Você está na página 1de 162

Atualização em Língua

Portuguesa
Professor André. Ramos
Ortoépia...
Elementos da fala que,
porém aparecem na
escrita.
Português Brasileiro / língua viva

1. “os menino pegou o pexe”


2. “a ambulância levou ela lá”
3. “era pra mim telefonar”
4. “já falei com o adevogado”
Gramática (contexto escolar)

1.“os meninos pegam o peixe”


2.“a ambulância a levou”
3.“era para eu telefonar”
Ortografia Oficial
Desconstrua...

A–E–I–O–U
Escreve-se com a letra E:

1. PONTUE agora, para não PONTUAR amanhã”.


2. CONTINUE a ler, pois amanhã não poderá
CONTINUAR”
3. ABENÇOE para Deus te ABENÇOAR
4. Antebraço / Anticristo
Os seguintes vocábulos
• Arrepiar • Arrupiar/arripiar
• Cadeado • Cadiado
• Creolina • Criolima
• Empecilho • Impecilho
• Disenteria • Desinteria
• Seringa • Siringa
• Enfermagem
• Infermagem
Emprega-se com I:
1.Forma verbal 1. Diminui / diminuir.
–UIR Possui / possuir.

2. ANTItetânico
2. Prefixo Anticristo, antiestético.
ANTI (contra)
Cuidado...
•PENICILINA e não
PINICILINA OU
PELICILINA
CUIDADO COM OS PARÔNIMOS
1. Emergir 1. = vir à tona
2. Imergir 2. = mergulhar
3. Descrição 3. = descrever
4. Discrição 4. = discreto
5. Soar 5. = emitir som
6. Suar 6. = expelir suor
Emprego da Letra C
O C, seguido de E e I, tem som de Ç ou SS...

Exemplo: “amanhece”, “decida”, “nascer”, “pacificar”, etc...

Observe essas palavras: (cipó, cacimba, piracicaba,


poracema, araci, cacique, alface, acicate, ceifa, cetim...).

Após ditongos: foice, coice, beicinho, loucinha...


Agora o Ç
Observem:
C = “ss” ou “ç” porém seguido de “E” e “I”
(foice).

Mas o “Ç” será usado antes das vogais: (a, o, u)


*CABEÇA / CABECINHA / DOCE
Também se usa o “Ç”...
1. Nos grupos... “cachaça, açaí, açucena, açúcar, Juçara,
Moçambique, maçom, miçanga...”.

2. Se as palavras estiverem o radical “to” (observem abaixo)

Exemplo: “ato” = ação, “atento” = atenção, “intento” =


intenção, “direto” = direção, “exceto” = exceção
Observem este grupos...

*feição, louça, eleição, traição,


caiçara, precaução, arcabouço
Escreve-se com G:
Agem, igem ugem, • Carruagem,
ágio, égio, ógio, garagem, vertigem,
massagem, origem,
úgio estágio, refúgio,
(e derivados) relógio, contágio.
Cuidado com essas palavras...

*álgebra, algema, agiota,


herege, sargento, gengibre,
geleia.
Palavras iniciadas pela vogal A

Agente, agência, agendar, ágil, agir,


agitar, ágil
Escrevem-se com J:
Terminadas em (JÁ) e derivados

1. Laranja ( laranjeira, laranjinha)


2. Loja ( lojinha, lojista)
3. Granja (granjeiro)
Origens Tupi-guarani ou Africana:

•Canjica, jenipapo, jerônimo,


berinjela, jegue, majestade,
manjedoura, sujeira, traje.
• a) na terminação -aje: “ultraje, traje, laje”.
• b) nas formas verbais terminadas em -jar e
seus derivados: “arranjar, arranjem; viajar,
viagem; despejar, despejem”.
• c) em palavras de origem tupi: “jiboia, pajé,
jenipapo”.
• d) nas palavras derivadas de outras que se
escrevem com J: ajeitar (de jeito), laranjeira
(de laranja).
Uso do “X”

•a) Normalmente após ditongo: caixa,


peixe, faixa, trouxa.

• Curiosidade: Caucho e seus derivados


(recauchutar, recauchutagem) são escritos com CH.
b) normalmente após a sílaba inicial
“en​” enxaqueca, enxada, enxoval,
enxurrada.

Curiosidade: Usaremos CH depois da sílaba


inicial en- caso ela seja derivada de uma com
CH: de cheio = encher, enchimento.
c) depois da sílaba inicial me​-:
mexer, mexilhão, mexerica.

Curiosidade: Mecha e seus


derivados são com CH.
Acordo Ortográfico
“o que mudou ?”
Em Relação ao Trema
Antes Depois

• Lingüiça • Linguiça
• Cinqüenta • Cinquenta
Emprego do hífen
???????????????
Exemplo 01
•Super-homem
•Pré-história
•Mal-humorado
•Mega-homenagem
Exemplo 02
• Segunda-feira
• Beija-flor
• Mesa-redonda
• Laranja-lima
• Tio-avô
• Tenente-coronel
• Tic-tac
Exemplo 03

•Verde-amarelo, surdo-mudo,
luso-brasileiro, indo-europeu
Exemplo 04

•Ante, anti, arqui, auto, circum, contra,


extra, hiper, infra, inter, intra, semi,
sobre, super, ultra, aero, fato, macro,
maxi, micro, mini, neo, pan, proto,
pseudo, retro, tele
Exemplo 05

•Anti-inflamatório
•Micro-ondas
Quando não usar o hífen

•Autoescola
•Antiaéreo
Aglutinação

•Girassol, manda chuva,


ponta pé, para quedas
•Azeite de dendê
•Lua de mel
•Agua de coco
•Dia a dia
•Café com leite
Exceção...
•Água-de-colônia
•Arco-da-velha
•Cor-de-rosa
•Bico-de-papagaio
•Pão-de-leite
Algumas observações
• Além do prefixo SUB, também diante do
sufixo iniciado por “R”. Sendo assim;
(sub-região, sub-raça)

• Com prefixo “circum” e “pan” diante da


palavra iniciada por “m”, “n” e vogal
(pan-americano / circum- navegação).
• O prefixo “co” aglutina-se com o sufixo
(coordenador, coerdeiro).

• Com os prefixos “vice, vigo, grã, além, aquém,


ex, recém, sem, soto, par” (exceto “para
quedas e derivados)
Nunca se usa o hífen com...
•O prefixo “re” (reescrever, reeleito)

•Com os prefixos “in” e “des” juntos


com palavras por “h” essa consoante
cai e não se emprega hífen
(inabilidade, desumano)
Mal...
• Usa-se o hífen apenas quando a palavra
seguinte começar por vogal “h” ou “l”
(mal-estar, mal-humorado, mal-limpo).

• Obs: Quando o mal significa doença, usa-se o


hífen se não houver elementos de ligação
(mal-francês)
NOVO ACORDO

Regras de Acentuação
FAB – EEAr – SARGENTO – 2/2011
20. A ausência do acento gráfico pode modificar a classe gramatical
de uma palavra. Em qual das alternativas há uma palavra que, se
não for acentuada, deixa de ser um substantivo e passa a ser um
verbo?

A) inocência, ignorância, frequência


B) Carênvia, frangância, polícia
C) Comício, fascínio, decência
D) Palácio, domínio, ciência
•Regra de Acentuação para
Monossílabas Tônicas Acentuam-
se as terminadas em:
a, e, o.
• Ex.: má(s), trás, pé(s), mês, só(s),
pôs...
• Médico
• Xícara
• Único
•Proparoxítonas • Gramática
• Linguístico
• Exército
PAROXÍTONAS ...
• Acentuam-se as terminadas em ditongo crescente
ou decrescente: ão(s) e -ã(s), tritongo e qualquer
outra terminação (l, n, um, r, ns, x, i, is, us, ps),

• Ex.: história, cáries, jóquei(s); órgão(s), órfã, ímãs;


águam, enxáguem; fácil, glúten, fórum, caráter,
prótons, tórax, júri, lápis, vírus, fórceps.
Oxítonas...
•Acentuam-se as terminadas em:
a, e, o, em ens.
•Ex.: sofá(s), axé(s)*, bongô(s),
vintém(éns), parabéns (éns)...
Hiatos tônicos...
• Acentuam-se com acento agudo as vogais I e U
tônicas (segunda vogal do hiato!), isoladas ou
seguidas de S na mesma sílaba, quando
formam hiatos.
• Ex.: sa-ú-de, sa-í-da, ba-la-ús-tre, fa-ís-ca, ba-
ú(s), a-ça-í(s)...
•Cuidado!!!
1) As palavras raiz e juiz, erradamente
acentuadas por muitos, não têm acento,
porque o I no hiato tônico vem seguido
de Z, e não de S:

ra-iz e ju-iz.
•Os hiatos em I seguidos de NH na
sílaba seguinte não deverão ser
acentuados:

ra-i-nha, ta-bu-i-nha, la-da-i-nha,


cam-pa-i-nha...
• 6) Em verbos seguidos de pronomes oblíquos
átonos, a regra dos hiatos continua valendo
(ignore os pronomes e siga a regra):

atribuí-lo (a-tri-bu-Í),
distribuí-lo (dis-tri-bu-Í)...
Ditongos Abertos...

•Acentuam-se os ditongos abertos ÉI, ÉU,


ÓI, seguidos ou não de S.

•Ex.: céu, méis, Góis, coronéis, troféu(s),


herói(s), Méier, destróier, aracnóideo...
Regra de Acentuação para os
Hiatos EEM e OO
•Não se acentuam mais os hiatos O-O e
E-EM (nos verbos crer, dar, ler, ver e
derivados).
Ex.: en-jo-o, vo-o, cre-em, des-cre-em, de-
em, re-le-em, ve-em, pre-ve-em...
Observações:
•Não se usa mais o acento que diferenciava
os seguintes pares:

•1) Pára (verbo) / para (preposição):


“Ele sempre para para assistir aos jogos do
Bahia”.
Cuidado:
• 1) Permanece o acento diferencial em pôde/pode. Pôde é a
forma do passado do verbo poder (pretérito perfeito do
indicativo), na 3.a pessoa do singular. Pode é a forma do
presente do indicativo, na 3.a pessoa do singular. Ex.:
Ontem ele não pôde sair mais cedo, mas hoje ele pode.

• 2) Permanece o acento diferencial em pôr/por. Pôr é


verbo. Por é preposição. Ex.: Vou pôr o livro na estante
que foi feita por mim.
A Tríplice Finalidades dos
sinais de pontuação.
Separar Esclarecer
Assinalar as palavras, o Sentido
Pausas e Expressões das frases.
as e Orações
Inflexões que devem ser
da voz. destacadas.
A vírgula
• Ela pode sumir com seu dinheiro.
• 23,4.
• 2,34.
• Pode ser autoritária.
• Aceito, obrigado.
• Aceito obrigado.
•Pode criar heróis.
•Isso só, ele resolve.
•Isso só ele resolve.

•E vilões.
•Este, juiz, é corrupto.
•Este juiz é corrupto.
•Ela pode ser a solução.
•Vamos perder, nada foi resolvido.
•Vamos perder nada, foi resolvido.

•A vírgula muda uma opinião.


•Não queremos saber.
•Não, queremos saber.
Emprego da vírgula
Vírgula (período simples)

1. Para separar vocativo 5. Para separar os adjuntos


adverbiais, principalmente se
estiverem deslocados.
2. Para separar aposto explicativo

6. Para indicar, não


3. Para separar predicativo obrigatoriamente, a supressão de um
deslocado verbo
(zeugma ou elipse):
4. Para separar palavras e expressões
de natureza explicativa, conclusiva,
retificadora, ou enfática de modo 7. Para indicar data comercial
geral (palavras denotativas)
Observação:
“Para racionalizar a pontuação, é
imprescindível que você tenha
compreendido a sintaxe da oração e do
período. O emprego da vírgula, está
vinculado a percepção sintática”.
Vírgula (período simples)
Para separar termos coordenados
(mesma função sintática)

•Ex: É livre a expressão da atividade


intelectual, artística, cientifica e de
comunicação, independente de censura ou
licença.
Para separar VOCÁTIVOS
“Tupã, ó Deus grande! Cobriste o teu rosto”.

“Guerreiros, ouvi-me!” (Gonçalves Dias)

“Dorme , cidade maldita, teu sono de escravidão!...”


(Castro Alves).
Emprego da vírgula no Aposto é termo acessório na
Período Simples oração que sempre se liga a
um nome que antecede com
função de explicar,
● Para separar APOSTO: exclarecer, identificar,
discriminar esse nome.

André Ramos, “boca de ouro”,


voz empostada, cristalina,
anuciava a notícia [...]
Aposto explicativo

“A informação estava num papel escrito à


mão pelo tucano Márcio Machado, secretário
de obras de Arruda”.
Observação
• [...] a família [...] estava autorizada a viajar no navio “Cità di
Roma”, que partiria de Gênova com destino a santos – Brasil [...].

Apostos justaposto
(personativos,
locativos e
intitulativos) não se
separam por
virgula.
Para separar predicativo deslocado

•André, alegre, fez uma boa


proposta
Para separar palavras e expressões de
natureza; explicativa, conclusiva, retificadora,
ou enfática de modo geral (palavras
denotativas).

•Além disso, aliás, a saber, assim, bem,


com efeito, como dizer, demais, enfim,
ou seja, ou melhor, por exemplo, entre
outras.
Para separar os adjuntos
adverbiais, principalmente se
estiverem deslocados

• No dia 12 de dezembro, a Itália relembra os 40


anos do primeiro grande atentado terrorista no
brasil
Para indicar, não obrigatoriamente, a
supressão de um verbo
(zeugma ou elipse).

Eu fui de ônibus; ela, de avião


Para indicar data comercial

Brasília, 5 de fevereiro de 2011


VÍRGULA NO PERÍODO COMPOSTO

Para separar orações coordenadas


assindéticas

Ex: Defenda a vida, denuncie a


homofobia.
•Para separar a oração coordenada aditiva
sindética, quando seu sujeito é diferente do
da oração anterior.

Ex: Compareci às urnas, enfrentei uma enorme


fila, e o meu voto foi registrado.
Para separar orações coordenadas
aditivas (quando a finalidade é
realçar a oração iniciada pela
conjunção “e”)

Ex: O deputado denunciou o fato, e apresentou


provas incontestáveis.
Para separar as orações
coordenadas adversativas.

Ex: Eles dirigem carros novos, estudam


nas melhores escolas e faculdades, mas
foram atraídos para o crime.
Para separar as orações
coordenadas conclusivas.

Ex: Penso, logo existo.


Para separar as orações coordenadas
explicativas:

Ex: Conforme-se, porque a vida é assim


mesmo.
Para separar as orações subordinadas
adverbiais da sua principal, sobretudo quando
antepostas ou intercaladas:

Ex: A união, os estados, o distrito federal e os municípios,


desde que instituam regime de previdência complementar
para os seus respectivos servidores titulares de cargo
efetivo, poderão fixar, para o valor de aposentadoria...
Para separar orações interferentes:

Ex: A faixa de população de longe mais


crítica, diz ele, é aquela que começou a
progredir...
• (FGV – PC/RJ – Inspetor – 2008)
Porém, havendo um número “excepcionalmente elevado” de estrangeiros, estes
podem ser mesclados aos presos comuns, e as famílias podem ser separadas. (L.30-
33)
No trecho acima, seguindo as regras da boa discursividade, utilizou-se
apropriadamente a vírgula antes da conjunção e.
Assinale a alternativa em que isso não tenha ocorrido.
a) Eles se esforçaram muito, e acabaram sendo reprovados.
b) Eles chegaram à janela muito timidamente, espiaram com cuidado, e depois
abriram um sorriso.
c) A turba gritava, e vociferava, e brandia ameaçadoramente.
d) Fiz, e faria tudo novamente.
e) Ele esperava, naquela tarde, a chegada do malote, e, depois, ela esperaria após
anoitecer.
Ponto e Vírgula
Para marcar uma pausa maior do que a da vírgula. Seu objetivo é
colaborar com a clareza do texto.

Separar orações coordenadas assindéticas, normalmente entre trechos já


separados
por vírgula (ou outros sinais de pontuação), marcando uma enumeração.
– As leis, em qualquer caso, não podem ser infringidas; mesmo em caso de
dúvida, portanto, elas devem ser respeitadas.
Expressões Lexicais
Abaixo-Assinado X Abaixo Assino

*Abaixo-Assinado:
Solicitação coletiva

*Abaixo Assinado:
Assinatura de documento
Acerca de / Cerca de / Há cerca de
*Acerca de:
sobre, a respeito de
*Cerca de:
aproximadamente, perto de, próximo de
*Há cerca de:
expressão precedida de forma verbal
Aferir / Auferir
Aferir: conferir, Avaliar
Ex: “Alguns professores não estão mais habilitados
aferir o nosso conhecimento”.

Auferir: Obter lucros


Ex: “No ano passado, a maioria dos bancos auferiram
lucros invejáveis”.
Afim / A Fim de
Afim:
semelhante, próximo
Ex: “Química e física são matérias afins”.

A fim de:
locução que indica finalidade, equivalente a “para”
Ex: “Fui a prefeitura, a fim de, conseguir um emprego”.
À medida que: / Na medida em que:

À medida que: locução conjuntiva proporcional


Ex: os brasileiros perdem o medo da gripe suína à medida
que o inverno termina.

Na medida que: Locução conjuntiva rejeitadas por alguns


gramáticos, todavia cobradas em provas de concursos.
Ao invés de: / Em vez de:
Ao invés de:
locução prepositiva “ao contrário de”.
Ex: “Ao invés de André, Ele assumiu: sou gay”.
Em vez de:
“troca, “substituição”, “em lugar de”
Ex: “em vez de você ficar pensando nele,
em vez de você viver chorando por ele,
Pense em mim...
De Encontro a / Ao Encontro de
•De encontro a:
oposição, contrariedade

•Ao encontro de:


direção, a favor de
Morfossintaxe
Classe de palavras do Português
Brasileiro.
Classes Gramaticais
Substantivos Verbo
(regente) (Regente)

Adjetivos Advérbio
Artigo Preposição
Numeral Conjunção
Pronome Interjeição
•Contexto Oracional
•Nível Fraseológico
•Relação Sintagmática
•Termo Regente
•Termo regido
Substantivos
(pode desempenhar quase todas as funções sintáticas)

A. Um homem muito rico deixou suas terras para os filhos”.


(Sujeito).
B. “Um homem muito rico deixou suas terras para os seus filhos”.
(Objeto).
C. “Um homem muito rico deixou suas terras para os seus filhos”.
(Objeto indireto).
D. “Os jovens foram levados pelos soldados do rei”.
Observação em relação ao
substantivo...
“...isso significa que palavras de qualquer outra classe que
apareçam em uma dessas posições equivalerão,
obrigatoriamente a substantivos. veja alguns exemplos:
a) “Ler essa crônica me faz bem (“=a leitura dessa crônica
me faz bem”.) Verbo no infinitivo assumindo o papel do
substantivo.
b) “Um homem era dono de muitas terra. Ao morrer, deixou-
as para os filhos (pronome exercendo a função do
substantivo)
Adjetivo... (atributos ou propriedades)
“No ano Seguinte, uma seca
terrivel, se abateu sobre o pais, e
as terras dos seus irmãos foram
devastadas...”
Podem ser...
1. Classificadores; que atribuem aos
seres propriedades que apenas os
classificam no que diz respeito a tempo,
espaço, origem etc.: boletim mensal,
período natalino, eclipse lunar, prato
goiano;
E também...
2. Qualificadores- que expressam
noções referentes referencialmente
variáveis ou decorrentes de opinião:
coisa tão maravilhosa, lindo cavalo
branco, oásis fértil.
Questão de Prova (FGV/SERMS/Técnico)
...estou somente querendo fazer uma gracinha da moda, reclamou da
injustiça para com os demais países. No que Deus teria replicado que
esperassem o povinho ordinário que Ele ia botar naquela terra
magnifica.

A palavra demais classifica-se como:


A) Adjetivo biforme
B) Advérbio
C) Pronome adjetivo
Numerais...
“Classe de palavras usadas para
indicar uma quantidade exata de
pessoas ou coisas, ou para
assinalar o lugar que elas
ocupam em uma série”.
Podem ser...
A.Cem é a mrtade de duzentos. (Cardinais)
B.Ordinais... “os primeiros raios de sol”.
C.Os multiplicativos, podem equivaler a
adjetivos; “chope duplo”
D.Os fracionários “esteve aqui há meia
hora”.
Artigo
“É a palavra gramatical variável em
gênero e número que, no texto, se antepõe
ao substantivo quanfo o enunciador se
refere a uma entidade determinada, já
conhecida pelo interlocutor”.
Observem...

“Tenho um cavalo”.
Artigos definidos se comportam diferentes

A.“As vezes viamos um ou outro cavalo


selvagrm naquela região”.
B.“As vezes víamos o ou outro cavalo
selvagem naquela região”.
Questões de prova
(concurso) cadê o artigo?

“esse paradigma compreende certo


número de ideias e valores que diferem
nitidamente dos da idade média, valores
que estiveram associados...”
Pronome
“Segundo a gramática tradicional,
oe pronomes podem podem substituir
um substantivo ou acompanha-lo,
determinando a extensão de seu
significado”.
Podem ser...
1. Pessoais (do caso reto: eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles,
elas) ou oblícos: (me, mim, comigo, o, a, lhe, etc.)
2. Tratamento: o senhor, vossa excelência, você
3. Demonstrativo: este, Isso, aquilo, etc.
4. Indefinidos: cada, algum, todo, qualquer, etc.
5. Interrogativos: que, quem, qual, quanto.
6. Relativos: que, o qual, quem, cujo, quanto.
Verbo
“classe de palavra que exprime o que se
passa, isto é, um acontecimento
representado no tempo”. (CUNHA; CINTRA, 2001,
p. 379)
Número/pessoa
Vivo
Vivemos
Vive
viveram
Tempo...
“...no momento da enunciação”.
(quero, vive)

“...momento anterior da enunciação”.


(vivia, viveu, tinha vivido)

“...momento posterior”.
(viverá, viveria, terá vivido
Modo...
“a categoria de modo está relacionada à atitude
que o enunciador assume diante dos fatos
enunciados”.

1. Modo Indicativo
2. Modo subjuntivo
Transitivos e Intransitivos
Intransitivos: quando o processo está integralmente contido na forma
verbal e não se faz necessário um complemento (“as fontes secaram, o
gado morreu).

Transitivos direto: quando exigem um complemento para lhes


completar o sentido (“comprou um lindo cavalo branco”).

Transitivo Indireto: “implicava com a irmã”.


Advérbio
“Um modificador do verbo”

“quero contar para vocês a estória que mais tenho


contado – não aconteceu nunca, acontece sempre
[...] o cavalo corcoveou e o lançou longe”.
Adjetivou ou outro advérbio (Referência)

1)Adjetivo = “era um homem muito rico.


Eu estava totalmente iludida.

1)Outro Advérbio = naquele dia acordei


surpreendentemente cedo.
A NGB os classificam em 7 categorias:
1. De lugar: (à direita, à esquerda, ao lado, abaixo, acima, lá, acima,
aí, ali, aqui, atrás, dentro, fora, junto, longe, para dentro, perto, por
ali.
2. De Tempo: (à noite, à tarde, agora, ainda, amanhã, anteontem, antes,
às vezes, cedo, de vez em quando, depois, em breve, entao, hoje, já,
jamais, logo, nunca, ontem, sempre, tarde.
3. De Modo: (à vontade, aos trancos e barrancos, às avessas, assim, de
má vontade, depressa, devagar, em geral, mal, melhor, pior. Obs:
“quase todos terminados em mente”. Deliciosamente, facilmente,
graciosamemte)
De negação: (não, de forma alguma, de modo algum)
De dúvida: (acaso, talvez, possivelmente, porventura,
provavelmente, quem sabe)
De intensidade: bastante, bem, demais, extremamemte,
maus, menos, muito, pouco, de todo, “pra burro” “pra
chuchu”
De afirmação: sim, certamente, com certeza, sem
dúvida
Conjunção

“Vocabulos gramaticais que servem


para relacionar duas orações ou dois
termos semelhantes da mesma
noção”.
Conjunção coordenativa

Relacionam termos da mesma funçāo


sintática:

Ex: “quer café ou chá”?


Conjunções subordinativas
“Quando uma oração exerce determinada
função sintática em relação a outra”.

Ex: o pai quando morreu, deixou terras


para o filho.
Mas o que é um texto?
• Segundo Platão e Fíorin, “não é amontoando os
ingredientes que se prepara uma receita; assim
também não é superpondo frases que se constrói um
texto”. (...) pois um texto nunca é um emaranhado de
frases. Um texto é um conjunto de frases que
“dialogam” entre si, estabelecendo determinadas
relações de sentido. Às vezes, um texto pode ser
formado por uma só frase, uma só palavra.
Operadores Argumentativos
•Os operadores argumentativos são certos
elementos da língua – normalmente
invariáveis, como advérbio, conjunção,
preposição e palavra denotativa – os quais
estabelecem determinadas relações de
sentido e concatenam as ideias dentro do
texto.
Advérbio...
• No mundo todo, ainda há pessoas sendo
exploradas como escravos.

Note que o advérbio ainda nos leva a inferir


(deduzir, concluir) que, antes do momento da
declaração, já havia pessoas sendo exploradas
como escravos.
Conjunção
• Embora muitos vivam em lugares sem infraestrutura,
a felicidade não os abandona.

Note que a conjunção embora introduz argumento de


valor negativo que se contrapõe, como
ressalva/restrição, ao conteúdo de valor positivo da
oração seguinte.
Denotativa de Inclusão
• Até o presidente brasileiro faz “vista grossa” para o
problema do trabalho infantil.

Note que a palavra denotativa de inclusão até indica que


outras pessoas, além do presidente brasileiro, ignoram o
problema.
Locução Prepositiva
• Além do tráfico de drogas e de armas, o tráfico de
pessoas é um dos mais chocantes.

• Note que a locução prepositiva além de indica um


acréscimo de informações, reforçando a argumentação.
Pressuposto

• Segundo “Platão” e “Fiorin”, pressupostos “são


ideias não expressas de maneira explícita, que
decorrem logicamente do sentido de certas palavras ou
expressões contidas na frase”. Trocando em miúdos:
algumas palavras dentro da frase “carregam”
informações implícitas.
verbo supor
• A população, manipulada, supõe que o país vai progredir
com o novo presidente.

Note que o verbo supor indica que o sujeito (A população)


considera verdadeiro o conteúdo do objeto direto (o país vai
progredir com o novo presidente). No entanto, podemos facilmente
pressupor (informação implícita) que o autor dessa declaração não
se inclui entre “A população”, ou seja, ele não supõe que o país
vai progredir com o novo presidente.
Certos adjetivos e certos numerais
– O Chevette foi meu primeiro carro.
Pressuposto: Já teve outros carros depois desse.
– A loja foi vítima de novos furtos.
Pressuposto: Já havia sido furtada antes.
– O Vasco é o último colocado na tabela.
Pressuposto: Há outros times à frente dele.
– As microempresas não recebem crédito dos bancos para cobrir
seus constantes déficits.
Pressuposto: As microempresas nunca têm lucro.
Certos Advérbios
- Os resultados da pesquisa ainda não chegaram até nós.
Pressuposto: Os resultados já deviam ter chegado ou os resultados vão chegar
mais tarde.
– O prefeito está menos popular.
Pressuposto: O prefeito antes era mais popular.
– Como Paulo atravessou o rio?
Pressuposto: Paulo atravessou o rio.
– Quando você volta a estudar?
Pressuposto: Já estudou, não está estudando no momento e estudará em
algum momento.
Certas Palavras Denotativas
Com ideia de inclusão: inclusive, ainda, mesmo, até, também, nem
mesmo...
– Até as mais eminentes autoridades políticas demonstraram sua
revolta contra aquele ato terrorista.
Pressuposto: Outras pessoas, além das eminentes autoridades
políticas, manifestaram sua revolta.
Com ideia de exclusão: apenas, só, somente, exceto, menos...
– Só servimos champanhe na festa.
Pressuposto: Nenhuma outra bebida se serve na festa.
Certos verbos que indicam um ponto de
vista sobre um fato...
Conheça: pretender, supor, alegar, presumir, imaginar...
– Os jornalistas imaginam que nada do que fazem e
dizem terá consequências.

Pressuposto: Para os jornalistas, o conteúdo do


complemento de imaginar é verdadeiro, mas, para o
autor da declaração, é falso.
Produção Textual
Prof. André Ramos
Coesão e Coerência
Bem, até aqui entendemos o que é um texto, conhecemos os
tipos de texto e suas características. Agora, precisamos ir mais
a fundo. Para que entendamos bem um texto, existe a
premente necessidade de sabermos que,

1) se ele é um conjunto de frases que se relacionam,


2) mantendo um sentido harmonioso, isso se deve ao fato de
que há nele a famosa coesão e a famosa coerência – tão
massificadas nas provas de concursos variados.
Coesão...
É a ligação entre as partes do texto
(palavras, expressões, frases,
parágrafos) por meio de
determinados elementos
linguísticos.
Último Recurso Clarice Lispector
Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um
último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos
o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será
desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não
fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas
nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se
consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os
sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade
mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a
quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito,
quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um
só caminho... O de mais nada fazer.
• Quando: conjunção que introduz uma oração subordinada à
outra, estabelecendo uma relação temporal.
• – para que: conjunção que introduz uma oração subordinada à
outra, estabelecendo uma relação de finalidade.
• – e: conjunção que introduz uma oração coordenada à outra,
estabelecendo uma relação de oposição, equivalendo a “mas”.
• – último recurso: expressão substantiva de valor catafórico, pois
antecipa o que será dito, referindo-se a algo posterior.
• – Por isso: locução conjuntiva que introduz um período o qual
retoma a ideia do período anterior, estabelecendo uma relação de
conclusão.
• que: pronome relativo retomando, por sua natureza anafórica, “o amor, o
afeto ou a ternura”.
• – pois: conjunção que introduz uma oração coordenada à outra,
estabelecendo uma relação de explicação.
• – ou: conjunção que introduz uma oração coordenada à outra,
estabelecendo uma relação de disjunção, exclusão; note a elipse do verbo
na oração anterior (... ou não nasce...).
• – mas: conjunção que introduz uma oração coordenada à outra,
estabelecendo uma relação de oposição; note a elipse do verbo na oração
anterior (... mas nunca nasce...)
• – Às vezes: locução adverbial que situa um fato vago no tempo e introduz
um argumento que se contrapõe ao seguinte.
outras vezes: locução adverbial que situa um fato vago no tempo e
introduz um argumento que se contrapõe ao anterior.
–quem: pronome interrogativo/indefinido de valor dêitico, pois
refere-se a algo fora do texto.
– Assim: conjunção que introduz um período que estabelece uma
relação de conclusão (desfecho) com tudo o que se disse antes no
texto.
– para: preposição que introduz uma oração subordinada a outra,
estabelecendo uma relação de finalidade.
– um: numeral de valor catafórico, pois antecipa o que será dito,
referindo-se a algo posterior.
•o: pronome demonstrativo de valor anafórico,
pois retoma o substantivo caminho. Eu acho que
você está começando a se dar conta de que um
texto é muito mais do que uma porção de frases,
certo? Querendo ou não, se você entendeu o
texto da Clarice, é porque percebeu, mesmo que
intuitivamente, os elementos coesivos e suas
funções textuais.
qual é a diferença entre coesão e coerência?
“é a relação semântica que se estabelece entre as
diversas partes do texto, criando uma unidade de
sentido. Está ligada ao entendimento, à possibilidade
de interpretação daquilo que se ouve ou lê. Enquanto
a coesão está para os elementos conectores de ideias
no texto, a coerência está para a harmonia interna
do texto, o sentido”.
Incoeso e coerente

“Saí. Praia. Futebol. Volto à noite.


Morto. Não espere nada de mim. Bj!”
Coesão referencial

Ocorre quando usamos as classes


gramaticais para recuperar certos termos
dentro do texto. O objetivo disso é evitar
a repetição enfadonha, tornando o
discurso mais fluido, mais dinâmico.
Tecnicamente falando, se um elemento tem
como referente um termo anterior, dizemos que
ele apresenta valor anafórico. Por outro lado, se
um elemento tem como referente um termo
posterior, dizemos que ele apresenta valor
catafórico. Logo, a coesão referencial trata de
termos que substituem outros.
Substantivos ou expressões substantivas
1. A resignação normalmente se enquadra no grupo de sentimentos
próprios de pessoas fracas. No entanto, nem toda submissão deve ser
mal interpretada. (sinônimos).

2. – Celso Cunha é bem conhecido entre os “concurseiros”. Até hoje, a


obra desse gramático tem grande prestígio. (hipônimo-hiperônimo).

3. – Estão circulando alguns boatos a respeito da premiação de um ator


brasileiro na próxima festa do Oscar. Rodrigo Santoro realmente pode
conseguir seu lugar ao sol. (hiperônimo-hipônimo)= e hipônimos são estudados pela
Semântica, área da Linguística que se ocupa do estudo do significado das palavras.
1. Jesus Cristo, após sua morte, continuou sendo alvo de ataques. Alguns
céticos até hoje duvidam da existência do Salvador e dos milagres atribuídos
a ele. (antonomásia) = é uma figura de linguagem caracterizada pela substituição de um nome por outro nome ou
expressão que lembre uma qualidade, característica .

2. – As chaminés estão com os dias contados. O governo aprovou finalmente


critérios rígidos para as indústrias produtoras de gases nocivos ao meio
ambiente. (metonímia) = consiste em empregar um termo no lugar de outro, havendo entre ambos estreita
afinidade ou relação de sentido.

3. – O Cespe é um órgão que integra a Fundação Universidade de Brasília,


realizando diversos concursos públicos anualmente. É por isso que muitos
candidatos procuram saber mais sobre o Centro de Seleção e de Promoção
de Eventos. (abreviação)
4. – Luís Inácio Lula da Silva foi presidente duas vezes. Todo o povo
brasileiro amava Lula. (repetição de parte do nome)
• Depois de ter se convertido àquela religião, nunca mais
foi a mesma pessoa. Como pode uma conversão,
aparentemente positiva, afastar amigos? (nominalização)

• – A demora na liberação de verbas, na compra de


material, na execução de serviços tem provocado
desconforto, por isso o presidente cobrou de seus
ministros menos burocracia, com o intuito de ajudar os
que mais necessitam. (palavra-síntese)
Elipse
Os verdadeiros mestres prezam a excelência no
ensino e assistem os alunos da melhor maneira
possível.

Evita-se a repetição do sujeito por meio da elipse:


“... (verdadeiros mestres) assistem os alunos...”.
Adjetivos
“Relacionadas ao tabaco, dói imaginar que o
Brasil tenha gastado 0,5% do Produto Interno
Bruto (PIB) em 2011 para tratar doenças – cerca
de 20 bilhões de reais”.

Note que o adjetivo relacionadas faz referência a


doenças.
Artigos definidos
– Um guarda de trânsito multou um carro estacionado em
lugar irregular na rua em que deixo meu carro. Tenho sorte
por conhecer o policial.

Observe que o artigo definido destacado tem valor anafórico,


pois remete ao guarda de trânsito mencionado anteriormente.
Se, no lugar do o, fosse usado um (artigo indefinido), o sentido
iria mudar e a relação coesiva entre policial e guarda de
trânsito não seria estabelecida.
Pronomes

•Todos os seis tipos (pessoal, possessivo,


indefinido, interrogativo, demonstrativo e
relativo) colaboram com a referenciação,
seja anafórica, seja catafórica.
Pronomes
“Se o diretor é uma espécie de CEO (diretor-executivo) na escola, é
necessário que ele desenvolva habilidades de liderança.”

“Ou o sistema muda de bom grado, ou as “quebradeiras” e as


multidões tomando as ruas vão obrigá-lo a mudar!”

“A participação das mulheres no Congresso norte-americano ainda é


considerada baixa (cerca de 17%), mas o resultado no Senado
comprova um aumento sistemático da participação delas na tomada de
decisões.”
Numerais
João, Pedro e Amanda passaram, mas só
o primeiro se classificou para o concurso
elaborado pelo Cespe. O segundo e a
terceira desistiram da carreira e
decidiram tentar o concurso elaborado
pela Esaf.
Verbos vicários
Os verbos fazer e ser são substitutos de outros verbos para se evitar
a repetição.

– É preciso acabar com a corrupção de uma vez por todas, mas


como fazê-lo? (... Mas como acabar)

– “Amo a liberdade, por isso as coisas que amo deixo-as livres. Se


voltarem é (= voltaram) porque as conquistei. Se não voltarem é
(= não voltaram) porque nunca as tive.” (Bob Marley)
Advérbios
O Brasil e os Estados Unidos são países que
conservam um certo grau de preconceito.
Mas lá chega a ser pior que aqui.

– É assim que quero morrer: na minha


cama, num sono profundo.
Coesão Sequencial
André Ramos
•Ocorre quando se usam conjunções, locuções
conjuntivas, preposições, locuções prepositivas
ou pronomes relativos que normalmente
conectam orações dentro do texto, dando
sequência à leitura, estabelecendo
determinadas relações de sentido e
concatenando as ideias dentro dele.

•recapitule estas classes gramaticais.


“Eu me esforcei muito e fiz grande investimento na
minha carreira inicial, mas nada saiu como eu
esperava ou como deveria ser, porque, afinal, esse
não era meu destino. Por isso hoje decidi fazer
faculdade, a qual me fez muito feliz. Finalmente
encontrei minha vocação para obter sucesso
profissional. Em virtude disso, posso dizer que estou
realmente realizado”.
todos os termos destacados
“jogam” o leitor para a frente na
leitura, pois tais conectores (ou
conectivos) servem para, além de
introduzir argumentos, dar
progressão ao texto.
Coesão Recorrêncial
Ocorre quando se usa a repetição
(reiteração) de vocábulos, o paralelismo
sintático (repetição de estrutura sintática
semelhante) e a paráfrase (repetição de
conteúdo semântico semelhante, introduzido
por ou seja, isto é, quer dizer...)
Exemplo:
• “Uma em cada sete pessoas no mundo vai para a
cama com fome, na maioria mulheres e crianças”,
disse a diretora da representação do PAM em
Genebra (Suíça), Lauren Landis, no seminário
intitulado Lutar Juntos Contra a Fome. “A fome
mata anualmente mais pessoas do que o vírus que
transmite a Aids, a malária e a tuberculose”,
acrescentou. (repetição enfática)
Paralelismo...

“Bom mesmo é passar no concurso,


ganhar bem e ser feliz”.
Paráfrase...

•Ela não compareceu à prova, ou


seja, perdeu a chance.