Você está na página 1de 42

ENCRUAMENTO E

MICROESTRUTURA
 Antes da  Depois da
deformação deformação

1
PROPRIEDADES DOS METAIS
DEFORMADOS PLASTICAMENTE

A habilidade de um material se deformar plasticamente


está relacionado com a habilidade das discordâncias se
movimentarem
2
DEFORMAÇÃO PLÁSTICA
 Os materiais podem ser solicitados por tensões
de compressão, tração ou de cisalhamento.
 Como a maioria dos metais são menos
resistentes ao cisalhamento que à tração e
compressão e como estes últimos podem
ser decompostos em componentes de
cisalhamento, pode-se dizer que os metais
se deformam pelo cisalhamento plástico ou
pelo escorregamento de um plano cristalino
em relação ao outro.
 O escorregamento de planos atômicos envolve o
movimento de discordâncias

3
DISCORDÂNCIAS E
DEFORMAÇÃO PLÁSTICA
 Em uma escala microscópica a deformação
plástica é o resultado do movimento dos átomos
devido à tensão aplicada. Durante este processo
ligações são quebradas e outras refeitas.
 Nos sólidos cristalinos a deformação plástica
geralmente envolve o escorregamento de planos
atômicos, o movimento de discordâncias e a
formação de maclas
 Então, a formação e movimento das
discordâncias têm papel fundamental para o
aumento da resistência mecânica em muitos
materiais. A resistência Mecânica pode ser
aumentada restringindo-se o movimento das
discordâncias 4
MOVIMENTO DE DISCORDÂNCIAS
E A DEFORMAÇÃO PLÁSTICA
 Discordâncias em cunha
movem-se devido à aplicação
de uma tensão de
cisalhamento perpendicular à
linha de discordância
 O movimento das
discordâncias pode parar na
superfície do material, no
contorno de grão ou num
precipitado ou outro
defeito
 A deformação plástica
corresponde à deformação
permanente que resulta
principalmente do movimento
de discordâncias (em cunha
ou em hélice)
5
MOVIMENTO DE DISCORDÂNCIAS
EM CUNHA E EM HÉLICE

6
Fonte: Prof. Sidnei/ DCMM/PUCRJ
DENSIDADES MÉDIAS DE
DISCORDÂNCIAS
 Densidade de discordâncias = É a somatória dos comprimentos de todas as
discordâncias [cm] contidas em 1 cm3 do material.

Valores Típicos:

 Monocristais solidificados de modo extremamente lento ( condição ideal ) em


laboratório ( whiskers ) = aproximadamente 0 ( zero ) cm/cm3

 Materiais solidificados lentamente em condições reais ( exemplo: moldes de areia )


= 10 6 cm/cm3 = 10 km/cm3

 Materiais deformados a quente = 10 6 cm/cm3 = 10 km/cm3


 Materiais recozidos ou normalizados = 10 6 cm/cm3 = 10 km/cm3

 Materiais deformados a frio ( encruados ) = 1012 cm/cm3 = 10.000.000 km/cm3

Observação: As densidades supra são tratadas como médias pois dependem do


tipo de material, mais especificamente de suas energias de falha de empilhamento,
e em caso de encruamento, também do grau ( % ) de deformação a frio.

7
CARACTERÍSTICAS DAS
DISCORDÂNCIAS IMPORTANTES PARA
AS PROP. MECÂNICAS
 Quando os metais são
deformados plasticamente cerca
de 10% da energia é retida
internamente, o restante é
dissipado na forma de calor.
 A maior parte desta energia
armazenada está associada
com as tensões associadas às
discordâncias
 A presença de discordâncias
promove uma distorção da rede
cristalina de modo que certas
regiões sofrem tensões
compressivas e outras tensões
de tração.
8
INTERAÇÃO DE
DISCORDÂNCIAS
 ATRAÇÃO  REPULSÃO

9
INTERAÇÃO DE
DISCORDÂNCIAS
 Durante a deformação
plástica o número de
discordâncias aumenta
drasticamente
 As discordâncias movem-
se mais facilmente nos
planos de maior densidade
atômica (chamados planos
de escorregamento).
Neste caso, a energia
necessária para mover
uma discordância é
mínima
 Então, o número de planos
nos quais pode ocorrer o
escorregamento depende
da estrutura cristalina 10
Maclas

 Discordância não é o único defeito


cristalino responsável pela
deformação plástica, maclas
também contribuem.
 Deformação em materiais cfc, como
o cobre, é comum ocorrer por
maclação
11
MOVIMENTO DE DISCORDÂNCIAS
EM SOLUÇÕES SÓLIDAS
 Quando um átomo de uma impureza
esta presente, o movimento da
discordância fica restringido, ou
seja, deve-se fornecer energia
adicional para que continue havendo
escorregamento. Por isso soluções
sólidas de metais são sempre mais
resistentes que seus metais puros
constituintes

12
INTERAÇÃO DE DISCORDÂNCIAS
EM SOLUÇÕES SÓLIDAS

Quando um átomo de uma impureza esta presente,


o movimento da discordância fica restringido, ou seja,
deve-se fornecer energia adicional para que continue
havendo escorregamento. Por isso soluções sólidas
de metais são sempre mais resistentes que seus
metais puros constituintes
13
DEFORMAÇÃO PLÁSTICA EM
MATERIAIS POLICRISTALINOS
O contorno de grão
interfere no
movimento das
discordâncias
 Devido as diferentes
orientações cristalinas
presentes, resultantes
do grande número de
grãos, as direções de
escorregamento das
discordâncias variam
de grão para grão
14
Aumento da resistência por
diminuição do tamanho de grão
 O contorno de grão funciona como
um barreira para a continuação do
movimento das discordâncias devido
as diferentes orientações presentes
e também devido às inúmeras
descontinuidades presentes no
contorno de grão.

15
ENCRUAMENTO OU ENDURECIMENTO
PELA DEFORMAÇÃO À FRIO
 É o fenômeno no qual um material
endurece devido à deformação plástica
realizada pelo trabalho à frio. Os cristais
tornam-se deformados
 Esse endurecimento dá-se devido ao
aumento da densidade e interação de
discordâncias que tem suas mobilidades
reduzidas, dificultando o escorregamento
dos planos atômicos
 A medida que se aumenta o encruamento
maior é a tensão necessária para produzir
uma maior deformação
 O encruamento pode ser removido por
tratamento térmico (recozimento de
recristalização)
16
VARIAÇÃO DAS PROPRIEDADES
MECÂNICAS EM FUNÇÃO DO
ENCRUAMENTO

O encruamento aumenta o
limite de resistência à
tração ( LR )

O encruamento aumenta
o limite de escoamento
(LE)

O encruamento
diminui a ductilidade

17
MECANISMOS DE RESTAURAÇÃO
MICRO-ESTRUTURAL QUE OCORREM
DURANTE O AQUECIMENTO DE UM
MATERIAL ENCRUADO

ESTÁGIOS:

 Recuperação
 Recristalização
 Crescimento de grão

18
RECUPERAÇÃO
 Há um alívio das tensões internas
armazenadas durante o encruamento.
 A aniquilação das discordâncias de sinais
opostos e o alinhamento das
discordâncias de mesmo sinal conduzem
à formação de sub-contornos.
 Propriedades físicas como condutividade
térmica e elétrica começam a voltar ao
seu estado original, correspondente ao
material não-deformado
 Os cristais permanecem com formato
alongado, em especial na direção da
deformação principal.
19
RECRISTALIZAÇÃO

 Se os metais deformados plasticamente a


frio forem submetidos a um aquecimento
controlado, ocorrerá a formação de novos
cristais com baixa densidade de
discordâncias (106 cm/cm3 ) a partir dos
contornos dos grãos encruados. Este
processo chama-se recristalização. A
resistência mecânica ( dureza; LE;LR)
diminui e a ductilidade e tenacidade
aumentam.

20
MECANISMOS QUE OCORREM NO AQUECIMENTO
DE UM MATERIAL ENCRUADO

Ex: Latão

21
RECRISTALIZAÇÃO
 Os grãos recuperados ainda estão tensionados
 Na recristalização os grãos tornam-se
novamente equiaxiais (dimensões iguais em
todas as direções)
 O número de discordâncias é reduzido para 10 6
cm/cm 3 em função da varredura da estrutura
pelos contornos de alto ângulo durante a
recristalização
 As propriedades mecânicas voltam ao seu estado
original ( ductilidade e tenacidade mais altas e
resistência mecânica mais baixa (LE;LR;Dureza)

22
CRESCIMENTO DE GRÃO
 Depois da recristalização ocorre o
crescimento dos cristais se o
material permanecer quente. A força
motriz é a diminuição da quantidade
de contornos de grão.
 Em geral, quanto maior o tamanho
de grão mais mole é o material e
menor é sua resistência
23
TEMPERATURA HOMÓLOGA
( Th )
 É um valor adimensional utilizado para estimar o tipo de
trabalho mecânico aplicado (frio; morno ou quente).

 É calculada dividindo-se a temperatura de trabalho (TT)


pela temperatura de fusão (TF) do material, ambas em
graus Kelvin.
Lembrete: K = o C + 273

 Fatores decisórios: trabalho a frio ( Th máximo = 0,3 );


trabalho a morno ( 0,3 < Th < 0,5 ); trabalho a quente (
Th igual ou superior a 0,5 ).

 Observação: O cálculo não inclui a % de deformação e isto


pode induzir a erros. A melhor forma de definir o tipo de
trabalho mecânico executado é a metalografia.
24
TEMPERATURA HOMÓLOGA
( Th )
 Exercícios de aplicação (Th)

1) Ferro: TF = 1534 o C
 Se TT = 25 o C : Th = 0,16 (frio)
 Se TT = 375 o C : Th = 0,35 (morno)
 Se TT = 825 o C : Th = 0,60 (quente)
 Se TT = 1230 o C:Th = 0,83 (quente)
25
TEMPERATURA HOMÓLOGA
( Th )
 Exercícios de aplicação (Th)
2) Alumínio: TF = 660,2 o C
 Se TT = 25 o C : Th = 0,31 ( morno )
 Se TT = 155 o C : Th = 0,45 ( morno )
 Se TT = 392 o C: Th = 0,71 ( quente )
 Se TT = 577 o C: Th = 0,91 ( quente )

26
TEMPERATURA HOMÓLOGA
( Th )
 Exercícios de aplicação (Th)
3) Chumbo: TF = 327,4 o C
 Se TT = - 20 o C: Th = 0,42 (morno)
 Se TT = 25 o C: Th = 0,496... (quente)
 Se TT = 235 o C: Th = 0,84 (quente)
 Se TT = 297 o C: Th = 0,94 (quente)

27
TEMPERATURA HOMÓLOGA
( Th )
 Estimativa da temperatura mínima
de Recristalização ( Trex) em o C
 Trex = 0,5 TF (K) – 273
Exercícios:
1) Trex para ferro= 630,5 o C
2) Trex para alumínio = 193,6 o C
3) Trex para chumbo = 27,2 o C

28
TEMPERATURAS DE
RECRISTALIZAÇÃO
 Temperatura de Recristalização: É a
temperatura capaz de recristalizar
95 % do material em 1 hora
 A temperatura de recristalização é
também dependente do tempo
 Assim: A temperatura de
recristalização está entre 1/3 e ½ da
temperatura de fusão [k]
29
TEMPERATURAS DE
RECRISTALIZAÇÃO
 Chumbo - 4C
 Estanho - 4C
 Zinco 10C
 Alumínio de alta pureza 80C
 Cobre de alta pureza 120C
 Latão 60-40 475C
 Níquel 370C
 Ferro 450C
 Tungstênio 1200C
30
DEFORMAÇÃO A QUENTE E
DEFORMAÇÃO A FRIO
 Deformação a quente: O trabalho
mecânico é realizado acima da
temperatura de recristalização do
material. É a etapa inicial na conformação
mecânica da maioria dos metais e ligas
metálicas.
 Deformação a morno e a frio: O
trabalho mecânico é realizado abaixo da
temperatura de recristalização do
material

31
DEFORMAÇÃO A QUENTE

32
DEFORMAÇÃO À QUENTE
VANTAGENS
 Requer menor energia para deformar o metal e proporciona maior
habilidade para o escoamento plástico sem o surgimento de
trincas;
 Ajuda a diminuir as heterogeneidades da estrutura dos lingotes
fundidos devido às rápidas taxas de difusão presentes nas
temperaturas do trabalho a quente. Neste sentido:
a) Bolhas de gás e porosidades são caldeadas e portanto,
eliminadas.
b) A estrutura colunar dos grãos grosseiros da peça fundida é
quebrada e refinada em grãos equi-axiais recristalizados de
menor tamanho.
c) Promove a homogeneização da composição química durante o
reaquecimento do lingote.
 Aumenta a ductilidade e a tenacidade em relação ao estado
fundido.
33
DEFORMAÇÃO A QUENTE
DESVANTAGENS:

 Exige ferramental de boa resistência ao calor, implicando em custo

 Oxidação superficial do material

 Possibilidade de fragilização pelo oxigênio. É o caso do titânio, que deve


ser processado em atmosfera inerte ou protegido do ar por barreira
adequada.

 Descarbonetação superficial em aços

 Penetração de óxidos ( carepa ) na superfície do material, isto é, é difícil


obter-se um bom acabamento superficial.

 A deformação é maior na superfície do material conformado. Assim, a sua


estrutura e as suas propriedades mecânicas não são geralmente tão
uniformes quanto nos metais trabalhados a frio e recozidos.

 Não permite a obtenção de dimensões dentro de tolerâncias estreitas

34
DEFORMAÇÃO A QUENTE
 Limite inferior de temperatura para o trabalho a quente: é
a menor temperatura para a qual a recristalização é rápida
o bastante para eliminar o encruamento quando o metal
está submetido àquela temperatura. Depende de:

1) Quantidade ( grau ) de deformação: quanto maior é o grau


de deformação menor é a temperatura de recristalização e
portanto, é menor o limite térmico inferior para o trabalho
a quente;

2) Tempo de exposição do material à temperatura em


questão;

3) Velocidade de deformação e taxa de resfriamento: o limite


térmico inferior diminui quanto menores forem estes
parâmetros

35
DEFORMAÇÃO A QUENTE
 Limite térmico superior do trabalho a quente: É a temperatura
máxima possível sem a ocorrência de fusão incipiente ( liquação
ou queima ) ou de excesso de oxidação.

 Em geral: O limite superior do trabalho a quente é 38 o C ( 100 o

F ) abaixo da linha sólidus do material. Isto leva em conta:


possibilidade de fragilidade a quente ou queima ( regiões
segregadas com ponto de fusão mais baixo )

 O trabalho a quente é realizado, em geral, em passes ou etapas


múltiplas. As temperaturas altas em etapas intermediárias
conduzem a granulações grosseiras. A temperatura final de
deformação a quente ( temperatura de acabamento ) mais baixa
conduz a grãos recristalizados mais finos e em geral, é pouco
superior à temperatura mínima de recristalização.

36
DEFORMAÇÃO A QUENTE

 A temperatura de acabamento baixa e a


quantidade de deformação relativamente grande
no último passe garantem grãos recristalizados
mais finos.

 O aumento da taxa ( velocidade ) de deformação


aumenta o calor retido no material, gerando
maior risco de fragilização a quente. Caso este
aumento seja necessário é então recomendável
executá-lo em material um pouco mais frio

37
DEFORMAÇÃO A FRIO

 Aumenta a dureza e a resistência mecânica ( LE;


LR ) dos materiais, mas a ductilidade e a
tenacidade diminuem.
 Permite a obtenção de dimensões dentro de
tolerâncias estreitas
 Produz melhor acabamento superficial

38
DEFORMAÇÃO A FRIO
 Trabalho a frio excessivo: o metal fratura-se antes de
alcançar a forma e o tamanho desejados. Basicamente, o
limite de escoamento aproxima-se perigosamente do
limite de resistência à tração. A ductilidade tende a valores
mínimos com o aumento do encruamento.

39
DEFORMAÇÃO A FRIO
 Recozimentos de recristalização
intermediários a etapas de trabalho a
frio: Visam amolecer o material encruado,
restituindo-lhe a ductilidade ( %
alongamento e % redução de área (
estricção)) e evitando assim, a ocorrência
de trincas.

 Ciclos de trabalho a frio x recozimento:


nome dado à sequência repetida de
trabalho a frio

40
VARIAÇÃO DAS PROPRIEDADES EM
FUNÇÃO DO ENCRUAMENTO

41
PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

42