Você está na página 1de 26

TIPOS DE CORRENTE ELÉTRICA

O modo como os eletrões se movem

+
determina o tipo de corrente

CORRENTE ELÉTRICA CONTÍNUA 


o fluxo de eletrões passa pelo fio
sempre no mesmo sentido

I  sentido não convencional


1
ddp =(VA – VB)
CORRENTE ELÉTRICA ALTERNA

é aquela cuja sentido e a intensidade variam periodicamete

60 ciclos/ segundo

f = 60 Hz
2
Formas de onda de corrente contínua e corrente alterna

a) A corrente contínua (DC) é a


corrente que passa através de um
condutor ou de um circuito somente
num sentido.

V (t )  V0  diferença de potencial constante

I (t )  I 0  corrente elétrica constante

b) Uma fonte de tensão alternada (tensão CA)


inverte ou alterna periodicamente a sua
polaridade.
 consequentemente, o sentido da corrente
alterna resultante também é invertido
periodicamente

V (t )  V0 sin t (V0 tensão máxima)

V t  V0 sin t
I t     I t   I 0 sin t ( I 0 corrente elétrica máxima)
R R 3
VALOR EFICAZ

O calor desenvolvido numa resistência é independente do sentido de circulação da


corrente.
O valor eficaz corresponde à mesma quantidade de corrente ou tensão contínua capaz
de produzir a mesma potência de aquecimento
Os valores indicados nos aparelhos de medida de intensidade de corrente
(amperímetro) e de tensão (voltímetro) são os respetivos valores eficazes

Corrente elétrica eficaz Tensão elétrica eficaz

I V0
I ef  0 Vef 
2 2

I ef
Valor eficaz da corrente elétrica  é o
mesmo valor de corrente contínua capaz de
produzir a mesma quantidade de calor que a
corrente alterna e no mesmo recetor e
mesmo intervalo de tempo

4
ENERGIA ELÉTRICA E POTÊNCIA

Vimos que uma bateria é usada para criar uma corrente elétrica num condutor, há uma
transformação contínua da energia química na bateria em energia cinética dos eletrões e em
energia interna no condutor, tendo como consequência um aumento na temperatura do condutor
Análise da transferência de energia dum circuito 
em que uma bateria é ligada a um resistor de E
resistência R :
b

Supomos que uma carga positiva Q, sai do ponto a,


passando através da bateria e do resistor, e volta ao
ponto a
V
Q
Ponto a  ponto de referência em que o potencial é zero a

ab A energia potencial elétrica do sistema aumenta U  QV 


a energia química da bateria diminui da mesma quantidade.
c  d atravessa o resistor, e o sistema perde energia potencial elétrica durante colisões com os
átomos no resistor. A energia é transformada em energia interna  aumento do
movimento vibracional dos átomos no resistor e da temperatura.

ac ecd nenhuma transformação ocorre porque desprezamos a resistência dos fios de
ligação.
Resultado líquido quando a carga retorna ao ponto a: parte da energia química da bateria
5
foi para o resistor e permanece nele como energia interna associada a vibração molecular.
O sistema perde energia potencial elétrica quando a carga Q atravessa o resistor:

 QV  
dU d dQ
V  IV
dt dt dt
Posteriormente o sistema recupera essa energia potencial, à custa da energia química da bateria,
quando a carga atravessa novamente a bateria

P  IV  representa a POTÊNCIA  taxa de energia fornecida ao resistor

 ou a qualquer outro dispositivo que transporte uma corrente elétrica I, e tem uma diferença
de potencial entre os seus terminais V.

Utilizando V=RI pode-se expressar a potência entregue ao resistor nas formas

V 
2
 transformação de energia elétrica em energia
PI R 2
ou P térmica . Energia perdida.
R

A potência fornecida a um resistor é frequentemente chamada de uma perda I 2 R


 a energia dissipada no condutor é o calor Joule ou o efeito é o efeito Joule
Unidade SI: watt (W) que corresponde a J/s 6
EXEMPLO DE UM CIRCUITO ELÉTRICO

sentido convencional da
corrente

7
ELEMENTOS DE UM CIRCUITO ELÉTRICO

Chave

+ - Bateria
8
Exemplo: Uma lâmpada é classificada como sendo de 120 V / 75 W, o que significa que
a sua tensão de funcionamento pretendida de 120 V, tem uma potência de 75 W.
O brilho da lâmpada está relacionado com a tensão em que se liga a lâmpada. A
tensão nominal corresponde ao brilho normal. Com menor tensão que a nominal , o
brilho da lâmpada é mais fraco, e com maior tensão, ela pode queimar. Supomos que a
lâmpada é alimentada por uma fonte de 120 V em corrente contínua.
Qual é a corrente na lâmpada e a sua resistência?
Resolução
A corrente elétrica na lâmpada:

Sabemos que P  IV 


P 75 W
I   0.625 A
V 120 V
A resistência elétrica da lâmpada:

V 120 V
V  RI  R   192 
I 0.625 A
9
AS FONTES DE TENSÃO DE CORRENTE CONTÍNUA (DC) PODEM SER DIVIDIDAS EM
TRÊS CATEGORIAS:

Baterias  utilizam reações químicas

Geradores  transformam energia mecânica em elétrica

Fontes de alimentação:

 obtêm corrente contínua retificando a corrente alternada

 convertem a tensão variável numa tensão com valor fixo


FONTES DE FORÇA ELETROMOTRIZ (fem)

O dispositivo que mantém a tensão constante num circuito DC é chamado de fem

Símbolo 
Potencial
maior

A fonte deve realizar um trabalho dW sobre um


elemento de carga dq para que esta se desloque do
terminal (–) para o terminal (+)

dW
 Potencial
menor
dq

J
Unidade da fem no SI: V
C

Na realidade a fonte tem uma resistência interna 


11
CÁLCULO DA CORRENTE DO CIRCUITO

Tensão nos terminais da fonte

V    rI

e V  RI

  V  rI  RI  rI 


I
Rr

Se a fonte não tiver resistência interna (r=0)  I
R
12
a) Diagrama do circuito com uma
fonte de fem  de resistência interna r
ligado a um resistor externo R .

(a)

b) Representação gráfica que mostra


como o potencial varia quando o
circuito é percorrido por uma
corrente.

(b)
13
RESISTORES EM SÉRIE

Uma mesma corrente passa através dos resistores ligados em série. A soma das
diferenças de potencial entre as extremidades dos resistores é igual diferença de
potencial aplicada:

V  R1 I  R2 I  I R1  R2  V  Req I

 Req  R1  R2
A resistência equivalente de três ou mais resistores em série é

Req  R1  R2  R3  ...   Ri
i 14
RESISTORES EM PARALELO

Os resistores ligados em paralelo estão submetidos a mesma diferença de potencial:

V V  1 1  V 1 1 1
I  I1  I 2    V       
R1 R2  R1 R2  Req Req R1 R2

A resistência equivalente de três ou mais resistores em paralelo é

1 1 1 1 1
    ...  
Req R1 R2 R3 1 Ri 15
Exemplo 1

Um aquecedor de 1250 W é construído para operar sob uma tensão de 115 V.


(a) Qual será a corrente no aquecedor?
(b) Qual é a resistência da bobina de aquecimento?
(c) Que quantidade de energia térmica é gerada pelo aquecedor em 1 hora?

16
Exemplo 2

U

U

17
Exemplo 3

18
Exemplo 3 (continuação)

(i  q / t )

19
Exemplo 3 (continuação)

20
Exemplo 4. Calcular a resistência equivalente e a corrente que passa no circuito.
Temos: R3 em serie com R4 e com R5. Resulta em:

R6  R3  R4  R5
 (20  30  50)   100 
No circuito resultante R6 ficou em paralelo com R2:

1 1 1 1 1
      R7  60 
R7 R6 R2 100 150

R7 está em série com R1, e é a


última simplificação:

Req  R1  R7
 (30  60)   90 

V 18 V
A corrente que passa no circuito  V  Req I  I    0.2 A
Req 90 
REGRAS DE KIRCHOFF

Os resistores podem estar ligados de maneira que os circuitos formados não possam
ser reduzidos a um único resistor equivalente.
Para analisar tais circuitos mais complexos convém utilizar duas regras simples 
as duas Leis de Kirchhoff.
Estas leis são baseadas em princípios de conservação de energia e de carga

1ª LEI DE KIRCHOFF (OU LEI DOS NÓS) – a soma das correntes que entram em
qualquer nó é igual à soma das correntes que saem desse nó.

I
n
n 0

22
2ª LEI DE KIRCHOFF - a soma das diferenças de potencial em todos os elementos de
uma malha fechada do circuito é igual à zero, pois os pontos inicial e final são iguais.

 V
n
n 0
Chama-se “queda de
potencial”, a diferença
As regras seguintes mostram como cada queda de de potencial entre dois
potencial é usada nesse somatório. pontos de um circuito
sentido convencional da corrente para a fonte
I

V  

V  

V   IR

V  IR 23
Exemplo 1: Um circuito é constituído de três resistências, dois recetores e um
gerador. Determine:
a) o sentido da corrente elétrica;
b) a resistência elétrica equivalente do circuito;
c) a intensidade da corrente elétrica no circuito;
d) a ddp entre os pontos A e B.

Resolução:
a) Qual dos três dispositivos elétricos é o
gerador? É aquele com maior fem:  3  18 V

A corrente elétrica, portanto, vai do terminal negativo para o positivo. Isso faz
com que a corrente se movimente no sentido anti-horário pelo circuito e 1 e  2
representem recetores:
b) Como as resistências estão
associadas em série, a resistência
equivalente é dada por:

Req  R1  R2  R3  2  1  2  5 

24
c) a intensidade da corrente elétrica no circuito;

 3   1,   2,
i
Req

18  5  3
 2A
5

d) a ddp entre os pontos A e B.

V   3  R3i   1,
 18  2  2i  5  9 V
V3  R3i
V
25
Exemplo: Circuito de várias malhas

26