE DA VIA DAS PENTOSES

Reações não-oxidativas
Controle da via de pentoses fosfato
A glicose-6-fosfato (G6P) pode ser usada tanto na glicólise
como na via pentose fosfato

Se ATP for necessário:

G6P  glicólise

Se NADPH ou ribose-5-fosfato for necessário :

G6P  via pentoses fosfato


NEOGLICOGÊNESE
Neoglicogênese
Síntese de "nova glicose" a partir de outros
compostos
Humanos consomem 160g glicose por dia
75% desse total = cérebro
Fluidos corporais têm somente 20g glicose
Glicogênio estoca 180-200g de glicose

PORTANTO O ORGANISMO DEVE SER CAPAZ


DE SINTETIZAR SUA PRÓPRIA GLICOSE
Neoglicogênese
POR QUE OCORRE NEOGLICOGÊNESE
Nos mamíferos = alguns tecidos dependem
somente da glicose como fonte de energia

Cérebro, sistema nervoso central, hemácias,


testículos, medula da adrenal

O estoque de glicogênio não é suficiente

ASSIM, OCORRE A SÍNTESE DE GLICOSE


PELO PRÓPRIO ORGANISMO, A PARTIR DE
PRECURSORES NÃO GLICÍDICOS
Substratos para Neoglicogênese

Conversão de compostos de 3-4


carbonos em glicose

Piruvato, lactato, glicerol, aminoácidos

AG = nunca !!!!

(os AG rendem somente acetil-CoA


na sua quebra e acetil-CoA não pode ser
utilizado na síntese de novo de açúcares)
Onde ocorre a Neoglicogênese

Principalmente no fígado e em menor


quantidade no córtex renal

Glicose é produzida, cai na corrente sanguínea


e é distribuída para todos os tecidos
Ciclo de Cori

Após exercício intenso

Lactato é produzido no músculo esquelético


pela glicólise anaeróbica

Enviado ao fígado

Convertido em glicose pela neoglicogênese

Volta ao músculo para refazer o estoque de


glicogênio muscular
Reações da Neoglicogênese

NÃO É EXATAMENTE O RETORNO DAS


REAÇÕES DA GLICÓLISE !!!!

Existiam 3 reações na via glicolítica =


irreversíveis

Existem 3 reações na neoglicogênese que


“contornam” os passos irreversíveis da
glicólise
Reações da Neoglicogênese

1) PRIMEIRO CONTORNO
Conversão de PEP em piruvato na glicólise
pela PIRUVATO QUINASE
Contornada por duas reações na
neoglicogênese:
Piruvato convertido em Oxalacetato pela
piruvato carboxilase
Oxalacetato convertido em PEP pela
fosfoenolpiruvato carboxiquinase (PEPCK)
Reações da Neoglicogênese

1) PRIMEIRO CONTORNO

piruvato + HCO3- oxalacetato


+ ATP + ADP + Pi

oxalacetato fosfoenolpiruvato
+ GTP + HCO3- + CO2 + H2O
Reações da Neoglicogênese

2) SEGUNDO CONTORNO

Conversão da frutose-6-P em frutose-1,6-diP na


glicólise pela FOSFOFRUTOQUINASE-1

Contornada por uma reação na


neoglicogênese:

Frutose-1,6-difosfato convertida em frutose-6-


fosfato pela frutose-1,6-difosfatase
Reações da Neoglicogênese

2) SEGUNDO CONTORNO

frutose-1,6-difosfato frutose-6-fosfato
+ H2O + Pi
Reações da Neoglicogênese

3) TERCEIRO CONTORNO

Conversão da glicose em glicose-6-P na


glicólise pela HEXOQUINASE

Contornada por uma reação na


neoglicogênese:

glicose-6-fosfato convertida em glicose pela


glicose-6-fosfatase
Reações da Neoglicogênese

2) TERCEIRO CONTORNO

glicose-6-fosfato glicose
+ H2O + Pi
Regulação da Neoglicogênese
CONTROLE RECÍPROCO COM A GLICÓLISE
• Quando a glicólise está ocorrendo mais rapidamente,
a neoglicogênese é inibida
• Quando o estado energético da célula é ALTO,
glicólise pode ser “desligada” e o piruvato e outros
substratos podem ser usados para a síntese e
estoque de glicose
• Quando o estado energético da célula é BAIXO,
glicose deve ser rapidamente quebrada para produção
de energia
• Os passos da neoglicogênese que contornam a
glicólise são os passos regulados no processo
Regulação da Neoglicogênese
REGULAÇÃO HORMONAL

• GLUCAGON estimula as enzimas da neoglicogênese,


principalmente a PEPCK

• INSULINA inibe as enzimas da neoglicogênese