Você está na página 1de 16

5.

2
Ocorrência de dobras
e de falhas
Como se podem deformar as rochas?

Os movimentos das placas litosféricas, sobretudo nas zonas de limites de placas,


originam forças que provocam a deformação das rochas.
Como se podem deformar as rochas?

As forças tectónicas podem classificar-se, conforme o sentido de atuação, em:

Distensivas

Compressivas

De Cisalhamento
Distensivas

quando o sentido das forças é oposto (divergente) e os blocos rochosos são afastados.
Compressivas
quando o sentido das forças é convergente e os blocos rochosos se aproximam.
De Cisalhamento
quando o sentido das forças é oposto e os blocos rochosos deslizam em sentidos
também opostos, ao longo de uma falha ou zona de cisalhamento.
Como se podem deformar as rochas?

A ação destas forças manifesta-se com maior intensidade nas zonas onde se situam
os limites das placas litosféricas.
Como se podem deformar as rochas?

O tipo de deformação sofrida pelas rochas depende da intensidade e do sentido das


forças atuantes e ainda das propriedades físicas das próprias rochas.
As deformações mais frequentes que as rochas podem sofrer são dobras e falhas.

Dobra

Falha
Dobras

As dobras formam-se, lentamente, no interior da crosta ou do manto devido a


forças compressivas que afetam camadas de rochas inicialmente planas. Com a
aplicação continuada destas forças ao longo do tempo e com a erosão, as rochas
deformadas acabam por ser visíveis à superfície, formando relevos montanhosos.
Dobras

A morfologia das dobras pode ser caracterizada por diversos elementos


geométricos que facilitam o seu estudo pelos geólogos. Estes cientistas classificam
as dobras segundo o modo como estas se dispõem no terreno.
Falhas

Quando as rochas estão sujeitas às forças tectónicas e perdem (ou não têm) a
capacidade de dobrar, fraturam-se. Caso os blocos rochosos resultantes da
fraturação se desloquem uns em relação aos outros, dizemos que se formou uma
falha.
Falhas
Existem diversos tipos de falhas que dependem do tipo de forças envolvidas na sua
formação.
Falhas
As falhas contribuem, tal como as dobras, para a formação de relevo montanhoso.
No entanto, a sua observação nem sempre é fácil pois, além de poderem afetar
áreas de terreno muito extensas, os efeitos da erosão disfarçam a sua presença na
paisagem.
Influência dos movimentos das placas litosféricas na evolução biológica.
• A colisão de continentes coloca em contacto espécies com percursos evolutivos
diferentes, como aconteceu com a união da América do Sul à América do Norte,
há 3 Ma. Os marsupiais do Sul quase foram extintos com a competição com os
mamíferos placentários do Norte. No entanto, algumas espécies sul-americanas
conseguiram implantar-se com sucesso na América do Norte.
Síntese

• Os movimentos das placas litosféricas causam, entre outras consequências, a


deformação das rochas.
• A deformação das rochas é provocada pela atuação de forças tectónicas, que se
fazem sentir, principalmente, nos limites das placas litosféricas.
• As forças tectónicas podem ser distensivas, compressivas ou de cisalhamento e
ocorrem, respetivamente, em limites de placas divergentes, convergentes e
transformantes.
• O tipo de deformação que as rochas sofrem depende da intensidade e do
sentido das forças exercidas e ainda das propriedades das próprias rochas.
• As deformações apresentadas pelas rochas podem ser dobras ou falhas.
• As dobras formam-se principalmente nos limites convergentes, por ação de
forças compressivas, e resultam do enrugamento das rochas devido à pressão.
Existem vários tipos de dobras, como as sinformas e as antiformas.
• As falhas formam-se quando as rochas não suportam a tensão sobre elas exercida
e se fraturam.
• Resultam da atuação de forças distensivas, compressivas e de cisalhamento,
predominantes respetivamente nos limites de placas divergentes, convergentes e
transformantes.
• As falhas podem ser normais, inversas ou de desligamento, conforme a deslocação
dos blocos fraturados e o tipo de forças que lhes dá origem.
• O movimento das placas litosféricas também tem influência no clima e na
geografia (existência de barreiras naturais, como oceanos ou cadeias
montanhosas), fatores que condicionam a evolução biológica.