Você está na página 1de 16

A QUESTÃO DA

REVELAÇÃO

EBD – IPBVIT
19 de Fevereiro de 2017
Agenda
• Introdução
• Identificação subjetiva
• Conceito de Revelação
• A Confiabilidade da Mensagem
• A Unidade da Mensagem
• Temas Unificadores
• Conclusão
Introdução
• Em que sentido consideramos a Bíblia como a
revelação de Deus?
• É um dos questionamentos mais importantes, talvez
menos somente daquele que trata da existência de
Deus.
• É extremamente importante pois direciona nosso
pensamento sobre ter a igreja uma mensagem de
Deus ou dos homens.
• Este é um ponto de divisão entre teólogos no pós-
iluminismo.
Identificação Subjetiva
• Liberais do século XIX, tinham convicção que a
Bíblia não podia ser revelação de Deus.
• Reconheciam alguma, mas não a plena revelação
de Deus.
• Consideravam a grande parte do texto apenas como
registros desencontrados e míticos do povo Judeu.
• De certa forma esta opinião não mudou muito na
maioria dos estudiosos que se seguiram ao
liberalismo.
• Há uma corrente que considera a subjetividade da
revelação, levando em conta somente a Jesus.
Identificação Subjetiva
• Esta identificação subjetiva da Bíblia tem
influenciado grandemente a teologia até os nossos
dias
• Os estudiosos críticos da palavra se utilizam deste
conceito, como base de argumentação de que a
Bíblia seria apenas uma espécie de “testemunha” da
revelação.
• Segundo Leandro Lima, esta interpretação subjetiva
poderia vir do próprio Lutero.
• Lutero formulou um cânon dentro do cânon, e abriu
brecha para o tratamento subjetivo da Bíblia.
Identificação Subjetiva
• Lutero, considerava que o conceito de revelação, era
dirigido pelo aspecto “cristológico”, assim a Bíblia
era revelação quando e somente revelava o
Evangelho.
• Por este motivo teria rejeitado cartas como a de
Tiago e o próprio Apocalipse, pois no seu
entendimento estes não revelavam claramente o
evangelho.
• Por este motivo luteranos na atualidade, não tem
muita preocupação em sustentar a autoridade da
escritura, proclamam a Cristo, mas sem a
correspondente defesa das escrituras.
Identificação Subjetiva
• Corremos o risco de pouco a pouco, dissociarmos o
cristianismo das escrituras.
• Realmente o cristianismo não precisa da Bíblia, mas
o que seria o mesmo sem a Bíblia?
• Como saberíamos de Jesus de Nazaré sem os
relatos dos evangelhos?
• Como saberíamos da missão da igreja primitiva sem
o livro de Atos e as cartas apostólicas?
• Se o NT não é a revelação de Deus, no sentido
exato da palavra, a igreja não tem mensagem, e
melhor dizendo, não tem nem razão de ser.
Conceito de Revelação
• O conceito fundamentalista da inspiração das
escrituras, é antagônico a esta abordagem anterior.
• Os fundamentalistas sustentam que a Bíblia, se
originou de um “ditado” divino, o que também é
inaceitável.
• A Bíblia por si só desmente este conceito

• Demonstrado através de suas variedade de estilos e


ênfases individuais de cada autor.
• A Bíblia é a palavra de Deus, e ao mesmo tempo, a
própria revelação de Deus.
Conceito de Revelação
• Ela é infalível, nos seus ensinamentos, pois foi
inspirada pelo Espírito Santo.
• É preciso entender que ela se importa em ensinar
tudo aquilo que tem haver com a nossa salvação.
• Assim cabe agora esclarecer, o conceito então do
que é Revelação?
• Leandro Lima, nos apresenta o conceito clássico de
Geerhardus Vos, da revelação como sendo:
“histórica, progressiva, orgânica e adaptável.”
Conceito de Revelação
• Histórica: se deu em um dado momento da história

• Progressiva: pois nem tudo foi revelado de uma vez

• Orgânico: pois o conhecimento da redenção foi


suficiente em cada estágio de desenvolvimento
• Adaptável: pois o que Deus revelou sobre si, veio ao
encontro das necessidades práticas religiosas de
seu povo, a partir de seu surgimento.
• Assim a análise contextualizada da mensagem
contida nos livros do NT, sem deixar de lado os
aspectos individuais, pode ser considerada a
essência da fé
A Confiabilidade da Mensagem
• O NT é o resultado do trabalho dos apóstolos.

• Deus fez uso dos dons (físicos, emocionais,


intelectuais e espirituais) de cada autor.
• Estes homens fizeram os registros históricos
precisos, mas não somente isto, se preocuparam em
proclamar a mensagem divina aos homens.
• O NT surgiu do testemunho ocular, supervisionado
pelo Espírito Santo – 2Pe 1:17-18
• Havia certeza na integridade das revelações: 2Pe
1:16.
A Confiabilidade da Mensagem

• Não era uma questão de interpretação pessoal, mas


de inspiração – 2Pe 1:20-21
• A confiabilidade do NT, reside sobre a base de seu
testemunho ocular
• Praticamente todos os eventos da vida de Jesus,
foram registrados por uma testemunha ocular.
• Mas não só o testemunho ocular, mas toda base
documental, reforçam da confiabilidade do NT
A Confiabilidade da Mensagem

• Mais de 5300 manuscritos gregos do NT, 10.000


manuscritos da Vulgata latina e pelo menos 9300
outras antigas versões, o que nos dá um total de
mais de 24 mil copias de partes do NT
• Nenhuma outra obra histórica da antiguidade, possui
tamanha confirmação e chega perto deste números
• Podemos até dizer que se o NT, não puder ser
aceito como um livro histórico, podemos abandonar
toda historia antiga
A Unidade da Mensagem
• A unidade do NT, é muito importante.

• São 27 livros de autores diversos, escritos num


período de pelo menos 55 anos, por este motivo os
críticos o consideram sem coesão, o que não é real
• Assim muitos críticos procuram, aproveitando-se
desta característica, tentar atacar a unidade da
mensagem, ressaltando porventura algumas
contradições de forma leviana e as vezes sem
embasamento suficiente.
• Mas a falta de concordância evidente entre os
críticos, prejudica de forma irremediavelmente uma
conclusão final
Temas Unificadores
• Mas ainda da existência de ênfases individuais, há
elementos suficientes para garantir a unicidade de
seus temas.
• Assim podemos apontar algumas características
disto:
1. A figura chave do NT é Jesus Cristo
2. A importância da obra e da missão de Cristo
3. A questão do cumprimento profético
4. A ideia da nova comunidade estabelecida
5. A esperança da vinda de Cristo
6. A presença do Espírito
Conclusão
• O NT é um documento testado, confirmado e coeso.

• A unidade do NT aponta para sua origem divina e


inspirada, o que possibilita a sua mensagem para
igreja com um alcance relevante para o mundo
• Nele podemos encontrar a essência da fé

• Deus falou aos homens através de atos e palavras.

• O NT é a consumação da revelação de Deus

• É um grande tesouro dado a igreja para alimentá-la,


fortalece-la, corrigi-la e desafiá-la neste mundo.