Você está na página 1de 19

ENGRENAGENS

SUAS LUBRIFICAÇÔES
A engrenagem é o elemento mecânico composto de rodas dentadas que se ligam a
um eixo rotativo, ao qual imprimem movimento.

As engrenagens operam aos pares, os dentes de uma encaixando nos dentes de outra.
Se os dentes de um par de engrenagens se dispõem em circulo, a razão entre
as velocidades angulares e os torques do eixo será constante. Se o arranjo dos dentes
não for circular, variará a razão de velocidade. A maioria das engrenagens é de forma
circular.

Para transmitir movimento uniforme e contínuo, as superfícies de contato da engrenagem


devem ser cuidadosamente moldadas, de acordo com um perfil específico. Se a roda
menor do par (o pinhão) está no eixo motor, o trem de engrenagem atua de maneira a
reduzir a velocidade e aumentar o torque; se a roda maior está no eixo motor, o trem atua
como um acelerador da velocidade e redutor do torque.

Tipos de engrenagens
As engrenagens não só apresentam tamanhos variados, mas também se diferenciam em
formato e tipo de transmissão de movimento. Dessa forma, podemos classificar as
engrenagens empregadas normalmente dentro dos seguintes tipos:
Dentes retos

Os dentes são dispostos paralelamente entre si em relação ao eixo. É o tipo mais


comum de engrenagem e o de mais baixo custo. É usada em transmissão que requer
mudança de posição das engrenagem em serviço, pois é fácil de engatar.
Helicoidais

Os dentes nas engrenagens helicoidais são cortados em ângulo com a face da


engrenagem. Quando dois dentes em um sistema de engrenagens helicoidais se
acoplam, o contato se inicia em uma extremidade do dente e gradualmente aumenta à
medida que as engrenagens giram, até que os dois dentes estejam totalmente
acoplados.
Engrenagens Cilíndricas de Dentes Abaulados

As engrenagens com faces abauladas são empregadas em conjuntos de


acoplamentos, proporcionando um engate SILENCIOSO E PRECISO.
Engrenagens com Dentes Internos

As engrenagens de dentes internos, são muito utilizadas em acoplamentos


mecânicos, trabalhando em conjunto com engrenagens de dentes abaulados
(cabeça), facilitando assim o engate.
Esse tipo de engrenagem também é muito empregada em redutores
marítimos, em especial no conjunto de redução de guindastes.
Engrenagens para Correntes

As engrenagens para corrente, como o próprio nome diz, são acionadas por correntes
para gerar a transmissão de movimento e força nos maquinismos. Esse tipo de
engrenagem geralmente são normatizadas pelas normas BS-DIN, ANSI-ASA PIV-
SILENCIOSAS ou ESPECIAIS.
Coroas

Quando duas engrenagens trabalham em conjunto, a engrenagem maior é chamada de


coroa e a menor de pinhão, independente do tipo de dentes.
Tanto engrenagens de dentes retos como helicoidais e até mesmo cônicos irão receber
essa denominação.
Um outro tipo de engrenagem coroa é aquela que trabalha em conjunto com uma rosca
sem-fim, sendo muito utilizada em sistemas de variação e inversão de movimento.
Este tipo de engrenagem possui um perfil de endentamento côncavo, sendo
normalmente confeccionada em ferro fundido, bronze, nylon ou celeron, materiais mais
moles que o aço carbono empregado na rosca, proporcionando assim um conjunto mais
silencioso e preciso.
Estrias

Estrias são ranhuras que se fazem em peças, alternando-se o número


de dentes, o ângulo de pressão e os diâmetros da peça.

Eixos

Os eixos são peças de transmissão mecânica destinados a ligar e articular


uma ou mais partes do mecanismo. Normalmente os eixos são dotados de
chavetas e estrias em suas extremidades, que acoplam na engrenagem mãe
para gerar o movimento.
Roscas Sem Fim

As roscas são conhecidas pelo seu tamanho (diâmetro da rosca), pelo número de
filetes em cada milímetro ou polegada, e pela grossura do filete (rosca fina ou grossa).
Permitem, também, movimento de peças. O parafuso que movimenta a mandíbula
móvel da morsa é um exemplo de movimento de peças. Os filetes das roscas
apresentam vários perfis. Esses perfis, sempre uniformes, dão nome as roscas e
condicionam sua aplicação.
Polias

Uma polia é uma peça mecânica muito comum a diversas máquinas, utilizada para
transferir força e movimento. Uma polia é constituída por uma roda de material rígido,
lisa ou sulcada em sua periferia.
Cremalheiras

Cremalheiras são componentes mecânicos compostos por uma barra


dentada sobre a qual trabalha uma engrenagem transformando
movimento retilíneo em circular. As cremalheiras possuem vários
empregos, sendo os mais comuns na abertura de portões e comportas,
esteiras transportadoras e linhas férreas.
Acoplamentos

Os sistemas de acoplamentos utilizam


dois tipos de componentes mecânicos. A
engrenagem cabeça, fresada com
dentes abaulados e a engrenagem
receptora, fresada com dentes internos.

Engrenagens cônicas
Métodos de lubrificação
Os métodos mais comuns de lubrificação de engrenagens são os seguintes: manual,
por banho de óleo ou por sistema circulatório.

Manual

Geralmente feita por pincelagem. É o caso da lubrificação de engrenagens,


expostas, com o emprego de composição betuminosas, aplicadas por meio
de brochas, pincéis ou espátulas. Essas composições tem uma aderência
maior que o óleo ou a graxa e são indicadas para engrenagens grandes, de
baixa rotação, que transmitem cargas elevadas.
Quando as composições betuminosas já são formulas com solventes leves,
podem ser aplicadas a frio. Quando isto não se verifica, há a necessidade de
se executar um pré-aquecimento, que deve ser feito em banho-maria, para
evitar o super aquecimento do fundo da lata pelo fogo direto.
Por razões de segurança, aconselha-se fazer a aplicação das composições
com a engrenagem parada, de preferência ao final de um turno de serviço,
pois o natural aquecimento do metal facilitará o espalhamento do lubrificante.
Banho

Sem salpico: É o caso da lubrificação


de engrenagens abertas, de grandes
dimensões e baixa rotação. Aplicam-se
óleos lubrificantes muito viscosos e até Circulatório
mesmas composições betuminosas Método bastante empregado quando
leves. temos altas velocidades circunferências
Com salpico: Caso em que o nível do (de 10 a 13m/seg.) e engrenagens
lubrificante é mantido de modo a que fechadas ou em caixa.
apenas os dentes da engrenagem O óleo é fornecido por meio de uma
inferior mergulhem no óleo. Se o nível bomba, sob pressão na forma de um jato
for muito elevado, a rotação da aplicado próximo ao ponto de
engrenagem provocará um excesso de engrenamento e depois recirculado.
agitação, com maior tendência á Estes sistemas apresentam a vantagem
formação de espuma e também com de proporcionar maior troca de calor,
maior elevação da temperatura do óleo. havendo casos em que são instalados
Se for o caso de um moto redutor, o radiadores para arrefecimento de óleo.
óleo poderá ultrapassar os retentores e
atingir os enrolamentos, causando
sérios problemas, como regra prática,
recomenda-se que a roda inferior não
deva mergulhar mais do que três vezes
a altura do dente no banho.
Seleção do Lubrificante
Engrenagens hipoidais

Engrenagens cilíndricas e cônicas Muito comuns em diferencias de


retas ou helicoidais em caixas. Para veículos, estas engrenagens
essas engrenagens a escolha do apresentam a vantagem de transmitir
óleo depende, principalmente da grandes potências, com dimensões
carga suportada pelos dentes e da reduzidas. Em decorrência, as
velocidade periférica da condições de lubrificação nas
engrenagem, Quanto maior for a engrenagens hipoidais são
potência transmitida pela particularmente severas devido ao
engrenagem tanto maior será a elevado grau de deslizamento que
carga suportada pelos dentes e, por ocorre entre as superfícies de contato
conseguinte, maior deverá ser a dos dentes e das cargas severas que
viscosidade do lubrificante, face a lhes são impostas. Os óleos minerais
problemas de resistência de puros ou óleos comuns, do tipo anti-
película. Por outro lado, quanto desgaste, não são recomendados
maior for a velocidade periférica, para essas condições, pois não
maior será a viscosidade do óleo a podem evitar a ocorrência de uma
ser usado. deformação (“scuffing”) bastante
severa. Recomenda-se, invarialmente,
para essas engrenagens, os óleos de
extrema pressão.
Engrenagens de
Engrenagens Abertas
Parafuso sem fim
Geralmente são do tipo
Muito usadas para grandes
cilíndrico ou cônico, de dentes
reduções, são quase sempre
retos e a sua lubrificação se faz
do tipo fechadas, lubrificadas
normalmente por aplicação
por salpico.
manual.
A velocidade de deslizamento
As engrenagens abertas
entre as superfícies de
requerem lubrificantes bastante
trabalho é muito elevada em
aderentes, a fim de que não
relação á velocidade periférica
sejam lançados fora dos
da roda. De modo geral,
dentes.
quanto menor a velocidade de
deslizamento do pinhão, maior
viscosidade deve ter o óleo.
Os óleos compostos, devidos
á sua maior oleosidade, vêm
sendo usados nesta
aplicação. Além deles, óleos
minerais puros ou contendo
aditivos de extrema pressão
suave são também utilizados.
Dificuldades mais comuns na lubrificação de engrenagens

As causas mais freqüentes das dificuldades experimentadas nos trens de


engrenagens decorrem da alta temperatura e do desgaste. O desgaste dos dentes
pode ser devido a um desalinhamento ou á presença de impurezas abrasivas no
óleo. A temperatura elevada pode ser provocada por desalinhamento, ou por uma
ou várias das seguintes causas:
• Contaminação e aumento de viscosidade de óleo;
• Uso de óleo, com viscosidade muito elevada;
• Agitação excessiva do óleo, por se ter mantido elevado o seu nível (nos tipos
lubrificados por salpico);
• Insuficiência no fornecimento do óleo lubrificante (quando se emprega sistema
de circulação forçada), causada, geralmente, pelo entupimento das tribulações ou
filtro de óleo;
• Deficiência do sistema de resfriamento, quando existente.
É evidente, pelo que se acaba de expor, que o óleo deve ser purificado
regularmente e quando necessário renovado.
http://www.interlubri.com.br/ups_manuallub15.htm
http://www.frezadorapaulista.com.br/engrenagensdentesretos.asp