Você está na página 1de 21

Política Educacional e Legislação

no processo da
inclusão.Construindo uma
sociedade para todos
As leis em vigor e a Declaração
de Salamanca
As leis em vigor e a Declaração de Salamanca

• Constituição • Plano Nacional de


Educação/CNE/2000;
Federal/1988; • Resolução nº
• Lei nº 8.213/1991 2/CNE/CEB/2001, e seu
Parecer nº 17/CNE/CEB/2001;
• Declaração de • Lei nº 10.436/2002;
Salamanca e suas • Decreto 5.626/2005;
Linhas de Ação/1994; • Convenção sobre os Direitos
das Pessoas com
• Lei nº 9394/1996 de Deficiência/ONU/2006
Diretrizes e Bases da • Lei nº13.146/06/07/2015
Educação Brasileira Institui a Lei Brasileira de
Inclusão da Pessoa com
Deficiência (Estatuto da
Pessoa com Deficiência)
Constituição Federal/1988;
• Na Constituição Federal de 1988, o seu
artigo 208, inciso III, determina que “o
dever do Estado com a educação será
efetivado mediante a garantia de
atendimento educacional especializado
aos portadores de deficiência,
preferencialmente na rede regular de
ensino”.
Constituição Federal/1988;

• Atentamos que a lei que regulamenta a


Educação Especial indica a inclusão como
apenas uma proposta de trabalho.Então
observa-se que “preferencialmente” não
garantir o atendimento.
Lei Nº 8213/1991
• Esta Lei , tem como objetivo a inserção da pessoa com deficiência
no mercado de trabalho e também tem como foco as cotas que a
empresa deve ter em seu quadro de funcionários. Segue abaixo o
que a lei em seu artigo 92:
• Art. 92. Concluído o processo de habilitação ou reabilitação social e profissional, a Previdência
Social emitirá certificado individual, indicando as atividades que poderão ser exercidas pelo
beneficiário, nada impedindo que este exerça outra atividade para a qual se capacitar.
• Art. 93. A empresa com 100 (cem) ou mais empregados está obrigada a preencher de 2%
(dois por cento) a 5% (cinco por cento) dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou
pessoas portadoras de deficiência, habilitadas, na seguinte proporção:
• I - até 200 empregados...........................................................................................2%;
• II - de 201 a 500......................................................................................................3%;
• III - de 501 a 1.000..................................................................................................4%;
• IV - de 1.001 em diante. .........................................................................................5%.

• http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm
Declaração de Salamanca e suas
Linhas de Ação/1994
• Documento resultante da • Salamanca?!
Conferência Mundial sobre • Salamanca é uma cidade da
Necessidades Educativas Espanha que, no período de
Especiais.Esta Conferência 07 a 10 de junho de 1994,
teve como objetivo promover a sediou a Conferência Mundial
educação para todos, sobre a Necessidades
analisando as mudanças Educativas Especiais:Acesso
fundamentais de políticas e Qualidade.
necessárias para favorecer o
enfoque da educação
integradora, capacitando as
escolas para atender as
crianças, principalmente as
que tenham necessidades
educativas especiais (BRASIL,
CORDE, 1994)
Diretrizes e Bases da Educação Brasileira

• A nova LDB foi a • Lei nº 4.024/61 – Já reconhecia a


Educação Especial no Art.88,que
responsável por tratava do direito dos excepcionais à
educação.Tal lei não criou
várias mudanças no compromisso para a escola pública,
apoiando somente as iniciativas
setor educacional privadas.
brasileiro.Para fixar • Lei nº 5.692/71, no Art.9, dispõe que
os alunos que apresentassem
as diretrizes e bases deficiências físicas ou mentais, que se
encontrassem em atraso considerável
do ensino ,temos três com relação à idade regular de
matrícula e os superdotados deveriam
leis: receber tratamento especial.
• Lei nº 9.394/96 – O capitulo V trata
especificamente da Educação
Especial em seus Artigos 58,59 e 60.
Diretrizes e Bases da Educação Brasileira
Lei 9.394/96
• Capítulo V – Da • §1º.Haverá, quando
necessário,serviços de apoio
Educação Especial especializado, na escola regular,
para atender às peculiaridades da
• Art.58. Entende-se por clientela de educação especial.
educação especial, para os • §2º. O atendimento educacional
efeitos desta lei, a modalidade será feito em classes, escolas ou
de educação escolar, serviços especializados, sempre
que, em função das condições
oferecida preferencialmente na específicas dos alunos, não for
rede regular de ensino, para possível a sua integração nas
educandos portadores de classes comuns de ensino
necessidades especiais. regular.
• §3º.A oferta de educação
especial, dever constitucional do
estado, tem início na faixa etária
zero a seis anos, durante, a
educação infantil.
Diretrizes e Bases da Educação Brasileira
Lei 9.394/96
• Art.59. Os sistemas de ensino
assegurarão aos educandos • III.professores com especialização
adequada em nível médio ou superior, para
com necessidades especiais: o atendimento especializado, bem como
professores do ensino regular capacitados
• I. currículos, métodos, para a integração desses educandos nas
técnicas, recursos educativos classes comuns.
e organização específicos,
para atender às suas • IV.educação especial para o trabalho,
visando a sua efetiva integração na vida em
necessidades; sociedade, inclusive condições adequadas
para os que não revelarem capacidade de
• II.terminalidade específica inserção no trabalho competitivo, mediante
para aqueles que não articulação com órgãos oficiais afins, bem
como para aqueles que apresentam uma
puderem atingir o nível exigido habilidade superior nas áreas artísticas,
para a conclusão do ensino intelectuais ou psicomotoras.
fundamental, em virtude de
suas deficiências, a • V. acesso igualitário aos benefícios dos
programas sociais suplementares
aceleração para concluir em disponíveis para o respectivo nível de
menor tempo o programa ensino regular.
escolar para os superdotados;
Diretrizes e Bases da Educação Brasileira
Lei 9.394/96
• Art.60. Os órgãos • Parágrafo único.O Poder
normativos dos sistemas Público adotará, como
de ensino estabelecerão alternativa preferencial, a
critérios de ampliação do
caracterização das atendimento aos
instituições privadas sem educandos com
fins lucrativos, necessidades especiais
especializados e com na própria rede pública
atuação exclusiva em regular de ensino,
educação especial, para independentemente do
fins de apoio técnico e apoio às instituições
financeiro pelo Poder previstas neste artigo.
Público.
Plano Nacional de Educação ( Lei
10.172/2001
• É importante estarmos atentos a este Plano Nacional de
Educação, que vem para cumprir uma exigência prevista
na Constituição (1988), reforçada pela Lei de Diretrizes
e Bases da Educação Nacional (LDB-1996). Para que
possamos efetivamente colocar em prática estas
exigências, devemos assegurar a continuidade das
políticas educacionais e articular as ações da União ,
dos estados e dos municípios. Portanto, o Plano procura
traduzir, na forma de metas claras, os princípios
norteadores da educação nacional formulados na
Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases,
então contamos com os diferentes níveis de
modalidades de ensino.
Plano Nacional de Educação ( Lei
10.172/2001
• Para as pessoas com • Do desenvolvimento de programas
educacionais em todos os municípios,
necessidades especiais, com parcerias com as áreas de saúde
o Plano estabelece 28 e de assistência social, objetivando a
ampliação da oferta de atendimento
metas que, de uma forma desde a educação infantil até a
resumida, tratam: qualificação profissional dos alunos;
• Das ações preventivas nas áreas
visual e auditiva até a generalização
do atendimento aos alunos na
educação infantil e ensino
fundamental;
• Do atendimento extraordinário em
salas e escolas especiais ao
atendimento preferencialmente na
rede regular de ensino;
• Educação continuada dos professores
que estão em exercício à formação
em instituição de ensino superior (
BRASIL,2001)
Educação Especial à caminho da Educação Inclusiva
Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na
Educação Básica
• 15/08/2001- Foi • Com este documento a
homologada a resolução Educação Especial passa
do Conselho Nacional de a fazer parte do Sistema
Educação (CNE), que Geral de Educação ,
institui as Diretrizes perpassando todos os
Nacionais para a níveis e modalidades de
Educação Especial na ensino, assim abrindo ,
Educação Básica. traçando caminhos e
estabelecendo os meios
legais para garantir a
inclusão dos alunos
especiais em toda a
Educação Básica.
Educação Especial à caminho da Educação Inclusiva
Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na
Educação Básica
• Para acontecer a inclusão , deve-se entender que antes,
o aluno deveria adaptar-se à escola,agora é o sistema
de ensino que tem que se estruturar e se preparar para
receber os alunos.Assim sugerindo aos setores
responsáveis (Secretarias de Educação, municipal,
estadual e outros) , devem nortear-se pela educação
inclusiva, conhecer as necessidades de atendimento,
promovendo a acessibilidade, com a utilização da
LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) , a atuação de
intérpretes e com disponibilidade de livros didáticos em
braile.Contando com os serviços de apoio pedagógicos
utilizados, e contando com professores especializados e
a identificação e avaliação das necessidades especiais.
• Segundo os estudos realizado por Mendes, Pletsch e Lino de Paula em seu
texto: Da política de “ Educação Inclusiva” à realidade institucional: um
nos revela
estudo sobre a acessibilidade na educação profissional,
que os princípios da educação inclusiva propõem o
acesso de todos à educação, sem qualquer tipo de
discriminação de indivíduos ou grupos sociais, e
com isso, garantem a todos as mesmas
oportunidades de participação, valorizam a
diversidade e asseguram as condições específicas
necessárias para a que a inclusão ocorra
Lei nº 10.436/2002
• Esta Lei que no dia 24 de abril de 2002, trouxe
para o surdo o inicio de novas propostas de
cidadania, e respeito a comunidade surda,
assim como questões pontuais como a
linguística sentido do uso da língua. Ela faz
referência ao Deficiente Auditivo como um
indivíduo que faz parte desta sociedade. Segue
abaixo o link para análise:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10
436.htm
Decreto 5.626/2005
• O Decreto 5.626 de 22 de dezembro de 2005,
veio para regulamenta a Lei de Libras,
buscando ampliar e ofertar uma qualidade
educacional para o surdo, ela é composta de IX
capítulos, dentre eles as mencionadas é o
capítulo I, II e III, que em conjunto refere a quem
se destina, porque estudar Libras e por quem é
aplicada.Segue abaixo o link para análise:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-
2006/2005/decreto/d5626.htm
Educação Especial à caminho da Educação Inclusiva
Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na
Educação Básica
• Educação Especial • Escola Inclusiva
* É uma nova postura da escola comum,
* Modalidade da educação que propõe no projeto pedagógico, na
escolar;processo educacional definido metodologia de ensino, na avaliação e
em uma proposta pedagógica, na atitude dos educadores ações que
assegurando um conjunto de recursos favoreçam à interação social e sua
e serviços educacionais especiais, opção por prática heterogêneas. A
organizados institucionalmente para escola capacita seus professores,
apoiar, complementar, suplementar e, prepara-se, organiza-se e adapta-se
em alguns casos, substituir os para oferecer educação de qualidade
serviços educacionais comuns, de para todos, inclusive para os
modo a garantir a educação escolar e educandos que apresentam
promover o desenvolvimento das necessidades especiais, Inclusão,
potencialidades dos educandos que portanto, não significa simplesmente
apresentam necessidades matricular todos os educandos com
educacionais especiais, em todas as necessidades especiais na classe
etapas e modalidades da educação comum, ignorando suas necessidades
básica (BRASIL,2001,p.17) especificas, mas significa dar ao
professor e à escola o suporte
necessário a sua ação pedagógica
(BRASIL,2001,p.18)
Lei Nº 13.146 6 de julho de 2015

• LIVRO I
• PARTE GERAL

• TÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

• CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1º É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa
com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência),
destinada a assegurar e a promover, em condições de
igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades
fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua
inclusão social e cidadania.
Parágrafo único. Esta Lei tem como base a Convenção
sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu
Protocolo Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por
meio do Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008, em
conformidade com o procedimento previsto no § 3º do art. 5º
da Constituição da República Federativa do Brasil, em vigor
para o Brasil, no plano jurídico externo, desde 31 de agosto de
2008, e promulgados pelo Decreto nº 6.949, de 25 de agosto
de 2009, data de início de sua vigência no plano interno.
Art. 2º Considera-se pessoa com deficiência aquela que
tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental,
intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou
mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva
na sociedade em igualdade de condições com as demais
pessoas.
Educação Especial à caminho da Educação Inclusiva
Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na
Educação Básica

• Para que haja uma relação de


cumplicidade..ficamos atentos algumas
colocações..para que aconteça a Inclusão..
• Serviço de apoio pedagógico;
• Serviços especializados;
• Atendimento em Educação Especial;
• Escolarização;
• Currículo;
• Terminalidade;
Referência Bibliográfica

• Costa, Valdelúcia Alves da.Os processos de inclusão dos alunos


com necessidades educacionas especiais:políticas e sistemas-Rio
de Janeiro:unirio/cead,2007.
• Corrêa,Maria Angela Monteiro.Educação especial v.1/5.a reimp.Rio
de Janeiro:Fundação CECIERJ,2009.
• Damasceno, Lino de Paula, Marques e organizadores.Educação
profissional inclusiva:desafios e
perspectivas.Seropédica,RJ:EDUR,2012.
• http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm
• http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-
2006/2005/decreto/d5626.htm
• http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm
• http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2015/lei-13146-6-julho-2015-
781174-publicacaooriginal-147468-pl.html