Você está na página 1de 53

Química da Atmosfera

• transformações químicas na atmosfera


• Legislação e normas aplicadas a atmosfera
• Ciclos biogeoquímicos: o carbono; o nitrogênio; o enxofre
• combustão e poluição atmosférica
• material particulado
• ozônio/ camada de ozônio
• balanço térmico
• controle da poluição atmosférica
No Brasil graves problemas ocorreram na cidade de Cubatão
Ordem e dimensão das camadas:
CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

DEFINIÇÃO

 Trata-se de movimentos cíclicos que envolvem elementos químicos presentes no


meio biológico e o ambiente geológico;

 Elementos que são necessários ao desenvolvimento dos tecidos vivos;

BIO GEO QUÍMICOS

Porque os Porque o Porque são


organismos vivos meio terrestre ciclos de
interagem no é a fonte dos elementos
processo de síntese elementos químicos
orgânica e
decomposição dos
elementos
Elementos químicos mais presentes nos seres vivos ( % por peso)

Fonte: BIOLOGIA – BSCS: versão Verde, vol.1, 1979


As principais características observadas nos ciclos biogeoquímicos são:

 Um deposito geológico (Atmosfera ou litosfera);

 Inclusão dos seres vivos (vegetais, animais e microrganismos);

 Câmbios químicas;

 Movimento do elemento químico desde o meio físico até os organismos e seu


retorno a este.

 Para a ecologia, o fator mais importante de um ciclo biogeoquímicos é o fato


de que os componentes bióticos e abióticos aparecem intimamente
entrelaçados.
 Ciclos Gasosos - o depósito está na atmosfera ou hidrosfera, composto
dos seguintes nutrientes:

Oxigênio Reservatório é a atmosfera

Grande reservatório está na hidrosfera, na forma de gás


Carbono
carbônico, embora também esteja presente na atmosfera;

Nitrogênio Reservatório é a atmosfera.

 Ciclos Sedimentares - depósito está na crosta terrestre, composto dos


seguintes nutrientes:

Água Os depósitos são o mar, rios, lagos, rochas sedimentares.

Os reservatórios são as rochas formadas em remotas eras


Fósforo
geológicas.

Enxofre O maior reservatório são as rochas e sedimentos.


Desta forma os ciclos biogeoquímicos podem ser divididos em dois tipos:

 Ciclos (de nutrientes) gasosos

Cujo depósito ou reservatório geológico é a atmosfera: (rápidos e fechados)


- Ciclo do Carbono;
- Ciclo do Oxigênio;
- Ciclo do Nitrogênio

 Ciclos (de nutrientes) sedimentares

Cujo reservatório geológico são as rochas sedimentares: ( lentos)


- Ciclo do Fósforo;
- Ciclo do Enxofre.

 A participação antrópica nos ciclos biogeoquímicos dá-se pela utilização do ar,


da água e do solo como sumidouro de seus despejos.
CICLO DO CARBONO

O elemento carbono (C) é o principal constituinte de tudo o que é orgânico e


embora o dióxido de carbono (CO2) represente apenas 0,35% dos gases que
compõem a atmosfera, o carbono é um elemento que nos últimos anos tem
provocado mudanças profundas em todo a terra.

O Ciclo do carbono se inicia a partir do momento em que as plantas, ou outros


organismos autótrofos¹, absorvem o gás carbônico da atmosfera e o utilizam na
fotossíntese (ou quimiossíntese no caso de alguns organismos) incorporando-o às
suas moléculas. Então o carbono passa para o próximo nível trófico² quando os
animais herbívoros ingerem as plantas e absorvem parte do carbono incorporado na
forma de açúcares.

¹ - organismos que, a partir de compostos inorgânicos, fabrica seu próprio alimento mediante fotossíntese ou
quimiossíntese.
² - Referente à nutrição ou o posicionamento na cadeia alimentar.
 Parte dos restos de animais e vegetais pode não sofrer
decomposição e transformar-se em combustíveis fósseis
(carvão e petróleo). Boa parte do carbono que estava preso
durante milhões de anos nessas substâncias, está sendo
devolvido à atmosfera, através da queima de combustíveis.
 Em conseqüência destas queimas, a concentração de CO2 na
atmosfera aumentou nos últimos anos
EFEITO ESTUFA

O efeito estufa é hoje uma das principais


preocupações de governos e de
instituições internacionais ligadas ao
problema ambiental. Estimativas
elaboradas há cerca de duas décadas
indicavam que ele causaria o
aquecimento global entre 1 e 4 º C no
século 21. O melhor conhecimento hoje
disponível levou a se corrigir a estimativa
para baixo (1 a 1,5 ºC) e permitiu divisar
melhor as possíveis conseqüências
desse efeito. (Ferreira,
http://ecen.com/eee26/emis_omar.htm.em 15/01/09)
Resultados de medições de concentração a partir de 1750, obtidos pela análise de
ar contido em camada de gelo polar, e informações sobre o estoque florestal,
obtidos do exame de anéis de crescimento de árvores, permitiram estabelecer uma
base de informações da qual se pode deduzir a contribuição dos combustíveis
fósseis para o carbono atmosférico

Fonte: Ferreira. em http://ecen.com/eee26/emis_omar.htm. pesquisado em 15/01/09


O carbono emitido pelas fontes bióticas e pelo uso da energia é parcialmente
absorvido nos sumidouros naturais (biomassa e oceanos), ficando o restante na
atmosfera. Esta última parte é a causa das preocupações a curto prazo. Naturalmente
é impossível “carimbar” o carbono conforme sua origem, de forma que um confronto
entre a emissão e a retenção na atmosfera referir-se-á ao carbono total em circulação.

Fonte: Ferreira. em http://ecen.com/eee26/emis_omar.htm. pesquisado em 15/01/09


CICLO DO OXIGÊNIO

 O Oxigênio se distribui em três reservatórios: a atmosfera (os gases


que rodeiam a superfície da terra), a biosfera (os organismos vivos e o
seu ambiente próximo) e a litosfera (a parte sólida exterior da terra);

 O oxigênio é o elemento mais abundante na crosta terrestre e nos


oceanos, e o segundo na atmosfera;

 Na atmosfera encontra-se como oxigênio diatômico/oxigênio molecular


(O2), dióxido de carbono (CO2), ozônio (O3), dióxido de nitrogênio (NO2),
monóxido de nitrogênio (NO), dióxido de enxofre (SO2), etc.
FLUXO DO OXIGÊNIO

 A maior fonte do oxigênio presente na atmosfera e biosfera é a


fotossíntese que transforma dióxido de carbono e água em oxigênio e
açúcar;

 6CO2 + 6H2O + energia → C6H12O6 + 6O2

 O oxigênio também tem um ciclo entre a biosfera e a litosfera, através


das conchas de carbonato de cálcio (CaCO3) produzidas por
organismos marinhos

 A fotossíntese nos oceanos contribui aproximadamente com 45% do oxigênio


total livre no ciclo do oxigênio. O crescimento da população de organismos que
fazem fotossíntese é limitada principalmente pela disponibilidade de fósforo
dissolvido
CICLO DO NITROGÊNIO

 O nitrogênio é um componente que entra na composição de duas moléculas


orgânicas de considerável importância para os seres vivos: as proteínas e os ácidos
nucléicos.

 Embora presente em grande concentração no ar atmosférico, essencialmente na


combinação molecular N2, poucos são os organismos que o assimilam nessa forma.

 Apenas certas bactérias e algas cianofíceas podem retirá-lo do ar na forma de N2


e incorporá-lo às suas moléculas orgânicas.

 Algumas bactérias nitrificastes na superfície do solo realizam a conversão do


nitrogênio, transformam a amônia em nitratos, disponibilizando esse elemento
diretamente às plantas e indiretamente aos animais, através das relações tróficas:
produtor e consumidor.
CICLO DO FÓSFORO

 o ciclo do fósforo é mais simples do que os ciclos do carbono e do nitrogênio, pois


não existem muitos compostos gasosos de fósforo, apenas um composto de fósforo
realmente importante para os seres vivos que é o íon fosfato

O fósforo é o material genético constituinte das moléculas dos ácidos ribonucléico


(RNA) e desoxirribonucléico (DNA) e componente dos ossos e dentes.

 O fósforo aparece principalmente na forma de fosfato (PO4-3), obtido a partir da


degradação das rochas (minerais).

 Drenado gradativamente para o mar, o fosfato passa por processos de


sedimentação, sendo incorporado às rochas. Podendo retornar ao ecossistema
terrestre por meio dos processos geológicos, como a elevação do leito no mar ou o
rebaixamento do nível das águas.
 Existem dois ciclos do fósforo que acontecem em escalas de tempo bem
diferentes.

 Uma parte do elemento recicla-se localmente entre o solo, as plantas,


consumidores e decompositores, em uma escala de tempo relativamente curta, que
podemos chamar “ciclo de tempo ecológico”.

 Outra parte do fósforo ambiental sedimenta-se e é incorporada às rochas; seu


ciclo envolve uma escala de tempo muito mais longa, que pode ser chamada “ciclo
de tempo geológico”.
CICLO DO ENXOFRE
As proteínas dependem basicamente do enxofre. O enxofre é encontrado no solo
em combinações de sais de sulfato, sulfetos e minério. Nas proximidades de
vulcões, o enxofre é encontrado na sua forma original, razão pela qual há muitas
unidades de exploração nestas regiões. O ciclo do enxofre compreende 6 etapas
básicas:
a) As plantas absorvem compostos contendo enxofre além dos sulfatos
b) Na produção de aminoácidos das plantas o hidrogênio substitui o oxigênio na
composição dos sulfatos;
c) Os seres vivos se alimentam das plantas;
d) microorganismos decompõe os aminoácidos que contêm enxofre nos restos de
animais e plantas, criando sulfito de hidrogênio;
e) o enxofre é extraído do sulfito por bactérias e microorganismos;
f) sulfatos são produzidos pela ação de microorganismos na combinação do enxofre
com o oxigênio.
 O ciclo do enxofre é complicado pelo grande número de estados de oxidação
que este elemento pode assumir, incluindo o sulfeto de hidrogênio (H2S),
dióxido de enxofre (SO2), sulfato (SO42–) e ácido sulfúrico (H2SO4), entre
outros;
 Os processos inorgânicos são responsáveis por muitas destas
transformações;

 Bactérias, que seqüestram o enxofre e/ou o liberam para o meio ambiente;

 As atividades humanas também liberam grandes quantidades de enxofre,


principalmente através da queima de combustíveis fósseis;

 Apresenta um ciclo com dois reservatórios: um maior, nos sedimentos da


crosta terrestre outro, menor, na atmosfera.
CICLO DA ÁGUA

Pode definir-se ciclo hidrológico como a seqüência fechada de fenômenos pelos


quais a água passa do globo terrestre para a atmosfera, na fase de vapor, e
regressa àquele, nas fases líquida e sólida.

A água ocupa 70% da superfície da Terra. A maior parte, 97%, é salgada. Apenas
3% do total é água doce, onde 77% está congelada, 22% compõem-se de água
subterrânea, o restante esta na atmosfera, animais, plantas. Apenas 0,01% vai para
os rios, ficando disponível para uso

A água é uma das matérias-primas da fotossíntese: seus átomos de hidrogênio


irão fazer parte da glicose fabricada, e seus átomos de oxigênio se unem para
formar o O2 (gás oxigênio) liberado para a atmosfera
O grande problema dos recursos hídricos é a sua irregularidade no que se refere
A distribuição espacial e as demandas, como mostram as figuras a seguir.
Situação do Brasil
ETAPAS DO CICLO HIDROLÓGICO
ALTERAÇÕES NO CICLO

 O desmatamento e a retirada da cobertura vegetal deixa o solo


desprotegido, facilitando a erosão e o assoreamento dos rios,
lagos e lagoas

 A erosão do solo deixa-o impróprio para a agricultura e


atividades pastoris e o assoreamento dos rios pode provocar
enchentes catastróficas
 A Convenção das Nações Unidas sobre mudança do clima
(1.997) entrou em vigor em 2.005, sem a participação dos
Estados Unidos. Obriga os países signatários a desenvolverem
projetos para diminuição da emissão de gases de efeito estufa,
aos níveis de 1990, a partir de 2008 até 2012.
 Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC) - Lei
12.187/2009.
 Política Estadual de Mudanças Climáticas (PEMC) - Lei
13.798/2009 regulamentada pelo: DECRETO ESTADUAL (SP)
Nº 55.947/10

CONTROLE DOS GASES DO EFEITO ESTUFA


vapor de água, dióxido de Carbono, metano, óxidos
de azoto (nitrogênio) e ozônio.

3
9
 A Convenção das Nações Unidas sobre mudança do clima
(1.997) entrou em vigor em 2.005, sem a participação dos
Estados Unidos. Obriga os países signatários a desenvolverem
projetos para diminuição da emissão de gases de efeito estufa,
aos níveis de 1990, a partir de 2008 até 2012.
 Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC) - Lei
12.187/2009.
 Política Estadual de Mudanças Climáticas (PEMC) - Lei
13.798/2009 regulamentada pelo: DECRETO ESTADUAL (SP)
Nº 55.947/10

CONTROLE DOS GASES DO EFEITO ESTUFA


vapor de água, dióxido de Carbono, metano, óxidos
de azoto (nitrogênio) e ozônio.

4
0
 Art. 3º - Considera-se poluente toda e qualquer forma de matéria ou
energia lançada ou liberada nas águas, no ar (ODOR) *ou no solo:
 I - com intensidade, em quantidade e de concentração, em desacordo
com os padrões de emissão (...);
 II - com características e condições de lançamentos ou liberação, em
desacordo com os padrões de condicionamento e projeto (...);
(LICENCIAM.)
 III - por fontes de poluição com características de localização e
utilização em desacordo com os referidos padrões de condicionamento e
projeto; (LICENCIAMENTO)
 IV - com intensidade, em quantidade e de concentração ou com
características que, direta ou indiretamente, tornem, ou possam tornar
ultrapassáveis os padrões de qualidade do meio-ambiente,
estabelecidos neste Regulamento e normas dele decorrentes;
 V - que, independentemente, de estarem enquadrados nos incisos
anteriores, tornem ou possam tornar as águas, o ar ou o solo
impróprios, nocivos ou ofensivos à saúde; inconvenientes ao bem estar
público; danosos aos materiais, à fauna e à flora prejudiciais à
segurança, ao uso e gozo da propriedade, bem como às atividades
normais da comunidade.
*Proibido além dos limites do empreendimento, o sistema de medição é 41
o olfato do agente
fiscalizador.

41
 Lei nº 997/76 - Dispõe sobre o controle de poluição do meio
ambiente.
 Art. 2º - Considera-se poluição do meio-ambiente a presença, o
lançamento ou a liberação, nas águas, no ar ou no solo, de toda e
qualquer forma de matéria ou energia, com intensidade, em
quantidade, de concentração ou com características em desacordo
com as que forem estabelecidas em decorrência desta Lei, ou que
tornem ou possam tornar as águas, o ar ou solo:
 I - impróprios, nocivos ou ofensivos à saúde; II - inconvenientes ao
bem estar público; III - danosos aos materiais, à fauna e à flora; V -
prejudiciais à segurança, ao uso e gozo da propriedade e às
atividades normais da comunidade.
 Art. 3º - Fica proibido o lançamento ou liberação de poluentes
nas águas, no ar ou no solo. Parágrafo único - Considera-se
poluente toda e qualquer forma de matéria ou energia que, direta ou
indiretamente, cause poluição do Meio Ambiente.

4
2
Classificação dos Poluentes
Chuva Ácida
 Chuvas ácidas dão
origem aos solos
ácidos, prejudiciais a
agricultura e as árvores
e plantas e a
contaminação da água.

Embora afete mais as regiões


industrializadas da América do Norte
(EUA e Canadá) e Europa (Alemanha ,
Áustria, Polônia, República Checa,
Escandinávia), hoje é um problema
global, pois os ventos transportam as
partículas poluentes para outras regiões.
 Atinge mais os países desenvolvidos, mas
regiões menos desenvolvidas e pouco
industrializadas, também, são afetadas
devido à queima das florestas tropicais e a
poluição industrial.
 Este processo tem duas conseqüências:
◦ O aquecimento global, que pode provocar o degelo
das geleiras e a subida dos oceanos.
◦ Alterações climáticas poderão acelerar o processo
de desertificação.
 A camada de ozônio é
vital para a Terra,
pois absorve grande
parte da radiação
ultravioleta.
 A destruição da
camada de ozônio é
provocada pelo CFC,
ocasionado o
“buraco” na camada
de ozônio, que é
maior próximos aos
pólos.
 Solução: Substituir o
CFC por outros gases
que não provoquem
danos ambientais
A poluição atmosférica Essa cadeia põe em perigo:
altera:
Clima da Terra O planeta e o próprio
↓ homem
Aceleração Efeito de ↓
estufa Destruição das florestas
↓ tropicais
O aquecimento Global
↓ ↓
Degelo dos calotas Contribui para as
polares alterações climáticas e
↓ para o avanço dos
Aumento nível das águas desertos (desertificação)
do mar.
 No Estado de São Paulo a Cetesb é
o órgão responsável pelo controle,
fiscalização, monitoramento e
licenciamento de atividades
geradoras de poluição. Para isso,
utiliza-se dos seguintes
expedientes:
 Licenciamento;
 Fiscalização de fontes fixas e
móveis de poluição;
 Monitoramento da qualidade do ar,
das águas superficiais e
subterrâneas e da balneabilidade
das praias.
 Aprovadas o acompanhamento continua com as
fiscalizações de rotina.

 Casos de significativo impacto ambiental, são


exigidos apresentação do Relatório Ambiental
Preliminar (RAP) ou EIA/RIMA para o licenciamento.

 Além da Cetesb, os órgãos envolvidos no


licenciamento ambiental são:
◦ Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental – DAIA
◦ Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais –
DEPRN.

 Empreendimentos localizados na Área de Proteção


aos Mananciais da RMSP, é necessária a participação
do Departamento do Uso do Solo Metropolitano –
DUSM.
 O controle da poluição do meio ambiente no
Estado de São Paulo é regido:
 Lei Estadual nº 997/76 e pelo Decreto Estadual
nº 8468/76,
 Legislações e normas específicas como:
 Resoluções da Secretaria de Estado do Meio
Ambiente,
 Resoluções do Conselho Nacional de Meio
Ambiente – CONAMA:
 Normas da Associação Brasileira de Normas
Técnicas – ABNT.
 São certificados que autorizam o direito de poluir. O princípio é
simples.

 As agências de proteção ambiental emitem certificados autorizando


emissões de gases poluentes.

 Selecionam-se indústrias que mais poluem no País e a partir daí são


estabelecidas metas para a redução de suas emissões.

 As empresas recebem bônus negociáveis na proporção de suas


responsabilidades.

 Cada bônus, cotado em dólares, equivale a uma tonelada de


poluentes. Quem não cumpre as metas de redução progressiva
estabelecidas por lei, tem que comprar certificados das empresas
mais bem sucedidas.

 O sistema tem a vantagem de permitir que cada empresa estabeleça


seu próprio ritmo de adequação às leis ambientais.

 Estes certificados podem ser comercializados através das Bolsas de


Valores
 Quantificação é feita com base em cálculos, os quais
demonstram a quantidade de dióxido de carbono a ser
removida ou a quantidade de gases do efeito estufa que
deixará de ser lançada na atmosfera com a efetivação de
um projeto.

 Cada crédito de carbono equivale a uma tonelada de


dióxido de carbono equivalente. Essa medida internacional
foi criada para medir o potencial de aquecimento global
(GWP – Global Warmig Potencial) de cada um dos seis
gases causadores do efeito estufa.

 Por exemplo, o metano possui um GWP de 23, pois seu


potencial causador do efeito estufa é 23 vezes mais
poderoso que o CO2.

 Segundo a Ecosecurities, a tonelada de carbono está sendo


vendida no Brasil, por cerca de US$ 5.