Você está na página 1de 52

Seminário:

Industrialização na Construção Civil

Professor: Dr. Adnauer Tarquínio Daltro


Alunos: Marcel Ramos da Silva
Mychelle Bueno
Histórico

A industrialização não tem um início, um marco no tempo;


As conquistas mecânicas consequentes são uma evolução de métodos e técnicas
vinda do conhecimento científicos;
Esse processo de industrialização se expandiu para alguns países da Europa e para
os EUA;
Esses avanços que ocorreram em todo século
XIX, culminaram no fim deste mesmo século,
com uma grande invenção de Henry Ford para a
produção de automóveis: a linha de
montagem.
Posteriormente muitos aperfeiçoamentos foram
introduzidos com o objetivo de melhorar a
produtividade e a eficiência da produção em série:

*Just in Time;
 Gestão de um Momento;
Qualidade Total;
Análise de Valores;
 Re-engenharia;
1. O processo de industrialização das edificações passou por várias fases
até o final do séc XX;

2. Vários estudos e propostas foram feitas ao longo do século XX,


utilizando diferentes materiais com linguagem moderna ou cópia de
clássicos;

3. A presença de governos para introduzir políticas que garantissem


grandes investimentos públicos e privados, era cogitada desde o início
do séc. XX;

4. Poucos são os sistemas industrializados que atravessaram o tempo;


Origem

A utilização das técnicas industriais como um objetivo


explícito de aplicá-las a construção civil tem suas
primeiras manifestações nas construções do “Balloon
Frame” em Chicago, nas primeiras décadas do séc. XIX,
quando George Washington Snow, empresário da
madeira, desenvolveu o sistema construtivo.
A industrialização passou a ser de grande interesse dos engenheiros e
arquitetos desde meados do séc. XIX, tomando como referência o
“Palácio de Cristal”, projeto de Joseph Baxton, em 1850, para a exposição
industrial internacional em Londres.
A indústria, embora tenha surgido como um fato irreversível nos fins
do séc. XVIII e início do séc. XIX, somente no fim do séc. XIX é que veio
ocupar o pensamento e as propostas dos arquitetos.

 Le Corbusier fez referências, falando de “Casas em Série” num dos


capítulos do livro editado em 1923, “Vers une arquitecture”.

W. Gropius foi quem tratou do assunto de uma maneira mais


profunda e lançou as bases e os conceitos do que seria realizado em
industrialização da construção até os fins do séc. XX.
Uma pré-fabricação parcial foi realizada em
1926 no conjunto Tórten em Dessau, e uma
outra tentativa foi realizada no Weissenhof de
Stuttgart em 1927.
Nakagin Capsule Building –
Projeto Kirsho Kurokawa, 1972

Habitação
industrializada;
Projeto para área
densamente urbanizadas;
Pode ser transportado
para qualquer lugar;
Sekisui House – Projeto
Katsuhiko Ohno, 1973.

Casa típica de três quartos que utilizam;


Sete módulos (containers);
Podem ser montadas em três horas;
Teisei Overseas System
Sistema fechado de elementos pré-fabricado
de concreto permite vários arranjos dos
blocos através de empilhamento ou
acoplamento lateral.
O QUE É UMA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA?
A Indústria da Construção é um setor da economia constituído por uma dualidade
que bem revela as contradições.

Componentes, equipamentos e ferramentas


Indústria de Beneficiamento
Segundo Rosso (1980) a respeito da industrialização e racionalização da
construção civil existe dois tipos de componentes industrializados, uma de
ciclo aberto e outra de ciclo fechado.

Onde a diferença entre eles consiste na flexibilidade de combinações com


outros materiais e componentes da construção.

Rosa (2006) Industrializar a construção é aplicar nela, os mesmos métodos,


critérios e lógica que são usados nas montagens dos produtos das indústrias
de bens de capital ou de bens de consumo, tal como a história os
consagrou: a produção em série.
Ciclo Aberto
Possui variações de opções
Ciclo Fechado
Possui um grau restrito de variações
Ciclo Flexibilizado
Nesse caso não só os componentes
sãos abertos mais todos o sistemas
passa a ser, o projeto passa a ser
adequar a qualquer tipologia
arquitetônica.

Esse sistemas estão estabelecendo um


novo relacionamento entre tecnologia,
projetista e usuário.
Biblioteca Central Seatle EUA
Característica dos sistemas
industrializados

Na construção industrializada, como na maior parte das indústrias, a


concepção deve ser compartilhada por muitos projetistas.

Correta transmissão de informações, desde a concepção até a utilização


do método deve ser uma preocupação constante.

A industrialização passou a possibilitar melhores condições de maior:


I - controle do desempenho ambiental;
II - redução da geração de resíduos;
III - emissão de CO2, uso de energia e água;
Característica Definição
Produção em fabrica Os sistemas construtivos para serem
industrializados necessitam de serem produzido
em fabrica e transportado para obra.
Contratação Quanto a contratação um sistemas
industrializados apresenta diferenciação em
comparação com sistemas convencionais, aonde
Segundo o Manual deve ser mais detalhado devendo constar
da Agência Brasileira aspectos como instalação de componentes,
prazos de garantias e montagem.
de Desenvolvimento Tributação Pelo fato de serem comercializadas em fabricas
Industrial a tributação deve ser como produto e não como
serviço.
Aspectos produtivos  Fácil combinação entre os elementos;
 Montagem mecanizada ou parte dela;
 Coordenação Modular;
 Uso de Normas, evitando qualquer tipo de
improvisação;
Reprodução Esta relacionada a capacidade de ser fabricada
em qualquer local sobre as mesmas condições,
resultando em um processo simplificado
O QUE É RACIONALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO?
Já a racionalização seria um processo posterior a industrialização, visando
redução de custos, de prazo e melhorando o planejamento da produção.

desenvolvimento de práticas e métodos


Racionalização que têm como objetivo uma melhoria
dos aspectos de produção da industria
melhorando sua eficiência.

1. Construção enxuta;
2. A modulação;
3. Programa de qualidade como PBQP-H;
4. ISSO 9000;
NO BRASIL
No Brasil a industrialização da construção civil tem ocorrido de forma
lenta;

Primeiramente ocorreu uma importância nas década de 50 e 60 de


sistemas construtivas da Europa e EUA, e que devido a falta de estudos
de viabilidade econômica, clima, mão de obra e integração com
subsistemas.

A partir da década de 80 as construtoras passaram a investir na


industrialização e racionalização da construção civil.
n° Pessoal Salário Médio
Receita Bruta
Empresas Ocupado (mínimo)
Construção 247 426 2 865 167 2 069,39 73 355 025
Transporte,
235 751 2 756 851 2 385,27
armazenagem e correio 77 906 071
Indústrias de 2 590,50
422 055 8 266 217
transformação 273 661 680
automotores 2 005 369 11 808 404 1 609,10 193 891 569
Cadastro Central de Empresas -2015 (Fonte: IBGE)

O setor da construção civil emprega menos pessoas por unidade de


empresa;
Assentam
entos
urbanos
precários
Políticas
Aumento
Públicas de
da
Habitação
demanda
Orientadas
habitacion
para o
al
Mercado

Autoconst
Moradia
rução sem
Inadequad
assistência
as
Técnica
A CONSTRUÇÃO COMO UM SISTEMA

Conjunto de elementos da construção que associados e coordenados formam um todo


lógico. (Weidle, 1995)
Os sistemas construtivos devem estabelecer um sistema de produção, um conjunto de
processos construtivos, cujo produto final será o edifício.
ESTRUTURAL COBERTURA INSTALAÇÕES VEDAÇÕES REVESTIMENTOS
O subsistema estrutural

Estruturas ou sistemas estruturais podem ser entendidas como disposições


racionais e adequadas de diversos elementos estruturais.

Se caracterizam por serem as partes mais resistentes de uma construção.

Podem ser convencional e não convencional (inovadores)


SISTEMAS ESTRUTURAIS CONVENCIONAIS

Caracterizado por ter norma técnica prescritiva, que fixa tipo e qualidade de
materiais, dimensões mínimas, etc.
ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

Podem ser moldados in loco ou pré-fabricados

NBR 6118/2014 – Projeto de estruturas de


concreto
NBR 9062/2001 – Projeto e execução de
estruturas de concreto pré-moldado
ESTRUTURAS METÁLICAS

NBR 8800/2008 – Projeto de estruturas


de aço e de estruturas mistas de aço e
concreto de edifícios

NBR 14762/2001 – Dimensionamento de


estruturas de aço constituídas por perfis
formados a frio
ESTRUTURAS DE MADEIRA

NBR 7190/1997 – Projeto de estruturas


de madeira
ALVENARIA ESTRUTURAL COM
BLOCOS DE CONCRETO

NBR 15961/2011 – Alvenaria Estrutural


– Blocos de Concreto
ALVENARIA ESTRUTURAL COM
BLOCOS CERÂMICOS

NBR 15812/2010 – Alvenaria Estrutural


– Blocos Cerâmicos
SISTEMAS ESTRUTURAIS INOVADORES

São caracterizado por:


Não ter norma técnica prescritiva;
Seu comportamento/desempenho em uso não é totalmente conhecido
Ainda não é consagrado pelo seu uso
PAREDE ESTRUTURAL DE CONCRETO
MOLDADO IN LOCO COM:

Concreto leve
Concreto reforçado com fibra de vidro
Concreto reforçado com polímeros
Concreto com EPS
Concreto têxtil
PAINEL PRÉ-MOLDADO MISTO DE
CONCRETO ARMADO E BLOCOS
CERÂMICOS
PAINEL ESTRUTURAL PRÉ-
MOLDADO DE CONCRETO
PAINEL ESTRUTURAL DE PVC
PREENCHIDOS COM CONCRETO
Wood Frame
Estruturas com bambu

Projeto: One With de Bird – Hotel na China


Estruturas com Madeira
Laminada Colada

Shopping Iguatemi – Fortaleza/CE


Light Steel Framing
PRODUTOS PRÉ-FABRICADOS E INDUSTRUALIZADOS
Os pré-fabricados são elementos produzidos fora do local definitivo da
estrutura, em usina ou instalações análogas que disponham de pessoal e
instalações laboratoriais permanentes para o controle da qualidade.

Os elementos estruturais industrializados se diferenciam pela forma


de fabricação, podendo, de acordo com a NBR 9062/2001, ser
produzidos em fábrica, em canteiro ou ambos.

Os primeiros passos da consolidação dos pré-fabricados ocorreram há


dez anos, quando foram introduzidas no mercado as primeiras peças de
fechamento de fachadas para prédios de múltiplos pavimentos,
(LOTURCO, 2005)
Placas Cimentícias
São basicamente constituídas de cimento e agregados minerais leves (como por exemplo, a
perlita, leve, resistente e durável). O produto é uma alternativa rápida, limpa e econômica
para construção civil, que apresenta ótimo desempenho técnico devido à flexibilidade no
manuseio, durabilidade, estabilidade e resistência à umidade.
Painel Wall

Composto de miolo de madeira laminada ou sarrafeada, contraplacado em ambas as faces


por lâminas de madeira, e externamente por placas cimentícias CRFS (Cimento Reforçado
com Fio Sintético) prensadas
Dry Wall

Utiliza chapas de gesso acartonado fixadas sobre estruturas metálicas ou de madeira


Placas OSB

Oriented Strand Board - Painel de Tiras de Madeira Orientada


Painel reconstituído de flocos de madeira, parcialmente
orientados, com a incorporação de adesivo à prova d’água e
consolidados por meio de prensagem a quente.
Esses elementos industrializados fazem parte
substancialmente do sistema estrutural em que estão inseridos
e por isso, entende-se que a construção industrializada não
seria possível sem os produtos industrializados e fabricados
previamente.
Referências Bibliográficas
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2001). NBR 9062 – Projeto e execução de estruturas de concreto
pré-moldado. São Paulo.
GREVE, Adão Hélio. BALDAULF, Alexandra Staudt Follmann. A Coordenação Modular na Construção: um resgate
imprescindível. Porto Alegre, 2007.
LOTURCO, Bruno. Pré-fabricados. Revista Techne, 2005.
OLIVEIRA, A. B. de F.;BIELER, H.E.;SOUZA,H.A.de. Inserção de Sistemas de Construção Industrializadas de Ciclo Aberto
Estruturados em Aço no Mercado da Construção Civil Residencial Brasileira.In:CONGRESSO LATINOAMERICANO DA
CONSTRUÇÃO METÁLICA, 2012, São Paulo. Sistema Construtivos em Aço. Disponível em:
http://www.abcem.org.br/construmetal/2012/arquivos/Cont-tecnicas/34-Construmetal2012-insercao-de-sistemas-de-construcao-
industrializados-de-ciclo-aberto.pdf.Acesso em 30 Ago.2012
RIBEIRO, M.S; JR.C.M. A contribuição dos processos industriais de construção para adoção de novas tecnologias na construção
civil no Brasil. Campos dos Goytacazes-RJ. Revista Vértice, quadrimestral, UFF.v.5, n.3, p.89-108, 2003. Disponível em:
http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/1809-2667.20030021. Acessado em: 05 set.2015.
WEIDLE, Érico P. S. SISTEMAS CONSTRUTIVOS NA PROGRAMAÇÃO ARQUITETÔNICA DE EDIFÍCI.OS DE
SAÚDE. Brasília, 1995.