Você está na página 1de 20

PROGRAMA DE

ATENÇÃO INTEGRAL À
SAUDE DA MULHER
(PAISM)
PAISM

SAÚDE ?????????
SITUAÇÃO DE SAÚDE ENVOLVE
DIVERSOS ASPECTOS DA VIDA
COMO:
• A RELAÇÃO COM O MEIO
AMBIENTE,
• LAZER,
• CONDIÇÕES DE TRABALHO E
RENDA,
• SEGURANÇA,RELACIONAMENTO
ETC.
• NO CASO DAS
MULHERES,OS PROBLEMAS
SÃO AGRAVADOS PELA
DISCRIMINAÇÃO NAS
RELAÇÕES DE TRABALHO E
A SOBRECARGA COM AS
RESPONSABILIDADES
DOMÉSTICAS.

• OUTRAS VARIÁVEIS COMO


RAÇA,ETNIA E SITUAÇÃO DE
POBREZA REALÇAM AINDA
MAIS AS DESIGUALDADES.
• AS MULHERES SEMPRE
FORAM COLOCADAS EM
SITUAÇÃO DE
DESIGUALDADE.

• AS RELAÇÕES DESIGUAIS
ENTRE MULHERES E
HOMENS SÃO
SUSTENTADAS PELA
DIVISÃO SEXUAL E
DESIGUAL DO TRABALHO
DOMÉSTICO.
• PELO CONTROLE DO CORPO E DA
SEXUALIDADE DAS MULHERES E PELA
EXCLUSÃO DAS MULHERES DOS ESPAÇOS
DE PODER E DECISÃO.

• DIANTE DISTO, O ESTADO ASSUME A


RESPONSABILIDADE DE IMPLEMENTAR
POLÍTICAS PÚBLICAS QUE TENHAM COMO
FOCO AS MULHERES, A CONSOLIDAÇÃO DA
CIDADANIA E A IGUALDADE DE
GÊNERO,COM VISTAS A ROMPER COM ESTA
LÓGICA INJUSTA.
• A POLÍTICA NACIONAL PARA AS
MULHERES VISA CONSTRUIR A
IGUALDADE E EQUIDADE DE
GÊNERO
CONSIDERANDO TODAS AS
DIVERSIDADES –RAÇA E
ETNIA,GERAÇÕES,ORIENTAÇÃO
SEXUAL E DEFICIÊNCIA.
Política Nacional para as
Mulheres e seus princípios….
• Igualdade e respeito à diversidade
• Eqüidade
• Autonomia das mulheres
• Laicidade do Estado
• Universalidade das políticas
• Justiça Social
• Transparência de atos públicos
• Participação e controle social
• DADOS DEMORÁFICOS oferecem
referências básicas para a
identificação e projeção de demandas
sociais.
• As mulheres constituem hoje:
• 51,2% da população brasileira
• Sendo que 46% negras e pardas.
• 42,7% da população
economicamente ativa.
• Sendo que 43,7% estão na área
urbana e 37,8% na área rural.
• AS MULHERES VIVEM MAIS DO QUE
OS HOMENS, PORÉM ADOECEM
MAIS FREQÜENTEMENTE.

• MULHERES OCUPADAS GANHAM


MENOS QUE OS HOMENS

• TAXA DE ANALFABETISMO ENTRE


MULHERES CAIU DE 20,28% PARA
13,5%.
• Mesmo assim no que diz
respeito a saúde, a mortalidade
associada ao ciclo gravídico
puerperal representa grave
problema de saúde pública,

• 92% dos casos de morte são


evitáveis.

• Inicio da puberdade precoce a


capacidade reprodutiva se
instala mais cedo.
• A incidência de AIDS vem
aumentando tanto em homens
como em mulheres com até
oito anos de estudo. Baixa
escolaridade e classe social
dificultam as negociações
sobre o uso de preservativo.

• A violência contra a mulher é


um dos principais indicadores
da discriminação de gênero e
um grave problema de saúde
pública.
• Populações expostas a precárias
condições de vida são mais
vulneráveis e vivem menos.

• O relatório sobre a Situação da


População Mundial 2002 demonstra
que o número de mulheres pobres é
superior ao de homens, que a carga
horária de trabalho das mulheres é
maior e que pelo menos metade do
seu tempo é gasto em atividades não
remuneradas, o que reduz o acesso
aos bens sociais, inclusive aos
serviços de saúde.
• Até o surgimento do PAISM
traduzia-se a preocupação com o
grupo materno infantil, que
inclusive sempre permaneceu
como o mais enfatizado pelas
políticas públicas.

• Enfoque central estava em intervir


sobre os corpos das mulheres
mães, de maneira a assegurar que
os corpos dos filhos fossem
adequados às necessidades da
reprodução social.
• Em 1983 surgiu o PAISM como
uma nova e diferenciada
abordagem da saúde da mulher,
baseado no conceito “atenção
integral à saúde das mulheres”.

• Isso implica no rompimento da


visão tradicional acerca desse
tema, sobretudo no âmbito da
medicina, que caracterizava o
atendimento às mulheres nas
questões relativas à reprodução.
• O conceito de assistência integral, aqui
preconizado, envolve a oferta de ações
globalmente dirigidas ao atendimento
de todas as necessidades de saúde do
grupo em questão, onde todo e
qualquer contato que a mulher venha a
ter com os serviços de saúde seja
utilizado em benefício da :
• PROMOÇÃO,
• PROTEÇÃO ,
• E RECUPERAÇÃO
DE SUA SAÚDE.
Ações Regulamentadoras do
Programa:
• Assistência Ginecológica:

• Controle e prevenção das ginecopatias


prevalentes.
• Controle e prevenção das DST/AIDS.
• Controle e prevenção do câncer ginecológico e
de mama.
• Planejamento Familiar
• Climatério
Ações Regulamentadoras do
Programa
• ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA:

• Pré – Natal
• Parto e Puerpério
• Aleitamento Materno
• Intercorrências Obstétricas
• Vigilância epidemiológica da morte materna.
Mortalidade Materna
• É um bom indicador para avaliar as
condições de saúde de uma população.
• A partir de análises das condições em que e
como morrem as mulheres, pode-se avaliar
o grau de desenvolvimento de uma
determinada sociedade.

• RAZÕES DE MORTALIDADE MATERNA


(RMM): taxas são indicativas de precárias
condições socioeconômicas, baixo grau de
informação e escolaridade, dinâmicas
familiares em que a violência está presente
e, sobretudo, dificuldades de acesso a
serviços de saúde de boa qualidade.
Referências
• BRASIL. Plano Nacional de Políticas para as mulheres.
Brasilia: Secretaria de políticas para as mulheres, 2004.
• ______. Política nacional de atenção integral à saúde da
mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde,
2004.
• ______. II Plano Nacional de Políticas para as mulheres.
Brasilia: Secretaria de políticas para as mulheres, 2008.
• FERREIRA, S. L. As políticas públicas e a saúde da mulher
no Brasil. In: FERREIRA, M.; ÁLVARES, M. L.; SANTOS, E.
F. Os poderes e os saberes das mulheres: a construção do
gênero. São Luís: EDUFMA; Salvador: REDOS, 2001, p. 167-
177.
• OSIS, M. J. M. D. PAISM: um marco na abordagem da saúde
reprodutiva no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de
Janeiro, n. 14, 1998.