Você está na página 1de 37

TÍTULOS DE CRÉDITO EXTRAJUDICIAL

Kathia Cristina Doschetschkin da Silva


Marlane Muniz
Paula Andrea R. Palma

Gestão Empresarial – Direito Empresarial


Profª Me.: Luciana Nogueirol Lobo
Kathia

Introdução
• O título de crédito foi criado com o objetivo de
facilitar as operações comerciais necessárias
para um mundo mais globalizado.

• A certeza do pagamento do crédito, traz a


facilidade de diversas negociações, além da
possibilidade de alavancar resultados de
investimentos e novos empreendimentos pelo
empréstimo de recursos para posterior
pagamento do devedor ao credor.
Kathia

História
• Antes de 429 – Patrimônio e pessoa são
inseparáveis

• Ano de 429 - Lei Paetelia Papira –


distinção de patrimônio e pessoa

• Idade Média (século V a XV)– Surgimento


dos títulos de crédito
Kathia

Conceitos
• Título
• Crédito

De acordo com o Código Civil, no art. 887, o


título de crédito foi definido como o documento
necessário ao exercício do direito literal e
autônomo nele contido, e que somente produz
efeito quando preencha os requisitos da lei.
Kathia
Título de Crédito
Extrajudicial
É um documento com finalidade de
pagamento posterior para o credor
São eles:
* Letra de Câmbio * Cheque
* Debênture * Duplicata
* Nota Promissória.
Kathia

Características
• Negociabilidade
• Executividade (art. 585, I do CPC)
• Cartularidade (cártula)
• Literalidade
• Autonomia
• Abstração
Kathia
Inoponibilidade das
exceções (art. 17 Lei Uniforme)
O obrigado em uma letra não pode recusar o pagamento
ao portador alegando suas relações pessoais com o
sacador ou outros obrigados anteriores do título. Tais
exceções ou defesas são inoponíveis ao portador, que
fica, sempre, assegurado quanto ao cumprimento da
obrigação pelo obrigado. Se houver relações pessoais
entre o portador e o devedor, este poderá opor-se ao
pagamento.

Exceção: quando há má-fé por parte do portador ao


adquirir o título, com a finalidade de prejudicar o
devedor.
Kathia
Prescrição do título
responsabilidade do avalista
• Todos os títulos de crédito tem prazo fixado
em lei, após isso ocorre a prescrição.

• Após esse prazo deve-se entrar com Ação de


Cobrança ou Monitória, pois o título perde sua
autonomia e o avalista e o endossante não são
mais atingidos.
Kathia

Classificação
Quanto à forma
• Livres: Ex.: Notas Promissórias.
• Vinculados: Ex.: Cheque e Duplicata Mercantil

Quanto ao prazo
• À vista: Ex.: Cheque
• À prazo: Ex.: Nota Promissória
Marlane

Letras de Câmbio
 Consiste em um titulo de crédito pelo qual
o Sacador (emitente) dá ao Sacado
(aceitante) ordem de pagar ao Tomador
(beneficiário) determinada quantia, no
tempo e no lugar fixados na cambial;

 Na letra de câmbio existe a intervenção de


três pessoas;

• Sacador ou Emissor – pessoa que dá a


ordem de pagamento, criando a letra;
• Sacado – pessoa que aceitando a letra
deve pagá-la;
• Tomador –pessoa que recebe a letra de
cambio do sacador e pode cobrá-la no
vencimento, ou seja, é o beneficiário;
Marlane
Marlane

Requisitos Essenciais

Deve conter uma Ordem Nome da pessoa que deve


de Pagamento de uma pagar (sacado).
quantia expressa em Nome da pessoa a quem
moeda corrente de deve ser paga.
forma exata, O primeiro tomador pode
determinada e positiva, transmitir a terceiro a letra
não podendo depender via endosso;
de verificação.
Assinatura de próprio
punho do sacador . A
concretização da emissão
da letra se dá com a
assinatura do sacador;
Marlane
Marlane

Cheque

O cheque é uma ordem de


pagamento a vista; sobre uma
quantia determinada, emitida contra
um banco, com base em provisão de
fundos depositados pelo emitente ou
oriundos de abertura de crédito;

Assim, o cheque pressupõe:


 Emissão contra banco ou ente
financeiro similar;
 Existência de saldo credor do
emitente (correntista)
Marlane

Cheque

Da emissão do cheque nascem 3


figuras de Direitos: O sacado do cheque, ao contrario
da letra de cambio, não garante o
 Aquele que dá ordem pagamento do cheque, nem pode
(Sacador); garanti-lo posto que a lei proíbe o
aceite de titulo (art. 6) bem como
 Aquele que recebe a ordem endosso (art. 18) e o aval (art.19)
(destinatário da ordem – Banco por parte da instituição financeira.
sacado); e O banco só responderá por
eventual ato ilícito que vier a
 Beneficiário da ordem de praticar;
pagamento (tomador);
Marlane

Requisitos do Cheque

A denominação Lugar de
“CHEQUE” pagamento;
constante no Data de emissão;
texto do titulo; A identificação
do banco sacado,
segundo a regra
do art. 3º

A ordem pura e Assinatura do


simples de pagar sacador, com
a quantia identidade e CPF;
determinada
Marlane

 O cheque sempre será uma ordem de pagamento á vista,


portanto o cheque pré- datado “não existe”.

Desta forma um cheque pré-datado para 23 de


Dezembro será pago no momento que for apresentado;
Marlane

Endosso
Personagens:

O cheque de valor superior à R$ 100,00 Endossante ou Endossador


deve ser emitido nominativo podendo –Aquele que cede o crédito
conter a Clausula “à ordem” ou a de um cheque ;
clausula “Não à ordem”;
A clausula “à ordem” é aquela que Endossatário –Aquele que
permite o endosso, sendo que a adquire o crédito;
clausula “não à ordem” é aquela que
proíbe o endosso;
Mesmo com a proibição do endosso o Duas modalidades
cheque pode circular através do Preto e Branco:
instituto da “cessão civil de crédito”,
perdendo a natureza executiva do
título;
Marlane

Aval
 O Pagamento do cheque pode ser total ou Pode ser expresso das seguintes
parcialmente garantido por um aval; maneiras:
 Assinatura do avalista na frente do
titulo
 Avalista; pessoa que garante o pagamento  Assinatura no verso do titulo,
do cheque; porem neste caso deve haver a
identificação do aval, para não ser
 Avalizado; aquele devedor que foi garantido; confundido como endosso.

 Art.31 da lei do cheque: O avalista é


responsável da mesma forma que o Pode ser dado em preto e
avalizado. Porem em principio de autonomia, branco;
eventual nulidade da obrigação do avalizado A lei do Cheque proíbe o
não compromete a do avalista, que aval por parte de
continuará obrigado do pagamento; instituição financeira;
Marlane
Modalidades
de Cheque
 Cheque visado; é aquele onde o banco sacado dá um “visto” no cheque,
declarando a existência de fundos para o pagamento do titulo;

 Cheque administrativo; é aquele emitido pelo próprio banco contra um de


seus estabelecimentos;

 Cheque cruzado; aquele que só pode ser depositado em outro banco; é


caracterizado por duas linhas transversais na frente do título;

 Cheque para se levar em conta; tem a mesma função do cheque cruzado,


não pode ser sacado na boca do caixa;
Marlane
Pagamentos
de Cheque
 Deve ser apresentado para pagamento no Prazo
de 30 dias da data de emissão se for da praça e  NENHUM
60 dias se for de outra praça; ESTABELECIMENTO
PRECISA ACEITAR
 O pagamento do cheque pode ser sustado PAGAMENTO
prevendo a lei duas Modalidades de Sustação; ATRAVES DE
CHEQUE;
 Revogação: é o meio pelo qual se avisa o banco
através de carta a razão para a revogação do  No caso de furto do
cheque; só tem efeito depois de passado o prazo cheque o banco
de sua apresentação; central determina a
exibição de B.O pelo
 Sustação: a oposição também ocorre por escrito, titular da conta.
mas pode ser efetuada no prazo de apresentação,
apresentando relevante razão de direito;
Marlane

Debênture
 Debênture é um título crédito Características da Debênture
emitido por sociedade anônima, a Normativas; quando
fim de obter empréstimos junto ao representados por certificados
público, expandindo seu capital; emitidos em nome do titular e
registrados em livro próprio
 Cada debênture é título executivo mantido pela empresa.
pelo valor que indica, dando Escriturais; quando não possuem
oportunidade para a execução por certificados representativos,
quantia certa; sendo mantidas em nome do
titular em conta de depósito em
 São títulos de longo prazo, instituição financeira depositária
nominativos, negociáveis, por meio designada pela empresa, sendo a
dos quais os debenturistas se forma mais utilizada
tornam credores da empresa;
Marlane

Tipos de Debêntures
 Conversíveis em ações, quando, além de
serem resgatáveis em moeda nacional, As debêntures também possuem
puderem ser convertidas em ações da outras características como a
empresa, nas condições estabelecidas pela oferta de prêmios, que visa o
escritura de emissão; fornecimento de uma
remuneração adicional, a
 Não conversíveis ou simples, quando não adaptação da rentabilidade às
puderem ser convertidas em ações, ou seja, condições do mercado,
resgatáveis exclusivamente em moeda compensação ao debenturista
nacional. pelo resgate antecipado e
estimular os debenturistas a
 Permutáveis, quando puderem ser continuar com as debêntures
transformadas em ações de emissão de outra durante os processos de
empresa que não a empresa emissora, ou repactuação
ainda em outros tipos de bens, tais como
títulos de crédito.
Marlane
Como e quem pode
investir em debêntures
 Qualquer pessoa pode investir, mas o valor inicial varia de uma oferta
para outra.
 Algumas empresas exigem aplicação mínima de R$ 1.000, enquanto
outras podem fixar o valor inicial em R$ 100 mil, R$ 300 mil ou até
mais.

Garantias: Vencimento:
Garantia real; Indeterminado;
Garantia flutuante; Resgate parcial ou
Sem referências; total;
Subordinadas; Definido;
Paula

Duplicatas

 Título de crédito emitido em favor do


vendedor ou prestador de serviços contra o
adquirente da mercadoria ou serviço;

 Todo contrato de compra e venda mercantil,


com prazo acima de 30 dias, deve extrair
fatura, (Lei 5.474/68);
Paula
Características
das Duplicatas
A lei nº 5.474 deu à duplicata características de título de crédito impróprio
e como os título de crédito em geral, o mesmo deve conter certos requisitos;

 A expressão “duplicata”, no título para sua devida identificação;

 A data da sua emissão;

 O número de ordem;

 O número da fatura;

 A data do vencimento ou declaração do pagamento à vista;


Paula

Cada duplicata corresponde a uma única fatura. No caso de vendas parceladas,


existem duas alternativas, uma seria ,a emissão de uma série de duplicatas, uma
para cada prestação ou uma só duplicata discriminando suas respectivas parcelas
com datas e vencimentos.
Paula
Paula

O aceite e o protesto
 O aceite é obrigatório, sendo o comprador um
comerciante este deverá assinar o título com seu
nome comercial, firma ou denominação;

 A lei permite que o comprador deixe de aceitar a


duplicata;

 O protesto é permitido nos casos de não aceite e por


falta de pagamento;

 De acordo com o art. 15, lei 5.474, a cobrança judicial


de uma duplicata será efetuada de acordo com o
processo aplicado aos títulos executivos extrajudiciais.
Paula
Nota Promissória
 É uma promessa direta de pagamento,
que uma pessoa faz em favor da outra;

 O sacador, é a pessoa que promete pagar


uma determinada quantia;

 O sacado ou beneficiário, é o que irá


receber esse valor;
Paula
Requisitos da
Nota Promissória
Os art. 75 e 76 da LU (Lei Uniforme), determina requisitos essenciais a nota
promissória:
 O beneficiário da
 A expressão nota promessa;
promissória;
 A data do saque;
 A promessa de
pagar, a quantia  O local do saque ou
determinada; menção do local ao
lado do subscritor;
 A assinatura do
sacador e sua
identificação;
Paula
Paula

Legislação
A respeito de endosso, aval, vencimento, pagamento, protesto, execução e
demais temas, com relação as letras de câmbio, também compõem, o
regime jurídico das notas promissórias, com algumas ressalvas
estabelecidas nos art. 77 e 78 da LU;

 Por ser uma promessa de pagamento, não se deve


cogitar uma cláusula condicional, pois não é a natureza
desse título;

 O subscritor da nota é seu principal devedor;

 O aval em branco da nota promissória favorece seu


subscritor, art. 77;

 A nota sem data para pagamento torna o título nulo;


Paula

Protesto e Prescrição
A nota deve ser levada a protesto no prazo de dois dias do seu vencimento;

A nota promissória deve ser protestada no lugar do pagamento, na indefinição


no local onde foi emitida.

 Contra os endossantes e seus avalistas, o prazo é


de um ano, a contar do protesto;
Quanto a sua prescrição:  Contra o emitente e seu avalista, o prazo é de 3
anos contados do vencimento do título;
 Dos endossantes, uns contra os outros ou contra
o emitente, o prazo é de seis meses a contar do
dia que o endossante pagou a nota.
Paula
Notificação e
Cobrança Extrajudicial

A cobrança extrajudicial é uma


A notificação extrajudicial, é cobrança onde uma empresa
uma ferramenta utilizada por entra em contato com o
advogados, como uma devedor e tenta fazer um
documentação inicial de suas acordo de forma amigável sem a
provas de tentativa de presença de um advogado, a
conciliação por via amigável, fim de receber o valor devido. A
ou como um passo inicial para maioria das vezes é realizada
a tomada de medidas judiciais por empresas especializadas em
serviço de cobrança.
Paula

Considerações Finais

Pode-se perceber a importância dos títulos de crédito extrajudiciais para o


mundo empresarial e comercial, bem como seus prós e contras. Isso
possibilita uma escolha adequada à respeito dos títulos a serem emitidos
ou recebidos, pelos gestores.

Não sendo os títulos extrajudiciais providos por vias judiciais, leva a uma
falsa impressão de insolvência por parte dos emissores, porém os títulos
também geram a obrigação de pagar e de execução com possível
penhora, mas que não necessitam de um processo de conhecimento, pois
o título já assegura o direito de receber o valor devido.
Paula

Fontes Pesquisadas
ABREU, Fátima Pereira Morulos. Disponível em: <http://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/2662996/os-
titulos-executivos-extrajudiciais-sao-somente-aqueles-previstos-no-artigo-585-do-codigo-de-processo-
civil-saulo-nobrega-dos-anjos>. Acesso em 25 out. 2015
BANCO CENTRAL DO BRASIL,. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?CHEQUESFAQ>. Acesso
em 07 nov. 2015
BM&FBOVESPA,. Disponível em: <http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/renda-fixa/o-que-sao-
debentures.aspx?idioma=pt-br> . Acesso em 07 nov. 2015.
COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial. São Paulo, Editora Saraiva, 12º edição, 2000.
LIMA, Marcelo Cordeiro; MIRANDA, Maria Bernardete. Disponível em:
<http://www.direitobrasil.adv.br/index_arquivos/Page1084.htm>. Acesso em 06 out. 2015.
MARTINS, Fran. Título de Crédito. Rio de Janeiro, Editora Forense, 11′ edição, 1995
MOURA, Sérgio Amado. Disponível em: <https://blogprofessorapriscila.wordpress.com/author/
sergioamadomoura/>. Acesso em 25 out. 2015
ROESLER, Átila Da Rold. . Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/6788>. Acesso em: 24 out.
2015.