Você está na página 1de 25

Mestrado em Educação Pré Escolar e Ensino do 1º Ciclo

Unidade Curricular: Didática da Linguagem Oral e Aquisição da Escrita


1º Ano, 2º semestre

Comunicar
no Jardim de
Infância

Discentes:
Docente: Carla Monteiro nº 16179
Cláudia Pinto nº 975
Inês Ribeiros 3, abril de 2017 Rosa Oliveira nº 3365
Comunicação

Processo ativo de troca de informação que envolve a codificação


(ou formulação), a transmissão e a descodificação (ou
compreensão) de uma mensagem entre dois, ou mais,
intervenientes.

Sim-Sim, 1998, p.21)


Falar e ouvir para comunicar

Do nascimento aos 4 meses, os primeiros contactos com a fala

As primeiras interações comunicativas das crianças iniciam-se muito precocemente,


Segundo, Sim- Sim, (2008) “o choro é a primeira forma de comunicação do recém-
nascido “ (pag.90). Através do choro, os bebés comunicam as suas necessidades, a
nível fisiológico e emocional.

Na perspetiva de Costa e Santos (2003) Comunicar não envolve apenas sons, os


bebés com poucos meses de idade conseguem associar expressões faciais e
movimentos da boca à emissão da fala. Sendo assim, devemos falar com os bebés,
desde cedo, pois eles estão atentos às nossas expressões faciais e são “esponjas
“que absorvem todo o que dizemos e ainda que não nos percebam serão capazes
“de utilizar os nossos sons, ritmos, entoações e expressões no processo de
descoberta da sua língua” (Costa e Santos, 2003, pag. 85).
- Uma criança que está entre os 0 e os 12 meses está no período pré-
linguístico (comunica chorando, rindo, palrando e repetindo sílabas
que ouve), entre 1 e 5 anos está no período linguístico (começa a
usar parte de palavras, palavras soltas e também palavras-chave) e
a partir dos 5 anos começa a construir frases simples, tentando
seguir a gramática (Azevedo, 2004).

- Com o passar do tempo, as crianças conseguem agrupar mais


elementos e dar maior complexidade às frases,
produzindo/compreendendo formações na voz passiva e utilizando
expressões de tempo e espaço. Aos 3 anos já conseguem produzir
frases mais complexas.
Falar e ouvir para comunicar

Os pais e familiares próximos, que são os primeiros professores da língua, devem


estimular a criança, proporcionando-lhe diferentes experiências.

Verbalizando as rotinas do dia-a-dia e a dar sentido às tentativas de vocalização das


crianças, responder às necessidades educativas da criança, e promover ambientes
ricos em comunicação, de modo a que a criança possa desenvolver as suas
capacidades comunicativas e adquirir competências linguísticas.

Ouvir uma história pela voz dos pais, é um momento de partilha, de prazer, de troca
de mimos e afetividade que aproxima pais e filhos, que pode ser iniciado desde muito
cedo pelo diálogo, pela história contada, pelo contacto pais-filho, ou educadora –
criança, pelo livro ao alcance da mão como qualquer outro brinquedo.
Atividades que fomentam a linguagem oral no contexto
familiar

Jogos de linguagem, tais como as canções, as adivinhas, as


rimas, os provérbios, os trava-línguas e as lengalengas, ouvir
uma história, promovem a imaginação, criatividade e a
participação social.
Comunicar no Jardim de Infância

“O ambiente educativo do jardim de infância constitui um dos contextos


privilegiados para o desenvolvimento das capacidades comunicativas e
linguísticas da criança, necessária a um futuro desempenho social e
académico com sucesso.” (Silva et al, 2008)
Comunicar no Jardim de Infância

- Reformular
- Expansão
- Repetição
- Aprovação e elogio
- Questionar
- Ouvir falar Estimular a
- Escutar comunicação oral
- Valorizar das crianças
- Fomentar o diálogo
- Facilitar a comunicação e o
desejo de comunicar
- Dar oportunidade de se exprimir
Comunicar no Jardim de Infância

O ambiente envolvente da
criança deve ser propício a
um bom desenvolvimento e
aquisição da linguagem oral.

A linguagem do • A criança alarga o seu


educador e outros vocabulário;
adultos constitui um • Constrói frases mais
modelo para a interação corretas e complexas;
e aprendizagem das • Adquire um maior domínio
crianças da expressão e
comunicação
Atividades sugeridas para promover o desenvolvimento
da linguagem oral e a iniciação à escrita

- Contato com falantes da sua língua;


- A criança deve ouvir ler;
- Conversar sobre o que foi lido;
- Manusear livros ou outro tipo de material escrito;
- A família deve incentivar a leitura e a vontade de aprender a ler;
- Criar clima de cumplicidade entre escola ↔ família;
- É necessário criar rotinas diárias de leitura;
- Favorecer o diálogo entre a criança ↔ adulto.
- Produzir e detetar rimas, canções, adivinhas, rimas, provérbios, trava-
línguas e a lengalengas
Desenvolvimento da consciência fonológica

Consciência fonológica é a capacidade para prestar atenção, identificar e


manipular os sons da fala. Para isso é necessário que a criança saiba:

• Juntar os sons da fala;

• Identificar sílabas e palavras;

• Que tenha capacidade de segmentar oralmente palavras e sílabas.


Cãozinho
Eu tenho um cão E não bebe leite
muito pequenino antes que se deite
que me cabe na mão na sua caminha ….
e não é ladino … e que coma açorda
só se põe a correr ninguém se recorda
se o seu menino …
lhe mexer… nem papa farinha …

Não come carne nem E sabem porquê?


peixe Ninguém adivinha?
mesmo que o deixe ….
nem trinca chocolates
bolos
como cães tolos … Sidónio Muralha, poema extraído da
nem come sopinha obra Bichos, bichinhos e bicharocos
por mais que lha dê ….
Cãozinho

Eu tenho um cão E não bebe leite


muito pequenino antes que se deite
que me cabe na mão na sua caminha ….
e não é ladino … e que coma açorda
só se põe a correr ninguém se recorda …
se o seu menino nem papa farinha …
lhe mexer…

E sabem porquê?
Não come carne nem peixe Ninguém adivinha?
mesmo que o deixe ….
nem trinca chocolates bolos
como cães tolos …
nem come sopinha
por mais que lha dê ….
Sidónio Muralha, poema extraído da
obra Bichos, bichinhos e bicharocos
Vamos ver o que aprendeste!!
1. Indique se as afirmações que se seguem são
verdadeiras ou falsas:
• A – Para dominar a língua materna a criança precisa apenas de desenvolver a
capacidade de se expressar oralmente.

• B – As capacidades comunicativas da criança desenvolvem-se


independentemente da qualidade das interações verbais.

• C – O educador de infância tem um papel fundamental, pois constitui-se como


modelo nas interações comunicativas.

• D – É importante criar oportunidades para que as crianças interajam com


diferentes interlocutores.
1. Indique se as afirmações que se seguem são
verdadeiras ou falsas:
• A – Para dominar a língua materna a criança precisa apenas de desenvolver a
capacidade de se expressar oralmente.

• B – As capacidades comunicativas da criança desenvolvem-se


independentemente da qualidade das interações verbais.

• C – O educador de infância tem um papel fundamental, pois constitui-se como


modelo nas interações comunicativas.

• D – É importante criar oportunidades para que as crianças interajam com


diferentes interlocutores.
1. Indique se as afirmações que se seguem são
verdadeiras ou falsas:
• A – Para dominar a língua materna a criança precisa apenas de desenvolver a
capacidade de se expressar oralmente.

• B – As capacidades comunicativas da criança desenvolvem-se


independentemente da qualidade das interações verbais.

• C – O educador de infância tem um papel fundamental, pois constitui-se como


modelo nas interações comunicativas.

• D – É importante criar oportunidades para que as crianças interajam com


diferentes interlocutores.
1. Indique se as afirmações que se seguem são
verdadeiras ou falsas:
• A – Para dominar a língua materna a criança precisa apenas de desenvolver a
capacidade de se expressar oralmente.

• B – As capacidades comunicativas da criança desenvolvem-se


independentemente da qualidade das interações verbais.

• C – O educador de infância tem um papel fundamental, pois constitui-se como


modelo nas interações comunicativas.

• D – É importante criar oportunidades para que as crianças interajam com


diferentes interlocutores.
1. Indique se as afirmações que se seguem são
verdadeiras ou falsas:
• A – Para dominar a língua materna a criança precisa apenas de desenvolver a
capacidade de se expressar oralmente.

• B – As capacidades comunicativas da criança desenvolvem-se


independentemente da qualidade das interações verbais.

• C – O educador de infância tem um papel fundamental, pois constitui-se como


modelo nas interações comunicativas.

• D – É importante criar oportunidades para que as crianças interajam com


diferentes interlocutores.
2. Enumere dois instrumentos de trabalho que poderão ser usados
para apoiar momentos de comunicação numa sala de educação
pré-escolar.

• provérbios,
• lengalengas,
para trabalhar competências (desenvolvimento da competência articulatória, o
alargamento do vocabulário e a compreensão do funcionamento da língua)
3. Enumere três jogos didáticos onde se desenvolvam as
competências comunicativas.

• 1º - a partir de diversos cartões com imagens, as crianças terão que fazer uma
sequência com as imagens e contar a história que construiu.

• 2º - jogo das palavras que rimam: a educadora mostra imagens e pede que digam
uma palavra que rime com aquela imagem. A partir das palavras ditas pelas
crianças, cada criança constrói uma frase com duas palavras que rimem e faz um
desenho. Depois do desenho constituem-se grupos de 4 crianças/desenhos, e
com base nos 4 desenhos constrói-se uma história.

• 3º - construção de história. iniciada pela educadora e continuada pelas crianças


4. Descreva uma atividade pedagógica onde se desenvolva a
capacidade de saber ouvir.

• num debate; recontar uma história encarnando uma personagem


dessa história
5. Descreva uma atividade pedagógica onde se desenvolva a
capacidade de saber expressar-se

• Dramatização:

Após uma visita de estudo, imaginar que estão numa estação de televisão e
cada criança assume um papel: produtor, apresentador de meteorologia, de
trânsito, de programas de televisão, pivô, jornalista, entrevistador,
entrevistado.
Conclusão
Começamos a comunicar através da linguagem não-verbal, passando a pouco e poupo a utilizar
linguagem verbal oral de forma mais extensiva e complexa.

É importante o educador selecionar e implementar estratégias, com vista ao desenvolvimento de


competências de compreensão e expressão oral desde o pré-escolar.

-Existe uma relação positiva entre o conhecimento do nome das letras no final do jardim-de-infância e
a aprendizagem da leitura no ano seguinte, mas somente, se esse conhecimento decorrer de
vivências complexas e integradas em torno da literacia e de uma verdadeira reflexão sobre a escrita e
o seu funcionamento.

- Qualquer aprendizagem sobre as letras, para as crianças em idade pré-escolar, requer que as
crianças estejam envolvidas com a escrita, sintam vontade, iniciativa e prazer e sejam desafiadas a
explorar.

- O grande objetivo da educação pré-escolar deve ser o de proporcionar oportunidades, para que
todas possam ir explorando a escrita, brincando com a escrita, refletindo sobre a escrita e as suas
convenções, de uma forma contextualizada, funcional e portanto significativa.
Referências Bibliográficas

- Costa, J. e Santos, A. (2003). A Falar como os bebés – O Desenvolvimento


Linguístico das crianças. Lisboa: Caminho.

- ME. (2017). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa:


Ministério da Educação – Departamento da Educação Básica.
- SIM-SIM, I.; SILVA, A. & NUNES, C. (2008). Linguagem e Comunicação no
Jardim- de-Infância – Textos de Apoio para Educadores de Infância. Lisboa:
Ministério da Educação.
- Azevedo, J. (2004) A activação do desenvolvimento e a linguagem.Disponível em
www.monografias.com. Acedido em 28 de Abril, de 2017.

Você também pode gostar