Você está na página 1de 24

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ

Campus de Cornélio Procópio


CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

RESENHA DE FILME/CRÍTICA DE CINEMA


Análise do gênero

Aluna: Ana Carolina de Castro Batista


Professora: Bruna Barbosa
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

O QUE É RESENHA? O QUE É CRÍTICA?


 A resenha é uma produção de texto cuja
finalidade é descrever e avaliar acontecimentos
de forma crítica, permitindo ao leitor conhecê-la
através do ponto de vista do escritor.
 A crítica segundo Netrovski (2007) é uma forma
de avaliar cada detalhe e partes da obra como um
todo, fundamentada em argumentos
significativos que comprovem a interpretação.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

CRÍTICA OU RESENHA? PERTENCEM AO MESMO


GÊNERO OU SÃO DIFERENTES?
 A resenha ou crítica é um gênero jornalístico e
acaba sendo atrelada aos objetivos consumistas
do mercado.
 No entanto para Valente (2000) o crítico é aquele
que consegue apresentar um novo olhar ao leitor
sobre a obra analisada, para ele há jornalistas
que dizem ser críticos mas que não o são.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Segundo Barros (2008), foi detectado em suas


pesquisas que muitos profissionais que atuam
como resenhadores nos periódicos de grande
circulação nacional, ao se referirem ao gênero
com o qual trabalham o denominam
“resenha”, mas ao reportarem seu papel social
utilizam o termo “crítico”. Há aqueles que
usam somente o termo “crítico” e há outros
que usam ora um termo, ora outro.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

A CRÍTICA CINEMATOGRÁFICA
 Para Berbare (2004), criticar um filme é observar
detalhes, identificar as características típicas das
obras, compará-las a outras do gênero, criticar e
elogiar o filme.
 Um bom crítico na visão de Valente (2000) é
aquele que faz da obra de outra pessoa a
matéria- prima de sua própria criação artística,
produzindo uma obra que dialoga com a
primeira.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Ainda, segundo Valente (2000) afirma que o


crítico deve ter acesso a obra e analisá-la
segundo sua bagagem de conhecimento sobre
aquela área ou outras áreas do saber. Para
obter um resultado significativo o crítico não
deve apenas reproduzir mecanicamente
pensamentos e ideias, mas atuar de forma
criativa e peculiar.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Berbare (2004) propõem perguntas que podem


nortear a produção do gênero:
Qual é o gênero cinematográfico do filme (drama,
comédia, suspense...)?; De que trata o filme (qual é o
seu enredo)?; De que modo o tema foi tratado ( de
maneira comum ou com algum enfoque especial)?;
Tem ele alguma característica especial (efeitos
especiais, figurinos, etc)?;qual é o público alvo do
filme?; qual é a duração do filme?; Quem é o diretor
(informações sobre outros trabalhos, premiação)?; O
filme é premiado ou está concorrendo a algum
prêmio?; Qual é o ano de produção e o seu país de
origem?
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

CAPACIDADES DE AÇÃO DO GÊNERO


 Prática social: entretenimento e análise
crítica;
 Esfera de circulação: jornalística e acadêmica,
transita entre o campo jornalístico e cultural;
 Suporte: Jornais, revistas e web;
 Características principais: Resumo do filme,
crítica relacionada à obra, direção
cinematográfica, aspectos contextuais e
teóricos e a opinião do crítico.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Emissor: jornalista ou crítico (intelectual);


 Faixa etária dos interessados: Depende do
gosto fílmico e do conteúdo apresentado;
 Papel discursivo do emissor: desenvolver um
olhar crítico sobre a obra, entreter o leitor e
proporcionar à ele o conhecimento dos
detalhes da obra, sejam eles implícitos ou
explícitos.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Papel discursivo do destinatário: Conhecer o


filme de forma mais detalhada, podendo
desenvolver um senso crítico e compartilhar
suas impressões e descobertas sobre o
conteúdo;
 Finalidade de produção do gênero:
compartilhar de forma crítica as características
presentes no texto fílmico, mostrando um
novo olhar para o leitor/espectador
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Relação estabelecida entre o produtor e o


destinatário: comercial e afetiva;
 Valor atribuído pela sociedade: A resenha de
filme possui um valor significativo à sociedade
quando proporciona a reflexão sobre os mais
variados temas expostos no filme. No entanto
nem sempre é atribuído um valor à produção.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

ANÁLISE DE RESENHAS DO FILME “ESCRITORES DA


LIBERDADE”.
(Capacidades de ação)
 Temas: violência na escola, divisão de classes,
racismo, intolerância com as diferenças,
preconceito e dificuldades do professor em sala
de aula;
 Objetivos: Trazer a tona a reflexão sobre as
dificuldades do professor e do aluno no contexto
escolar e as desigualdades sociais existentes em
nossa sociedade;
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

“A história do filme se passa no ano de 1992, baseada em fatos reais, e


relata o drama vivido por adolescentes de uma cidade que na época era
palco de guerra entre gangues motivadas pela intolerância ao diferente,
racismo, desigualdades e injustiças”. (Resenha do filme escritores da liberdade: Sala
203- A sala dos desafios e superações)

“Ao chegar à referida turma ela depara-se com adolescentes conflituosos,


que vivem em uma dura realidade com problemas causados pela
violência, rejeição, entre outros. A princípio, os alunos não demonstraram
nenhum interesse pelas aulas, não corresponderam ao seu modelo de
ensino tradicional, tornando -se frustrante os primeiros encontros. Era
ignorada a ponto de ficar sozinha na sala de aula”. (Resenha do filme escritores
da liberdade: Sala 203- A sala dos desafios e superações)
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

“A professora enfrentou todas as dificuldades sem desistir, acreditando


que podia mudar aquela realidade. Investiu, de todas as formas nesses
“excluídos da sociedade”. Comprou livros para estimular a leitura,
promoveu viagens culturais, visitas a museus, incentivou os alunos a
escreverem uma carta à protetora de Anne Frank (durante o holocausto),
MiepGies, e organizarem a vinda dela à escola para conversar com a
turma”. (Resenha do filme escritores da liberdade: Sala 203- A sala dos desafios e
superações)

“O filme traz esclarecimentos de grande importância pra todos aqueles


que acreditam e buscam na educação uma forma de amar, compreender e
renovar o mundo”. (Resenha do filme escritores da liberdade: Sala 203- A sala dos
desafios e superações)
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

“A história tratada no filme faz refletir sobre a função do professor que não
deve ater-se somente ao plano curricular obrigatório, devendo assim
saltar além, adequando o ensino de acordo com a necessidade e realidade
dos alunos”. (Resenha do filme “Escritores da Liberdade”, por Eduardo Menegazzo dos
Santos)

“A mudança necessita de conscientização de cada um, da


consciência política e formação cultural e intelectual na sociedade,
depende do trabalho coletivo, colaborativo e participativo na
sociedade para que sejam efetuadas mudanças significativas em
nossa história, em nossa educação”. (Resenha do filme “Escritores da
Liberdade”, por Eduardo Menegazzo dos Santos)
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

CAPACIDADES DISCURSIVAS

Discurso: Expor teórico e interativo, pois descreve o


filme, apresentam teorias que abrangem o tema e
deixa marcas de quem fala e para quem fala,
quando o crítico deixa sua opinião sobre a obra e
elabora seu discurso de acordo com o receptor.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

“O respeito e autoconfiança é resgatado, a Senhora G como os alunos a chamam,


apresenta uma nova realidade possível de transformação como aponta Paulo
Freire em sua obra Pedagogia do Oprimido, os alunos saem da condição de
marginalidade de oprimidos e iniciam no campo das possibilidades, ao lutarem
pelos seus ideais, pelas suas conquistas ao enfrentarem os obstáculos, não mais
com a violência, mais com o conhecimento”. (Resenha ‘Escritores da Liberdade’, por
Maryanne Peixoto)

“O filme Escritores da Liberdade traz na sua essência o resgate e a valorização a


‘Educação’, é possível ser um educador sem ser ditador, é um filme de fácil
entendimento e que traz significativas abordagens no seu contexto.
Recomendado ao público de graduação ou especialização em pedagogia, ainda a
quem perceba na educação uma forma de autonomia e que, com a cultura e
conhecimento têm-se bases para o que o mundo seja melhor e mais digno para
todos”. (Resenha ‘Escritores da Liberdade’, por Maryanne Peixoto)
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

Estrutura: Título, referências bibliográficas da


obra, dados bibliográficos do autor da obra
resenhada, informações do filme (data de
estréia, gênero cinematográfico, duração,
diretores, atores, etc.), a sumarização do
enredo, a asserção valorativa de alguns aspectos
da obra e a avaliação crítica
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

Resenha: Escritores da Liberdade


ESCRITORES DA LIBERDADE. Direção: Richard Lagravenese. Produção: Richard
Lagravenese. Roteiro: Richard Lavagranese, Erin Gruwell, FreedomWriters.
Elenco: Hillary Swank; Patrick Dempsey; Scott Glenn, ImeldaStaunton; April
Lee Hernandez; Kristin Herrera; JacklynNgan; Sergio Montalvo; Jason Finn;
DeanceWyatt. EUA/Alemanha, 2007. Duração: 123 min. Genero: Drama.
Resenhado por: Maryanne Peixoto Corrêa
Richard Lagravenese tem 48 anos, nasceu em 30 de Outubro de 1959 nos
EUA, é produtor e tem vários longa metragem, como: P.S. Eu Te Amo em
2007; Paris Eu te Amo 2006; A década UndertheInfluencer 2003, e escritores
da Liberdade em 2007.
Escritores da Liberdade é um filme classificado como gênero de Drama. O
filme é baseado em fatos reais, estrelado pela atriz Hillary Swank, que vive a
personagem da professora “Erin Gruwell”. A história se passa por volta do ano
de 1992, onde a cidade de Los Angeles vive uma verdadeira guerra nos seus
bairros mais pobres, causados por gangues que são movidos pelas tensões
raciais (...)
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Imagens: Geralmente acompanha fotos e


figuras que ilustrem o filme resenhado, no
entanto as resenhas analisadas não
apresentam figuras ou imagens;
 Assinatura: É assinado pelo autor que se
responsabiliza pelo conteúdo publicado nas
revistas, jornais, sites, etc;
 Conteúdo: Organizado em parágrafos;
 Sequência predominante: Descritiva e
argumentativa
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

CAPACIDADES LINGUÍSTICO- DISCURSIVAS


 Retomadas textuais: Pronomes;
 Estratégias: Substituição por sinônimos;
 Grau de valoração nas retomadas: Mostrar e
convencer o leitor a compreender o texto
fílmico, construindo seu próprio ponto de
vista;
 Conectivos utilizados: lógicos (mas, enfim,
assim, a partir, então, etc.)
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

 Variedade linguística privilegiada: formal;


 Sinal de pontuação mais utilizado: Ponto final;
 Tom do texto: Superioridade, alguém que é
especialista apreciando uma obra
recomendando-a ou não ao leitor;
 Elementos paratextuais: Imagens que
ilustram o filme;
 Elementos supratextuais: Títulos e subtítulos
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

REFERÊNCIAS
ARENDT, H. A crise na educação. In: _________. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Ed.
Perspectiva, 2001, p. 21-53.
BARROS, E. M. D. de. A apropriação do gênero crítica de cinema no processo de letramento.
Londrina, 2008.
BERBARE, Â. P.Crítica de cinema: caracterização do gênero para projetos de produção escrita na
escola. In: LOPES- ROSSI, Mª Apª (org.) Gêneros discursivos no ensino de leitura e produção de
textos. Taubaté/SP: Cabral, 2004, p. 41- 58.
CHARAUDEAU, P. La presse: produit, production, réception. Paris: Didier, 1988, p. 47- 70: La
critique cinématographique: fairevoiretfaireparler.
DIGESTIVO CULTURAL. O que é crítica afinal. Disponível em:
<http://www.digestivocultural.com/blog/post.asp?codigo=1601&titulo=O_que_e_critica,_afinal?
> Acesso em: 26/03/17
FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e
Terra, 2011.
INFOESCOLA. Resenha.disponível em: <http://www.infoescola.com/redacao/resenha/> acesso
em: 26/03/17
MACHADO, A.R. LOUSADA, E.; ABREU-TARDELLI, L.S. Resenha. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ
Campus de Cornélio Procópio
CENTRO DE LETRAS, COMUNICAÇÃO E ARTES

MELLO, J. M. A opinião no jornalismo brasileiro . Petrópolis/RJ: Vozes, 1985.


MORIN, E. Da necessidade de um pensamento complexo. IN: MARTINS, F. M.;SILVA, J. M. Para
navegar no século XXI: tecnologias do imaginário e cibercultura. 2° ed. Porto Alegre,
Sulina/EDIPUCRS, 2003.
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: UNESCO, Editora Cortez,
2000.
PORTAL EDUCAÇÃO. Resenha do filme: Escritores da Liberdade. Disponível em:
<https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/pedagogia/resenha-do-filme-escritores-
da-liberdade/13704> Acesso em: 24/06/2017
RECANTO DAS LETRAS. Resenha: Escritores da Liberdade. Disponível
em:<http://www.recantodasletras.com.br/resenhasdefilmes/1173723> Acesso em: 24/06/2017
RESENHA DO FILME ESCRITORES DA LIBERDADE. Sala 203- A sala dos desafios e superações.
Disponível em: <http://castelobrancocientifica.com.br/img.content/artigos/artigo56.pdf> Acesso
em: 16/05/2017
SCHWARTZMAN, S. A questão da inclusão social na universidade brasileira. Instituto de Estudos
do Trabalho e Sociedade – IETS. 2006, Disponível em: <
http://www.schwartzman.org.br/simon/nclusao_ufmg.pdf > Acesso em 11 nov. 2008.
VIEIRA, Orlandi D. As universidades públicas no contexto das transformações sociais. Sindicado
dos Trabalhadores da UNESP. 2007, Disponível em: <
http://www.sintunesp.org.br/campsal2007/As%20universidades%20no%20contexto%20das%20
mudan%C3%A7as.pdf > Acesso em 07 nov. 2008.