Você está na página 1de 22

Intra-

Empreendedorismo
Estudo de Caso no
Sector dos Moldes

António Marques
Bárbara Moreira
Nuno Carvalho
Pedro Costa

1
Agenda
 Intra-empreendedorismo
 O que é?
 Factores que encorajam os indivíduos
 Perfil de um intra-empreendedor
 Vantagens e desvantagens

 Lismolde 2 – A organização em estudo


 O sector dos moldes em Portugal
 Razões da escolha desta organização
 Departamento de planeamento
 Dados financeiros

 Estudo de caso
 Objectivo
 Metodologia adoptada
 Resultados da investigação
 Conclusões
 Recomendações

2
Agenda
 Intra-empreendedorismo
 O que é?
 Factores que encorajam os indivíduos
 Perfil de um intra-empreendedor
 Vantagens e desvantagens

 Lismolde 2 – A organização em estudo


 O sector dos moldes em Portugal
 Razões da escolha desta organização
 Departamento de planeamento
 Dados Financeiros

 Estudo de caso
 Objectivo
 Metodologia adoptada
 Resultados da investigação
 Conclusões
 Recomendações

3
Intra-empreendedorismo

O que é?
 Não existe uma definição globalmente aceite;

 Nasce devido a existência de iniciativas de empregados

caracterizadas pela inovação e criatividade;

 Intuito de melhorar a organização;

 Ferramenta que deve ser promovida e fomentada, de

forma a encontrar novas ideias, e novas formas de fazer

melhor;

 Traduz-se em retorno económico e retorno emocional e

social.

4
Intra-empreendedorismo

Factores que encorajam os indivíduos


 O uso apropriado de recompensas;

 Apoio da gestão de topo;

 Recursos disponíveis;

 Suporte organizacional;

 Propensão para o risco e tolerância dos


fracassos.

(Hornsby, 2002)

5
Intra-empreendedorismo

Perfil de um intra-empreendedor
 Visão
 Motivação Organizacional
 Persistência
 Capacidade de entrega
 Capacidade de tanto “ouvir como falar”

6
Intra-empreendedorismo

Vantagens e desvantagens

 Criar mais valias, os trabalhadores “vestem


a camisola” da empresa;

 Gerar competição em excesso intra-


organizacional e outros efeitos negativos
para o bem estar organizacional.

7
Agenda
 Intra-empreendedorismo
 O que é?
 Factores que encorajam os indivíduos
 Perfil de um Intra-Empreendedor
 Vantagens e Desvantagens

 Lismolde 2 – A organização em estudo


 O sector dos moldes em Portugal
 Razões da escolha desta organização
 Departamento de planeamento
 Dados Financeiros

 Estudo de caso
 Objectivo
 Metodologia adoptada
 Resultados da investigação
 Conclusões
 Recomendações

8
Lismolde 2 – A organização em estudo

O sector dos moldes em Portugal


 Portugal encontra-se entre os principais
fabricantes mundiais de moldes possuindo 515
empresas PME cerca de 7987 trabalhadores, na
área dos moldes para injecção de plásticos;

 Exporta actualmente mais de 80% da produção


total.

 Tem vindo a crescer e a consolidar no mercado


internacional, impulsionada, quer pela procura
quer por uma competitiva relação
qualidade/preço.

9
Lismolde 2 – A organização em estudo

Razões da escolha desta organização


 Similaridade das empresas (sector e tamanho,
internacionalização);
 Necessidade de constante renovação e inovação
vs qualidade de processos e produtos;

 A Lismolde 2 tem como missão proporcionar a


todos os clientes um serviço de excelência,
sustentado na reputação, na produtividade e na
melhoria contínua.
 Rege-se pelos valores do profissionalismo,
trabalho em equipa, respeito, ética, empenho e
iinovação.

10
Lismolde 2 – A organização em estudo

Departamento de planeamento
 Assegura a eficiência do processo de construção
do molde através de uma monitorização contínua,
revisões regulares do projecto e trabalho de
equipa;
 Os projectos são executados com os melhores
sistemas de projecção de moldes 3D -
CAE/CAD/CAM;
 Os colaboradores estão constantemente a renovar
os seus conhecimentos;
 O processo produtivo funciona numa base de 2
turnos;
 Os fornecedores são envolvidos no processo de
produção para a valorização do produto final.

11
Lismolde 2 – A organização em estudo

Dados financeiros
 Proveitos operacionais de 161.098€ em
2005, para 2.296.128€ em 2008;
 O número de trabalhadores aumentou de 16
em 2006, para 26 em 2008;
 Volume de negócios evolui de 20.071€ em
2005, para 1.485.591€ em 2008;
 Capital Próprio de 12.161€ em 2005 para
27.518€ em 2008;
 Os resultados operacionais aumentaram, de
3.856€ em 2005 para 48.833€ em 2008;
 RLE entre 2005 e 2008 foi sempre positivo.

12
Agenda
 Intra-empreendedorismo
 O que é?
 Factores que encorajam os indivíduos
 Perfil de um intra-empreendedor
 Vantagens e desvantagens

 Lismolde 2 – A organização em estudo


 O sector dos moldes em Portugal
 Razões da escolha desta organização
 Departamento de planeamento
 Dados Financeiros

 Estudo de caso
 Objectivo
 Metodologia adoptada
 Resultados da investigação
 Conclusões
 Recomendações

13
Estudo de caso

Objectivo
 Identificar que factores incentivam os
indivíduos a prosseguir ideias inovadoras;
 Identificar o nível de Intra-Empreendedorismo
da Lismolde 2 (Yin, 2005).

Proposições a demonstrar:
 P1: o sector dos moldes em Portugal tem
uma forte cultura intraempreendedora ao
nível da gestão de topo;
 P2: o sector dos moldes em Portugal tem
uma forte cultura intraempreendedora ao
nível dos colaboradores.

14
Estudo de caso

Metodologia adoptada
• De acordo com Lumpkin e Dess (1996) existem cinco
dimensões que caracterizam a orientação
empreendedora;
• Técnica utilizada: Entrevistas e observação.

Autonomia

Propensão
Agressividade
para o risco

Inovação Proactividade

15
Estudo de caso

Análise da entrevista ao administrador


 Nível de IE de 80,5 (médio alto)

80,5%
19,5%

Poderíamos hierarquizar (melhor para pior):


1. Proactividade;
2. Inovação;
3. Autonomia;
4. Propensão para o Risco;
5. Agressividade.

16
Estudo de caso

Análise da entrevista ao colaborador


 A empresa procura inovar através da investigação
de novos produtos ou processos mais eficientes;
 Não existe um sistema de incentivos ou
recompensas;
 Existe autonomia para explorar novas ideias;
 Existe um sistema de feedback;
 Não existem penalizações em caso do projecto
falhar;
 A organização, em geral, está a par do projecto.

17
Estudo de caso

Análise da observação participante


 Não existe um sistema de incentivos ou
recompensas;
 A autonomia está limitada ao pessoal do
departamento de investigação e desenvolvimento;
 Só os quadros médios e superiores é que participam
no processo criativo;
 O investimento em investigação e desenvolvimento,
em termos de recursos humanos, é muito limitado.

18
Estudo de caso

Conclusões
Cultura:
 A gestão de topo tem uma forte cultura de
Intra-empreendedorismo;
 Apresenta resultados contrários para os
colaboradores. Exemplos de aspectos a
melhorar: sistema de recompensas e apoio
organizacional.

Possibilidade de generalização dos resultados a


empresas de moldes com as mesmas
características.

19
Estudo de caso

Recomendações
Algumas recomendações que poderão aumentar o nível
de Intra-empreendedorismo no sector:
 Definição de uma política de IE: o sector tem que
mostrar aos seus colaboradores que está aberto
a todas as sugestões, ideias ou projectos que
possam conduzir à inovação (utilizar período de
formação para melhorar o IE);
 Parcerias estratégicas: Procurar parceiros
estratégicos por exemplo na indústria
metalomecânica para desenvolver projectos de
I&D e dando autonomia e apoio à equipa de
trabalho de forma a promover o projecto,
desenvolvimento e inovação do mesmo.

20
Agenda
 Intra-empreendedorismo
 O que é?
 Factores que encorajam os indivíduos
 Perfil de um intra-empreendedor
 Vantagens e desvantagens

 Lismolde 2 – A organização em estudo


 O sector dos moldes em Portugal
 Razões da escolha desta organização
 Departamento de planeamento
 Dados Financeiros

 Estudo de caso
 Objectivo
 Metodologia adoptada
 Resultados da investigação
 Conclusões
 Recomendações

21
Alguma questão?

22