Você está na página 1de 27

A principal característica de um advérbio é a sua invariabilidade.

Observem-se as
seguintes frases:

• (1) «Estas construções são muito antigas.»


• (2) «Os atletas treinaram muito.»
• Como podemos verificar, todas as palavras que compõem esta frase encontram-se no plural,
exceto a palavra muito. Neste caso, estamos perante um advérbio de quantidade, pois não há
variação em género e em número.
• Observem-se agora os exemplos seguintes:
• (3) «A Leonor trouxe muitas revistas.»
• (4) «Os seus colegas também trouxeram muitas.»
• Neste caso, já verificamos uma variação em género e número da palavra muito, em concordância
com o nome «revistas». Estamos, portanto, perante um indefinido.
• Na frase (3), trata-se de um determinante indefinido, pois precede um nome; na frase (4), trata-
se de um pronome indefinido, pois substitui o nome «revistas»
• São palavras que se referem à terceira pessoa do discurso, dando-lhe
sentido vago (impreciso) ou expressando quantidade indeterminada.
• Por exemplo: Alguém entrou no jardim e destruiu as mudas recém-
plantadas.
• Não é difícil perceber que "alguém" indica uma pessoa de quem se fala
(uma terceira pessoa, portanto) de forma imprecisa, vaga. É uma palavra
capaz de indicar um ser humano que seguramente existe, mas cuja
identidade é desconhecida ou não se quer revelar.
• Classificam-se em:
Pronomes • Pronomes Indefinidos Substantivos: assumem o lugar do ser ou da
quantidade aproximada de seres na frase. (Quem avisa amigo é ou Algo
Indefinidos o incomoda?).
• São eles: algo, alguém, fulano, sicrano, beltrano, nada, ninguém,
outrem, quem, tudo.
• Pronomes Indefinidos Adjetivos: qualificam um ser expresso na frase,
conferindo-lhe a noção de quantidade aproximada. (Cada povo tem seus
costumes ou Certas pessoas exercem várias profissões).
• São eles: cada, certo(s), certa(s).
ligam duas orações = uma dependente da outra. A
oração dependente, introduzida pelas conjunções
subordinativas, recebe o nome de oração
subordinada.

O baile já tinha começado quando ela chegou.


Conjunções O baile já tinha começado: oração principal
Subordinativas quando: conjunção subordinativa
ela chegou: oração subordinada
Dividem-se em: Integrantes e Adverbiais
Integrantes
• Indicam que a oração subordinada por elas introduzida completa ou integra o
sentido da principal. Introduzem orações que equivalem a substantivos. São
elas: que, se.
• Exemplo:
• Espero que você volte. (Espero sua volta.)
Não sei se ele voltará. (Não sei da sua volta.)
Adverbiais
• Indicam que a oração subordinada por elas introduzida exerce a função de adjunto
adverbial da principal. De acordo com a circunstância que expressam, classificam-se em:
• a) Causais: introduzem uma oração que é causa da ocorrência da oração principal. São
elas: porque, que, como (= porque, no início da frase), pois que, visto que, uma vez que,
porquanto, já que, desde que, etc.
• Ele não fez a pesquisa porque não dispunha de meios.
Como não se interessa por arte, desistiu do curso
• b) Concessivas: introduzem uma oração que expressa ideia contrária à da principal, sem,
no entanto, impedir sua realização. São elas: embora, ainda que, apesar de que, se bem
que, mesmo que, por mais que, posto que, conquanto, etc.
• Embora fosse tarde, fomos visitá-lo.
Eu não desistirei desse plano mesmo que todos me abandonem.
Adverbiais
• c) Condicionais: introduzem uma oração que indica a hipótese ou a condição para
ocorrência da principal. São elas: se, caso, contanto que, salvo se, a não ser que,
desde que, a menos que, sem que, etc.
• Se precisar de minha ajuda, telefone-me.
Não irei ao escritório hoje, a não ser que haja algum negócio muito urgente
• d) Conformativas: introduzem uma oração em que se exprime a conformidade de
um fato com outro. São elas: conforme, como (= conforme), segundo,
consoante, etc.
• O passeio ocorreu como havíamos planejado.
• As conjunções subordinativas são os termos
que ligam duas orações sintaticamente
dependentes. É o contexto da frase o que
determina o tipo de relação estabelecida pela
conjunção. As conjunções não desempenham
Conjunções função sintática na oração e são ligadas
somente pelos conectivos.
subordinativas • As conjunções subordinativas dividem-se em:
causais, concessivas, condicionais,
comparativas, finais, proporcionais, temporais,
comparativas, consecutivas e integrantes.
Conjunções coordenativas
• As Conjunções Coordenativas, ou Conjunções Coordenadas, são as que
ligam as orações coordenadas. Estas orações não dependem
sintaticamente das outras, bem como ligam termos que têm a mesma
função gramatical.
• As conjunções coordenativas recebem o mesmo nome dos tipos de
orações coordenadas sindéticas:
• Aditivas - expressam soma.
• Adversativas - expressam oposição.
• Alternativas - expressam alternância.
• Conclusivas - expressam conclusão.
• Explicativas - expressam explicação.
• São aquelas que indicam uma oração
subordinada que denota causa:
• Porque, pois, porquanto, como (no sentido de
Conjunções porque), pois que, por isso que, á que, uma vez
que, visto que, visto como, que.
Causais • Exemplos:
• A casa incendiou porque esqueceram o gás
ligado.
• São as conjunções que indicam uma oração em
que se admite um fato contrário à ação
principal, mas incapaz de impedi-la:
• Embora, conquanto, ainda que, mesmo que,
Conjunções posto que, bem que, se bem que , apesar de
que, nem que, que.
Concessivas • Exemplos:
• Embora ficasse nervosa, sempre se saía bem.
• Angélica, posto que muito emocionada, voltou-
se para a rua.
• As conjunções condicionais iniciam uma oração
subordinada em que é indicada uma hipótese
ou uma condição necessária para que seja
realizada ou não o fato principal:
• Exemplos:
Conjunções • Se, caso, quando, conquanto que, salvo se, sem
Condicionais que, dado que, desde que, a menos que, a não
ser que.
• Se a encontrasse novamente, não a
reconheceria.
• Tudo o que quiser, desde que estude e passe de
ano.
• São chamadas conjunções conformativas
aquelas que iniciam uma oração subordinada
em que se exprime a conformidade de um
pensamento com o da oração principal.
Conjunções • Exemplos:
• Conforme, como (no sentido de conforme),
Conformativas segundo, consoante.
• Conforme o presidente, os juros têm que cair
no próximo semestre.
• O artista repassa as impressões como lhes
chegam à alma.
• As conjunções finais iniciam uma oração
subordinada indicando a finalidade da oração
principal.
Conjunções • Exemplos:
• Para que, a fim de que, porque (no sentido de
Finais que), que.
• É tarde para que reverta o estrago.
• Apertei o ferimento a fim de que parasse de
sangrar.
• Conjunções proporcionais iniciam uma oração
subordinada em que mencionamos um fato
realizado para realizar-se simultaneamente com o
da oração principal.
• À medida que, ao passo que, à proporção que,
enquanto, quanto mais... (no sentido de mais),
Conjunções quanto mais... (no sentido de tanto mais), quanto
mais... (no sentido de menos), quanto menos... (no
Proporcionais sentido de menos), quanto menos... (no sentido de
tanto menos), quanto menos (no sentido de mais),
quanto menos (tanto mais).
• Exemplos:
• À medida em que o tempo passava, confortava-se.
• Não gostava da sogra, quanto mais da cunhada.
• As conjunções temporais são aquelas que
indicam uma oração subordinada indicadora de
circunstância de tempo:
• Quando, antes que, depois que, até que, logo
que, sempre que, assim que, desde que, todas
Conjunções as vezes que, cada vez que, apenas, mal, que
(desde que).
Temporais • Exemplos:
• Desaprovou o comportamento do filho assim
que soube do ocorrido.
• Apenas pegou o casaco e saiu a correr pela rua
fria.
• São aquelas que iniciam uma oração que
encerra o segundo integrante de uma
comparação, de um confronto.
• Que, do que (usado depois de mais, menos,
maior, menor, melhor, pior)
Conjunções • Qual (usado depois de tal)
Comparativas • Como, assim como, bem como
• Exemplos:
• As ideias chegavam como entrega rápida.
• Parecia mais feliz que o habitual.
• Chorou tal qual criança que perdeu o doce.
• São conjunções consecutivas aquelas que
iniciam uma oração na qual é indicada a
consequência do que foi declarado na oração
anterior.
• Que (precedido de tão, tal, tanto)
Conjunções • De modo que
De maneira que
Consecutivas • Exemplos:
• Os fatos eram tão inusitados que tentou fugir
dali.
• O som estava tão alto que as paredes do quarto
chocalhavam.
• São as conjunções utilizadas para introduzir a
oração que atua como sujeito, objeto direto,
objeto indireto, predicativo, complemento
nominal ou aposto de outra oração.
Conjunções • Exemplos:
Integrantes • As conjunções são: que e se.
• A verdade é que te amo.
• Não sei se você notou que as cortinas são
senhoriais.
Conjunções Coordenativas
• As Conjunções Coordenativas, ou Conjunções Coordenadas, são as que
ligam as orações coordenadas. Estas orações não dependem
sintaticamente das outras, bem como ligam termos que têm a mesma
função gramatical.
• As conjunções coordenativas recebem o mesmo nome dos tipos de
orações coordenadas sindéticas:
• Aditivas - expressam soma.
• Adversativas - expressam oposição.
• Alternativas - expressam alternância.
• Conclusivas - expressam conclusão.
• Explicativas - expressam explicação.