Você está na página 1de 18

FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS

A Filosofia dialógica e a Religião do Encontro: Buber


e Moreno
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Visão de homem na filosofia dialógica de Buber e


seus correlatos segundo a ótica de Moreno
 Ideias centrais
 Visão de homem
 Deus

 Mundo

 Base das concepções filosóficas


 Hassidismo – corrente filosófica do judaísmo
 Influências sobre as concepções de ser e de mundo, e
sobre suas existências
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Raízes comuns
 Hassidismo:
 Polônia, século XVIII, Rabi Baal-Shem-Tov
 Esforço de renovação do judaísmo
 Reação contra o rabinismo tradicional
 Rejeita a tese de separação entre ética e religião, pois não há
distinção entre a relação do homem com Deus e a relação do
homem com os outros homens
 Não há distinção entre sagrado e profano
 O homem para o hassidismo
 Iguala-se a Deus numa relação horizontal
 Seu cotidiano é bom por natureza
 O bem e o mal são complementares
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Seinismo
 Ciência do ser
 Propunha viver a vida com autenticidade, fora
dos limites teóricos e da filosofia e da ciência
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Antropologia do inter-humano de Buber


A relação Eu-Tu é uma realidade ontológica
que não pode ser reduzida ao que acontece
em somente um dos membros do relacionamento
 O fato primordial é a relação
 A vida em diálogo
 Homem como ente em relação
 Relação é o fundamento de sua existência
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Duas atitudes primordiais


 Eu-Tu
 Atitude de intersubjetividade
 Reciprocidade
 Confirmação mútua
 Dialógico

 Eu-Isso
 Atitude
objetivante
 Monológico
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Eu e Tu não existem fora da relação


 O Tu é a condição de existência do Eu
 O espaço interpessoal, essa co-participação dialogal
é o fundamento para o existir
 É necessário o elemento da totalidade
 O entre permite que se aborde o homem em sua
dialogicidade e é só no encontro dialógico que se
revela a totalidade do homem, acarretando a
rejeição da racionalidade da razão como
característica distinta do homem
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 O Eu de Eu-Isso usa a palavra para conhecer, ordenar,


estruturar e transformar o que nada mais é do que
objeto da utilização e da experiência
 Segundo Buber, a experiência é o distanciamento do Tu
 Eu-Isso indispensável à existência humana, mas não
pode ser o sustentáculo do inter-humano
 Eu-Isso não encerra a ideia de participação integral
 “Se o homem não pode viver sem o Isso, não se pode
esquecer que aquele que vive só com Isso não é
homem”
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Experiência para designar o campo do racionalismo


metodológico e sistemático
 Relação como pertencente ao emocional, à libertação
dos esquemas, cuja meta é um encontro com
reciprocidades enriquecedoras
 Não se pode ter experiência com o Tu
 O Tu se oferece ao encontro, não é procurado, e o Eu
decide encontrá-lo
 Toda a vida verdadeira é um encontro
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Aqueles que encontram um sistema para si nos quais


encontram refúgio, não poderão encontrar senão o
nada
 Na relação dialógica, as coisas acontecem entre o Eu-Tu
 Os sentimentos o homem os possui, mas o ‘amor’
acontece entre os seres humanos
 O amor é um agir no mundo. Através dele os homens se
libertam da confusão universal, das dualidades, dos
maniqueísmos
 No amor, um Eu assume a responsabilidade por um Tu
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 O instinto da relação é primário


 A criança dialoga com qualquer coisa
 A principal tarefa filosófica considerada por Buber
é despertar no homem a vontade de uma vida mais
humana
 Recomenda um investimento de todos os nossos esforços
intelectuais no estabelecimento das relações humanas
não alienadas entre o homem e o seu próximo
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 A visão de homem segundo Moreno


 “As palavras do Pai”
 Baseia sua filosofia na responsabilidade de continuar as
obras do Criador, tendo como eixo central, o privilégio da
ação sobre as palavras
 A máxima preocupação de Moreno – a espontaneidade
e a criatividade – ocupam o centro do universo
 Sem elas não haveria vida e sim, automatismos
 Ver o homem sem desenvolver sua capacidade criadora
levou Moreno a lutar, com todas as suas forças, contra o
conformismo e a paralisação da vida
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Moreno afirmava que preferia a loucura criadora ao


conformismo da normalidade
 Todo o produto de sua criação está dirigido no sentido do
encontro do homem com sua capacidade criadora
 O universo como uma criação em desenvolvimento contínuo
no qual o indivíduo que nasce cria, junto com Deus, o
mundo por vir
 Um mundo no qual cada homem pode ajudar a criar e no qual
se pode projetar seus próprios sonhos
 A essência da nossa existência é a fome de criar
 Não deve ser compreendido no sentido intelectual, mas como
uma força dinâmica, uma corrente de criatividade
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Uma vez tendo criado todo o universo, Deus jamais se


separará dele
 Deusestá presente em todos os empreendimentos humanos,
em um sentido co-existencial
 O perigo que abala a existência humana não é
oriunda da natureza e sim da própria mente humana
 Astecnologias e facilidades da vida moderna substituíram
qualquer esforço criador
 Promoveu confiança e dependência do homem nesse artefatos e
sua escravização
 Extinção do homem criativo e cheio de iniciativas
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 O processo espontâneo criador é matriz de qualquer


conserva cultural, seja uma forma de religião, uma obra de
arte ou uma invenção tecnológica
 Ameaçam a sensibilidade e as qualidades criadoras do homem
 Ao nascer, a criança não dispõe de um modelo de acordo
com o qual ela vai fazer frente às necessidades e dar
forma aos seus atos
 Resposta nova a situação nova
 Resistir com segurança num mundo desconhecido

 A primeira manifestação básica de espontaneidade é o


aquecimento preparatório da criança para o novo ambiente
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 A adoção de papéis e a inspiração criadora levam o


indivíduo ao grau máximo de aquecimento preparatório
de um ato espontâneo para enfrentar uma situação nova
 Esse aquecimento é um movimento para despertar a
espontaneidade
 A espontaneidade não é um sentimento, pensamento ou
ato de uma cadeia de improvisações
 Estar pronto para responder tão pronto seja requerido
 Moreno propõe, em prol do bem-estar da humanidade,
uma luta contra as normas e padrões rígidos aos quais o
homem está sujeito
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Confluências entre Buber e Moreno


 Alguns afirmam que Moreno possui mais coisas em comum
com Buber do que com qualquer outra psicoterapia
 Fonseca (1980) atenta para o fato de que a
psicoterapia nada mais é do que uma versão moderna
das religiões do passado, quando o homem buscava
“salvação, paz, tranquilidade, uma vida nova”
 Ambos possuem a ideia de um Deus próximo do ser
humano, com o qual ele pode se relacionar
horizontalmente
 Todos os homens possuem centelhas divinas a serem libertadas
A Filosofia Dialógica e a Religião do Encontro

 Não há possibilidade do homem sozinho, sempre há o


homem e o outro
 Para cada papel um contra-papel: papéis complementares
 “O homem como um ser cósmico”
 Conserva cultural, o esfriamento do calor da criação
corresponde ao Isso
 O conceito de Tele de Moreno refere-se a um processo
fundamental de reciprocidade, tal qual a relação
dialógica de Buber