Você está na página 1de 19

DEFINIÇÃO

A cavitação é o processo de vaporização de um fluido


devido à diminuição da pressão absoluta, a uma
mesma temperatura, até a pressão de vapor do líquido,
que usualmente ocorre em sistemas hidráulicos.
Gráfico da Pressão
de Vapor em função
da Temperatura
Percebe-se pelo gráfico
apresentado que, quando o líquido
se encontra acima da pressão de
vapor, ele se apresenta na fase
líquida, e se estiver abaixo desta, se
encontrará na forma de vapor.

Este fenômeno ocorre nas bombas


centrífugas, devido a queda de
pressão ao longo do escoamento na
tubulação de sucção. Quando a
pressão absoluta do líquido se
torna menor ou igual à pressão de
vapor, na temperatura de
bombeamento, parte deste líquido
se vaporiza, formando "cavidades"
no interior do fluido, dando-se,
assim, início ao processo cavitação.
PARÂMETROS DE CAVITAÇÃO
 NPSH (NET PRESSURE SUCTION HEAD):
Baseia-se na energia (carga) medida em pressão absoluta
disponível na entrada da sucção de uma bomba. Define-se
a energia disponível pelo sistema como sendo a diferença
entre a energia total absoluta e a energia da pressão de
vapor do líquido.
 NPSH disponível:
É a energia que o fluído possui, num ponto imediatamente
anterior ao flange de sucção da bomba, acima da sua
pressão de vapor. Esta variável deve ser calculada por quem
dimensionar o sistema, utilizando- se de coeficientes
tabelados e dados da instalação.
Casos específicos para determinar o NPSH
disponível
 Caso 1:
 Caso 2:
 Caso 3:
 Caso 4:
 NPSH requerido:
Cada bomba, em função de seu tamanho,
características construtivas, entre outros fatores,
necessita de uma determinada energia absoluta em seu
flange de sucção, de tal modo que a perda de carga que
ocorrerá até à entrada do rotor não seja suficiente para
acarretar cavitação, quando operada naquelas
condições de vazão. A esta energia denominamos
NPSH requerido.
Desenvolvimento da
onda de choque
Os fabricantes de bombas
fornecem o NPSH requerido,
através de uma curva NPSHREQ x
VAZÃO, para cada bomba de sua
linha de fabricação, conforme
figura.

Esta curva é uma característica


própria da bomba, sendo obtida
experimentalmente, através de
testes de cavitação em bancadas do
fabricante, com água fria a 20oC.
Existem situações onde não temos o NPSH requerido
(NPSHr) , que é um parâmetro fundamental para
verificarmos o fenômeno de cavitação. Nestes casos,
recorre-se ao Fator de Cavitação de Thoma (σ), ou
apenas “fator de cavitação”, como maneira de
determinar o NPSHr.

O Fator de Cavitação de Thoma (σ), serve para


avaliação das condições operacionais. Por definição, o
número de Thoma corresponde à relação entre o
NPSHr e a altura manométrica (H) da instalação.
 Relação entre NPSH disponível e NPSH requerido:
O NPSH disponível na sucção sempre deverá ser maior
do que o NPSH requerido, caso contrário verifica-se a
ocorrência de cavitação.
NPSHd > NPSHr
Representação do
NPSH disponível e
requerido
Analisando graficamente as curvas do
NPSHREQ e a do NPSHDISP, pode-se
delimitar a faixa de vazão de operação
de uma bomba, ou seja, a faixa de
vazão na qual não ocorre cavitação.
Observa-se a zona de cavitação na
região
localizada à direita do ponto de
encontro das duas curvas.

Deve-se sempre lembrar que em uma


instalação de bombeamento, a bomba
apresentará cavitação quando:
NPSHdisp ≥ NPSHreq.

Porém, na prática utiliza-se um fator


de segurança entre 10% a 15%,
visando garantir que não ocorrerá a
vaporização do fluido no interior da
bomba.
NPSHdisp ≥ 1,10 ~ 1,15 NPSHreq
CONSEQUÊNCIAS DA CAVITAÇÃO
 Erosão
 Ruído
 Vibração
 Quebra de rendimento
COMO EVITAR CAVITAÇÃO

Você também pode gostar