Você está na página 1de 15

Introdução

Datagrama IP

1
Introdução

 Descreve o formato de pacotes

 Como os roteadores encaminham os pacotes através de


uma inter-redes?

2
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Conceito de serviço sem conexão

 O objetivo é providenciar um esquema capaz de entregar um pacote


gerado por um computador a um outro sem que o software aplicativo
saibam dos detalhes do hardware subjacentes.

 Em um sistema de inter-rede, há dois tipos de serviços que podem


ser oferecidos:
– Serviço orientado a conexão e
– Serviço sem conexão.

3
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Pacotes Virtuais

 Os serviços de inter-rede sem conexão permite a entrega de pacotes


individuais de dados através da rede.

 Cada roteador, processa cada pacote examinando o endereço destino


e então seleciona o próximo salto (hop) baseado no end. Destino.
Este processo continua até o pacote alcançar seu destino final.

4
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Pacotes Virtuais

 Tratamento de formatos de um roteador para redes


heterogêneos
– Quadros diferentes;
– Mecanismos de endereçamentos diferentes.

 Pacote Virtual - o software de protocolo de inter-rede


define um formato de pacote de independente do
hardware subjacente.

5
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Pacotes Virtuais

 O resultado é um pacote universal virtual que pode ser utilizado


pelos roteadores para transmitir pacotes através de hardware
subjacente.

6
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Datagrama IP

 Um pacote de inter-rede é chamado de Datagrama IP


 Cada Datagrama tem uma área de cabeçalho e de dados.
 O tamanho de um datagrama é variável (1 - 64K)
 Um cabeçalho basicamente contém informações de endereço destino e de
origem

7
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Encaminhando um Datagrama IP

 Cada roteador extrai o endereço destino e usa para descobrir a rota


adequada, ou seja o próximo salto (hop)

 Utiliza a Tabela de Roteamento


– Esta tabela é atualizada durante o processo de boot de um roteador e deve
atualizar-se sempre que uma topologia é alterada na rede.

– A idéia é guardar na tabela os endereços de rede em vez os endereços de hosts.

8
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Encaminhando um Datagrama IP

 Ex. Conceitual

9
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Entrada da tabela de Roteamento

 Na prática uma tabela de Roteamento apresenta Prefixos para fazer


referência uma rede.

 Apresenta um campo adicional que é a Mascara de endereços. Serve para


indicar quais bits do endereço IP devem ser utilizadas para indicar uma rede.

10
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Entrada da tabela de Roteamento

 Ex.

11
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Entrada da tabela de Roteamento

 O campo de Máscara

– É usado para extrai apenas porção do endereço IP referente à rede


de destino.

– Se (Máscara[i] & D) == Destino[i] encaminha para o próximo Hop[i];

12
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
A lei de Melhor Esforço

 O protocolo de Internet usa o termo de melhor esforço para descrever seus


serviços (best effort)

 Em resumo, tentar fazer um melhor esforço para entregar um pacote, mas


não garante a entrega perfeita das informações. Diversos problemas não
são tratados:
– Duplicação de datagramas;
– Entrega atrasada ou fora de ordem;
– Adulteração de dados e
– Perda de Datagramas.

 São necessários camadas adicionais de software para tratar desses


problemas.
13
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Formato de Cabeçalho do
Datagrama IP

14
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF
Formato de Mensagem

 Vers - indica a versão do protocolo


 H.Len - quando 5, indica que o campo de opções está sendo utilizada;
 Total Hength - indica o tamanho total do pacote;
 Identification - é usado para controle da identificação única do pacote;
 Flags - indica se um pacote é um fragmento ou não;
 Fragment Offset - indica qual a posição do fragmento pertence no
pacote original;
 Time to Live - Time out para o pacote;
 Type - indica o tipo de dados;
 Header Checksum - é o controle de integridade do cabeçalho;

15
Professor: Arlindo Tadayuki Noji Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF

Você também pode gostar