Você está na página 1de 17

 Descrever as células do sistema nervoso

 Explicar a criação e propagação de um sinal elétrico em


uma célula nervosa

O sistema nervoso é responsável pela maioria das funções de

controle em um organismo, coordenando e regulando as atividades

corporais.

O neurônio é a unidade funcional deste sistema.


 Principais componentes do SNC:

 Medula espinhal: Situada no interior do canal vertebral, se continua


rostralmente com o bulbo.
 Ela recebe informações do pescoço, do tronco e dos membros e os
controla, por meio de 31 nervos espinhais.
 A medula consiste em uma parte central de substância cinzenta e outra
parte periférica, de substância branca.

 Cérebro: responde pelas funções nervosas mais elevadas, contendo


centros para interpretação de estímulos bem como centros que iniciam
movimentos musculares.
 Ele armazena informações e é responsável também por processos
psíquicos altamente elaborados, determinando a inteligência e a
personalidade.
O tecido nervoso compreende basicamente dois tipos de celulares: os neurônios
e as células glias.

Neurônio: é a unidade estrutural e funcional do sistema nervoso que é


especializada para a comunicação rápida. Tem a função básica de receber,
processar e enviar informações.

Células Glias: compreende as células que ocupam os espaços entre os


neurônios e tem como função sustentação, revestimento ou isolamento e
modulação da atividade neural.
 Uma grande população de células do tecido nervoso é constituida
pelas células da neuróglia ou simplesmente células da glia. Estas
células não têm as propriedades dos neurônios: não são estimuladas por
estímulos elétricos ou químicos e não transmitem estímulos ao longo de
seus prolongamentos.
 As células da glia exercem importantes funções na nutrição
e trofismo dos neurônios, sustentação do tecido nervoso e uma
população especial de células da glia age como macrófagos dentro do
tecido nervoso.
 As células da neuróglia estão presentes no SNC.
 No SNP há células equivalentes, que alguns autores incluem na
classificação de células da neuróglia e outros consideram como uma
categoria separada.

Astróglia - é constituída por células denominadas astrócitos. São encarregados


de sustentação e nutrição dos neurônios. Há dois tipos principais,
chamados astrócitos protoplasmáticos e astrócitos fibrosos. Os astrócitos
protoplasmáticos residem principalmente na substância cinzenta do sistema
nervoso central enquanto que os astrócitos fibrosos estão presentes
principalmente na substância branca.
Oligodendróglia - suas células, são os oligodendrócitos presentes na
substância cinzenta e em muito maior quantidade na substância branca do
sistema nervoso central. Sua função principal é envolver os axônios dos neurônios
de maneira a isolá-los do microambiente do tecido nervoso.
Micróglia - é constituída por células que agem como macrófagos, participando,
portanto, da defesa do tecido nervoso.
 Os neurônios comunicam-se através de sinapses; por eles
propagam-se os impulsos nervosos.
 Anatomicamente o neurônio é formado por: dendrito, corpo
celular e axônio.
 A transmissão ocorre apenas no sentido do dendrito ao axônio.

Estas células nervosas altamente especializadas são responsáveis por


comunicar informações em ambas as formas, químicas e elétricas.

Existem também vários tipos diferentes de neurônios responsáveis


por diferentes funções no corpo humano.
 Os neurônios tem tamanhos e formatos diferentes,
dependendo de função que desempenham.

As funções de cada tipo de neurônio são:

•Bipolar ou interneurônio conectam vários neurônios dentro do


cérebro e da medula espinhal.

•Unipolar ou neurônio sensorial - transportam sinais das


extremidades do corpo (periferias) para o SNC: músculos, pele,
glândulas.

•Multipolar, motoneurônios ou neurônios motores transportam
sinais do SNC para as extremidades do corpo: músculos, pele,
glândulas do SNC.

•Células Piramidais: localizam-se no córtex cerebral e no


hipocampo, apresentando corpo celular em formato piramidal com
o ápice e um dendrito apical dirigido à superfície pial, e outros
dendritos e um axônio emergindo da base. Os axônios podem
apresentar ramos colaterais locais mas também projetam para fora
suas regiões corticais.
Quando levamos em consideração a sua função, os neurônios
podem ser divididos em:
 - Sensitivos ou aferentes – Recebem os estímulos produzidos
fora do corpo e internamente.

 - Motores ou eferentes – Conduzem o impulso nervoso para


glândulas, músculos lisos e estriados.

 - Interneurônios – São aqueles que conectam um neurônio a


outro, sendo encontrados no SNC.
Potenciais de Ação - Como os neurônios transmitem e recebem
informações?
 Para que os neurônios se comuniquem, eles precisam transmitir
informações tanto dentro de si como para outro neurônio. Este processo
utiliza ambos os sinais: elétricos e químicos.
 Os dendritos recebem informações de receptores sensoriais ou de
outros neurônios.
 Esta informação é então passada para o corpo celular e para o
axônio. Uma vez que a informação que chegou ao axônio, se desloca
para baixo pelo comprimento deste sob a forma de um sinal elétrico
dizemos que houve um potencial de ação.
 Uma vez que um impulso elétrico chegou ao fim de um axônio, a
informação deve ser transmitida através da fenda sináptica para
os dendritos do neurônio adjacente.
 Em alguns casos, o sinal elétrico pode quase instantaneamente
preencher a lacuna entre os neurônios e continuar ao longo de
seu caminho.
 Em outros casos, os neurotransmissores são necessários para
enviar informações a partir de um neurônio para o seguinte.
 Neurotransmissores são mensageiros químicos que são
liberados a partir dos terminais do axônio para atravessar a
fenda sináptica e chegar aos locais receptores de outros
neurônios.
 Num processo conhecido como recaptação, estes
neurotransmissores se anexam no lugar do receptor e são
reabsorvidos pelo neurônio para reutilização.
Neurotransmissores são uma parte essencial do nosso funcionamento
diário. Enquanto não se sabe exatamente quantos neurotransmissores
existem, os cientistas identificaram mais de 100 desses mensageiros
químicos.
 Acetilcolina:
Associada a memória, contrações musculares, e
aprendizagem. A falta de acetilcolina no cérebro está associada com a
doença de Alzheimer.
 Endorfinas: Associadas com emoções e percepção da dor. O corpo
libera endorfinas em resposta ao medo ou trauma. Estes mensageiros
químicos são semelhantes aos das drogas opiáceas, como a morfina,
mas são significativamente mais fortes.
 Dopamina: Associada com o pensamento e sentimentos de prazer. A
doença de Parkinson é uma doença associada a déficits de dopamina,
enquanto que a esquizofrenia está fortemente ligada a quantidades
excessivas deste mensageiro químico.
 Noradrenalina (norepinefrina). Ela é responsável pela excitação, por
isso contribui de maneira marcante para a perpetuação da lembrança.
Por tal razão, transfere todas as memórias que estão temporariamente
armazenadas no centro da memória, hipocampo, para o neocórtex,
onde se torna permanente.