Você está na página 1de 111

Psicologia da Educação

Profa. Ms. Erika Bataglia


O que é PSICOLOGIA?

Psicologia, cuja etimologia deriva de Psiché (alma) +


Lógos (estudo, razão ou conhecimento).
Psicologia é....
A ciência que estuda o comportamento humano
e seus processos mentais, que passam pela
sensação, emoção, percepção, aprendizagem,
inteligência, motivações...

!!! ?
O que é Subjetividade?
É entendida como o espaço • O ser humano em todas suas
íntimo do expressões, as visíveis ( o
indivíduo (mundo interno) comportamento) e as
com o qual ele se relaciona invisíveis ( os sentimentos).
com o mundo social (mundo
externo)
Resulta tanto em marcas
singulares na formação do
indivíduo quanto na
construção de crenças e
valores compartilhados na
dimensão cultural que vão
constituir a experiência
histórica e coletiva dos
grupos e populações
Pesquisar: O que é:

• Sensação
• Emoção
• Percepção
• Aprendizagem
• Inteligência
• Motivações
Melhorando a definição
• A subjetividade é a sintese singular e individual
que cada um de nós vai constituindo conforme
vamos nos desenvolvendo e vivenciando as
experiências da vida social e cultural;

• É uma síntese que de um lado nos identifica, por


ser única; de outro lado nos iguala, na medida em
que os elementos que a constituem são
experienciados no campo comum da objetividade
social.
Nosso modo de ser...
• A subjetividade é a maneira de sentir, pensar,
fantasiar, se comportar, sonhar, amar de cada
um. É o que constitui o nosso modo de ser.

• Qual o seu modo de ser ?

• Como um professor pode “ensinar” se cada um


“sente, pensa, fantasia” de um jeito único?
Breve histórico da Psicologia

Sócrates (469 - 399 a. C.):


A principal característica do ser humano era a razão –
aspecto que permitiria ao homem deixar de ser um animal
irracional.
Aristóteles (387 - 322 a. C.)
Entendia corpo e mente de forma integrada, e
percebia a psique como o princípio ativo da vida.
René Descartes (1649)

Publica Paixões da Alma, reafirmando a


indissociabilidade entre corpo e mente.
Fechner (1850)
Na segunda metade do século XIX, interessa-se pelo estudo da
relação estímulo físico X resposta, dando origem ao que se
chamou de Psicologia Moderna.
Wundt (1832 - 1920)
-Apresenta grande interesse pelos estudos dos processos mentais;

-Em 1879, é criado o primeiro laboratório de pesquisa em Psicologia


com intuito de verificar os comportamentos observáveis;

-Inicia-se a investigação científica em laboratórios com o objetivo


de se estudar sistematicamente o comportamento humano;

PSICOLOGIA –
Final do Séx. XIX
Objeto de estudo da psicologia

• O comportamento, a vida psíquica, a consciência.


O HOMEM É UM SER
BIO – PSICO – SOCIAL
PERSONALIDADE
É um conjunto dos elementos
psíquicos e comportamentais que
determinam a sua individualidade
pessoal e social, distinguindo um
indivíduo dos outros.

A formação da personalidade é
processo individualizado, pois é
gradual, complexo e único.

AULA 5
PERSONALIDADE COMPORTAMENTO
Única Escolha
Imutável Mutável
Neutra Influenciável
Nem positiva Dependendo das
Nem negativa situações torna-se
positivo ou negativo
Teorias de Aprendizagem e os
Processos de Trabalho
Conhecer o conceito de
aprendizagem;

Associar o processo à
resolução de problemas;

AULA 8
Aprendizagem

Na vida humana a aprendizagem se inicia com o


nascimento, ou até antes, e se prolonga até a morte.

A aprendizagem é, afinal, um processo fundamental da


vida. Todo indivíduo aprende, desenvolvendo os
comportamentos que o possibilitam viver.

Todas as atividades e realizações humanas são o resultado


da aprendizagem.
AULA 8
AULA 8
O QUE É APRENDIZAGEM?
• Aprendizagem é um • Aprender é o
processo de mudança de resultado da
comportamento obtido interação entre
através da experiência estruturas mentais e o
construída por fatores meio ambiente e se
emocionais, neurológicos, refere à aquisição de
relacionais e ambientais. conhecimentos ou ao
desenvolvimento de
habilidades e atitudes
em decorrência de
experiências
educativas, tais como
aulas, leituras,
pesquisas etc.
APRENDIZAGEM E MEMORIZAÇÃO
• Aprendizagem envolve a
aquisição e manutenção de
comportamentos específicos

• Não se enquadra em
aprendizado o caso do estudante
que memoriza conteúdo e que os
esquece em pouco tempo.

AULA 8
Os fatores que podem influenciar na aprendizagem são

Internos ao próprio indivíduo,


inclusive em relação aos estágios
do seu desenvolvimento, que
variam conforme a idade.

Externos, ou seja, a influência


exercida pelo meio em que se
encontra.
AULA 8
BIOLÓGICOS
Neurofisiológicos
Genéticos EMOCIONAIS

FATORES QUE
INFLUENCIAM
NA SOCIOCULTURAIS
APRENDIZAGEM Família
Grupos de pertença
COGNITIVOS
Percepção Comunidade
Atenção Sociedade (valores,
representações,
Memória estereótipos)

AULA 8
A APRENDIZAGEM ENVOLVE TRÊS
PONTOS CONTROVERSOS

O que e como aprendemos ( que resulta na


manutenção ou extinção de algo aprendido)

Como mantemos um aprendizado (a freqüência de


uso e treinos estão fortemente associados a essa
questão)

Como transferimos aprendizados já realizados


para a resolução de problemas novos (na
transferência de conhecimentos, efetivamos os
aprendizados como aquisições, de fato, úteis na
resolução de problemas)
TEORIAS

CONDICIONAMENTO COGNITIVISTA
Ênfase no comportamento Ênfase na organização
como resposta aos interna do
estímulos ambientais que conhecimento humano.
nos são apresentados.

AULA 8
Concepção Inatista
• A natureza, dizem-nos, é apenas hábito. Que
significa isso? Não há hábitos que só se
adquirem pela força e não sufocam nunca a
natureza? É o caso, por exemplo, do hábito das
plantas, cuja direção vertical se perturba. Em se
lhe devolvendo a liberdade, a planta conserva a
inclinação que a obrigaram a tomar, mas a seiva
não muda, com isto, sua direção primitiva; e se
a planta continuar a vegetar, seu
prolongamento voltará a ser vertical. O mesmo
acontece com os homens (J.J. Rousseau –
Emílio ou da Educação)
Concepção Inatista
• Pressupõe que os eventos que ocorrem após o
nascimento não são essenciais e/ou importantes
para o desenvolvimento.

• As qualidades e capacidades básicas do ser humano


– personalidade, valores, hábitos, crenças, formas
de pensar, reações emocionais, conduta social – já
se encontrariam basicamente prontas ao nascer,
sofrendo poucas transformações.

• O papel do ambiente e do ensino é interferir o


mínimo possível no processo de desenvolvimento
espontâneo da pessoa.
Concepção Inatista
• Se baseia de modo errôneo nas teorias
evolucionistas de Darwin, a Embriologia e a
Genética.

• Darwinismo – Mudanças graduais e cumulativas no


desenvolvimento das espécies.

• As mudanças decorrem de variações hereditárias


que fornecem vantagens adaptativas em relação às
condições ambientais prevalecentes.

• O ambiente apenas determina, dentre as


possibilidades naturais de variação, quais são as
mais adaptativas para a espécie
Concepção inatista
• Eventos que acontecem depois do
nascimento são menos importantes para o
desenvolvimento.
• Só os mais aptos e capazes de se adaptar ao
meio sobrevivem.
• Sua personalidade, valores, hábitos e
crenças já estão basicamente prontos.
• O papel do ambiente – e portanto da
educação e do ensino – é tentar interferir o
mínimo possível.
• “O homem nasce bom, a sociedade é que o
corrompe” (J.J. Rousseau).
Origens do Inatismo

• Teológica : Deus criou o homem em sua


forma definitiva.

• Biológica: A criança já tem genes que a


pré-determinam.

• Evolucionismo: Darwin – evolução resulta


de processos graduais e cumulativos ao
longo da espécie – Adaptação.
Problemas do inatismo
• Não levar em conta o impacto do meio-
ambiente.
• Não considerar a influência das relações
pessoais.
• Conceber os primeiros dados da
embriologia como determinantes e
constantes.
• Se, na concepção Inatista, o homem já
“nasce pronto”, qual seria o papel da
educação na sua formação?
Concepção ambientalista
Comportamentalismo – Behaviorismo .

O ambiente tem grande poder.

O indivíduo é maleável.

Concepção derivada do Empirismo: ênfase na


experiência sensorial como fonte de conhecimento.

Causa = Efeito.
Concepção ambientalista
• Skinner – Explica os comportamentos observáveis do
sujeito, desprezando a análise de outros aspectos
como raciocínio, desejos, fantasias e sentimentos.

• Usa o conceito de ciência – Medir, observar,


comparar, testar, experimentar, prever e controlar o
objeto de investigação.

• O papel do ambiente é maior que o da maturação


Concepção ambientalista
• Os indivíduos querem maximizar o prazer e
minimizar a dor

• Manipulando os elementos da natureza (estímulos)


se obtêm o que se deseja (resposta)

• Conhecendo a relação Estímulo – Resposta:


▫ Controle do comportamento – aumento ou
diminuição da freqüência, aparecimento ou
desaparecimento, aprimoramento, etc.
Formas de manipulação
Extinção – Eliminar o comportamento tido como
inadequado (Ex.: Criança que chora pedindo
atenção).
Imitação – Pessoas tendem a copiar o
comportamento das pessoas do seu grupo. Se o
comportamento é reforçado, tende-se a copia-lo, se
é punido, tende-se a evitá-lo.
Generalização – Comportamentos associados a um
determinado estímulo, tende a reaparecer com
estímulos semelhantes.
Reforço positivo
Reforço negativo
Concepção ambientalista
• O comportamento é sempre o resultado de
associações estabelecidas entre algo que provoca (um
estímulo antecedente) e algo que o segue e o mantém
(um estímulo conseqüente).

• A aprendizagem é entendida como o processo pelo


qual o comportamento é modificado como resultado
da experiência:
▫ Associação entre um estímulo e uma resposta;
▫ Associação entre uma resposta e um reforçador
▫ Aspectos fisiológicos e psicológicos
Aprendizagem na ambientalista
• Deve-se considerar:
▫ Natureza dos estímulos presentes na situação
▫ Tipo de resposta que se espera obter
▫ Estado físico e psicológico do organismo
▫ Objetivos: mais conhecimentos, elogios, prestígio,
notas altas, etc.

Ênfase está em propiciar novas aprendizagens por


meio da manipulação dos estímulos que antecedem
e sucedem o comportamento.

Como é possível?
Concepção ambientalista

Análise funcional do comportamento :


 Análise rigorosa da forma como os indivíduos
atuam em seu ambiente, identificando os
estímulos que provocam o aparecimento do
comportamento-alvo e as conseqüências que
o mantém.
Vantagens na educação
• Mostrar a importância do planejamento de aulas
• Clareza a respeito dos objetivos
• Estipulação de sequencia de atividades
• Especificação dos reforçadores que serão utilizados
• Valorização do papel do professor
▫ Planejar, organizar, executar
▫ Reforço positivo: elogios, notas, diplomas.
Desvantagens do ambientalismo

• Técnica X Reflexão filosófica

• Tecnologia educacional exigia do professor


conhecimento dos fatores a serem considerados na
programação de ensino

• Programação de ensino não é mais atividade


cognitiva, mas formal

• Projetos padronizados
Desvantagens do ambientalismo
• Visão de homem adotada: Seres humanos como
criaturas passivas face ao ambiente, que podem ser
manipuladas e controladas pela alteração das
situações em que se encontram.
• Não da a chance de criação de novos
comportamentos
• Excessivo diretivismo na sala de aula
• Deixa-se de lado a espontaneidade e a criatividade
• Deixa de buscar a explicação de como ocorre o
raciocínio e o conhecimento
Livro utilizado:
• PSICOLOGIA DA APRENDIZAGEM: Da teoria do
condicionamento ao construtivismo.

• Nelson Piletti

• Solange Marques Rossato

• Editora Contexto – 2011.


Objetivo
• Contribuir para que professores aprimorem a
sua compreensão da dinâmica do processo de
aprendizagem

• Estimular a reflexão sobre quem são os alunos


das nossas escolas, como se desenvolvem, como
aprendem e como podemos favorecer a sua
aprendizagem
Gestalt

• Teoria que atribuem


mais ênfase a fatores
internos (percepção,
intuição, compreensão )
como decisivos na
efetivação da
aprendizagem
Fritz Perls(1893-1970)
Behaviorismo / comportamentalismo

• Teoria que concebe a


aprendizagem como
mudança de
comportamento
resultante de processo de
condicionamento
Burrhus Frederic Skinner
(1904-1990)
Psicanálise

• Teoria defensora da
influência de fatores
internos,
representados pela
estrutura da
personalidade, com
ênfase no inconsciente
Sigismund Schlomo Freud
(1856-1939)
Psicogenética

• Teoria que defende o


interacionismo, ou seja,
que a aprendizagem
decorre de fatores internos
ou inatos e externos ou
ambientais, que interagem
no processo de
Jean William Fritz Piaget desenvolvimento
(1896-1980)
Teoria sócio-histórica-cultural

• Teoria que
enfatiza o vínculo
entre a
aprendizagem
escolar e a cultura
constituída
historicamente. Lev Semenovitch Vygotsky
(1896-1934)
Teoria integral-afetiva

• Teoria onde o processo


de ensino e
aprendizagem deve levar
em conta o
desenvolvimento integral
do indivíduo, em suas
dimensões afetivas,
intelectuais, motoras e
Henry Wallon (1879-1962) sociais
Teoria humanista
• Teoria que considera que a
aprendizagem só ocorre e
será duradoura na medida
em que resultar do
engajamento livre do
individuo, trabalhando
coletivamente em relações
caracterizadas pela empatia
e pelo respeito mútuo
Carl Rogers (1902-1987)
Teoria construtivista

• Teoria que se refere a


uma mudança radical na
concepção da
alfabetização, a partir da
própria criança, que vai
dirigindo o processo e
construindo o próprio
conhecimento
Emilia Ferreiro nasceu na
Argentina em 1936
Teoria da Gestalt – Percepção e
Aprendizagem

• “Nenhum fenômeno é particularmente


misterioso em si mesmo, mas qualquer um deles
pode tornar-se misterioso para nós. O traço
característico do despertar do espírito humano
é precisamente o fato de que um fenômeno
adquire significado para ele”

Wittgenstein
Gestalt
• Oposição ao behaviorismo

• Teoria cujos estudos consideram


os fenômenos psicológicos um
conjunto autônomo e indivisível
na sua configuração e organização,
relacionado à percepção e às leis
de organização perceptual (diz
respeito ao indivíduo, à sua
percepção individual)
Fundadores da Gestalt
• Max Wertheimer ( 1880-1943)
- Estudos Experimentais da
percepção do movimento

• Wolfgang Köhler (1887-1967) –


Pesquisou os chimpanzés
Max Wertheimer
• Kurt Koffka ( 1886-1940)

• Instituto de Psicologia da Wolfgang Köhler


Universidade de Berlim – Com o
nazismo, houve mudança dos
cientistas para os EUA, perdendo
a coesão e repercussão
Princípios fundamentais da Gestalt
• Gestalt – termo alemão de
difícil tradução

• Sentido de forma, de atributo


dado às coisas ; significação
de uma unidade concreta.

• O importante são as relações,


não só as sensações. E, a
partir dessas percepções, tal
como as apreendemos, é que
nos comportamos, nos
emocionamos e agimos.
Princípios fundamentais da Gestalt
A tarefa da psicologia
seria compreender a
percepção tal como a
vivenciamos, levando
em conta que nossa
experiência perceptiva
imediatamente organiza
e dá significado à Em suma, seria tarefa da
percepção, constituindo Psicologia da Gestalt descrever e
num sentido, numa esclarecer a organização
intrínseca do percebido.
ordem, razão interna.
Princípios fundamentais da Gestalt
O todo é maior que a soma de Uma árvore não é mais
suas partes (e é diferente delas) percebida como tal quando são
separadas todas as suas folhas,
Ao ouvirmos uma melodia, a seu tronco, seus galhos, raízes,
percepção não é das notas frutos, etc.
isoladas, é o todo que abstraímos,
a organização global.

Cada parte se define pela função


que desempenha na estrutura na
qual está colocada
Leis que a regem
Os princípios são definidos como Premissa básica: a organização
regras ou leis com os quais são ocorre instantaneamente
organizadas as percepções, sempre que o objeto nos é
facilitando a compreensão de apresentado, há uma percepção
imagens e de ideias.
imediata das relações.

Desse modo a inteligibilidade do


mundo percebido, o discernimento,
o sentido inédito e coerente dado
ao mesmo é denominado de
insight. Ou seja, sair da
“ignorância” para o conhecimento
pode ocorrer de repente.
Leis que a regem
Lei principal:

A afirmação que a lei da boa


forma(Prägnanz) anuncia a organização
das estruturas e que essas tendem a
“revelar as características que de uma
forma tão completa quanto as condições
do momento permitem” (Moraes, 2007:
310)

Essa organização tende a estrutura mais


equilibrada, mais simétrica, mais Outra lei: a proximidade,
regular, ou seja, quando vemos as
formas tendemos a percebê-las em seu a semelhança, a
caráter mais simples, “natural” comunidade etc.
Princípios elaborados por Wertheimer
• Principio do fechamento/
complementação: de acordo com
esse principio nossa percepção, tende a
completar figuras se encontraram
incompletas.
•Este principio ajuda-nos a perceber de
imediato as situações e objetos, ainda
que eles não se mostrem em sua
completude, podendo agilizar, como
por exemplo, processos de leitura de
um texto, de palavras.
• As formas imperfeitas tendem a se
completar resultando na sua ED CAÇÃO E PSICOL GIA
estabilidade, como podemos verificar
na figura ao lado.
Princípios elaborados por Wertheimer
• Principio da proximidade:
percebemos as partes que estão
mais próximas como
agrupadas, como um todo, ou
seja, por parecerem formar uma
unidade tendem a ser percebidas
como tal. Figuras de I à III

• Principio da semelhança/
similaridade: objetos similares
tendem a se agrupar e a ser
percebidos como relacionados
entre si. Figura B
Princípios elaborados por Wertheimer
• Figura/fundo:

•Na organização do objeto, partes do campo


perceptivo são distintas do fundo. Ao destacar-
se de um fundo, a figura situa-se como o objeto
representado, sendo este resultado da
organização interna do domínio da experiência.
O significado da figura depende da sua posição
em uma dada estrutura.

Segundo a teoria gestaltiana, compreender o


comportamento do homem envolve conhecer a
percepção que este tem dos elementos da
realidade. Percepção que nem sempre
condiz com a realidade, por estar muitas
vezes relacionada mais com a aparência.
Gestalt e aprendizagem
• Esta teoria preocupou-se
essencialmente com a
percepção humana

• Essa teoria possibilita a


compreensão de que o aluno
dispõe de uma serie de atitudes,
habilidades, e expectativas sobre
sua própria capacidade de
aprender, e percebe a situação de
aprendizagem de forma
particular.
Gestalt e aprendizagem
• A aprendizagem ocorre principalmente
por insight, ou seja, por um estalo,
com uma compreensão repentina
depois de inúmeras tentativas sem
sucesso, na resolução de um determinado
problema.

•Ex: um aluno não lembra da resposta de


uma questão.
• A aprendizagem ocorre por
•Os problemas ficam mais simples na uma contínua organização e
visão do aluno, quando se traz para o “dia- reorganização das
a-dia”(vida real). Deve fazer sentido para experiências.
o aluno, em vez de restringir-se a copiar.
Gestalt e aprendizagem
• Schultz e Schultz (1999) esclarecem
que a solução deve partir do problema
como todo indo depois para suas
partes. Nas atividades em sala de aula,
o professor deve organizar as situações
de maneira a produzir todos os
significados, fixar apenas nas suas
partes poderia tornar mais difícil a
tarefa de resolução de problemas.

• Dessa forma faz-se construir o


pensamento criativo e produtivo.
O professor e o aluno: o currículo como
uma totalidade
• Para uma aprendizagem eficaz, o
ensino deve partir das possibilidades
e necessidades dos alunos e não da
matéria, no que especificamente está
estabelecido par aquele momento,
necessitando haver, com isso, um
rearranjo dos conteúdos.

•Lefrançois(2008) explica que o papel • Avaliar uma conduta ou


do professor, a partir dessas
considerações, seria de colaborar aprendizagem do aluno exige
para que os alunos encontrem as olhar para o todo e não centrar-se
soluções dos problemas por eles
apenas em respostas ou ações
mesmos. Os estudantes constroem
conhecimento por eles próprios, o que isoladas apresentadas em
significa que não são dados determinadas situações e/ou
diretamente a eles.
avaliações.
O professor e o aluno: o currículo como
uma totalidade

• Alunos e professores
devem ser vistos
como seres
humanos, numa
unidade orgânica de
sentir, agir e pensar
que necessita ser
considerada no
cotidiano escolar.
O professor e o aluno: o currículo como
uma totalidade
•Uma boa relação entre professor e aluno é essencial para uma
transmissão bem-sucedida dos conhecimentos para ambas as partes.

•Nessa teoria defende-se a coerência entre as ações realizadas pelo


professor e as que exigem de seus alunos.

• Temos o professor como importante e decisivo na aprendizagem de seus


alunos, de maneira que a qualidade do trabalho dele implicará na
qualidade da aprendizagem de seus alunos.
O professor e o aluno: o currículo como
uma totalidade
• Um ensino orientado pela
Gestalt exige que o
professor desenvolva
confiança na capacidade
de os alunos aprenderem
por si mesmo. O ensino
deve, portanto, ser
orientado em função do
agir, sentir e pensar dos
alunos (Burow e Scherpp,
1985).
A Gestalt, a educação e a indisciplina em
sala de aula
• De acordo com os estudos de
Burow e Scherpp (1985), no processo
de ensino não se pode perder de vista
a unidade indivíduo-meio.

• Isso exige que sejam levados em


conta os vínculos do aluno com o
meio social,as influências deste
sobre essa criança.

• A consideração de homem e meio


está conectada com a questão figura-
fundo, em que a figura sozinha tem
um significado diferente do seu
conjunto com um fundo.

• Cada aluno tem suas


necessidades individuais.
A Gestalt, a educação e a indisciplina em
sala de aula
• É importante que no processo
escolar seja levado em conta que o
aluno e o professor são mais do que
cabeças pensantes; os
sentimentos, as atitudes, os
comportamentos, os valores
devem ser levados em conta.

• Desse modo quando o aluno se


comporta adequadamente, é
bem visto. No entanto, quando
suas emoções são expressas de
maneira “inapropriada”, tem
como conseqüência a punição ou é
ignorado.
A Gestalt, a educação e a indisciplina em
sala de aula

• Borow e Scherpp
consideram o movimento
como inerente ao aluno, sua
mente está em movimento, a
unidade se mostra aqui, “a
mente só funciona no corpo
e através dele” (1985: 115)
A Gestalt, a educação e a indisciplina em
sala de aula
• Comportamentos considerados indisciplinados e inadequados
podem revelar outros problemas, como dificuldade dos alunos na
apreensão de determinados conteúdos, seus temores frente a
novas situações de aprendizagem, dentre outras.

• O aprendizado cognitivo e emocional deve fazer parte do


cotidiano escolar, a sua integração é essencial no desenvolvimento
da personalidade.

O objetivo escolar deve ser o desenvolvimento total do


individuo. Para tanto devem ser apreciadas as necessidades,
visando ao seu crescimento, as suas transformações e as
do seu meio.
A Gestalt, a educação e a indisciplina em
sala de aula
• Burow e Scherpp (1985) esclarecem
que a Gestalt contribui para analise e
a modificação do ensino, podendo
oferecer condições de reflexão e
criticas aos procedimentos e ações do
cotidiano escolar e organizar os passos
para possíveis mudanças.

• De acordo com Lefralois (2008), a


psicologia da Gestalt é precursora da
psicologia cognitiva moderna, que se
preocupa com temas como
processamento de informação,
compreensão, tomada de decisão e
solução de problemas.
Maurits Cornelis Esche
(1898-1972)
BEHAVIORISMO
• O termo Behaviorismo foi instituído por Skinner em 1913
que postulou o comportamento (behavior, em inglês) como
objeto de estudo a ser estudado cientificamente.

• Os behavioristas, na busca por compreender o


comportamento observável ou manifesto, enfatizam as
relações entre este e o ambiente, ou seja, enfocam em seus
estudos o papel e a influencia dos estímulos ambientais
na determinação de nossas ações.
BEHAVIORISMO
• A opção teórica e metodológica do behaviorismo, de
apenas estudar(observar e descrever) o comportamento
observável como forma de ajustá-los ao meio, pode ser
entendida em razão de que, nos anos 1950, os Estado
Unidos (palco central do behaviorismo) vivenciava em
crescente processo de urbanização, com o avanço
industrial e a expansão do sistema escolar
BEHAVIORISMO
• O behaviorismo constitui um
conjunto de teorias, com muitas
variantes( comportamentalismo,
analise objetiva, analise do
comportamento), que focalizam o
comportamento como o mais
adequado objeto de estudo da
psicologia .
• Nesse caso, os sentimentos, os
pensamentos, a inteligência,a
consciência, e outros estados metais
ou subjetivos não são tomados em
sua abordagem teórica, na medida
em que não podem ser estudados
empiricamente.
BEHAVIORISMO

• Para o behaviorismo, explicar um fenômeno significa


demonstrar sua funcionalidade, ou seja, demonstrar sob
condições ele ocorre e com quais características, que
mudanças no ambiente resultam nele, numa busca por
compreender porque fazemos o que fazemos, e o devemos e
não devemos fazer.
• O que pode resultar disso, segundo esta vertente teórica, é
o fato de que explicar o comportamento é assumir controle
sobre ele.
BEHAVIORISMO

• Se pensarmos no nosso aluno, sabemos que exercemos


controle sobre seus comportamentos, na medida em que
sabemos quais consequências têm um valor reforçador para
ele(como, por exemplo, a atenção do professor, a nota)e,
partir disso, planejamos um sequência (a cada etapa da
atividade realizada passo por sua carteira e lhe faço um
elogio), de tal modo que aumente a possibilidade de que ele
passe a se comportar em acordo aos objetivos previamente
estabelecidos na relação ensino-aprendizagem em questão.
BEHAVIORISMO
• Edward Brandford
Tichener(1887-1927) ele
se opunha ao estudo
experimental dos
processos fisiológicos,
não negando a existência
da mente, mas
destacando que ela
perde sua autonomia,
na medida em que
depende sempre de
algo(sistema nervoso).
PRECURSORES DO BEHAVIORISMO

Ivan Pavlov: Skinner: O


John Watson: Edward Lee comportamento é
fisiologista russo que que defendia uma Thorndike: “Lei do
realizava seus modelado e mantido
experimentos com visão funcionalista efeito” recompensa e por
animais. para a psicologia. punição suas consequências
BEHAVIORISMO
A Aprendizagem está na relação entre
uma ação e seu efeito.

R---S

RESPOSTA ESTÍMULO
Condicionamento clássico
• Pavlov estudou o comportamento reflexo, que enquanto
as respostas não são voluntarias( o sugar do bebê
quando lhe é colocado algo na boca, arrepiar quando sente
um ar frio, etc.) e demonstrou que através da aprendizagem,
um novo estímulo, definido como estímulo neutro, pode vir
a eliciar uma resposta já existente( reflexo
condicionado).
• A importância do condicionamento clássico para a escola
behaviorista foi a de demonstrar que é possível controlar
respostas involuntário-reflexas associadas a
determinados estímulos.
Condicionamento clássico
Comportamento Operante

• É o comportamento que opera sobre o


mundo direta ou indiretamente. É
voluntário, ou seja, depende da
vontade do sujeito.
Condicionamento operante: Skinner
• Cada ser humano introjeta, mediante o uso adequado de reforço, um
conjunto de crenças, atitudes e valores que passam a constituir seus
princípios éticos.
• O comportamento é modelado e mantido por suas
consequências. Logo a tarefa do modelador (educador) consiste em
estruturar o ambiente do organismo de modo que ele emita o
comportamento desejável.
• Os eventos que se seguem a uma resposta, que interferem na
probabilidade de ele ocorrer novamente são chamados de
reforçadores.
Condicionamento operante: Skinner

• Determinadas conseqüências (a
nota, o elogio, o castigo, etc.) são
reforçadoras, enquanto outras não
exercem influência alguma sobre seu
comportamento.
Condicionamento operante: Skinner

• Será que um reforçador negativo


(castigo,punição, disciplina, etc) pode
aumentar a probabilidade dele se repetir
novamente?
Condicionamento operante: Skinner
• Quando a criança é punida ,
repreendida, por não se comportar bem na
sala de aula, houve um aumento da
frequência de sua resposta: isso é
devido a esse aluno ter tido atenção( olhar,
falar com...) o que ele “não conseguiria
ficando quieto no canto.
• Com isso deve-se colocá-lo na punição e
esclarecer ao aluno que tal ação é errada e
que não deverá se repetir senão ficará na
punição novamente.
Condicionamento operante: Skinner
• Há possibilidade de que uma pessoa não receba
mais reforçador e repita os comportamentos?
• Há possibilidades que haja uma queda nas resposta, uma
cessação, quando o reforçamento é descontinuado, podendo
resultar na extinção do comportamento. Por outro lado, se o
comportamento já estiver instalado(condicionado) não
haverá mais há necessidade desse reforço.
• Ex: o comportamento “bira” e o pai acaba cedendo.
Condicionamento operante: Skinner
• Lembramos que os
reforçadores e punidores
podem ser diversificados,
diferem de cultura para
cultura, ao longo da vida, a
pessoa pode mudar em
relação a eles - o que era
reforçado pode deixar de sê-lo
e passam a ser
efetivo(normais).
Educação: aquisição de novos
comportamentos
• Na concepção de Skinner(2007:
437) Educação: é o estabelecimento de
comportamentos que serão vantajosos
para o individuo e para outros em
algum tempo futuro.

• O autor esclarece que a educação é


muito mais aquisição de novos
comportamentos do que com a sua
manutenção e, nessa perspectiva,
prepara seus alunos para situações
futuras, que provavelmente irão
acontecer fora do âmbito escolar.
Educação: aquisição de novos
comportamentos

• Ele centrava na avaliação dos


tipos mais adequados de
sequência de matérias a serem
lecionadas e nas técnicas de
elaboração dos projetos
educativos que utilizava
matérias para recompensar
os alunos pelos avanços na
aprendizagem, o que a torna
mais rápida e interessante.
Relação ensino- Aprendizagem

• Deve-se analisar o comportamento do aluno a fim de verificar


suas necessidades de aprendizagem, bem como o repertório( de
comportamentos, aprendizagens) que ele traz para as situações de ensino
e ainda as consequências capazes de interagir com ele e manter seu
comportamento e, assim, estabelecer quais são os estímulos capazes de
reforçar o comportamento desejável de seus alunos .
• Para planejar o que seria necessário para que estes atinjam o que se
queira que ele alcancem.
Relação ensino- Aprendizagem

• Um bom ensino exige que o professor planeje as atividades dos educandos


especificando o que deverão fazer , e em que circunstância, e estabelecer as
consequências.

• Skinner(1992) considera que simplesmente “aprender fazendo” não faz que o


aluno tenha aprendido a fazer de modo eficaz e também não vai elevar a
probabilidade de ocorrer novamente a resposta emitida. O autor alerta para a
importância da transmissão da cultura aos alunos e que aos mesmos deve ser
propiciado o acumulo de conhecimento, de praticas sociais , de aptidões etc., o que
não é possível por um simples descoberta.
Relação ensino- Aprendizagem
• O autor ressalta que há muita
diferença entre manter um aluno pelo
valor reforçador no comportamento
de ler ou pela probabilidade de ser
reprovado se não o fizer.

• Por isso que o ensino deve ser


cuidadosamente planejado para que o
aluno gradativamente possa emitir o
comportamento desejado mesmo sem
que os reforçadores externos.
Relação ensino- Aprendizagem
• “Ensinar é o ato de facilitar
a aprendizagem”
Skinner(1972)

• Ele considera que toda criança


ao nascer possui potencial
biológico para aprender alguma
coisa, o que não significa, por
outro lado, que o conhecimento
nasce junto com ela.
Avaliação e Aprendizagem
• O papel da avaliação na aprendizagem está no contexto de uma
concepção que supervaloriza o acerto.
• O aluno deve responder a uma pergunta de cada vez.
• As perguntas deverão ser simples para que os alunos cometam
poucos erros.
• E o aluno não deverá passar para o item seguinte antes de haver
respondido ao anterior.
• O aluno é levado de modo gradual, e logicamente, a um domínio cada
vez mais completo do assunto.

• A expressão Tecnologia Educacional é usada para designar a aplicação


sistemática de conhecimentos científicos à solução de
problemas da Educação.
Avaliação e Aprendizagem
• O papel do professor reside
na sua competência para
manipular as condições do
ambiente do aluno, a fim de
assegurar a aprendizagem.

• O papel do aluno: O aluno


passa a ser um receptor do
Conhecimento.

• A Aprendizagem deve ser


diretamente observável, a
partir das respostas dadas
pelo aluno.
Alguns questionamentos

A onda
Fatores que prejudicam a
aprendizagem
Profa. Erika Bataglia
Fatores
 Entre os fatores que prejudicam a aprendizagem,
muitos deles ligados à desigualdade social promovida
pelo sistema em que vivemos, podemos destacar os
seguintes:

 Fatores escolares.

 Fatores familiares.

 Fatores individuais.
Fatores Escolares
 Autoritarismo, inimizade e desinteresse do
professor.

 Relação entre alunos baseada na dominação e na


competição.

 Os métodos didáticos que dificultam a participação


ativa e livre dos alunos.

 O ambiente escolar estático e rígido, que favorece a


submissão, a passividade e a dependência.
Fatores Familiares

• A organização familiar.

• O número de irmãos.

• Os tipos inadequados de educação familiar.


Fatores Individuais
 Nível de maturidade, ritmo pessoal, interesses e
aptidões específicos.

 Problemas de origem nervosa: hiperatividade,


cacoetes, insônia, fala de apetite, etc.

 Problemas orgânicos: dificuldade de visão e


audição, doenças restritivas.

 Deficiências físicas.