Você está na página 1de 20

METODOLOGIA DE

INVESTIGAÇÃO
Aulas Cabo Verde
 O que é a Ciência ?


• Conjunto organizado de conhecimentos;
 • Conhecimento rigoroso, metódico e sistemático;
 • Resolve problemas de origem teórica e prática;
 • É um método que é aplicado a um objecto;
• Estudando um objecto através de um método chegamos ao corpo do

conhecimento próprio de cada ciência.

•Método: Conjunto de procedimentos que permite chegar a certas

conclusões.

•Objecto: Aspectos estudados pelas diferentes ciências, a sua perspectiva e
enfoques específicos.

 Classificação das Ciências


• Ciências Formais:
 • Estudo das ideias dividindo-se em lógica e matemática;
 • Utilizam a lógica para demonstrar a rigorosamente os teoremas;
 • OS resultados alcançados demonstram ou provam as hipóteses.


• Ciências Factuais:
 • Estudo dos factos, dividindo-se em naturais e sociais;
• Recorrem as observações e experimentações para comprovar ou refutar
hipóteses;
• Os resultados alcançados verificam, comprovam ou refutam hipóteses que na
sua maioria são provisórias.
Que tipos de
conhecimentos Características:
• Valorativo;
existem ? • Racional;
• Sistemático;
• Conhecimento popular • Não aplicável;
ou de senso comum: • Infalível
• Conhecimento Religioso:

- Transmitido de geração
em geração, através de - Teológico, místico e
educação informal; espiritual;
- Baseia-se na interacção e - Apoia doutrinas
experiências pessoais. reveladas pelo sagrado e
pelo sobrenatural.

Características:
• Superficial; Características:
• Sensitivo; • Valorativo;
• Subjectivo; • Com base na inspiração;
• Assistemático; • Sistemático;
• Acrítico. • Não verificável;
• Infalível;
• Exacto.
• Conhecimento
Filosófico: Razões para fazer investigações

- Baseia-se na experiência • Aumentar o conhecimento disponível;


e não na experimentação; • Aumentar a troca de informação dentro de uma comunidade;
- Hipóteses que não • Fundamentar e questionar as práticas profissionais;
podem ser submetidas à
observação e • Aumentar o espírito crítico em relação ao conhecimento;
experimentação. • Aumentar o reconhecimento e a credibilidade de uma área científica;
• Inovar e promover o desenvolvimento técnico.
• Conhecimento Científico:
Procedimentos
- Obtido de forma racional através de técicas e métodos; éticos
- É obtido através de treino segundo um modo próprio que conduz a verdade.
Comuns a todos as
Características: ciências:
• Objectivo: descreve a realidade como ela é, ou pode ser.
• Empírico: sempre baseado na experiencia, nos fenómenos e factos; • Não distorcer os dados;
• Referir as diferentes
• Racional: assente na razão e na lógica, não na intuição; perspectivas encontradas
• Replicável: as mesmas condições, em diferentes locais e com diferentes durante a investigação;
experimentadores, devem replicar os resultados; • Citar sempre as fontes;
• Sistemático: conhecimento organizado, orientado, consistente e coerente;
• Metódico: procedimentos e estratégias fiáveis, planos metodológicos • Respeitar todos os
rigorosos; intervenientes na
• Comunicável: conhecimento claro e preciso, aceite pela sua comunidade investigação.
científica.
• Analítico: procura entrar na complexidade e vai para além das aparências;
• Cumulativo: ensaia, constrói e estrutura a partir de conhecimetos
anteriores.
Modelos de Investigação

 Tipos de investigação Tipos de Investigação


Finalidade:
• Básica
Pesquisa analítica: • Descritiva: • Aplicada
 • Pesquisa filosófica; • Descrever fenómenos
 • Revisões; • Identificar variáveis
• Pesquisa de sínteses e meta-análise. • Inventariar factos Alcance Temporal:

• Transversal

• Longitudinal
Pesquisa qualitativa: • “Correlacional”: Amplitude:
 • Estudos feministas, naturalistas, históricos, • Relacionar variáveis • Micro – análise (variáveis e sujeitos)
individuais...

• Apreciar interacções entre • Macro – análise (variáveis e organizações)
 variáveis
Pesquisa Experimental • Diferenciar grupos

Origem dos Dados:
• Primária
 • Pesquisa Descritiva:
• Secundária
 • Questionários; • Experimental: • Mista
 • Entrevistas; • Estabelecer relações de
 • Estudos de casos; casualidade entre
 • Análise de conteúdos; variáveis/fenómenos Natureza:
• Predizer e controlar • Empírica (dados directos não manipulados)
 • Estudos observacionais;
fenómenos • Experimental ( dados manipulados/provocados)
 • Estudos correlacionais. • Documental (assenta na análise de documentos)

• Estabelecer leis
• Investigação – acção
Investigação qualitativa vs quantitativa

Pesquisa qualitativa: Pesquisa quatitativa:


A Questão: Aspectos qualitativos da A Questão: Aspectos quantificáveis das
Investigação fundamental vs aplicada actividade humana e da experiencia estruturas e dos comportamentos
Expectativas: Levantar informação. Expectativas: Verificar hipóteses (e
Pesquisa básica ou fundamental Pesquisa aplicada Descrever, explicar experiência humana teórias). Prever efeitos
Comportamento da Amostra: Activo, Comportamento da Amostra:
- Produção do conhecimento científico Produção do conhecimento natural e expontâneo. É o próprio Comportamento delineado e prescrito
- Centrado na teoria orientado para soluções comportamento a ser estudado pelo investigador
- Sem necessidade de demonstrar imediatas de problemas Tipo de Estudo: Indutivo. Orientado pelos Tipo de Estudo: Dedutivo. Guiado por
dados e reformulável permanentemente hipóteses formuladas antecipadamente.
revelância aplicativa na prática Variáveis pré-definidas
Dados: Palavras para análise. Elevada Dados: Baixa inferência. Análise
inferência.Colecta ao longo do estudo quantitativa dos dados.
Envolvimento da Pesquisa: Dados Envolvimento da Pesquisa: Envolvimento
recolhidos ao nível natural (não altamente controlado. Variáveis
manipulados) manipuladas e variáveis controlados.
Resultados: Descrições textuais. Resultados: Descrições quantitativas.
Explicações e interpretações. Elevada fiabilidade.
 Método Científico
• Sistematização das observações;
• Condução das hipóteses;
• Clareza dos dados;
• Definição operacional das variáveis e suas condições.

 Método Indutivo (P-G)


• Cria leis mediante o generalização dos comportamentos
observados;
• É a inferência de uma regra a partir do caso e do resultado;
• Pare de uma premissa menor para uma maior;
• Ocorre quando generalizamos a partir de certo número de casos;
• Realidade dos factos para Teoria das ciências;
• Observações Hipóteses Teorias

 Método Dedutivo (G-P)


• Argumento que parte de certas premissas consideradas
verdadeiras e universais;
• Parte de uma premissa maior para uma menor;
• Não adiciona nada para além do que já é conhecido;
• É útil para aplicar regras gerais a casos particulares;
• Teoria das ciências para a Realidade dos factos;
• Teorias Hipóteses Observações.
Estrutura de um relatório científico / Trabalho de investigação
Fases de um projecto de investigação

1º Passo:

Planeamento Execução
• Formular o problema Recolher os dados
• Desenvolver hipóteses
• Especificar variáveis Análise de dados
Desenhar o plano de investigação
• Definir termos e conceitos Avaliar processos
Identificar a população e a amostra
Conceber instrumentos Tirar conclusões
Seleccionar testes estatísticos
Estrutura de um relatório científico / Trabalho de investigação
Fases de um projecto de investigação

Elementos de um relatório ou
2º Passo artigo científico

1. Definição do problema;
2. Revisão bibliográfica; • Título;
3. Formulação de hipóteses; • Resumo;
4. Definição das variáveis; • Introdução
• Revisão da literatura;
5. Definição da amostra; • Metodologia
6. Definição do plano e de procedimentos; • Apresentação e discussão dos
7. Escolha; adequação e aplicação dos resultados;
instrumentos; • Conclusão;
8. Recolha de dados; • Referências bibliográficas;
9. Análise e discussão dos dados; • Anexos.
10. Conclusões
 Definição do Problema

• O problema deve se concreto, • Centra a investigação numa área ou domínio


concreto;
real, delimitado (objectivo e • Organiza o projecto, dando-lhe direcção e
objectável) coerência;
• O problema deve reunir as • Delimita o estudo, mostrando as suas
condições para ser estudado e fronteiras;
operacionais através de uma ou mais • Guia a revisão da literatura para a questão
hipóteses central;
• O problema deve ser relevante • Fornece um referencial para a redacção do
projecto;
de acordo com a/s teoria/s • Aponta para os dados que será necessário
existente/s e/ou as necessidades da obter;
prática
• Ser claramente formulado, i.e.,:
– Expressar uma relação entre duas • Interesse pessoal;
ou mais variáveis
– Expressar-se de forma clara e de Escolha do Problema
• Tópico com significação (novidade,
modo a apenas admitir respostas oportunidade, valor académico/prático);
precisas • Capacidade do investigador (background,
– Ser susceptível de verificação formação, recursos físicos e financeiros, tempo
empírica disponível);
• Acessibilidade dos dados.
Critérios para avaliação de problemas

• Exequibilidade (possibilidade de ser Definição de um Problema


executado): Tem de ser respondido
mediante a recolha e análise de dados; • Raciocínio Indutivo: do específico para o geral;
• Raciocínio Dedutivo: do geral para o particular.
• Relevância: O Problema tem de ser
importante para o estado actual do
conhecimento;
Problemas Definidos de Forma Muito Geral
• Clareza: O problema tem de ser
formulado sem termos vagos ou confusos; • “O propósito deste estudo é o de estudar o
• O problema deve de dar pistas para o insucesso escolar”;
tipo de investigação; • “Esta investigação analisará a integração de alunos
• O problema deve de fazer referência à deficientes”;
população ou à amostra; • “O objectivo deste estudo é investigar os processos
• O problema deve de fazer referência cognitivos dos estudantes”.
explícita às variáveis.
A Formulação de hipóteses Hipóteses: formulação
• Deve de ser livre de contradições internas
• Deve de ser testável e susceptível de comprovação (i.e.
aceitação ou refutação)
Definição de hipótese: • Deve de ser justificável (num determinado quadro de
• Proposição testável, que pode vir a ser a referência) e relevante para o problema em estudo
solução do problema (McGuigan, • As teorias existentes não respondem pelos dados
empíricos existentes
1976). . Deve de apresentar uma antecipação de conhecimentos ou
factos futuros
Enunciado, sentença ou proposição que se • Deve ser redigida de forma clara, concreta e concisa
• Através de um enunciado condicional ou tipo dedutivo
propõe como:
Formato. Se X … então Y….
• Tentativa de explicação ou solução para (em que X é a condição antecedente e Y a consequente)
um problema previamente definido • Através de um enunciado na forma de função matemática
• Que estabelece uma relação entre duas Formato: Y=f(X)
(em que Y é a variável em estudo e X a variável manipulada e
ou mais variáveis cujo efeito em y nos interessa analisar)
• Cuja veracidade ainda não foi comprovada • Através de um enunciado como solução afirmativa, positiva
ou assertiva para o problema em estudo
• Através de um enunciado como solução diferencial ou
alternativa para o problema apresentado
Tipos de hipóteses
Classificação das hipóteses
1. Hipóteses Casuísticas:
• Refere-se a casos que podem ou não ter ocorrido Quanto ao processo:
• Dedutivas: Quando decorrem de um determinado
campo teórico e procuram comprovar deduções implícitas
2. Hipóteses que se referem à frequência de das mesmas teorias formato: se… então…()
acontecimentos
• Aparecem em pesquisas descritivas, antecipam que • Indutivas: Quando surgem da observação ou
determinada característica ocorre num grupo, reflexões sobre a realidade (formato: será que?)
sociedade ou cultura
• Recorrente nas pesquisas sociológicas e Quanto ao nível de concretização:
antropológicas • Estatísticas: Quando expressam uma relação
esperada em termos quantitativos entre as variáveis e
3. Hipóteses que estabelecem relação de associação análise (e.g., o coeficiente de correlação entre o auto-
entre variáveis conceito e a auto estima não vai para além de um valor
• Variável: qualquer coisa que pode ser classificada em meramente ocasional)
duas ou mais categorias, ex.: sexo, idade, estado civil, • Operativas: Quando nos indicam as operações
classe social, estatura...
• Muitas hipóteses estabelecem a existência de necessárias para a sua observação (e.g., os sujeitos com uma
associação entre as pontuação mais elevada no questionários de auto-conceito,
Variáveis pontuam também de forma mais elevada no questionário de
auto-estima)
4. Hipóteses que estabelecem relação de dependência • Conceptuais: Quando estabelecem uma relação
entre duas ou mais variáveis
• As hipóteses deste grupo estabelecem que uma entre variáveis ou uma relação no seio de uma ou mais
variável interfere na outra teorias (e.g., interrogação a propósito da relação esperada
entre o autoconceito e a autoestima
Do ponto de vista dos objectivos, a
pesquisa pode ser classificada em:

Exploratória Descritiva Explicativa

• Explicitar o problema • Descreve as características • Identificar os factores que


• Ajudar a construção de de determinada determinam ou contribuem
hipóteses população ou para a ocorrência de
• Envolve: • De um fenómeno, ou fenómenos
• Levantamento • Estabelece relações entre • Aprofundar o
bibliográfico variáveis conhecimento da
• Envolve: realidade (procura o
• Entrevistas
porquê)
• Análise de exemplos • Uso de técnicas de
recolha de dados • Em ciências naturais, requer
• Usualmente assume a o método experimental
forma de pesquisa • Questionário
• Em ciências sociais requer o
bibliográfica e estudos • Observação sistemática
método observacional
de caso • Usualmente assume a
• Usualmente, assume a
forma de levantamento
forma pesquisa
experimental e pesquisa
expost-facto
Pesquisa Estudo de
Bibliográfica Caso

Pesquisa Pesquisa Expost-Facto

Experimental Quando a experiência se


realiza depois dos factos

Levantamento Pesquisa-Acção

Pesquisa
participante
Método Dedutivo Explicar o conteúdo de premissas da
Decartes, Spniza Leibniz análise do GERAL para o Particular

•Todo o homem é
1. mortal
Pedro é mortal
•Pedro é Homem
2.
O conhecimento é fundamentado na
Método Indutivo Experiência – a generalização deriva da
Bacon, Hobbes, Locke, Hume observação da realidade concreta

António é Mortal
João é Mortal
Henrique é Mortal

São Todos Homens Os Homens são Mortais



Virgulino é Mortal
Gervásio é Mortal
Paulo é Mortal

Método Hipotético-Dedutivo
Popper

1. Quando o conhecimento é insuficiente para explicar um


determinado fenómeno, surge um PROBLEMA

2. Para tentar explicar as dificuldades expressas através do


PROBLEMA, são formuladas conjeturas ou hipóteses

3. Das Hipótese formuladas deduzem-se consequências que


devem ser testadas ou falseadas

4.Procura-se derrubar a Hipótese


- no dedutivo, procura-se confirmar a hipótese -
Método Dialético
Hegel

1. Contradições dão origem a Novas contradições

2. Interpretação dinâmica e global da realidade

3. Considera que os factos não podem ser considerados fora do


contexto social, politico, económico, ambiental… (pesquisa qualitativa)

Método Fenomenológico
Husserl
1.Não é dedutivo nem indutivo

2.Descrição Directa da experiência tal como ela é


3.A realidade é um construção social e é entendida como aquilo que se compreende, interpreta, comunica

4.A realidade não é única: existem tantas quanto as interpretações, compreensões, comunicações (pesquisa
Qualitativa