Você está na página 1de 11

GÊNERO “ARTIGO

DE OPINIÃO”
Discente: Jenifer Stelen Domingues
Docente: Profa. Bruna C. Barbosa
Corpus

■ Para a realização desse trabalho, foram analisados cinco exemplares


de artigos de opinião publicados nos jornais Folha de Londrina e
Gazeta do povo, e posteriormente nos sites dos jornais, de onde foram
extraídos para a análise.
■ Títulos:
– Escola sem partido (Jornal Folha de Londrina);
– Século XXI e as mulheres (Jornal Folha de Londrina);
– Aborto: um crime de horrores! (Jornal Folha de Londrina);
– Uma invenção feminista (Gazeta do Povo);
– Por uma vida segura e livre de violência para as mulheres (Gazeta
do Povo).
Gêneros textuais

■ Segundo Marcuschi (2003, p. 19), “os gêneros textuais são fenômenos


históricos, profundamente vinculados à vida cultural e social. Fruto do
trabalho coletivo, os gêneros contribuem para ordenar e estabilizar as
atividades comunicativas do dia a dia.”
■ Bronckart (2003, p.48) afirma que “conhecer um gênero de texto
também é conhecer suas condições de uso, sua pertinência, sua
eficácia ou, de forma mais geral, sua adequação em relação às
características desse contexto social”.
O gênero textual “artigo de opinião”

■ O artigo de opinião é um gênero textual escrito, integrante da esfera


jornalística, onde o autor expõe a sua opinião sobre um determinado
tema.
■ Para Rodrigues (2007, p. 174), o artigo de opinião é um “gênero de
discurso em que se busca convencer o outro de uma determinada ideia,
influenciá-lo, transformar os seus valores por meio de um processo de
argumentação a favor de uma determinada posição assumida pelo
produtor e de refutação de possíveis opiniões divergentes”.
Capacidades de ação

■ O artigo de opinião pode ser redigido por qualquer pessoa que tenha
interesse de expor seu ponto de vista em relação a um assunto
específico.
■ O papel discursivo do emissor é argumentar/defender seu
posicionamento diante de algum tema atual, a fim de convencer o seu
leitor.
■ O público leitor deste gênero são geralmente pessoas interessadas em
questões sociais, que exercem o papel de se posicionar acerca do tema,
sendo a favor ou contra a tese que o autor defende.
■ Este gênero trata de assuntos polêmicos que decorrem no cotidiano e
são de conhecimento social, geralmente relacionados a questões
sociais, políticas, entre outras, abordando temas atuais e de interesse
de muitos.
■ O suporte dos textos utilizados nesse trabalho são os jornais Folha de
Londrina e Gazeta do Povo, porém o gênero “artigo de opinião” pode
ser encontrado em outros suportes como outros jornais, revistas
impressas ou digitais e sites que circulam no meio cotidiano.
Capacidades discursivas

■ O “artigo de opinião” é considerado um gênero do narrar interativo,


pois o locutor do texto posiciona-se, geralmente, em primeira pessoa,
a fim de criar uma interação com o leitor.
■ O tipo de sequência predominante nesse gênero textual é a sequência
argumentativa, que tem sua estrutura geral, segundo Bronckart (2003),
representada da seguinte forma: 1) fase das premissas; 2) fase dos
argumentos; 3) fase dos contra-argumentos e 4) fase da conclusão.
Apresenta título, alguns têm subtítulos; é assinado sempre pelo autor,
que informa o seu papel social; é geralmente organizado em prosa.
■ Alguns artigos de opinião trazem apenas a explicação de um
determinado tema, predominando então a sequência expositiva. Esse
tipo de texto é chamado de “artigo de opinião explicativo” e Bronckart
(2003) representa sua estrutura da seguinte forma: 1) Fase da
constatação inicial; 2) Fase da problematização; 3) Fase de resolução e
4) Fase de conclusão-avaliação.
Capacidades linguístico-discursivas

■ No gênero “artigo de opinião”, a retomada é feita por pronomes,


principalmente os pessoais e demonstrativos, como esse, desses, nós,
ela, etc.
■ A linguagem utilizada, geralmente apresenta um grau de formalidade
acessível, porém, a linguagem pode variar de acordo com o estilo
usado por cada autor.
■ Os sinais de pontuação mais comuns nesse gênero são pontos finais, a
fim de finalizar uma frase; pontos de interrogação, para trabalhar a
questão da problematização acerca do tema; e, ainda, pontos de
exclamação (porém, menos comum), para enfatizar uma ideia.
■ O tom do texto no “artigo de opinião” é variável, podendo ser
objetivo, irônico, moralista, etc. Pode haver também o uso de
metáforas no texto, mas não ocorre com frequência.
■ Nesse gênero, é frequente a voz do autor do discurso, por isso, é
comum a escrita em primeira pessoa, com indícios claros de
subjetividade, porém, o texto também pode ser redigido em terceira
pessoa.
Referências
■ BRONCKART, J. P.. Atividades de linguagem, textos e discursos: por um
interacionismo sócio discursivo. Trad. Anna Rachel Machado e Péricles
Cunha. 2. reimpressão. São Paulo: EDUC, 2003.
■ KOCK, I.V.; ELIAS, V. M.. Ler e compreender: os sentidos do texto. São
Paulo: Contexto, 2006.
■ MARCUSCHI, L. A.. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In:
Dionísio, Ângela Paiva; Machado, Anna Rachel; Bezerra, Maria Auxiliadora.
(Org.). Gêneros Textuais & Ensino. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2002, v., p.
19-36.
■ RODRIGUES, R. H.. Os gêneros do discurso na perspectiva dialógica da
linguagem: abordagem de Bakthin. In: MEURER, J. L.; BONINI,Adair;
ROTH, Desirée Motta. Gêneros: teorias, métodos, debates.São Paulo: Parábola
Editorial, 2007. p. 154-183.