Você está na página 1de 65

Á

F
R
I
C
A
“À medida que a economia mundial se tornava
global e, sobretudo após a queda da região
soviética, mais puramente capitalista e
dominada por empresas, investidores e
empresários descobriram que grande parte dela
não tinha interesse lucrativo para eles, a não ser,
talvez, que pudessem subornar seus políticos e
funcionário públicos para gastar dinheiro
extraído de seus infelizes cidadãos com
armamentos ou projetos de prestígio. Um
número desproporcionalmente grande desses
países se encontrava no infeliz continente
africano.”

Eric Hobsbawn – Era dos Extremos, 1995, p. 355


Vídeo - We are the word – 7 min
Localização
• Aproximadamente, 30,27
milhões de quilômetros
quadrados de terras.
• Se localizam parte no
hemisfério norte e parte no
sul.
• Ao norte é banhado pelo mar
Mediterrâneo; ao leste pelas
águas do Oceano Índico e a
oeste pelo Oceano Atlântico.
• O Sul do continente africano é
banhado pelo encontro das
águas destes dois oceanos.
Os mais antigos
• 7 mil anos – plantavam e utilizavam ferramentas.
• 2 mil anos – Caravanas já atravessavam o enorme deserto do
Saara.
• Sul do rio Nilo – região da Núbia: indivíduos altos e pele muito
escura = Reino de Kush (capital Napata).
• Kushitas: intenso comércio com o Egito, construíram prédios,
tinham sua própria escrita.
• VIII a.C. – kushitas derrotaram os egípcios e foram faraós por
um século.
• VII a.C. – Meroe (cidade núbia mais importante) – centro
comercial, produtora de objetos e ferramentas de ferro
As construções de Moroe revelam a influência egípcia, mas a língua, o sistema
de escrita e a religião eram diferentes.
Os mais antigos
• Onde hoje está a Nigéria –
1800 a.C. – pequenas cidades;
• V a.C. – Fabricação de objetos
de ferro – cultura Nok.
• V a.C. – onde hoje está a
Etiópia – reino de Áxum –
chegou a ser a potência
dominante da região, entre o
império romano e o império
persa
Grandes reinos
Reino de Gana
• Viajantes diziam que “Gana era
tão rico que, no palácio do rei, os
cachorros vestiam coleiras de
ouro.”

• Sua área correspondia às atuais


regiões de Mali e da Mauritânia,
fazendo divisa com o imenso
deserto do Saara.

• Séc. XI – conquistado pelos


muçulmanos
Grandes reinos
Reino de Mali
• Região banhada pelo rio Níger.
• Riqueza: minas de ouro
• Rei (mansa) mais importante:
Kango Mussa – estimulou vinda
dos sábios árabes islâmicos para
ensinar na cidade de Tomboctu
(centro comercial internacional
entre os povos da África).
• “O sal vem do norte, o ouro vem
do sul, mas as palavras de Deus e
os tesouros da sabedoria vêm de
Tomboctu”.
• Séc. V d.C – superado pelo reino
de Songhai.
Mesquita em Djena – importante cidade comercial do reino de Mali. É o maior
templo do mundo feito com terra seca e traves de madeira.
A prosperidade deste império
baseava-se no comércio
transahariano do couro, sal,
ouro e peles. Tombuctu,
Gao e Djena foram os
centros econômicos
culturais desta civilização.
Os mais antigos
• Hauças – diversos povos que falavam línguas diversas e
viviam em cidades-Estado independentes.
• Tinham um sofisticado artesanato;
• Comercializam com diversos povos – Katena (cidade mais
importante);
• Séc. XVI - império árabe (declínio). Comércio decai e arrastou
os hauças.
• Séc. XIX – hegemonia dos fulanis, liderados por Usman Dan
Fodio.
Os mais antigos
O Império Songhay
• Do início do século XV até o final
do XVI, Songhai foi um dos
maiores impérios africanos da
história.
• Capital - cidade de Gao.
• Sua base de poder era sobre a
volta do rio Níger.
• Em 1325, Mansa Musa submete
pelas armas o reino de Songhai à
dominação Mali.
• Os príncipes de Songhai são
levados à corte de Mali.
• Um deles consegue fugir e, em
• O império de Songhai, porém, só
foi constituído durante o reinado
de Sonni Ali, o último dos 17
soberanos.
• Conquistas: todas as cidades às
margens do rio Níger com sua
frota de navios.
Os mais antigos
Reino de Benin
• Vinha do povo edo.

• Capital – Ubini e onde


viviam o rei (oba).

• Sociedade: nobres,
servidores e escravos.

• Prosperidade – venda de
escravos para traficantes
europeus.
Os mais antigos
Reino do Congo
• Área – onde estão hoje o Congo e
Angola.
• O império era governado por um
monarca, o manicongo.
• A principal atividade econômica -
comércio onde predominava a
compra e venda de sal, metais,
tecidos e produtos de origem
animal.
• O contato dos portugueses com
as autoridades políticas =
articulação do tráfico de escravos
principalmente para MG,na
exploração aurífera.
Os mais antigos
Existiam também:
• Reino de Ndongo
• Reino Monomotapa – capital o
grande Zimbábue.
• Reino Adomei (Daomé).
A África no Brasil
• No período da escravidão, eram
tratados como mercadoria;
• Eram explorados e sua cultura tida
como inferior;
• O português falado no Brasil é prova
viva da contribuição africana;
• Na música: o samba;
• Na culinária: a feijoada e o arroz
doce
• Nas festas: a congada, o maracatu e
o carnaval.
A África no Brasil
• Através da religiosidade os
africanos preservaram parte de
sua cultura;
• O catolicismo no Brasil é
totalmente atípico;
• Só aqui existe o católico não
praticante;
• O candomblé é a maior prova
deste sincretismo;
• Nesta religião, criada no Brasil,
mistura-se o cristianismo e as
- Iemanjá
crenças africanas;
- Nossa Senhora
• Apesar de não parecer o da Conceição
candomblé é uma religião
monoteísta.
África Hoje
• Segundo continente mais populoso do mundo -
Aproximadamente, 800 milhões de habitantes.
• É basicamente agrário, 63% (meio rural); 37 % moram em
cidades.
• Pobre e subdesenvolvido, apresentando baixos índices de
desenvolvimento econômico.
• A renda per capita - US$ 800,00.
• O PIB corresponde a apenas 1% do PIB mundial.
• Grande parte dos países possui parques industriais pouco
desenvolvidos, enquanto outros nem se quer são
industrializados, vivendo basicamente da agricultura.
• O principal bloco econômico africano é o SADC (Southern
Africa Development Community), formado por 14 países:
África do Sul, Angola, Botswana, República Democrática do
Congo, Lesoto, Madagascar, Malaui, Maurícia, Moçambique,
Namíbia, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue.
• Além da agricultura, destaca-se a exploração de recursos
minerais como, por exemplo, ouro e diamante (multinacionais
estrangeiras).

• Possuem um nível de desenvolvimento um pouco melhor do


que a média do continente são: África do Sul, Egito, Marrocos,
Argélia, Tunísia e Líbia.

• Principais problemas: fome, epidemias (a AIDS é a principal) e


os conflitos étnicos armados.

• Analfabetismo, por exemplo, é de aproximadamente 40%.


• As religiões: muçulmana (cerca de 40%) e católica romana
(15%). Existem também seguidores de diversos cultos
africanos.

• As línguas mais faladas: inglês, francês, árabe, português e as


línguas africanas.
Neocolonialismo
na África
O retrato do imperialismo neocolonialista na África
“Dobro e aposto o sudoeste daquela
minha colônia africana ali.”
• 1900: cerca de 56,6% da Ásia e 90,4% da África estavam
sob controle do colonialismo europeu.
• Guerras Mundiais = declínio
das potências européias.
• A ascensão do nacionalismo
asiático e africano:
influência da Carta da ONU
– direito a
autodeterminação dos
povos e Pan-Africanismo
(Jomo Queniata) e Pan-
Arabismo (Gamal Abdel
Nasser).
• Guerra Fria – desejo dos
EUA e URSS de ampliar sua
influência.
Meios
• Guerras – adoção do socialismo.

• Acordos – concessão de
independência com transferência
do poder para elites locais e
vínculos com dependência
capitalista.
A Conferência de Bandung
(1955)
• Indonésia – A. Sukarno
• 29 novas nações da África e
Ásia.
• Bloco dos não alinhados (3º
mundo).
• Ajuda mútua entre nações
afro-asiáticas.
• Combate ao racismo e
neocolonialismo.
• Debate de problemas
econômicos entre os
participantes.
Descolonização africana
A DESCOLONIZAÇÃO
AFRICANA:
• 1956: independentes
(Libéria, Etiópia e África do
Sul - minoria branca no
poder).

• 1957 a 1962: 29 novos


estados independentes
(Namíbia -1990 e Eritréia -
1993: últimos países
independentes.
Argélia
• Conflito violento (1 milhão de
mortos).
• FLN (Frente de Libertação Nacional )
+ massa de mulçumanos locais X
FRA + colonos franceses (Pieds-noirs
ou “pés pretos”)
• Batalha do Argel -1957: maior
confronto.
• 1962 - Armistício de Evian: França
reconhece a independência da
Argélia sob o comando da FLN (Ben
Bella – líder).
Congo
• Colônia belga.
• Rica em diamantes, ouro, cobre e
outros minerais
• 1960: Bélgica concede a
independência (pressões populares)
• Presidente: Joseph Kasavubu;
• Primeiro Ministro: Patrice Lumunba
(Movimento Nacional Congolês).
• Guerra civil: Katanga e Kasai
movimento separatista. (províncias
ricas em minerais financiados por
belgas).
• 1961: É assassinado Patrice Lumunba . KASAI
• 1965: General Mobuto Sese Seko
(pró-EUA) torna-se ditador, e o país
muda de nome para República do
Zaire.
• 1997: Laurent Kabila depõe Mobuto e
KATANGA
o país voltou a adotar o nome de
República Democrática do Congo.
Angola

– 1975: Independência (Tratado de Alvor).

– 1975 – 1992: Guerra civil:

•MPLA X UNITA X FNLA


Capitalista Capitalista
Socialista
Jonas Savimbi Dissolvido no
Agostinho Neto
Etnia: Ovimbundu fim dos anos 70.
Etnia: Kimbundo
Apoio: EUA e Á. do Sul Etnia: Bakongo
• José Eduardo dos Santos (MPLA)
assume a presidência.
• Acordo de paz é desrespeitado
pela UNITA e guerra civil
prossegue até 2002.
• Infra-estrutura do país é
completamente arrasada pela
guerra.
• Condições de saneamento e
higiene precárias.
• Expectativa de vida: 46 anos.
• Brasil manteve tropas de apoio a
ações da ONU durante os anos
90.
Moçambique
• 1975: Independência (Acordo de Lusaka)
• 1975 – 1992: Guerra civil
• FRELIMO (socialista) X RENAMO
(capitalista)
• Samora Machel – líder da FRELIMO.
• Guerra civil devasta o país.
• Saída de mão de obra qualificada.
• Esgotamento da economia. Símbolo da FRELIMO

• Epidemias de fome, tifo e cólera.


Nigéria
• Ex-colônia inglesa.
• 1960: independência concedida.
• Crescimento do nacionalismo.
• 1967 – 1970: Guerra de BIAFRA.
• Movimento separatista.
• Província rica (petróleo).
• Rivalidades étnicas:
• IBOS (Biafra) X HAUSSAS (etnia
majoritária nigeriana)*.
• 2 milhões de mortos.
• Unidade política precária
prejudicada por rivalidades
étnicas.
África do Sul
• 1910 – União Sul Africana:
ingleses + africânderes
(descendentes de holandeses,
alemães e franceses).
• Leis segregacionistas (hegemonia
dos brancos).
• 1948 – oficialização do
APARTHEID (separação) Daniel
Malan.
• Criação dos Bantustões (divisão
tribal e confinamento dos negros
em 13% do território).

“Aos brancos, tudo; aos


negros, nada”.
• CNA (Congresso Nacional
Africano) – organização negra
que liderou resistência ao
Aparthaid (Nélson Mandela –
líder)
• 1950 – desobediência civil.
• 1960 – “Massacre de
Sharpeville” (69 negros mortos e
180 feridos).
• 1962 – ilegalidade do CNA
(Mandela é preso).
• 1980 – Campanhas internacionais
condenam o Aparthaid (sanções).
• 1984 – Revoltas populares intensificam-se
(ampla repressão). De Klerk
• 1989 – início da transição: Frederik de
Klerk
• 1990 – CNA recupera a legalidade e
Mandela é solto.
• 1994 – Revogação de leis racistas.
Mandela é eleito presidente.
Mandela presidente
Imagens
da África
Até a próxima aula!