Você está na página 1de 60

CONCURSO: EDITAL 268/2014 – PROEN

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE – CCBS


DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA
DISCIPLINA: MICROBIOLOGIA/IMUNOLOGIA
CANDIDATA: RENATA OLIVEIRA DA ROCHA CALIXTO

MICOBACTÉRIAS DE
INTERESSE MÉDICO
Mycobacterium tuberculosis
e
Mycobacterium leprae
1
Introdução
Características gerais das
micobactérias
Tuberculose e
Mycobacterium tuberculosis
Hanseníase e Mycobacterium
leprae
2
Introdução
 As micobactérias pertencem à ordem
Actinomycetales, família Mycobacteriacea,
gênero Mycobacterium
 60 espécies conhecidas
◦ Maioria saprófitos
◦ Patógenos:
 Mycobacterium tuberculosis  tuberculose
 Mycobacterium leprae  hanseníase
 Mycobacterium avium-intracellulare (complexo M. avium ou
MAC) e outras micobactérias  patógenos oportunistas
(pacientes com AIDS)

3
Introdução

4
Características gerais
 Aeróbias estritas
 Forma de bastão
 Não possuem flagelos
 Não formam esporos
 Não produzem toxinas
 Não possuem cápsula
 Micro-organismos intra-celulares:
macrófagos

5
Características gerais

Diferenciação

M. leprae: não cultivada ainda em laboratório

6
Características gerais
 Temperatura de crescimento é variável
◦ Temperaturas baixas: infecções cutâneas
 M. leprae: < 37oC

 Bacilos “álcool-ácido resistentes”: resistem a


coloração por ácido e/ou álcool
◦ Retém a fucsina básica pela parede celular
◦ Método de Ziehl-Neelsen ou Kinyoun 
colorações diferenciais

7
Método de Ziehl-Neelsen

8
9
A célula bacteriana e suas principais estruturas

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5a/Average_prokaryote_cell-_en.svg
10
Parede Celular
Composição e Estrutura

• Composta por: peptideoglicana, arabinogalactana e ácido micólico;

• Estrutura incomum: baixa permeabilidade;

• Resistentes à maioria dos antibióticos;

• Complexo micolil arabinogalactana


peptideoglicana (mAGP): matriz da
parede celular

11
Parede Celular
Composição e Estrutura

• Ácidos graxos de cadeia


longa β-hidroxilados com
ramificações α-alquil

• Lipídeos somente
encontrados na parede de
Micobactérias;

• Polímero de unidades de D-galactose e


D-arabinose na configuração furanose;

• Propriedades imunomoduladoras

• Unidades alternadas
de N-acetilglicosamina
e N-glicolilmurâmico;

• Suporte para o mAG;

• Resistente à lisozima
12
Parede Celular
Composição e Estrutura

Lipoglicanas:

• Lipoarabinomanana (LAM),
Fosfatidil Inositol-manoses (PIM) e
Lipomananas (LM);
• Porção carboidrato exposta na
superfície: imunopatologia de
hanseníase e tuberculose (funções
imunomoduladoras)

Porinas: canais catiônicos seletivos


• Controle da difusão de moléculas
• Confere baixa permeabilidade

13
14
Introdução
Características gerais das
micobactérias
Tuberculose e
Mycobacterium tuberculosis
Hanseníase e Mycobacterium
leprae
15
Tuberculose: Histórico
 Também conhecida como peste branca
 Já descrita desde Hipócrates
 Principal causa de morte no século XIX
 Descoberta por Robert Koch (1843-1910)

a) Tubérculo pulmonar: bacilo em azul


b) Amostra de escarro
c) Cultivo em placa de vidro com soro coagulado
d) Colônia (700x)
16
Tuberculose: Histórico

17
Tuberculose: Histórico
 Segunda guerra mundial: introdução de
antibióticos
◦ Estreptomicina e isoniazida
 No Brasil:
◦ 1927: BCG em recém nascidos
◦ 1940: antibióticos
◦ 1973: BCG intradérmica obrigatória
◦ 1976: esquema de tratamento – 6 meses

18
Tuberculose: Distribuição

http://redetb.org/mapa-tuberculose-no-mundo/157-esrimativa-global-de-tuberculose-em-2010/1580-estimativa-global-de-tuberculose-em-2010 19
Tuberculose: Doença

 Doença infecto contagiosa


◦ Bactérias do complexo Mycobacterium
tuberculosis
 Mycobacterium tuberculosis, M. canettii, M. africanum,
M. microti, M. bovis, M. caprae and M. pinnipedii
 Transmissão:
◦ Partículas infectantes: tosse, espirros ou
perdigotos

20
Mycobacterium tuberculosis
 Patógeno intracelular
 Infecção preferencialmente no sistema
pulmonar
 Regulação pela resposta imune do
hospedeiro
 Tempo de geração: 24h
 Colônias com superfície seca
e rugosa  3 a 4 semanas

21
Mycobacterium tuberculosis
 Seu genoma foi sequenciado
◦ aproximadamente 376 proteínas específicas
 Proteínas com domínios repetitivos ricos em glicina
 Variações antigênicas
◦ Conhecimento dos seus fatores de virulência
 Fosfolipase C
Ataque a membranas celulares e vacuolares
 Lipases
 Esterases
 Proteases
◦ Tipo de antígenos reconhecidos pela
imunidade do hospedeiro
22
Sintomas mais comuns
 Tosse com secreção
 Febre (ao entardecer)
 Suores noturnos
 Falta de apetite
 Emagrecimento
 Cansaço fácil
 Dificuldade na respiração, eliminação de sangue
e acúmulo de pus na pleura pulmonar  casos
mais graves
Tuberculose:
Patogênese

24
Nature Reviews Molecular Cell Biology 2, 569-586 (August 2001)
25
26
Resposta imune
 A imunidade celular é o principal
mecanismo
 reconhecimento de antígenos por
receptores em células da imunidade inata
 Imunidade adquirida
◦ Secreção de citocinas imunorreguladoras
pelos linfócitos TCD4: IFN-γ
 a principal citocina inflamatória observada na TB.

27
Resposta imune
 Depende da natureza das células atraídas para
o sitio de infecção
M. tuberculosis

Th1
Th2

Imunidade celular Imunidade humoral


Granuloma e regressão da doença Necrose e progressão da doença
28
Resposta imune inata

Interação com TLRs


permite a ativação de
macrófagos, mas não seu
engolfamento

TDM (Trehalose dimycolate),


Diversos ligantes:TLR2,
MA (Mycolic acid),
LAM (Lipoarabinomannan), TLR4, TLR8, TLR9
AG (Arabinogalactan),
PGN (Peptidoglycan),
PIM (Phosphatidylinositol
mannose).
29
Resposta Imune adaptativa

30
Nature Reviews Molecular Cell Biology 2, 569-586 (August 2001)

31
Diagnóstico

32
Tratamento
 Prevenção usual:
◦ vacina BCG, aplicada nos primeiros 30 dias de vida
 proteção contra as formas mais graves da doença
 Segundo a OMS  tratamento de curta duração
◦ 2 primeiros meses:
 Isoniazida + rifampicina + pirazinamida + estreptomicina
◦ Pelo menos mais 4 meses:
 Isoniazida + rifampicina
◦ Drogas de 1ª linha (bactericidas)  menor toxicidade
que as de 2ª linha (bacteriostáticas)
 Drogas de 2ª linha: M. tuberculosis multiresistente (MDR-TS)
 Fundamental a não interrupção do tratamento,
mesmo que haja o desaparecimento dos sintomas
33
Resistência e multirresistência a
medicamentos
 Principal preocupação em relação a doença
◦ Resistência aos medicamentos  causa
principal
◦ Micobactérias:
 Resistência ocorre espontaneamente
 Taxas de mutação diferentes para cada droga
 Tuberculose resistente pode desencadear
uma nova onda da doença virtualmente
incurável em todo mundo
34
Introdução
Características gerais das
micobactérias
Tuberculose e
Mycobacterium tuberculosis
Hanseníase e Mycobacterium
leprae
35
Hanseníase ou Lepra: histórico
 Conhecida desde a antiguidade
◦ Idade Média
 Pacientes eram isolados e discriminados
◦ Tratamentos humilhantes
◦ Em algumas regiões até o século XX
 Gerhard Henrik Armauer Hansen:
descoberta do agente etiológico
◦ Biopsias de lesões cutâneas

36
Hanseníase: Doença
 Infecto-contagiosa
 Agente etiológico: M. leprae
 Invasão do SNP
 Afeta: pele, vias aéreas superiores, SNP e olhos
 Invasão dos nervos: desconhecida
 Coloniza células de Schwann sem mielina
◦ Afeta o metabolismo celular de diversas maneiras
◦ Aumento da proliferação celular, secreção de
proteínas extracelulares e expressão de moléculas
de adesão
◦ Produção de moléculas inflamatórias: TNF  lesões
nervosas
37
38
Período de incubação da doença
 3 a 5 dias
 Doença crônica:
◦ Principal sintoma: lesão de pele com perda de sensibilidade

Manifestações
• Manchas dormentes de cor avermelhada ou esbranquiçada em
qualquer região do corpo
• Placas, caroços, inchaços, fraqueza muscular e dor nas
articulações

39
Transmissão

 Transmissão: aerossóis (mucosa nasal


ou respiratória)
 Risco de contração da doença:
◦ contato com a doença ativa
◦ sem tratamento, especialmente a
hanseníase multibacilar

40
Mycobacterium leprae

 Parasita intracelular obrigatório


 micro-organismo de baixa patogenicidade
 Temperatura ótima de crescimento: 30oC
– prefere regiões mais frias do corpo
 Período de geração: 12 dias
 Não apresenta crescimento in vitro
 Tatu – hospedeiro zoonótico – infectado
em estado selvagem
◦ Chipanzés e macacos
41
Mycobacterium leprae
 Bastonete reto ou ligeiramente curvo
 Parede celular complexa
 Propriedade BAAR
◦ Esfregaços de pele: bacilos isolados ou em
arranjos (globias)  resultando na sólida união
através da gléia

42
http://anatpat.unicamp.br/nervhansenv.html
Mycobacterium leprae
 Fatores de virulência:
◦ Glicolipídeos fenólicos
 Remoção formas tóxicas de O2
◦ Lipoarabinomanana
 Repressor de funções imunológicas
◦ Moléculas de adesão

43
Infection and Immunity. 2013, 81 (7): 2645–2659

44
Mycobacterium leprae
 Período de incubação: 3 a 10 anos
 Patogenia:
◦ M. leprae invade células de Schwann nos nervos
periféricos
 Dano ao nervo
 Desmielinização, fibrose aumentada e degeneração do axônio
 Destruição causada pelo Sistema imune
 Lesões nervosas, perda sensorial
 Desenvolvimento de deformidades

45
http://anatpat.unicamp.br/nervhansenv.html
46
A doença - Hanseníase
 Diferentes formas:
◦ Indeterminada
◦ Tuberculóide (neural)
◦ Lepromatosa (progressiva)

47
Formas importantes de
manifestação

 Tuberculóide:
◦ Nódulos sob a pele
◦ Regiões de anestesia circunscrita pelas lesões
dos nervos
 Lepromatosa:
◦ Forma mais leve
◦ Causa ulcerações e deformidade
 Mutilações de mãos, nariz e orelhas

48
49
50
51
52
Reações Hansênicas

 Pele e nervos

 Principal causa de morbidade e


incapacidade de função do nervo

 Critérios clínico, histológico e


imunológico : definição de 5 formas

53
TL- lepra tuberculóide
LL- lepra lepromatosa
Variantes de borderline: BT, BB e BL
54
Diagnóstico
 Teste de Mitsuda

55
Diagnóstico

56
Tratamento

• Poliquimioterapia: longo período


• Não tratamento: consequências
irreversíveis
• Gratuito
• Não há vacina disponível

57
Bibliografia recomendada

• Microbiologia / Editores: Luiz Rachid Trabulsi e Flávio


Alterthum – 5ª ed – São Paulo: Atheneu: 2008.
• Microbiologia Médica de Jawetz, Melnick e Adelberg / Geo F.
Brooks, et al.– 25ª ed – Porto Alegre: AMGH, 2012.

Bibliografia complementar
• Critical Reviews in Microbiology, 2013; 39(3): 229–246
• Microbes and Infection 9 (2007) 1671e1679
• Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 35(4): 365-375, jul-ago, 2002.
• Future Microbiol. 2011 February ; 6(2): 217–230.

58
Avaliação - Questionário
1. Cite as características gerais das micobactérias e duas das principais
doenças causadas por seus representantes.

2. Cite qual estrutura celular é responsável pela classificação das


micobactérias como BAAR. Explique de que maneira isso ocorre.

3. A tuberculose é uma das doenças mais prevalentes e perigosas do


mundo. Sua incidência tem aumentado nos países desenvolvidos, em
parte devido à emergência de linhagens de Mycobacterium tuberculosis
resistentes a fármacos. Como acontece a patogenia dessa doença?

4. O sistema imunológico do hospedeiro é um dos responsáveis pela


lesão ocasionada na hanseníase. De que forma ocorre a patogenia dessa
doença e quais são os padrões imunológicos dessa resposta?

5. Como é realizado o diagnóstico e o tratamento da tuberculose e da


hanseníase?

59
60