Você está na página 1de 11

Governo da República

Portuguesa

Programa: Programa Operacional do Potencial Humano


Eixo Prioritário: 2 – Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida
Tipologia de Intervenção: 2.3- Formações Modulares Certificadas
Entidade Beneficiária: Fundação São Barnabé
Entidade Formadora: SOPROFOR – Sociedade Promotora de Formação, Lda.
UFCD: 3273 – Prevenção de doenças e acidentes na infância
Área de Formação: 761 – Serviço de apoio a crianças e jovens
Carga Horária: 50h
Código Referencial de Formação: 761175
Nível de Formação: 4

Liliana Isabel Paulino Grade

Plano Nacional de Vacinação


(PNV)
1
Vacinação
As vacinas permitem salvar mais vidas e prevenir mais
casos de doença do que qualquer tratamento médico.
Actuam como prevenção primária, conferindo
imunidade e evitando, assim, o contágio.

Governo da República
Portuguesa
Vacinação
Como actuam?

Uma vez aplicadas, os vírus, bactérias ou as suas


fracções, provocam reacções no organismo que levam à
formação de defesas (anticorpos) específicas, contra a
infecção pelas mesmas bactérias ou vírus.

Governo da República
Portuguesa
Vacinação

Impedir que a Bloqueio da disseminação


pessoa se infecte Benefícios da doença ou a sua
erradicação

Governo da República
Portuguesa
Vacinação
 Difteria / Tétano/ Tosse convulsa

 Doença invasiva por Haemophilus influenzae b

 Doença invasiva por Neisseria meningitidis C (meningite C)

 Hepatite B

 Papeira (parotidite epidémica) / Sarampo / Rubéola

 Papiloma humano (desde Outubro de 2008)

 Poliomielite (paralisia infantil)

 Tuberculose

Governo da República
Portuguesa
Vacinação
Tuberculose (BCG) Embora não seja muito eficaz na prevenção da tuberculose pulmonar, é muito
eficaz na prevenção de tuberculoses disseminadas por outros órgãos (que são
as mais graves), tendo também efeito na prevenção da lepra, de alguns
cancros e leucemias.
Poliomielite (VIP) Muito eficaz e pode contribuir para a erradicação/desaparecimento da
doença. A poliomielite, ou "paralisia infantil", era muito frequente e provocava,
principalmente nas crianças, paralisia dos membros inferiores, podendo, nos
casos mais graves originar a morte por paralisia dos músculos respiratórios.

Difteria / Tétano/ Tosse convulsa (DTP) Permitem evitar aquelas doenças ou, pelo menos, diminuir a gravidade dos
seus sintomas e complicações.

Doença invasiva por Haemophilus Permite evitar algumas meningites, pneumonias, otites e doenças graves da
influenzae b (Hib) garganta, especialmente nas crianças.

Doença invasiva por Neisseria Permite evitar infecções pelo meningococo C


meningitidis C (MenC)
Hepatite B (VAHB) Muito eficaz na prevenção desta doença, que tem vindo a aumentar em todo o
Mundo, sobretudo após a adolescência, devido à promiscuidade sexual, à
toxicomania, etc.
Papeira (parotidite epidémica) / É uma vacina muito eficaz e importante para o controlo e erradicação das
Sarampo / Rubéola (VASPR) doenças alvo, permitindo também reduzir a gravidade dos seus sintomas e
complicações.
Papiloma humano (VPH) Aplicada a raparigas a partir dos 13 anos de idade

Governo da República
Portuguesa
Quadro II − PNV: Esquema Cronológico de Vacinação
Recomendado

Governo da República
Portuguesa
Precauções e Contra-Indicações Específicas à
Vacinação
Vacinas Precauções Contra-Indicações

BCG • Corticoterapia sistémica em altas doses e por períodos Indivíduos VIH-positivos sintomáticos
superiores a uma semana *
• Terapêutica com citostáticos *
• Radioterapia *
• *: três meses após a sua suspensão pode administrar-se o BCG
VAP •Familiares e contactos VIH - positivos Indivíduos VIH-positivos sintomáticos
•Gravidez •Ocorrência de reacções anafiláticas nas primeiras
horas após a administração de uma dose anterior

VASPR  Aplicação recente de imunoglobulinas ** Ocorrência de reacções anafiláticas nas primeiras horas
 Antecedentes pessoais de alergia às proteínas do ovo após a administração de uma dose anterior

DTP •Ocorrência das seguintes reacções após a administração de uma dose Indivíduos com doenças neurológicas evolutivas ou
anterior: descompensadas;
•Febre superior a 40,5° C, nas primeiras 48 horas Ocorrência das seguintes reacções após a administração

•Prostração marcada, nas primeiras 48 horas de uma dose anterior:


•Choque hipotónico - hipotensivo, nas primeiras 48 horas Reacção anafilática, nas primeiras horas

•Choro persistente (superior a 3 horas) de alto timbre, nas primeiras 48 Encefalopatia sem causa aparente, durante a primeira

horas semana
•Convulsões, nas primeiras 72 horas

VAHB Ocorrência de reacções anafiláticas nas primeiras horas


após a administração de uma dose anterior

Governo da República
Portuguesa
Quais as reacções que podes ter após a vacinação?

•Febre
•Borbulhas
Reacções
•mal-estar geral e inchaço de curta
•dor duração
•vermelhidão no local de injecção.

Governo da República
Portuguesa
Bibliografia:
 Programa Nacional de Vacinação – Direcção-Geral da Saúde, Lisboa 2001

Paginas WWW consultadas :

 Faculdade de Ciências da U. de Lisboa - http://correio.fc.ul.pt/~mcg/vacinacao/historia/

 http://www.infomed.hpg.ig.com.br/vacinacao.html

 http://www.gsk.pt/articles/29402.asp

 http://correio.fc.ul.pt/~mcg/vacinacao/vacinas/index.html#2

Governo da República
Portuguesa
FIM

Governo da República
Portuguesa

Você também pode gostar