Você está na página 1de 29

Versatilidade e Controle

 Máquinas de corrente contínua podem ser


utilizadas tanto como motor quanto como
gerador.

 Apesar do desenvolvimento das técnicas de


acionamento e viabilidade econômica das
máquinas CA, o motor CC se mostra a melhor
opção em inúmeras aplicações.
 Tais como:
 Bobinadeiras e desbobinadeiras.
 Laminadores.
 Máquinas de Impressão.
 Prensas.
 Elevadores.
 Aspectos Construtivos.

 Princípio de Funcionamento.

 Tipos de Excitação.

 Vantagens e Desvantagens.

 Controle de Velocidade.
 Estator [Campo ou Ímã Permanente]
 Tem a função apenas de produzir um campo
magnético fixo para interagir com o campo da
armadura.
 Rotor [Armadura]
 É um eletroímã constituído de um núcleo de ferro
com enrolamentos em sua superfície que são
alimentados por um sistema mecânico de
comutação.
 Sistema de comutação
 Formado por um comutador que possui uma
superfície cilíndrica com diversas lâminas às quais
são conectados os enrolamentos do rotor e por
escovas fixas, que exercem pressão sobre o
comutador e são ligadas aos terminas de
alimentação.
 Seu propósito é o de inverter a corrente na fase de
rotação apropriada de forma que o conjugado
desenvolvido seja na mesma direção.
 (a) A bobina apresenta-se horizontal, e como
pólos opostos se atraem, a bobina
experimenta um torque que age no sentido
de girar a bobina no sentido anti-horário.
 (b) A bobina sofre aceleração angular e
continua seu giro para a esquerda.
 (c) A bonina girou 90 graus, e não há torque,
uma vez que os braços de alavanca são nulos
[a direção das forças passa pelo centro de
rotação]
 Obs.: Esse é o instante adequado para inverter o
sentido da corrente na bonina [comutação].

 Por que?

 Porque os pólos de mesmo nome estão muito


próximos e a força de repulsão é intensa, e devido à
inércia do rotor e como a bobina já apresenta um
momento angular para a esquerda, ela continua
girando e o novo torque [propiciado por forças de
repulsão], colabora para a manutenção e aceleração
do movimento de rotação.
 Essas atrações e repulsões bem coordenadas
é que fazem o rotor girar.

 A inversão do sentido da corrente


[comutação] é condição indispensável para a
manutenção dos torques favoráveis,
garantindo assim o funcionamento do motor.
 Como é possível controlar a velocidade
de um motor CC?
 Ajuste da resistência de campo (reostato de
campo).

 Ajuste da tensão terminal aplicada a


armadura.
 Para compreender o que acontece quando a
resistência de campo é variada, assuma que
a resistência de campo aumenta.
 Se a resistência de campo aumenta, então a
corrente de campo diminui.

 IF = VT / RF
 Com a redução da corrente de campo,o fluxo
também diminui.
 Uma redução no fluxo causa uma redução
instantânea na tensão interna gerada EA=KΦω,
causando um grande aumento na corrente de
armadura da máquina.
 IA = (VT – EA )/RA
 O torque no motor é dado por Tdes=KΦω. Desde que
o fluxo na máquina diminui enquanto a corrente de
armadura aumenta, o que prevalecerá ?
 O aumento da corrente predomina sobre o
decréscimo no fluxo, e o torque desenvolvido
aumenta:
 Tdes=K Φ IA
 Desde que o torque desenvolvido é maior que o
torque de carga, a velocidade do motor aumenta.

 Entretanto, quando a velocidade aumenta a


tensão interna também aumenta o que provoca
uma redução da corrente de armadura.

 A redução da corrente de armadura faz com que


o torque desenvolvido também se reduza. E
finalmente, mai uma vez o torque se iguala ao
torque de carga numa velocidade mais alta que a
velocidade inicial.
 O aumento da corrente predomina sobre o decréscimo no
fluxo, e o torque desenvolvido aumenta:
 Tdes=K Φ IA

 Desde que o torque desenvolvido é maior que o torque de carga,


a velocidade do motor aumenta.

 Entretanto, quando a velocidade aumenta a tensão interna


também aumenta o que provoca uma redução da corrente de
armadura.

 A redução da corrente de armadura faz com que o torque


desenvolvido também se reduza. E finalmente, mai uma vez o
torque se iguala ao torque de carga numa velocidade mais alta
que a velocidade inicial.
 Se a tensão de armadura é elevada, a corrente
de armadura deve aumentar.
 Quando a corrente de armadura aumenta, o
torque desenvolvido aumenta aumentando a
velocidade do motor.
 Quando a velocidade aumenta, a tensão interna
gerada EA aumenta, o que provoca a redução da
corrente de armadura.
 A redução da corrente de armadura provoca a
redução do torque desenvolvido internamente,
fazendo com que o torque desenvolvido seja igual
ao torque resistente (torque da carga), entretanto
numa velocidade superior.
 Se a tensão de armadura é elevada, a corrente de armadura
deve aumentar.
 Quando a corrente de armadura aumenta, o torque
desenvolvido aumenta aumentando a velocidade do motor.
 Quando a velocidade aumenta, a tensão interna gerada EA
aumenta, o que provoca a redução da corrente de armadura.
 A redução da corrente de armadura provoca a redução do
torque desenvolvido internamente, fazendo com que o torque
desenvolvido seja igual ao torque resistente (torque da
carga), entretanto numa velocidade superior.
 As maquinas de imãs permanentes são
amplamente encontradas em aplicações
de baixa potência.

 Basicamente o enrolamento do estator é


substituído por imã correspondente.
 Vantagens:
• Utilizar imãs resultam numa construção mais simples;

• Os imãs não necessitam de excitação externa;

• Não dissipam a potência correspondente para criar campos magnéticos


correspondentes na maquina;

• O espaço exigido pelos imãs permanente são geralmente do que o exigido pelos
enrolamentos do estator;

• Tem custo de fabricação menor.


 Desvantagens:

• Risco de desmagnetização por correntes


excessivas nos enrolamentos do rotor ou
sobreaquecimento do imã;

• Limitação em relação à intensidade da densidade


de fluxo de entreferro.
 Uma importante limitação no funcionamento satisfatório de
uma máquina CC é a sua capacidade de transferir a corrente
de armadura através do contato das escovas no comutador,
sem faiscamento.
 O faiscamento produz, enegrecimento, corrosão e o desgaste
destrutivo do comutador e das escovas. Ele pode ser
provocado por condições mecânicas defeituosas (trepidação
das escovas, comutador áspero, ou gasto irregularmente) ou
por problemas elétricos (principal –reação de armadura).
 Enrolamento de Compensação:

 Os efeitos da FMM de armadura na região polar


podem ser compensados ou neutralizados por meio
de um enrolamento compensador encaixado em
ranhuras na face polar e tendo uma polaridade
oposta à do enrolamento de armadura adjacente.
Ele é ligado em série com a armadura a fim de ser
percorrido por uma corrente proporcional a corrente
desta. A principal desvantagem da utilização destes
enrolamentos é o custo.
 Interpólo:

 Os efeitos da FMM de armadura na zona de


comutação podem ser compensados ou neutralizados
por meio de pequenos e estreitos pólos colocados
entre os pólos principais. A polaridade de um
interpolo deve ser a polaridade do pólo seguinte para
gerador e precedente para motor. Ele é ligado em
série com a armadura a fim de ser percorrido por uma
corrente proporcional a corrente desta. A principal
desvantagem da utilização destes enrolamentos é o
custo.