Você está na página 1de 11

 Definição

de Absolutismo – Grande
concentração de poderes nas mãos do rei;

 Definiçãode Mercantilismo – Forma de


organização econômica característica do
Antigo Regime;

 Quando? Entre os séculos XV e XVII;

 Aoconjunto dessas características que


ocorreram na transição da Idade Média para
a Moderna nós chamamos de Antigo Regime;
 A formação das monarquias nacionais na Baixa
Idade Média;

 A crise do século XIV: dissolução das relações de


servidão e dos laços de de pendência pessoal;
 As revoltas camponesas e urbanas.
 A contestação ao poder universal da Igreja:
Reforma.
 As mudanças culturais expressas pelo
Renascimento.
 A aliança do rei com a burguesia.
 O desenvolvimento do comércio.
 Os dois estão fortemente ligados: a
existência de um implica na do outro, pois a
centralização de poderes nas mãos do rei só
foi possível porque o mesmo usava sua
autoridade em prol do desenvolvimento do
comércio, por meio do qual mantinha a
burguesia submissa a ele.
 Nobreza: interessada na repressão das
revoltas camponesas, na proteção da
propriedade das terras e na manutenção de
seus privilégios;

 Burguesia: interessada na melhoria das


estradas, na segurança pública, na unificação
das moedas, na padronização de pesos e
medidas, na criação de leis com âmbito
nacional e o desenvolvimento do comércio.
 Centralização e unificação administrativa.

 Formação de uma burocracia.

 Formação de um exército.

 Arrecadação de impostos “reais”.

 Unificação monetária.

 Unificação do sistema de pesos e medidas.

 Imposição da justiça real.


 Nicolau Maquiavel - Obra: “O Príncipe” -
não deve haver limites de ordem ética e
moral às ações do Príncipe.
princípio da Razão de Estado: “os fins
justificam os meios” = todos os meios que o
soberano empregar, visando manter a vida e
o Estado, são válidos por definição, ou seja,
o soberano tudo pode fazer quando busca o
bem-estar do país (interesse do Estado).
 Thomas Hobbes - Obra: “Leviatã” - Estado:
uma grande entidade todo-poderosa que
dominaria todos os cidadãos.,a superação do
“estado de natureza” para a sociedade civil.
Contrato social: cada um cede seus direitos
ao soberano, ou seja, renuncia-se a todo
direito de liberdade, nocivo à paz e a ordem,
em benefício do Estado.
“homo homini lupus” = o homem era como
um lobo para o homem.
 Jacques Bossuet - Obra: “Política segundo a
sagrada escritura” - principio do direito
divino dos reis: o poder real emana de Deus,
a autoridade do rei é sagrada, revoltar-se
contra o rei equivalia a revoltar-se contra
Deus.
“um rei, uma lei, uma fé”.
 JeanBodin - Obra: “A República” –
soberania não-partilhada a soberania real
emana das leis de Deus.
 Hugo Grotius - Obra: “Do direito da paz e
da guerra” - os homens aceitavam submeter-
se a uma autoridade soberana porque
compreendiam as vantagens naturais que
uma sociedade ordenada e pacífica
representa.