Você está na página 1de 57

O cuidar em Enfermagem- sistematização de

Assistência de Enfermagem ( SAE)

PROCESSO DE
ENFERMAGEM
PLANO DE AULA

Objetivo geral: O aluno deverá conhecer o

método/Instrumento de assistência de
enfermagem: Processo de enfermagem
com noções básicas da teoria de Horta
Plano de aula

Objetivos específicos: o aluno deverá ser capaz


de:
-Conceituar processo de enfermagem;
-Descrever as etapas do processo de
enfermagem;
-Descrever os cinco níveis das necessidades
baseada na teoria da motivação humana de
Maslow;
- Ter noções básicas para priorizar as
necessidades do paciente.
Plano de aula

Estratégias de ensino: exposição dialogada

Recursos materiais: apresentação em power


poin

Avaliação: questionamentos durante o


desenvolvimento da disciplina.
Plano de aula

Referências

• Alfaro-Lefevre, R. Aplicação do Processo de enfermgem: um


guia passo a passo. Porto Alegre, Artes médicas, 2006.

• Potter, P. A; Perry, A.G. Fundamentos de enfermagem:


conceitos, processo e prática. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2013.

• Bachion, MM. Instrumentos básicos do cuidar: observação,


interação e mensuração. I Simpósio Brasiliense de
Sistematização da Assistência de Enfermagem. Brasília, 22 a
24 de abril de 2009.
Código de ética dos profissionais da
enfermagem.....
RESPONSABILIDADES E DEVERES

Art. 12 - Assegurar à pessoa, família e coletividade assistência de


Enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência
ou imprudência.....

Art. 14 – Aprimorar os conhecimentos técnicos, científicos,


éticos e culturais, em benefício da pessoa, família e coletividade e
do desenvolvimento da profissão.

Art. 15 - Prestar Assistência de Enfermagem sem discriminação


de qualquer natureza....

Art. 17 - Prestar adequadas informações à pessoa, família e


coletividade a respeito dos direitos, riscos, benefícios e
intercorrências acerca da Assistência de Enfermagem.
....RESPONSABILIDADES...
Código de ética

Art. 18 - Respeitar, reconhecer e realizar ações que


garantam o direito da pessoa ou de seu representante legal,
de tomar decisões sobre sua saúde, tratamento, conforto e
bem estar.

Art. 19 - Respeitar o pudor, a privacidade e a intimidade do


ser humano, em todo seu ciclo vital, inclusive nas situações
de morte e pós-morte...

Art. 21 - Proteger a pessoa, família e coletividade contra


danos decorrentes de imperícia, negligência ou imprudência
por parte de qualquer membro da Equipe de Saúde.

Art. 22 - Disponibilizar seus serviços profissionais à


comunidade em casos de emergência, epidemia e catástrofe,
sem pleitear vantagens pessoais.
....RESPONSABILIDADES...
Código de ética

Art. 23 - Encaminhar a pessoa, família e coletividade aos serviços


de defesa do cidadão, nos termos da lei.

Art. 24 – Respeitar, no exercício da profissão, as normas relativas


à preservação do meio ambiente ...

Art. 25 – Registrar no Prontuário do Paciente as informações


inerentes e indispensáveis ao processo de cuidar.

PROIBIÇÕES

Art. 26 - Negar Assistência de Enfermagem em qualquer situação


que se caracterize como urgência ou emergência

Art. 27 – Executar ou participar da assistência à saúde sem o


consentimento da pessoa ou de seu representante legal, exceto em
iminente risco de morte.
....Proibições...
Código de ética

Art. 28 - Provocar aborto, ou cooperar em prática destinada a


interromper a gestação.

Art. 29 - Promover a eutanásia ou participar em prática destinada


a antecipar a morte do cliente....

Art. 32 - Executar prescrições de qualquer natureza, que


comprometam a segurança da pessoa....

Art. 34 - Provocar, cooperar, ser conivente ou omisso com


qualquer forma de violência....

Art. 35 - Registrar informações parciais e inverídicas sobre a


assistência prestada.
PROCESSO DE ENFERMAGEM

 Para cada campo específico da


ciência há um método que é o
caminho que possibilita chegar ao
resultado esperado.

O da ciência Enfermagem é O
PROCESSO DE ENFERMAGEM
PROCESSO DE ENFERMAGEM

Constituído de cinco etapas:

 Colheita de Dados

Diagnóstico de enfermagem

Planeamento

Implementação

Evolução/avaliação
PROCESSO DE ENFERMAGEM

Propósito –atender as necessidades


individualizadas do cliente, família e
comunidade.
PROPRIEDADES DO PROCESSO DE
ENFERMAGEM
 Intencional, organizado e sistemático: as etapas
são organizadas para alcançar as finalidades
determinadas
 Humanístico: (corpo, a mente e o espírito)
 Dinâmico e cíclico: (mudanças contínuas)
 Interativo, flexível e pró-ativo: (enfermeiro e
cliente se relacionam e adaptam as
necessidades as fases)
 Baseado em teorias e evidências: (tem
fundamentação científica)
COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO
PARA O PROCESSO DE
ENFERMAGEM
Ter conhecimento adequado de:

REALIZAR COM SEGURANÇA


Fisiologia OS CUIDADOS DE
ENFERMAGEM
Fisiopatologia
Psicopatologia
Tratamento Clínico
VANTAGENS DO PROCESSO DE
ENFERMAGEM
Documentado (todas as pessoas
envolvidas no tratamento tem acesso)
Facilita a continuidade da assistência
O paciente participa do planeamento
e da assistência
A assistência de enfermagem é
individualizada
PROCESSO DE ENFERMAGEM

É um método sistematizado para


avaliar o estado de saúde do cliente,
diagnosticar suas necessidades de
cuidados, formular um plano de
cuidados, implementá-lo e avaliá-lo
quanto a sua efetividade (NANDA, 2014).
OBJETIVO PRINCIPAL DO PROCESSO DE
ENFERMAGEM

 Oferecer estrutura na qual as


necessidades individualizadas do
cliente, da família, da comunidade
possam ser satisfeitas.
Processo de
enfermagem
Características:
 contribui para a detecção e resolução de
problemas de saúde da clientela assistida.
 levanta dados de saúde e necessidades básicas,
dados de exames físico e laboratoriais.
 Enfoca fatores de risco: estabelece relação ou
associação de aspectos ambientais e as próprias
condições de vida do cliente;
Processo de Enfermagem
Características:

Responsabiliza o enfermeiro como educador


/ intervenções individuais e coletiva;
Planea os cuidados de enfermagem visando
a manutenção da saúde e atenção às suas
necessidades, enfocando aspectos éticos,
políticos e culturais
PROCESSO DE ENFERMAGEM

ENTREVISTA
1. COLHEITA DE DADOS EXAME FÍSICO
PRONTUÁRIO

2. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM
3. PLANEAMENTO DA ASSISTÊNCIA
4. IMPLEMENTAÇÃO
5. AVALIAÇÃO
REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA INTER-RELAÇÃO
ENTRE OS COMPONENTES DO PROCESSO DE
ENFERMAGEM

Coleteita a de dados
Diagnóstico
Planejamento
Implementação

Avaliação

Figura: A dinamicidade das etapas do Processo de Enfermagem.


PROCESSO DE ENFERMAGEM

Para executar este método são necessários


HABILIDADES:
Cognitivas (planeaamento, método científico....)
De
Interpessoais (comunicação, trabalho em equipe...)forma
inte-
Psicomotoras (destreza manual, criatividade....)
grada
e
além dos INTRUMENTOS BÁSICOS DO CUIDAR: simul-
tânea
Observação (planeamento, avaliação...)
Interação (comunicação, trabalho em equipe...)
Mensuração (planeamento, observação,
avaliação....)
OBSERVAÇÃO

- É o uso atentivo dos sentidos (visão,


audição, tato, olfato e paladar) para
apreender características ou informações, de
um evento, fenômeno, ou estrutura do corpo
examinada.

- Os sentidos forma integrada e


coordenada, de modo que a informação
captada por um dos sentidos interfere na
informação captada por outro Sinergia
ou Discrepância.
OBSERVAÇÃO

- Na enfermagem a observação é usada


tanto no processo ensino-aprendizagem
como no processo de enfermagem, no
gerenciamento da assistência e na
pesquisa.

- No exame físico, a observação é


direcionada às estruturas
corporais, no plano geral e específico.
DIFICULDADES

Falta de conhecimento em disciplinas


básicas e específicas
Falta de conhecimento para realizar:
 Exame físico
 Entrevista dirigida
 Raciocínio diagnóstico
 Prescrição
 Evolução de enfermagem
1. COLHEITA DE DADOS (HISTÓRICO DE
ENFERMAGEM)

É um processo sistematizado de coletar


dados significativos do paciente que torna
possível a identificação das
necessidades, problemas, preocupações
ou respostas humanas.

Roteiro Sistematizado
COLETA DE DADOS INTERAÇÃO
ENFERMEIRO-CLIENTE

Fatores que influenciam a Interação


enfermeiro-cliente
O propósito da interação enfermeiro-
cliente
As pessoas envolvidas
O conhecimento que o enfermeiro tem
sobre a situação do cliente
As interações verbais e não verbais
1. Coleta de dados

A REFLEXÃO CRÍTICA

O enfermeiro interpreta as “dicas” do cliente


para saber quão profundamente a coleta de
dados (histórico) deve ser realizado.
A colheita de dados é dinâmica; deve permitir o
enfermeiro explorar livremente os problemas
relevantes conforme vão aparecendo.
A colheita de dados fornece dados-chave para
responder às prioridades do cliente.
1. Coleta de dados

ROTEIROS
São influenciados:
• necessidades e problemas mais comuns na
unidade,
• área de concentração (clínica, cirúrgica, doenças
transmissíveis)
• gênero,
• idade,
• tipo de atendimento ( agudo ou crônico)
Roteiros Norteado pelo Modelo ou Teoria de
Enfermagem
1. Coleta de dados

Lembrando a COLHEITA DE DADOS

Recursos utilizados:
Entrevista /Anamnese
Exame físico
Consulta do prontuário

* Lembrando que a coleta de dados é um processo contínuo,


inicia-se na admissão do paciente e continua a cada
encontro até o momento da alta.
PARA A APLICAÇÃO DO PROCESSO
DE ENFERMAGEM ?
Para sua aplicação é necessária a
adoção de uma ou mais Teorias de
Enfermagem que fundamentarão a
prática da assistência.

Ex: Florence Nightingale; Wanda


Horta; Dorotéia Orem; Roger; Peplau;
King...
EX: PROPOSTA DE (TEORIA DE ENFERMAGEM)
WANDA HORTA?

Processo de enfermagem  Necessidades


Humanas Básicas.
* As manifestações ou alterações
explicitadas por meio de sinais e sintomas
 caracterizam um problema de
enfermagem e exigem o cuidado do
profissional da área.
Teoria de Horta Teoria de Maslow-
Teoria da motivação- Teoria das
necessidades
Organiza as necessidades baseado na motivação
humana em cinco níveis:

auto-
realização
Auto-estima

Amor e gregarismo

Segurança e proteção
Necessidades Fisiológicas
A Hierarquia das Necessidades segundo
Maslow

5º) Alcance pleno do potencial e de habilidade para resolver problemas


e lidar realisticamente com as situações da vida

4º) Autoconfiança/ a utilidade/ o propósito/ a autovalorização

3º) Amizade/ relações sociais/ amor sexual

2º) Segurança física e psicológica

1º) Ar / água/ alimento...


1º) Ar / água/ alimento
•As necessidades podem não ser atendidas, atendidas
parcialmente ou plenamente atendidas
Hierarquia das Necessidades Básicas,
segundo Maslow, adaptada por Richard
Kalish
Auto
realização
Estima Auto estima
Amor Sensação de Proximidade
pertencer
Segurança Exploração Proteção

Sexo Atividade Amparo Novidade Manipulação


Alimento Ar Água Temperatura Excreção Evitar Repouso
dor
A teoria de Maslow
Pessoas sadias necessidades plenamente
atendidas

Pessoa em risco para doença ou não sadia


uma ou mais necessidades não atendidas

Os clientes ou suas famílias podem ter


necessidades não atendidas ou podem ser
incapazes de continuar atendendo às próprias
necessidades.
Exemplos:

Uma pessoa em parada cardíaca tem uma


necessidade não atendida de “ar”, a mais básica
das necessidades fisiológicas.

Uma mulher idosa, em uma área de índice de


criminalidade elevado pode estar preocupada com
sua segurança física e, enquanto hospitalizada,
pode ter a necessidade de proteção psicológica
devido ao medo de sua residência ser arrombada.

Uma dona de casa, viúva, cujos filhos saíram de


casa pode sentir que não é mais amada
1º) NECESSIDADES FISIOLÓGICAS

Sobrevivência (O2, líquido, nutrição,


temperatura, eliminação, proteção,
repouso e sexo)

crianças
muitos idosos dependem de
os pobres outros
os doentes
deficientes
1º) NECESSIDADES FISIOLÓGICAS

* O enfermeiro muitas vezes ajuda no


atendimento das necessidades nutricionais
por meio de ensino compreender os
processos metabólicos.

Ex: Um adulto com nutrição alterada: ingestão


maior do que as necessidades corporais e
que recentemente teve o diagnóstico de
diabetes mellitus precisa ser ensinado a
equilibrar as necessidades nutricionais,
administração de insulina e os hábitos de
atividade física.
2º) NECESSIDADES DE SEGURANÇA E DE
PROTEÇÃO
Segurança Física
Dependentes para a segurança física:
lactentes
doentes
debilitados
O atendimento das necessi//s de segurança
física  tem precedência sobre o
atendimento de uma necessi// fisiológica.
Ex: proteger o cliente desorientado da queda
do leito  antes das necessi//s nutricionais
2º) NECESSIDADES DE SEGURANÇA...

Segurança Psicológica
Para estar segura e protegida
psicologicamente, a pessoa deve saber o
que esperar de outros (familiares,
profissionais da saúde) e dos procedimentos.
Toda pessoa percebe alguma ameaça à sua
segurança psicológica com as experiências
novas e não familiares.

Ex: Uma pessoa que entra na faculdade/


admitida no emprego pode sentir-se
ameaçada por ter que interagir com pessoas
desconhecidas.
2º) NECESSIDADES DE SEGURANÇA...

Durante o diálogo a pessoa pode


indiretamente revelar seus sentimentos.

* A intervenção do enfº tem a finalidade


de ajudar a proteger danos
doentes/ deficientes
3º) NECESSIDADES DE AMOR E DE
GREGARISMO
As pessoas precisam sentir que são amadas
por sua família e que são aceitas pelos
parceiros e pela comunidade.
Ex: No hospital as rotinas dificultam o
atendimento destas necessidades.

* O enfº visa adaptar o plano de cuidados para


ajudar os clientes a atender às suas
necessidades de amor e gregarismo/ envolver
o cliente no desenvolvimento do plano de
cuidado.
4º) NECESSIDADES DE ESTIMA E DE
AUTO-ESTIMA
A necessidade de auto-estima está
associada ao desejo de força, realização,
adequação, competência, confiança e
independência.

As pessoas também precisam de


reconhecimento ou apreciação de outros.
Quando ambas as necessidades são
atendidas, a pessoa sente-se autoconfiante e
útil.
Se não atendidas desamparada e inferior
4º) NECESSIDADES DE ESTIMA E DE AUTO-ESTIMA

* Se o autoconceito do cliente está alterado


pela doença ou lesão, os cuidados de
enfermagem compreendem a melhoria do
autoconceito e da imagem corporal.

* Se o nível de auto-estima do cliente está tão


baixo que ele falha em cuidar de si próprio, o
enfermeiro pode ter que ajudar no
atendimento de outras necessidades,
enquanto implementa as etapas para
aumentar a auto-estima.
4º) NECESSIDADES DE ESTIMA E DE AUTO-ESTIMA

* As intervenções de enfermagem

específicas dependem do sistema de


apoio do cliente e de sua
personalidade, da causa da alteração
do autoconceito e dos recursos
disponíveis.
5º) NECESSIDADE DE AUTO-REALIZAÇÃO

Teoricamente, quando as pessoas têm atendidas


todas as suas necessidades de nível inferior, é
pela auto-realização que elas alcançam o seu
pleno potencial (Maslow, 1970).

As pessoas auto-realizadas, frequentemente são


capazes de assumir e realizar múltiplas tarefas e
obtêm a realização a partir do prazer de um
trabalho bem feito.
5º) NECESSIDADE DE AUTO-REALIZAÇÃO

A auto-realização é possível quando existe um


equilíbrio entre as necessidades do cliente, os
estressores e a habilidade para adaptar as
alterações do corpo e do ambiente.

Quando em boa saúde, a pessoa auto-realizada


geralmente tem uma forte necessidade de
privacidade.

* O enfº pode ajudar a atender a esta


necessidade pelo planejamento dos cuidados de
saúde de modo que a privacidade não
seja interrompida.
Aplicação da Teoria das Necessidades
Básicas

Pode proporcionar uma estrutura de referência


para os cuidados de enfermagem.

Em todos os casos, uma necessidade


fisiológica de emergência tem precedência
sobre uma necessidade de nível mais elevado.
O enfermeiro precisa compreender as
relações entre as diferentes
necessidades para a pessoa as
pessoas são diferentes.

Os cuidados de enfermagem geralmente


abordam duas ou mais necessidades ao
mesmo tempo atendimento simultâneo
das necessidades
* Exemplo: Os cuidados de enfermagem
enfatizam também a ajuda ao cliente para
superar o processo de luto de modo que
após a solução do luto e da solidão, os
hábitos de alimentação e sono serão
readquiridos e, assim, estas necessidades
fisiológicas sejam satisfeitas.

* O enfº deve individualizar o plano de cuidados


e prever as necessidades e os desejos
particulares.
Atendimento Simultâneo das
Necessidades

Ex: Um homem jovem, hospitalizado com


paraplegia resultante de uma lesão grave na
medula, precisa de ajuda para o atendimento
das necessidades fisiológicas. Todavia ele
pode ter uma baixo auto-estima pela sua
condição. O enfermeiro fica diante do desafio
de simultaneamente, atender as necessi//s,
porque ele pode não comer adequadamente
nem participar do cuidado físico se não se
sente bem o bastante.
* O enfermeiro não deve oferecer ao cliente
falsas esperanças sobre sua recuperação
futura. Todavia, enquanto planeja o cuidado
para atender às necessidades fisiológicas, o
enfermeiro pode incluir medidas que
ajudarão a restaurar a auto-estima.
Fatores que influenciam as Necessidades
Prioritárias

Situações ameaçadoras da vida


A personalidade e o humor
O estado de saúde
O grupo socioeconômico e cultural
A percepção do cliente sobre as
necessidades
Estrutura familiar (mãe que alimenta o filho).
Fatores que influenciam as Necessidades Prioritárias

As necessidades são interrelacionadas de


forma particular para cada pessoa, e o
enfermeiro considera tais relações no
planejamento dos cuidados.

Em vez de seguir simplesmente a hierarquia da


teoria das necessidades humanas, o
enfermeiro envolve o cliente e a família no
planejamento de modo que as prioridades não
sejam negligenciadas.
Fatores que influenciam as Necessidades Prioritárias

Proteção
Embora a maioria das pessoas tenham algum
tipo de proteção não oferece plena segurança.
Ex: - Os ambientes sujos podem atrair insetos
ou roedores risco de doença.
- Se uma residência está pouco iluminada
ou desarrumada, existe um do risco para
lesão acidental.
*O enfermeiro avalia, identifica os fatores de
risco para a doença ou lesões.
OBRIGADO!