Você está na página 1de 14

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ


INSTITUTO DE TECNOLOGIA
FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL FEC/ITEC/UFPA
GRUPO DE ANÁLISE EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS E MATERIAIS

Prof. Dr. Alcebíades Negrão Macêdo


DIMENSIONAMENTO DE PEÇAS COMPRIMIDAS
1 Estados Limites Últimos (ELU)

• Nas barras comprimidas os estados ELU se configuram pelo esmagamento


das fibras (barras de curtas), ou por instabilidades associadas a efeitos de
segunda ordem devidos a flambagem (peças esbeltas e semi-esbeltas).

• O critério de dimensionamento de peças estruturais de madeira solicitadas à


compressão paralela está diretamente relacionado ao índice de esbeltez ():

Lf

rmin

-  é o índice de esbeltez
Lf é o comprimento de flambagem
rmin é o raio de giração mínimo; Tipo (a) (b) (c) (d) (e) (f)
Lfl teórico 0,5 L 0,7 L 1,0 L 1,0 L 2,0 L 2,0 L
Lfl prático 0,65 L 0,8 L 1,2 L 1,0 L 2,1 L 2,0 L
• O comprimento Lf é igual ao comprimento efetivo da barra, não se
permitindo reduções em peças c/ extremidades indeslocáveis (NBR 7190/07);
• Para peças engastadas em uma extremidade e livres na outraLf = 2L
(NBR 7190/97);
• Projeto da NBR 7190/2009:
Lf
 (índice de esbeltez)
rmin
a) Peças curtas:   40
Nsd
 cd   Nd   fcd
Aw
-cd é a tensão de cálculo devida à solicitação dos esforço de compressão.
- Aw é a área bruta da seção transversal.
- Nsd o esforço normal solicitante de cálculo.
- fcd é a resistência de cálculo aos esforços de compressão

b) Peças medianamente esbeltas ou semi-esbeltas : 40 <  <80


 Nd  Md
 1
fco ,d fco ,d
b) Peças medianamente esbeltas ou semi-esbeltas : 40 <  <80
 Nd  Md
 1
fco ,d fco ,d
-Nd é definido como sendo o valor de cálculo da tensão devido ao esforço normal;
N
 Nd  sd
Aw
-Md é definido como sendo o valor de cálculo da tensão de compressão devido ao
momento fletor, expresso por:
Md
 Md  M d  Nd  ed
W  NE 
- ed é definida como sendo a excentricidade de cálculo expresso por: ed  e1  
 E
N  N d 

 Eco ,ef  I
2

- NE carga crítica de Euler: NE 


L2f
- e1 a excentricidade de primeira ordem, expressa por: e1 = ei + ea
- ea é excentricidade acidental: ea = Lf / 300
- ei é a excentricidade decorrente dos valores de cálculo M1d e Nd na situação de
M1d h
projeto: ei  ei 
Nd 30
M1d
ei 
Nd

FIGURA 1 – Representação de M1d na situação de projeto.


b) Peças medianamente esbeltas:  >80
 Nd  Md
 1
fco ,d fco ,d
-Nd é definido como sendo o valor de cálculo da tensão devido ao esforço normal;
N
 Nd  sd
Aw
-Md é definido como sendo o valor de cálculo da tensão de compressão devido ao
momento fletor, expresso por:
Md
 Md  M d  Nd  ed
W  NE 
- ed é definida como sendo a excentricidade de cálculo expresso: ed  e1,ef  
 E
N  N d 

 Eco ,ef  I
2

- NE carga crítica de Euler: NE 


L2f
- e1 a excentricidade de primeira ordem, expressa por: e1 = ei + ea + ec
- ea é excentricidade acidental:  b / 30 ou Lf / 300
- ei é a excentricidade decorrente dos valores de cálculo de M1d e Nd na situação de
M1d
projeto (obs: não deve-se tomar para ei valor inferior a h/30): ei 
Nd
ec - é a excentricidade suplementar de primeira ordem que representa a fluência:

   Ngk   1   2 Nqk   
ec  ea exp    1
  NE  Ngk   1   2 Nqk  
- 1 + 2  1
- Ngk e Nqk são valores característicos da força normal devidos às cargas permanentes
e variáveis, respectivamente.
-  é o coeficiente de fluência relacionado às classes de carregamento e de umidade:

TABELA 1 - Coeficientes de fluência 

Classes de umidade
Classes de carregamento 1e2 3e4
permanente ou de longa duração 0,8 2,0
média duração 0,3 1,0
curta duração 0,1 0,5
2 Estados Limites de Utilização

• Além dos critérios de vibrações excessivas já citados, deve-se impor limitação máxima
à esbeltez de barras comprimidas;

• Para seção retangular esta limitação corresponde ao comprimento máximo de 40


vezes a menor dimensão da seção transversal;

• Para as demais seções a esbeltez máxima não deve ser superior a 140.

Lf 40  b  12
 max    138,5  140
r b
1) Uma coluna engastada-rotulada, em relação aos dois eixos principais, foi construída
com seção retangular 20 cm x 30 cm, de conífera C 30, 1a categoria, classe de umidade
1, para resistir ao carregamento indicado. Verifique se estão atendidas as prescrições
da NBR-7190.
G = 100 kN = permanente de grande variabilidade
Q = 200 kN = ação variável de longa duração
G,Q A = 20.30 = 600cm² I min Iy 20.000
rmin     5 ,77 cm
Ix=bh³/12 = 20.30³/12 = 45.000cm4 A A 600
Iy=b³h/12 = 20³.30/12 = 20.000cm4
Wx=bh²/6 = 20.30²/6 = 3.000cm³
Wy=b²h/6 = 20².30/6 = 2.000cm³
-Resistências e rigidez de cálculo.
Kmod = Kmod1.Kmod2.Kmod3 = 0,7.1,0.1,0 =0,7
fc0,d = Kmod.fc0,k / wc = 0,7.30 / 1,4 = 15MPa = 1,5kN/cm²
Ec0,ef = Kmod.Ec0,m = 0,7.14.500 = 10.150MPa = 1.015kN/cm²
-Solicitações de cálculo.

  Q  FQ1,k   0 j  FQj ,k 

n m
Fd    G  FGi ,k
i 1  j 2 
Nsd   G  G   Q  Q  1,4 100  1,4  200  420 kN
-Índice de Esbeltez.
Lf 0 ,8  L 0 ,8  400 (semi-esbeltas : 40 <  <80)
    55 ,45
rmin rmin 5 ,77

 Nd  Md  Nd 
Nsd 420
  0 ,7
kN
 1 A 600 cm²
fco ,d fco ,d
0
Lf 0 ,8  400
e1  ei  ea    1,07 cm
300 300
 2 Ec 0 ,ef I y  2 1.015  20.000
NE    1.956 ,6 kN
Lf2
( 0 ,8  400 ) 2

NE 1.956 ,6
ed  e1   1,07   1,36cm
NE  Nsd 1.956 ,6  420
M d  Nsd  ed  420 1,36  571,2 kN  cm

Md 571,2 kN 0 ,7 0 ,286
 Md    0 ,286   0 ,66  1 OK!
Wy 2000 cm² 1,5 1,5
-Estado Limite de Utilização: L  400cm  40  b  40  20  800cm OK!
-Índice de Esbeltez (L=600cm).
Lf 0 ,8  L 0 ,8  600 (esbeltas  > 80)
    83 ,2
rmin rmin 5 ,77

 Nd  Md  Nd 
Nsd 420
  0 ,7
kN
 1 A 600 cm²
fco ,d fco ,d
0
Lf 0 ,8  600
e1 ,ef  ei  ea  eC ea    1,6 cm
300 300
 2 Ec 0 ,ef I y  2 1.015  20.000   0 ,8
NE    869,6 kN
L2f ( 0 ,8  600 )2 Ngk  G  100 kN
 Ngk   1   2 Nqk  N  Q  200 kN
ec  ea ( e 1 ) 
NE  Ngk   1   2 Nqk      0 ,3  0 ,2  0 ,5
qk

1 2

0 ,8  100  0 ,5  200 
  0 ,24 ec  1.6  ( e 0 ,24  1 )  0 ,434 cm
869 ,6  (100  0 ,5  200 )

e1,ef  ea  eC  1,6  0 ,434  2 ,034 cm


NE 869,6
ed  e1   2 ,034   3 ,93cm
NE  Nsd 869,6  420
Md  Nsd  ed  420  3 ,93  1650 ,6 kN  cm

Md 1650 ,6 kN 0 ,7 0 ,825
 Md    0 ,825   1,01  1 OK!
Wy 2000 cm² 1,5 1,5
-Estado Limite de Utilização: L  600cm  40  b  40  20  800cm OK!
Exercícios propostos
1) Verificar se o montante de uma treliça de secção 6cm x
16cm e comprimento de 69cm é suficiente para atender os
requisitos da NBR 7190/97, considerando:
- Esforço normal permanente NP = - 3.000 daN;
- Esforço normal devido ao vento NV = - 900 daN;
- Dicotiledônea C60 de 1ª categoria;
- Classe de umidade 1.

2) Verifique se a barra comprimida de uma treliça de 150 cm de comprimento e de


seção 15 cm x 25 cm, é suficiente para resistir às solicitações de – 19.000 daN devido
à ação permanente, - 12.000 devido a ação do vento, considerando:
• Ação permanente de grande variabilidade;
• Ação variável normal;
• O efeito acumulado do vento é de longa duração;
• Classe de umidade 2 e madeira de 1a categoria;
• Dicotiledônea Classe C40.